segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O cinema terrorífico: As escolas do horror


O gênero terrorífico já soma mais de cem anos, neste tempo ele passou por mudanças em épocas e países diferentes, antes de falar especificamente sobre o cinema de terror irei falar sobre algumas de suas escolas
Evidentemente que a primeira escola é a americana, nascida com os monstros da universal o terror americano optou por monstruosidades, posteriormente a imagem dos monstros foram substituídas por assassinos. Nos anos oitenta estas duas figuras fundiram-se nos serial killers imortais como Michael Miers, Jason ou Freddy Kruegger.
A sensualidade sempre esteve presente no terror estadunidense, sejam nas mocinhas indefesas das produções monocromáticas "O monstro da lagoa negra" ou "O Fantasma da Ópera" atingindo seu auge na década oitentista onde estabeleceu-se a figura da Screan queen - uma personagem feminina sensual, que sempre expunha os seios nus e acabava morta pelo assassino. Esta sensualidade retornou na década 2000 com o "Torture porn" estilo terrorífico de extrema violência e sadismo aliado com nudez e erotismo. O representante mais famoso deste subgênero chama-se "Eli Roth" diretor de "O Albergue" e "cabana do inferno".
Os americanos também investiram no "terror psicológico" porém o número destas produções é menor comparada com o "terror explícito" destacam-se títulos como "Inverno de sangue em Veneza" e "o bebê de Rosemary" (o filme é americano, mas o diretor é franco-polonês).
Sempre que o terror americano entrou em crises de criatividade as escolas europeias encontraram brechas para crescer no mercado, foi assim na década de 70 quando a produtora inglesa "Hammer" recriou os monstros da universal com muito mais violência e erotismo do que as versões B&P destacando Cristopher lee - o ator que mais vezes interpretou "Dracula", Peter Crush e Donald Please (O Dr. Loomis de Halloween).
As produções da Hammer eram todas de baixo orçamento, com elencos amadores, a produtora compensava os defeitos técnicos com atores do teatro como protagonistas, muita violência e "coelhinhas da playboy" nos papéis femininos principais. O terror inglês não se restringe a Hammer, na virada das décadas de 90 para 00 o terror inglês retornou, desta vez mais primitivo com produções como "o buraco", "Cães de caça" e "O olho que tudo vê" - todos excelentes.
O terror italiano vagou entre o suspense influenciado por Alfred Hitchcok e o "Slasher movie" (onomatopeia referente ao som do sangue respingando) filmes com pouco enredo com assassinato de cinco em cinco minutos, o principal nome do cinema italiano é o diretor Dario Argento, o qual privilegia a linguagem visual e violência intensa em detrimento da trama, seguindo a tendência de que o cinema deve, antes de tudo, atingir o emocional de seu público. Para o cinema de Argento a racionalidade atrapalha. Seus ângulos de câmera e sequências criativas "Um boneco de corda em escala real (prelúdio para matar); a trilha sonora que interage com as personagens e com o público (Suspira); uma bruxa devastando Roma (A mãe das lágrimas) ou corvos protegendo uma cantora (Terror na Ópera).
Os franceses vêm surpreendendo na ultima década ao misturarem violência extrema, muita tensão e a tradicional narrativa francesa. São filmes com personagens muito bem construídos e situações apavorantes filmadas de tal forma que você não vai conseguir tirar os olhos da tela. Os principais títulos são "Mártires" - é impossível escrever sobre este filme sem estragar a surpresa; "Eles" sobre um casal aterrorizado por delinquentes em sua casa (o filme "Os Estranhos" conta a mesma história só que é muito inferior); "A Invasora" - sobre uma mulher grávida ameaçada por outra mulher que quer retirar o seu bebê e por fim "Vertigem" sobre um grupo de amigos que decide escalar uma montanha isolado, este filme é baseado em fatos reais.
No início da década 2000 o terror asiático surgiu com toda força, o excesso de títulos e a não seleção dos mesmos desgastaram o mesmo no brasil.
O terror japonês ainda é o principal representante deste gênero e mantém os melhores títulos lançados por aqui. O terror japonês divide-se em dois subgêneros o principal deles é o terror de fantasmas - geralmente mulheres com longos cabelos negros encobrindo seu rosto, figura vinda do teatro, com poucos ou nenhum efeito computadorizado, preferindo uma trilha sonora e truques de sonoplastia como ruídos indiscriminados. Este gênero privilegia o clima - assim sendo 80 minutos do filme são dedicados a contar a história, preparando o clímax que ocorre nos últimos 10 minutos - os melhores títulos são a trilogia "Ring - O Chamado", os dois "Ju-On" (lançado no brasil como Ju-On O Grito) e "Uma chamada perdida" (todos possuem refilmagens extremamente inferiores e devem ser ignoradas, principalmente "Uma chamada perdida").
O outro subgênero do terror japonês é o extremo oposto da subjetividade, trata-se do exploitation um terror extremo que supera o Underground com tramas que subvertem as normas da cultura e revelam o extremo do humano, dentre os quais estão excepcional "O Pacto" (Suicide club) sobre uma onda de suicídio em Tóquio, "O Portal de ressurreição" (Versus) Yakuzas enfrentam zumbis em uma floresta amaldiçoada e o clássico de Takeshi Miike (um dos melhores diretores desta nova geração) "Ichi o assassino", é simplesmente impossível resumir este filme. o exploitation abusa do sangue e da sexualidade como são os casos de "Sexual Parasite The Killer Pussy" e "Big tits zombie".
A escola coreana assemelha-se a japonesa com objetos ou casas assombradas, porém os coreanos optam pela construção das personagens em detrimento da trama, sendo assim temos filmes onde as assombrações são catalisadores dos conflitos psicológicos das personagens. Destacam-se o ótimo "Medo" (A tale of two sisthers) sobre duas irmãs que retornam para casa após longa internação em hospital psiquiátrico, ao longo do filme as personagens vivem alterando sua personalidade a fim de revelar um terrível segredo e o bom "Sapatos vermelhos" sobre um par de sapatos amaldiçoados.
Por fim temos a escola tailandesa, das asiáticas esta é a mais fraca, 100% de seus roteiros apoiam-se na religião budista - um espíritos que não conseguem descansar e um segredo não revelado, apenas um título do cinema tailandês merece destaque o aterrorizante "Imagens do além" (com uma péssima refilmagem de mesmo título), sobre um fotógrafo perseguido pelo espírito de uma mulher, a cena em que os protagonistas vêem fotos de espíritos vai fazer você ficar acordado por noites a fio.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010 - Cultura geral


