Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Uma Espiadela em Baixo da Saia da Sociedade III: Brasil, o país da alegria ou pesadelo nietzscheano


"morrer de sede no mar é terrível. Por que haveis então de salgar a vossa verdade de modo a que não mate já a sede" (Nietzsche).
Lembro-me de um comercial da "Garoto" onde um menino prendia um espelho em seu sapato para poder olhar de baixo da saia da professora. É com este olhar fetichista dos eventos de nossa vida cotidiana, que retorno a esta série de postes.
Estes dias estava vendo uma entrevista da Ivete Sangalo, uma figura amada por muitos, sempre tão alegre, pregando sua doutrina - A vida é um eterno Carnaval, não é de se estranhar que Ivete receba tantos aplausos.
Se você observar em qualquer mídia, ou em uma conversa casual com uma pessoa que tenha passado um tempo fora do Brasil ela responderá, ao ser questionada sobre os hábitos de outros povos, que nenhum outro país é tão hospitaleiro e alegre como o Brasil, esta é nossa maior virtude, mais ainda é um pré-requisito para ser brasileiro, diria que é quase uma obrigação.
Não estou defendendo a frieza ou a indiferença, este Blog é a prova de que o bom humor é fundamental em nosso dia a dia, mas até que ponto este bom humor que estamos falando é assim tão saudável? Farei um breve interlúdio:
Recentemente assisti a "Seven Os Sete Crimes Capitais (na verdade eu assisti este filme umas dez vezes) em um determinado momento da trama os detetives vividos por Morgan Freeman Brad Pitt estão em um bar discutindo sobre a sociedade em que eles vivem, a personagem de Freeman comenta sobre a apatia. Segundo ele a apatia rege as pessoas daquela cidade "Nova Iorque): "É mais fácil ignorar seus problemas do que encara-los, espancar uma criança do que educa-la. Vítimas de estupro são ensinadas a gritar 'fogo' pois se gritarem 'socorro' ninguém irá ajuda-las" diz o detetive vivido por Freeman.
Existem diferenças entre a sociedade em que Seven se passa e a nossa, assim como o fruto destas sociedades, mas algo está vigente A APATIA, o mundo contemporâneo caracteriza-se pela fuga da dor, não me refiro a dor física mas a emocional, as pessoas evitam laços afetivos mais profundos, evitam serem senhores de si. Na sociedade de Seven a apatia pari psicopatas, nossa sociedade pari falsa felicidade, resultando em uma obrigação social de contentamento. Rimos como idiotas e sabemos disto. Também criamos eventos que proporcionam uma paixão. Alguém já parou para pensar por que o futebol é tão amado pelos brasileiros? Por que tanta paixão? Dois exemplos recentes: Na vitória do Corinthians sobre o Fluminense um torcedor comentou "todos os times tem uma torcida, nós somos uma torcida que tem um time", nada contra o futebol ou o Corinthians. Outro exemplo é vinculado programa "Pânico na TV!" entre as matérias surge um torcedor falando "Ronaldo" (o já famoso "Zina"), não importa o assunto abordado ou o momento do programa. O Zina surge diante das câmeras e fala "Ronaldo". Este é o único assunto abordado. Joé sarney, Revolta em Heliópulis, Mensalão nada importa, vemos estas notícias, ficamos indignados e vamos dormir, mas é só nosso time do coração perder duas partidas seguidas que nos revoltamos exigindo uma ação - eles que não se atrevam a retirar nossa desculpa para sorrir.
Uma equação básica: sem dor não há sofrimento; sem sofrimento não há contemplação e sem contemplação não há mudança. A final de contas não é disto que trata-se o amadurecimento? Este não é um quadro novo Nietzsche criticava bebidas alcoolicas e a religião justamente por que estas impediam a contemplação do sofrimento, eram distrações temporárias. Meu texto pode estar confuso e repetitivo (na verdade espero que ele esteja assim) isto por que vivemos em um labirinto forjado por um mundo frustrante o qual impede qualquer manifestação criativa em quem nele se deixa aprisionar.
No filme Seven a personagem de Freeman termina a conversa dizendo: "sou simpático, simpatizo com o que acontece e não faço nado". Em certo ponto todos somos simpáticos a insensibilidade que rege nosso mundo contemporâneo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...