Chegamos na ultima parte da retrospectiva 2010 com pequenos comentários sobre o que mais chamou à atenção neste ano:

O melhor:

2010 foi o ano das loiras começou com Ana Hickmann e terminou com Juliana Salimeni (Juju Paniquet) - eleita a mulher mais sexy do mundo, convenhamos ela merece, seu corpo parece ter sido esculpido pelo próprio demônio. Enquanto que a loira de Record tornou-se ela mesma uma marca a ponto de sua presença na emissora ser tão importante que supera a baixa audiência de seu programa.
A Espanha consolidou-se como potência esportiva dominando quase todos os esportes que participa, uma das exceções foi a Fórmula 1, vencida pelo alemão Vetel da Red Bull em um dos campeonatos mais disputado desde o fim da era Senna/Proust/Mansel (porém sem talentos similares).
Na política São Paulo mandou uma mensagem para o PT "aqui esta corja não entra" o paulistano provou que não se vende, de quebra o segundo melhor governador da história de São Paulo está de volta Geraldo Alckmin irá assumir em Janeiro para mais oito anos de mandato (lógico que ele será reeleito). Para quem ficou curioso o melhor da história foi Mário covas.
Aécio Neves consolida-se como o principal nome da oposição e irá fazer muito barulho no senado, além de ter promovido uma das mais sensacionais viradas da história da política. As relações internacionais do brasil deram uma azedada, os líderes mundiais descobriram (com atraso) quem é o Lula.
A psicanálise ameaça entrar em moda com a minissérie global de qualidade mediana "Afinal o que querem as mulheres" e com a participação de um psicanalista na novela das oito.
Nunca na história deste país (desculpem pelo trocadilho) os amantes da cultura pop foram tão felizes a quantidade de mangás lançados é inédita desde séries completas, títulos mais ousados (como Tenjho Tenge) até edições únicas que fogem completamente do "gosto popular" (se é que gosto popular existe) como o caso de 1 litro de lágrimas. 2010 foi o ano em que a Paris filmes trouxe "Evangelion: Você (não) está sozinho" para o brasil em uma edição dupla e caprichada.
Os Comix continuam fortes e tivemos o filme "Homem de Ferro 2" - um pouco inferior ao primeiro mas ainda muito bom com as menções aos filmes de Capitão América e Tor. E a Conrad lançou a terceira edição de "Fritz the cat" de R. Crumb.
Mel Gibson retornou para frente das câmeras com o ótimo "O fim da Escuridão". O terror francês deu as caras com "Vertigem"; por falar em terror temos dois pseudo-comentários: "Atividade paranormal" e "Contatos de 4 Grau".

O pior:

Se é verdade que os homens preferem as loiras, as morenas escolheram as representantes erradas. A musa da copa, a paraguaia, Larissa Riquelme tem cara de rato. A outra morena que se destacou foi a panicat Nicole Bahls. Diferentemente de Juju, Nicole é feia, tem voz de homem, é sem graça e extremamente vulgar. Para piorar a situação a garota fez uma das playboys mais sem graça da história. Por falar em playboy Larissa Riquelme protagonisou a capa mais feia dos últimos anos da revista.
Na F1 os brasileiros passaram vergonha, Massa protagonizou uma choradeira sobre injustiça, mas devemos lembrar que na época em que Massa corria pela Sauber ele recebeu uma ordem de dar passagem para seu então companheiro de equipe Heidfeld e ignorou a ordem, nesta temporada ele mudou de ideia. Digamos apenas que 2010 foi o ano em que Felipe Massa virou o Rubinho. Por falar neste Barrichello provou mais uma vez que é um fracassado Já Lucas di Gassi e Bruno Senna não tiveram nem oportunidade de mostrar serviço.
Na política o rebanho mostrou-se numeroso, os animais que se vendem por pouco elegeram a Dilma em uma das campanhas mais vergonhosas (de ambos os lados) da história. Nunca na história deste país houveram tantas ofensas, farsas e mentiras na TV. Como consequencia desta eleição tivemos uma leve onda de preconceito contra nordestinos.
Os amantes da cultura pop tem todos os motivos do mundo para invadir a sede do Animax e atear fogo em seus executivos, o canal que no mundo civilizado exibe animes tornou-se um canal de seriados aqui nesta pocilga que chamamos de brasil.
Os dois filmes baseados em vídeo games do ano "Teken" e "The King of fighters" são sofríveis, Jhona Hex foi lançado diretamente em DVD e para piorar Quentin Tarantino não lançou nada neste ano.

Entre 2009 e 2010 tivemos o Bum de "Avatar" aqui James Cameron dos ótimos "Exterminador do Futuro 1 e 2"; "Aliens o Resgate" e "True Lies" refilmou "Dança com Lobos" e pintou os índios de azul. Para piorar ele popularizou o 3D foi outra praga, graças a nova tecnologia (desenvolvida na década de 70) os efeitos ficaram mais importantes do que os filmes.

Em 2010 Tim Burton errou feio em seu Alice lá quase nada funciona desde sua esposa como rainha vermelha até Jhonny Deep está er... "normal" apenas o gato risonho se salva, o que é pouco em se tratando de um gênio como Burton.
O jornalismo brasileiro nunca esteve tão sanguinolento a Record exibe cenas de cadáveres no horário do almoço enquanto Percival comenta o óbvio ressaltando a (falta de) inteligência de seus espectadores.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

A verdadeira classe excluída ou torcendo contra o Bahia


O brasil está dividido de um lado as pobres vítimas indefesas a "nova classe média" do outro seres cruéis, habitantes das trevas que se alimentam do sangue de bebês a "classe média". Parece exagero? Continue lendo.
Hoje quando cheguei do consultório liguei a TV n ESPN onde estava passando um especial do Bahia que retornou para à primeira divisão quando um torcedor entrevistado diz que a torcida do Bahia representa a parte mais pobre de seu estado que quase nunca sorriem enquanto o Vitória representa a classe média que vive sorrindo. Perceberam agora?
Já faz algum tempo que nós da classe média (a original) somos maltratados, repudiados pelo governo e por parte de mídia. Virou crime conquistar nossos bens através do trabalho e da dedicação. Se você, amigo leitor, não tiver passado fome na infância, não tiver carregado balde na cabeça por falta de água encanada então você não merece atenção. A classe média é a verdadeira classe excluída.
Até quando vamos continuar sendo achincalhados? Bom de certa forma nós temos culpa, e muita culpa, nesta história. Quantas caixinhas você deu neste fim de ano? Quantas pessoas desta "nova classe média" você ajudou? De todos os veículos da mídia que nos ofendem quantos você acompanha? Quantos programas da Rede Record você assistiu este ano? Você compra a "Isto É" ou a "Carta Capital"? Você votou em algum petista (agenciadores do rebanho"? Pois bem ai está a resposta para a pergunta que inicia este parágrafo.
Os símbolos são mais poderosos do que palavras sugiro um símbolo, vamos torcer contra o Bahia, ao final de 2011 me comprometo com um tópico comemorando o rebaixamento do time do rebanho baiano. Este será um símbolo, uma mensagem contra o rebanho de que nós não estamos apanhando em silêncio.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Calendário 2011

Nesta época do ano colecionamos calendários. Aqui não poderia ser diferente, baseado nos calendários da Pirelli eu inauguro aqui o calendários dos "deuses mortos" - tudo em que eles estão meio "toscos" mas dá para aproveita-los. Basta clicar sobre a imagem e copia-las em seu computador.

Atrizes do calendário:

Jan - Moon Bloodgood
fev - Chiaki Kuriyama
mar - Maggie Q
abr - Kitagawa Keiko
mai - Shu Qi
jun - Devon Aoki
jul - Vicki Zhao
ago - Aya Ueto
set - Lucy Liu
out - Gianna Jun
nov - Yukie Nakama
dez - Zhang Ziyi
























quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O brasil está morto - Desabafo de Luis Nassif


Boa tarde amigos, segue a baixo a carta aberta escrita pelo jornalista Luis Nassif entitulada "Elite privilegiada". Não fiz nenhum tipo de alteração ou comentário. Abrem aspas:

Elite privilegiada



Muitos se dizem aviltados com a corrupção e a baixeza de nossos políticos.

Eu não, eles são apenas o espelho do povo brasileiro: um povo preguiçoso, malandro, e que idolatra os safados. É o povo brasileiro que me avilta! Não é difícil entender porque os eleitores brasileiros aceitam o LULA e a quadrilha do PT como seus líderes. A maioria das pessoas deste país faria as mesmas coisas que os larápios oficiais: mentiriam, roubariam, corromperiam e até matariam. Tudo pela sua conveniência.

Com muitas exceções, os brasileiros se dividem em 2 grupos :

1) os que roubam e se beneficiam do dinheiro público, e

2) os que só estão esperando uma oportunidade de entrar para o grupo 1.

Por que será que o brasileiro preza mais o Bolsa Família que a moralidade?

Fácil: Com a esmola mensal do bolsa família não é preciso trabalhar, basta receber o dinheiro e viver às custas de quem trabalha e paga impostos.

Por que será que o brasileiro é contra a privatização das estatais?

Fácil: Em empresa privada é preciso trabalhar, ser eficiente e produtivo; senão perde o emprego. Nas estatais é eficiência zero, comprometimento zero e todos a receber o salário garantido, pago com o imposto dos mesmos idiotas contribuintes.

Para mim chega!

Passei minha vida inteira trabalhando, lutando e tentando ajudar os outros.

Resultado: hoje sou chamado de 'Elite Privilegiada’.

Hoje a moda é ser traficante, lobista, assaltante e excluído social.

Por isso, tomei a decisão de deixar de ser inocente útil, e de me preocupar com este povo que não merece nada melhor do que tem.

Daqui pra frente, mudarei minha postura de cidadão.

Vou me defender e defender os direitos e interesses da nossa 'Elite Privilegiada'

1) ao contrário dos últimos 20 anos, não farei mais doações para creches, asilos e hospitais. Que eles consigam os donativos com seu querido 'governo voltado para o social'.

2) Não contribuirei mais com as famosas listinhas de fim de ano para cesta de Natal, de porteiros manobristas, faxineiros e outros (O ABILIO TINHA RAZÃO). Eles já recebem a minha parte pelo Bolsa-Família.

3) Não comprarei mais CDs e não assistirei a filmes e peças de teatro dos artistas que aderiram ao Lulismo (lembra, tem que por a mão na merda!).

Eles que consigam sua renda com as classes C e D, já que a classe média que os sustentou até hoje não merece consideração.

4) Não terei mais empregados oriundos do norte-nordeste (curral eleitoral petista). Por que eles não utilizam um dos 'milhões de empregos gerados por este governo'?

5) Depois de 25 anos pagando impostos , entrarei no seleto grupo de sonegadores. Usarei todos os artifícios possíveis para fugir da tributação, especialmente dos impostos federais (IR). Assim, este governo usará menos do meu dinheiro para financiar o MST, a Venezuela, a Bolívia e as 'ONG´s fajutas dos amigos do Lula'.

6) Está abolida toda e qualquer 'gorjeta' ou 'caixinha' para carregadores, empacotadores, frentistas, e outros 'excluídos sociais'. Como a vida deles melhorou MUITO com este ' governo de esquerda', não precisam mais de esmolas.

7) Não comprarei mais produtos e serviços de empresários que aderiram ao Lulismo. É só consultar a lista da reunião de apoio ao Lula, realizada em setembro/06. Como a economia está 'uma beleza', eles não estão precisando de clientes da 'Elite Privilegiada' .

8) As revistas, jornais e tv´s que defenderam os corruptos em troca de contratos oficiais estão eliminadas da minha vida (Isto É, Carta Capital, Globo, etc). A imprensa adesista é um 'câncer a ser combatido'. As TV´s que demitiram jornalistas que incomodaram o governo (lembra da Record com o Boris Casoy?) já deixaram de ser assistidas em casa.

9) Só trabalho com serviços públicos privatizados. Como a 'Elite Privilegiada' defende a Privatização, usarei DHL ao invés dos Correios, não terei contas na CEF, BB e outros Órgãos públicos corruptos.

10) Estou avisando meus filhos : namorados e namoradas petistas serão convidados a não entrar em minha casa. E dinheiro da mesada que eu pago não financia balada e nem restaurante com petista. Sem negociação.

11) Não viajo mais para o Nordeste. Se tiver dinheiro, vou para o exterior, senão tiver vou para o Guarujá. O Brasil que eu vivo é o da 'Elite Privilegiada' , não vou dar PIB para inimigo.

12) Não vou esquecer toda a sujeira que foi feita para a reeleição do 'Sapo Barbudo', nem os nomes dos seus autores. Os boatos maldosos da privatização ( Jacques Wagner, Tarso Genro, Ciro Gomes), a divisão do Brasil entre ricos e pobres ( Lula, José Dirceu), a Justiça comprada no STF (Nelson Jobin), a vergonha da Polícia Federal acobertando o PT (Tomás Bastos), a virulenta adesão do PMDB (Sarney, Calheiros, Quércia), a superexposição na mídia do Lula (Globo).

Sugiro que vocês comecem a defender sua ideologia e seu estilo de vida, senão, logo logo, teremos nosso patrimônio confiscado pela 'Ditadura do Proletariado' .

Estou de luto! O meu país morreu!

- EU DESISTI DO BRASIL!!!

Luis Nassif

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010 - Futebol


2010 está acabando, como todos os anos este teve altos e baixos irei tecer rápidos comentários sobre o que valeu a pena e o que nos envergonhou como representantes da raça humana. Começando pelo futebol:

O melhor:

2010 foi o ano da COPA do mundo, graças ao evento desportivo o mundo pode conhecer mais sobre a África e a luta de Nelson Mandela, tivemos uma final inédita, a vitória do futebol arte, 2010 foi o ano da fúria, foi o ano em que o Uruguai impos o respeito que um bi-campeão merece. Foi o ano de darmos risada com os comentários mordazes e cortantes de Dunga que irritaram alguns repórteres frescos.
2010 também foi o ano do centenada corintiano o time dos traficantes e pagodeiros perdeu tudo o que disputou: copinha; carnaval; paulistinha; Libertadores (o mais engraçado do ano) e Brasileirinho.
Este foi o ano do técnico português José Mourinho, sem dúvidas o melhor técnico do mundo. Ao levar a Internazionalle ao título europeu ourinho mostrou uma uma grande defesa pode ser uma obra de arte, este supercampeão ainda contou com o maestro holandês Snejider e o artilheiro Milito.

O pior:

Ainda falando da Copa do mundo pudemos ver de perto a ditadura da FIFA e a hipocrisia de um governo popular que isola seus membros mais humildes em escolas de lata isolados da sociedade e dos olhos dos turistas/mídia mundial. Esta foi a Copa do Felipe Melo; do boicote ao Dunga; do Denilson na Band (quem deu um microfone para este cara?); foi o ano em que a UEFA Chapions Leagle ficou mais burocrática.
2010 foi o ano das farras dos estádios, o ano em que governos negligenciaram direitos básicos da população em detrimento de elefantes brancos cujo único objetivo é o lucro.
Foi o ano em que a fraude (Ronaldinho gaucho) volta a sujar a camisa da Seleção Brasileira com seu malabarismo.
Em 2010 os novos meninos da vila ensinaram que o futebol arte ainda existe, infelizmente o Santos mostrou o que uma criança mimada pode fazer; foi o ano em que o Flamengo deu as costas para seu maior ídolo boicotando a carreira de dirigente do Zico (que infelizmente é muito mais respeitado no Japão do que no Brasil).

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

psicanálise + animes II: Black Lagoon


Black Lagoon (o nome de uma lancha torpedeira) é um anime curioso começando por suas personagens. Aqui não existem heróis apenas vilões, não existem causas a serem protegidas, apenas dinheiro a ser ganho e por fim não existem grandes batalhas, apenas o gosto por sangue. A final este é um anime sobre pirataria moderna.
Vamos começar pela história Rokuro ou Rock (apelido recebido pelos piratas) era um executivo japonês até ser sequestrado pela tripulação do Black Lagoon, mais especificamente por Ravy, uma das maiores psicopatas da história dos animes, mas falo dela depois. os piratas queriam um CD que estava com Rock, o executivo foi apenas um brinde, a empresa para a qual trabalha preocupou-se apenas com o CD deixando Rock para morrer. Abandonado pela empresa em que acreditava e desejando abandonar a sociedade Rock junta-se aos piratas.
Os piratas vivem em uma cidade fictícia onde todos os criminosos se reúnem, todos não, apenas os piores criminosos, a polícia é corrupta, os dias são marcados por tiroteios entre desafetos, cuja ordem é mantida pelas máfias - em especial a chinesa e a russa (dois dos principais clientes dos piratas), esta cidade é definida apenas como "um bom lugar para se viver".
Black lagoon existe no mundo dos mais fortes, a margem da sociedade, onde as leis foram renegadas. Este é o mundo da auto-destruição da busca pelo prazer a qualquer custo. O Tabu é mantido pelos criminosos mais fortes, para ser o líder é necessário matar os mais fortes, no caso os mafiosos, Em especial Balalaika, líder do Hotel Moscow (a máfia russa) uma ex-militar, treinada para a guerra fria.
Voltando aos personagens principais. já falei de Rock, a outra protagonista é Revy uma novaiorquina de origem chinesa, na infância ela tornou-se assassina, para poder viver, Revy cresce neste mundo e diverte-se em tiroteios, explodindo barcos e fuzilando pessoas, principalmente quando são tão fortes quanto ela, mas Revy também gosta de matar inimigos rendidos, atirando neles pelas costas.
Revy é uma personagem fascinante, ela é fruto do drinque perfeito entre o ridículo e o asco: gostosa até não poder mais, andando sempre com o botão do shorts aberto, totalmente inconcequente e capaz de destruir uma frota inimiga sozinha ela seria uma personagem ridícula, se não fosse seu passado trágico, seu gosto por sangue e sua agressividade que a tornaria asquerosa, oras ela é uma assassina fria e calculista, a mistura destas características a tornam fascinante, ela vai ao mundo bestial, onde todos sonham ir, ela desperta o desejo, mas ao mesmo tempo nos ameaça. Poderíamos traduzir seu inconsciente em palavras: "pode vir para minha cama durante a noite, mas você morrerá antes do amanhecer".
Rock vive o dilema de Hammlet, embora tenha unido-se aos piratas ele não se decide por qual caminho seguir, o anime usa a metáfora do dia e da noite, Rock é descrito como alguém que está no entardecer. A dinâmica de Rock incomodou Revy, a ponto dela tentar mata-lo, o motivo é muito simples Revy ama Rock, porém o fato dele guardar vestígios do dia impede seu relacionamento - Se Rock retribuir o amor por Revy ele estará entrando na noite, se Revy entregar-se para Rock ela abandonará as trevas e isto significa ser esmagada por todos os seus crimes, a final eles só podem existir nas trevas.
Houve um beijo simbólico entre os dois, Revy estava irritada com Rock, tentando expulsa-lo, Rock por sua vez desarma todas suas defesas ao dizer que sua preocupação era ver Revy ser consumida pela ambição e ignorar a vida humana, como seu chefe, notem que Rock estava falando com uma assassina, porém ele vê o lado humano de Revy, aquele que não pode habitar a noite, isto é suficiente para quebrar as defesas da pirata, aquilo que Revy deseja esconder foi descoberto e exposto, ao final deste episódio ela pede para Rock acender seu cigarro com o dele, ambos seguravam seus cigarros com a boca, seus olhares se cruzam, o beijo é dado com a ponta dos cigarros, é um beijo venenoso, tão mortal como o universo em que estas personagens vivem.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Mini conto O ministério de Dilma 05: Alianças Sinistras pt. 2


Dentro do castelo assombrado, localizado no topo de uma montanha sem vida, de solo árido e noite perpétua, encontrava-se a sede do PT. Lula sentava-se em seu trono de crânios humanos localizado na cabeceira da mesa de reuniões, ao seu lado direito estavam Dilma e Marta do lado Esquerdo estavam Zé Dirceu e Genuíno compunham a mesa. Netinho estava no chão espancando a moça do café.
- Muito bem cumpanheiros - começa lula - agora que nóis termino de distribuir os ministérios pêemedebistas, chegou a vez dos nossos cumpanheiros de luta.
- Vamos para luta? - pergunta Dilma sacando sua arma - quem vamos sequestrar?
- Já falei que a nossa nova arma é a mídia, nóis usa a rede Record do cumpanheiro Crivela, para lutar em nosso favor.
- Então?
- Temos alguns membros muito queridos do partido que estão desempregados e merecem nossa atenção - interrompe Marta - eu trouxe alguns amigos pessoais.
Abrem-se as portas da sala de reuniões, entram O Monstro da Lagoa Negra, A Cuca e o genocida Pol Pot.
- O Pol Pot não estava morto? - Zé Dirceu espanta-se.
- É que o PT costuma ressuscitar fantasmas, não é verdade companheiro Dirceu?
- Muito bem - conclui Lula - mas o cumpanheiro Pol Pot não é brasileiro, ele..., sei lá que porra ele é.
- Mas ele é da classe trabalhadora - explica Marta - assim como eu.
- Tudo bem, temos que escolher os ministérios da base aliada, o próximo partido é o PR.
Neste momento Tiririca pula dentro da sala tapando os olhos.
- Adivinha quem é? O abestado!
FIM

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Contra a Higienização nos estádios de futebol


Estão querendo higienizar os estádios de futebol, mas o que isto quer dizer? Com a aproximação da Copa do Mundo a CBF, que nunca prestou atenção nos clubes, estádios e arbitragem, tem a ideia de transformar o estádio de futebol em um teatro, onde todos assistirão aos jogos sentados e bem comportados.
Antes de mais nada quero deixar claro eu NÃO SOU CONTRA instituir cadeiras numeradas onde o torcedor terá seu lugar reservado. Não é esta a intenção da CBF. A instituição máxima do futebol brasileiro visa reformular os estádios e "banir" o público habitual dos estádios na Copa do Mundo cobrando preços exorbitantes para as partidas, elitisando assim o esporte, pois segundo Ricardo Teixeira esta é a melhor forma de impedir a violência nos estádios.
Entenderam agora? A CBF irá afastar o público do futebol em pró da Copa do Mundo, vimos algo semelhante no PAN onde o governo carioca (pemedebista/petista) trancafiou os moradores dos morros e os impedindo de conviver com os turistas - sim, o mesmo governo do PT que prega os favelados como únicos detentores da cultura e merecedores de benefícios os impediu de apreciar o PAN. Na África do Sul o governo trancafiou a população mais miserável em "cidades de lata" criadas na época do Apartheid para isolar os miseráveis dos turistas, resta saber o que irá acontecer em 2014.
Voltando aos estádios a CBF diz reformar/construir estádios segundo o modelo europeu, o que não é verdade lá existem lugares numerados, o torcedor é bem tratado, mas também existem faixas do estádio para todos os bolsos. O torcedor do camarote é tão bem tratado como o torcedor da arquibancada que canta e vibra. A torcido da arquibancada do Bayer de Muniche, por exemplo, assiste os jogos de pé, seu time entra em campo ao som de música erudita. Querem manifestação mais linda do que a torcida da arquibancada Manchester City cantando "Blue Moon"? Nenhuma torcida do mundo se compara com a do City. Estes estádios também possuem camarotes e numeradas, os ingressos estão de acordo com a realidade econômica de sua população, no Brasil isto não acontece.
Vocês imaginaram um jogo do grêmio sem a avalanche azul? Ou do Corinthians sem a canção "aqui tem um bando de 'loco'"? Ou o São Paulo sem o Jason na torcida, o Flamengo sem aquelas manifestações folclóricas, o Fulminense entrando em campo sem o pó de arroz? É justamente isto que a CBF e o PT querem. A higienização dos estádios irá começar com as reformas nos estádios, seguindo orientações da FIFA, porém a CBF já tem uma estratégia pronta a higienização irá começar, de maneira sutil e gradual, em 2011 para que em 2014 o rebanho não perceba.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Mini conto: O ministério de Dilma 04: Alianças sinistras pt. 01


Dilma, Marta, Netinho, Zé Dirceu e Genuíno estavam na sala de reuniões, localizada no castelo assombrado, sede do PT, estavam todos impacientes esperando pelo fim da reunião entre Lula e o PMDB, uma criatura de 10 cabeças cujas cada cabeça fala uma língua diferente.
Dentro do calabouço onde ocorria a reunião entre Lula e o PMDB o ex-presidente estava ajoelhado com a testa encostada no chão, as 10 cabeças falavam intervaladamente.
- Não se atreva a delegar nenhuma função sem nossa permissão
- Sim cumpanheiro cabeça 2.
- Antes de tomar qualquer decisão nos ligue antes.
- Sim cumpanheiro cabeça 5.
- Não escolha nenhum ministro sem nos perguntar antes, temos algumas sugestões que devem ser apreciadas.
- Nem mesmo para o cumpanheiro Mercadante? Cumpanheira cabeça 7.
- Principalmente o Mercadante - as ventas da criatura exalam fogo - Mais importante, coloque uma coleira bem apertada naquele Pit Bull de peruca.
- Fala da Dilma, cumpanheiro cabeça 9?
- Sim, falo da sua terrorista favorita.
- Eu também gosto do Chavez e do presidente do Irã.
- Silêncio!
- Sim, cumpanheiro.
- Agora pode ir.
Minutos depois Lula aproxima-se da sala de reuniões, antes de entrar na ele olha para os dois lados, tendo certeza de que não estava sendo seguido Lula retira um tijolo da parede, revelando um esconderijo, onde encontra uma cachaça e bebe um gole, Lula entra na sala triunfante, senta-se em seu trono de crânios humanos. Dilma levanta a pauta da reunião.
- Precisamos selecionar os cargos ministeriais e demais funções do planalto.
- Preste atenção Dilma - Lula ergue seu tom de voz intimidando todos na sala - Não se atreva a delegar nenhuma função sem minha permissão.
- Sim, companheiro Lula.
- Antes de tomar qualquer decisão me ligue antes.
- Sim, companheiro Lula.
- Não escolha nenhum ministro sem me perguntar antes, tenho algumas sugestões que devem ser apreciadas.
- Nem mesmo para o Mercadante?
- Principalmente o Mercadante. Agora vamos começar nossa reunião.

Continua...


Na próxima segunda-feira: o ultimo mini conto "O ministério de Dilma"

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Chiaki Kuriyama


Esta é uma nova série dos deuses mortos, uma vez por mês irei postar sobre uma gata, escreverei uma breve e postarei algumas imagens, nada muito diferente do que você leitor está acostumado em meu Blog. "J´apelle un chat un chat" (ser honesto sem preocupar-se). Para tão agradável tarefa de iniciar esta nova sessão escolhi uma das mulheres mais bonitas do mundo a atriz Chiaki Kuriyama.
Chiaki kuriyama (Tchiaki Kuriyámá) é uma atriz japonesa, nascida em 10 de Outubro de 1984 na cidade de Tsuchiura, talvez você não a conheça pelo nome, mas certamente já esta garota no cinema, Chiaki interpretou Go go Yubari em Kill Bill - a Kogal assassina, segurança da líder Yakuza e fetiche ambulante.
Tarantino escreveu a personagem especialmente para Chiaki após assistir "Batalha Real" um filme sobre um game onde os alunos de uma sala de aula são sorteados para enfrentarem-se até a morte em uma ilha deserta, Tarantino ficou fascinado após Chiaki ter matado um rapaz com facadas na região escrotal.
Em sua vida real Chiaki é muito diferente das assassinas sádicas que interpreta na tela, delicada e gentil ela afirmou em entrevistas que algumas pessoas tem medo dela, porém ela faz um estilo mais sedutor e menos "menina meiga" que a diferencia das demais atrizes. Durante as filmagens de "Azumi 2" onde Chiaki interpreta uma assassina sádica a atriz principal Aya Ueto afirmou sentir inveja do estilo da Chiaki por ela ser muito linda.
Como atriz ela já atuou em quase todos os tipos de papel no cinema, atualmente ela está se dedicando á música, é possível ver o clip de Ryuusei no namida (Tears of Falling Stars) no You Tube.
Além de atriz ela é formada em ballet clássico e gisnática olímpica (fundamentais para ser atriz japonesa e interpretar cenas de ação), gosta de vestir-se como gotic lolita e adora animes, principalmente Evangelion, ser fã de animes é pré-requisito obrigatório para namora-la.
Não posso encerrar esta coluna sem mencionar o seu troféu do MTV Movie Awards na categoria "melhor cena de luta" por Kill Bill. Está bom assim ou precisa mais?

Site oficial (em japonês): http://www.spacecraft.co.jp/chiaki_kuriyama/
Fan site (em Inglês): http://www.chiakikuriyamashrine.com/
Comunidade no Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=3877926
Ryuusei no namida (Tears of Falling Stars): http://www.youtube.com/watch?v=vGu-Fsl_uek

































































segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Mini conto: O ministério de Dilma 03 Isto nunca acaba


Dentro da sala de reuniões, no castelo assombrado do alto da colina onde se estabelece a sede do PT Dilma limpava sua pistola perante os olhos incrédulos de Marta.
- Mas Dilma, você tem que tomar cuidado com estas coisas.
- Que coisas?
- Sua arma?
- Fala da Catarina?
- Você deu nome para sua arma?
- Eu e ela tivemos muitos momentos de felicidade.
A porta da sala de reuniões abrem-se, entram Lula e Eduardo Suplicy, o primeiro senta-se na cabeceira da mesa, em seu trono de crânios humanos, o segundo senta-se sorridente ao lado de Marta, ofertando-lhe uma rosa, Marta saca uma tesoura e corta a rosa ao meio.
- Hoje eu pedi para o cumpanheiro Suplicy vir falar pra nóis - começa Lula - ele pediu para apresenta um pojeto social.
- Muito obrigado presidente Lula - começa Suplicy, ignorando o olhar de protesto da Dilma - muito bem, como todos sabemos a situação dos pobres, moradores da periferia, que não são abastados monetariamente e por isto vivem na miséria abrange a falta de recursos monetários para suas necessidades...
Meia hora depois Suplicy termina de ler a quarta folha, Dilma e Lula estavam quase dormindo, Marta dedilhava impaciente na mesa, Suplicy continua sua leitura.
- Os moradores da periferia evidenciam sua situação em manifestações artísticas, estas envolvem música, poesias, prosa, pintura, grafitagem. Acho necessário evidenciar a diferença entre pintura e grafitagem, separei 37 pequenos tópicos que ilustrem tais diferenças.
Furiosa Marta levanta-se acertando um tapa na cabeça de Suplicy, Lula e Dilma acordam.
- Chega, eu aguentei esta ladainha por todo nosso casamento, este cara é muito lerdo. Vocês tem ideia de como é fazer sexo com ele? O Eduardo levava dez minutos para colocar e retirar o Pênis na minha xota! Ele é tão de vagar que a gravidez do Supla demorou 18 meses!
- Por favor Martinha...
- Martinha o caralho! Você lembra quando demos duas tartarugas para nossos filhos? Um dia você ficou de tomar conta e elas fugiram!
- Elas corriam muito.
- E quando eu trai você pela primeira vez? Eu errei seu nome e te chamei de Tonhão do caminhão, mesmo assim consegui te convencer de que Tonhão é fácil de confundir com Eduardo.
- Você me traiu Martinha?
- Sim!!! Eu trai você, você é chato, lerdo, broxa, recita letras de rap, passa horas conversando com a torradeira, acredita que duendes existem, torce pelo Rubinho. Você me irrita, sua voz me irrita, sua presença me irrita, sua respiração me irrita.
- Eu amo você Martinha.
Marta arranca os cabelos e acerta outra bordoada em Suplicy, Lula e Dilma saem da sala de vagar, pé-ante-pé, deixando marta e Suplicy discutindo.
Continua...
Na próxima segunda-feira: começa a composição do ministério pmdebista, digo petista.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

As correntes da moralidade


O que é ser moral? Podemos dizer que a moralidade permite que nós vivamos em sociedade, a moral é um conjunto de regras e normas, a ética e as leis fazem parte desta moralidade. As normas sociais e leis que não estão escritas, mas todos seguimos fazem parte desta moral.
A moral permite que o mundo em que vivemos permaneça como ele é, ao mesmo tempo em que a moral é criada pelo homem, ela é uma invenção que criou vida e agora nos desafia com suas regras.
Podemos concluir que a moral é necessário, precisamos viver em um mundo com certa ordem, mas qual ordem mas qual ordem? Comentei sobre esta ordem nos quatro tópicos sobre a "moral nietzscheana" por isto não vou me deter no assunto. Ao contrário falarei sobre as correntes da moral ou como ela nos aprisiona.
Esta ultima semana foi marcada por duas controvérsias morais relacionadas ao esporte. No ultimo domingo disputou-se o ultimo GP da fórmula 1 com muita controvérsia. Fernando Alonso disputava o título graças ao jogo de equipe da Ferrari que ordenou ao Felipe Massa que desse passagem para Alonso no meio do campeonato. Também especulava-se um possível jogo de equipe na Red Bull, narradores, comentaristas e especialistas argumentavam a diferença entre fazer jogo de equipe no meio e no fim do campeonato.
A outra polêmica esteve no futebol com a "pergunta" São Paulo e Palmeiras deveriam entregar seus jogos contra o Fluminense, prejudicando assim o rival Corinthians? São Paulinos e palmeirenses ficaram indignados, cronistas desportivos gritavam furiosos contra o jogo de equipe, corintianos defendiam-se previamente contra rivais, que pregavam a derrota de suas amadas equipes.
De fato a moral é um conjunto de regras MAS não podemos ignorar que para cada regra existem uma exceção, a moral nos aprisiona ao mesmo tempo que cria brechas. O jogo de equipe é proibido, mas se for na ultima corrida do campeonato onde pode-se decidir um título está tudo bem. Se o campeonato de F1 é decidido pelo somatório de todos os pontos da temporada que diferença faz fazer jogo de equipe na primeira, quinta ou ultima prova do campeonato? E quanto ao futebol o desportista não pode entregar o jogo mas pode entrar desmotivado. Qual a diferença entre perder de propósito e jogar sem vontade de vencer? Sim meus amigos, eis as correntes da moralidade.
Podemos quebrar estas correntes no momento em que quisermos, mas não o fazemos, não conseguimos nos soltar, no momento em que algum espírito livre dá uma bela banana para á moral ficamos ofendidos, rabiosos e tecemos discursos moralistas contra estas pessoas quando na verdade queríamos trocar de lugar com esta pessoa.
Links para a Moralidade Nietzscheana:

Sobre a moralidade nietzscheana I: O ideal é não ter moral

Sobre a moralidade nietzscheana II: A moral nietzscheana no Brasil

Sobre a moralidade nietzscheana III: Ações nietzscheanas na política ou adentrando o lado obscuro do Brasil.

Sobre a moralidade nietzscheana IV: O übermensch nas personagens de ficção

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Mini-Conto: O ministério de Dilma 02: Um ministério para Mercadante


Um lobo esfomeado uivava para a lua, uma aranha gigante devorava um animal indefeso que caíra em sua teia, mas no castelo assombrado, sede do PT, Dilma atreve-se a sentar no trono de ossos humanos de lula, assim que aproxima sua bunda do acento dois dobermans invadem a sala latindo. Dilma lembra-se de seus dias como terrorista e rosna mais forte assustando os cachorros.
Agora todos os seres do castelo acordaram, as portas rangem, espíritos condenados gemem por absolvição e Dilma desiste de sentar-se ao trono, subitamente o porta abre-se e Mercadante entra na sala de reuniões.
- É você que está aqui Dilma?
- O que você quer Mercadante?
- Eu queria falar com o Lula.
- E o que você quer falar com o Lula?
- Eu queria pedir um cargo no novo ministério do governo dele.
- Acontece que o governo é meu e sou eu quem escolho o meu ministério, entendeu bigodudo.
- Se você diz - Mercadante estava incrédulo e sussurra - ela realmente acredita nisto.
Furiosa Dilma saca sua arma apontando para Mercadante, que caminha para trás assustado.
- calma Dilma, eu não disse nada.
- Não? Eu ouvi.
- Mas eu juro, eu não falei nada, assim como não prometi abandonar o cargo no senado após os escândalos de corrupção, voltando atrás no dia seguinte ou como fingi não ter faltado nas votações do senado.
- Você não sabia das datas!
- isto mesmo, não é que eu faltei, eu não sabia, a culpa é da oposição que não me avisou.
Dilma guarda sua arma no coldre, senta-se em sua cadeira, ao lado direito do trono do lula, e coloca os pés na mesa.
- Então você quer um ministério?
- Sim.
- Qual deles?
- Qualquer um, pode ser a casa civil mesmo.
- Você quer o meu lugar palhaço? - Dilma aponta mais uma vez sua arma para Mercadante.
- Veja bem, qualquer ministério serve, só me arruma uma boquinha lá em Brasília.
- Você gosta de Brasília?
- Na verdade eu nunca fui, mas gostaria muito de conhecer.
- Tudo bem, passa aqui amanhã que eu falo pro Lula arranjar um bico.
- Mas o governo não era seu?
- Você quer que eu arranque todos os dentes da sua boca?
- Não Dilma, tudo bem, eu volto amanhã. Prometo.
No dia seguinte Lula estava reunido com Dilma, Marta, Netinho de Paula, Zé Dirceu e Genuino. Lula começa a reunião.
- Muito bem cumpanheiros, hoje nois vai escolher meu novo ministério.
- Espera um pouco companheiro Lula - interrompe Dilma.
- Pode me chamar de presidente.
- O governo não ia ser meu?
- Vai sonhando.
- Acontece que o Mercadante quer um ministério, eu pedi para que ele viesse hoje.
- Mas que saco, tá bom manda ele entrar.
A porta da sala abre-se, após alguns minutos a moça que serve o café entra, ficando o mais longe possível do Netinho, e aproxima-se de Lula.
- Sabe o que é presidente? O Mercadante mandou avisar que ele vai faltar hoje.

Continua...

Na próxima segunda-feira: Eduardo Suplicy faz uma aparição e declara seu amor para Marta.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Ayrton Senna: O ultimo grande herói brasileiro


Existem pelo menos três tipos de heróis: os heróis fabricados: frutos de um trabalho de marketing; heróis por aclamação: aqueles eleitos pelo público e por fim os heróis necessários este é o tipo mais raro de herói, eles aceitam esta alcunha.
O herói necessário é uma combinação rara de talento, coragem e certas circunstâncias, o maior exemplo esportivo de herói necessário, também é o ultimo grande herói brasileiro Ayrton Senna da Silva. Senna era indubitavelmente talentoso, ele era o terceiro de uma veloz geração brasileira (precedida por Emerson Fitipald e Emerson Piquet). Senna estreou em 1984 pela nanica Toleman onde quase venceu em Mônaco sob uma forte chuva, o show de Senna rendeu a ele uma vaga na Lotus em 1985, onde venceu sua primeira corrida, onde permaneceu até 1988 onde transferiu-se para a McLaren e tornou-se campeão mundial.
O brasil estava em uma cruel ditadura até 1989 onde ocorreram as primeiras eleições para presidência, até então o país era governado pelo coronel (e amigo dos petistas) José Sarney, após tantos anos de opressão e um péssimo governo Sarney a população elegeu Fernando Collor de Melo (que também é amigo dos petistas) o brasil estava na pior crise de sua história. O futebol, esporte mais popular também estava em crise, após duas dramáticas desclassificação em Copas do mundo a seleção enfrentava sérios problemas sob comando de Falcão (o comentarista da Globo) e posteriormente Lazaronni o comandante do fiasco de 1990.
Parecíamos sem perspectivas, surge então Ayrton Senna, piloto talentoso, arrojado de personalidade forte, os olhos da nação voltam-se para o jovem piloto que percebe esta atenção e assume o papel de portador da esperança.
Naqueles tempos negros Senna torno-se a luz de uma nação, o responsável por nossos sorrisos,provavelmente seu título mais importante tenha sido o de 91, após o impeachment de Collor, a moral da nação estava caída, após tantos anos de luta pela democracia a desesperança reinava e Senna sabia disso cabia a ele erguer nossas cabeças.
Ele foi nosso herói, ele foi o herói que precisávamos, ele sacrificou-se por nós, enceu por nós. Nunca houve enterro mais tocante da história.

Valeu Senna

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Mini-conto: Escolhendo o ministério de Dilma 01: Tal pai, tal filha


A lua estava cheia, um lobo uivava, no alto daquela montanha havia um castelo assombrado, onde localizava-se a sede do Partido dos Trabalhadores. a sala principal estava ocupado pelos membros que iriam compor a reunião daquela noite.
Lula sentava-se na cabeceira em um trono feito de crânios humanos, a longa mesa era ocupada por Zé Dirceu e Marta Suplicy, a cadeira ao lado direito de Lula estava vazia. Este dedilhava sobre o braço da cadeira entediado quando a pesada porta abre-se. Dilma entra na sala, assume seu lugar e senta-se desconfortavelmente, ela levanta-se retirando o revolver da cintura, ficando assim mais confortável.
- Uma arma Dilma? - Lula estava surpreso com a arma de sua companheira.
- Velhos hábitos, sabe como é.
- É verdade... - Lula pensa na cachaça - mesmo assim você tem que aprender que a imprensa é nossa arma.
- Mudando de assunto - Marta se intromete - por que você se atrasou?
- O Mercadante me pegou para cristo, ele está lá na porta de nossa sede pedindo um ministério.
Os quatro presentes assobiam disfarçando.
- Cumpanheira Marta, onde está o cumpanheiro Netinho?
- Ele ficou batendo na mocinha que serve o café e já vem.
- Então vamos começar, cumpanheira Dilma, aqui está o seu discurso de posse.
Dilma pega o discurso da mão de Lula e olha estranhamente "Lula, Lula, Lula, Lula, Lula, ..."
- Mas aqui só tem o seu nome!
- E qual o pobrema cumpanheira?
- Companheira Dilma - Marta interrompe novamente - nossos bastardinhos só precisam saber de duas coisas o santo nome do Lula e que nós assim como eles somos do povo, da classe trabalhadora - Marta bebe um gole de sua água Dom Perignon, abre sua bolsa Gucci e borrifa um pouco do perfume Chanel no. 5.
- Agora vamos para o próximo passo - Lula ergue uma moto-serra ligando-a - passa o dedinho para cá.
- O que!?
- Depois vamos fazer um tratamento capilar para nascer a barba, a final meio macho você já é.
- Zé, pelo amor de Deus fala alguma coisa.
- Minha irmã de armas, o povo votou outra vez no Lula, agora se nada disto der certo vamos pegar em armas e matar quem for contra nós. - Zé Dirceu e Dilma sacam suas armas atirando para cima.
No lado de fora do castelo Mercadante continuava de pé, segurando uma vasilha de esmolas onde lia-se "ministério".
Continua...

Na próxima segunda-feira: Aloisio Mercadante pede um ministério...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Estão querendo passar a mão ou existe honra no brasil?


Em 1810 a "Sociedade holandesa de Harrlen" tentou estipular os fundamentos da moral, na época diversos pensadores estipularam textos refletindo sobre o tema, dentre eles Arthur Schopenhauer, seus argumentos sobre a moralidade transformaram-se no livro "Sobre o fundamento da Moral".
Schopenhauer estipula que a honra impede os impulsos criminosos, ele parte da premissa de que os nobres são honrados, já os pobres são impelidos pela lei - em tempo Schopenhauer está falando da nobreza europeia, bem diferente da nobreza brasileira. Por outro lado a classe mais baixa da Europa assemelha-se com a brasileira em alguns pontos. Sobre eles o filósofo escreve:
"Em contra partida, o pobre que se vende por pouco e que se vê condenado, por causa da desigualdade de posses, à penúria e ao trabalho pesado, enquanto outros vivem diante de seus olhos em abundância e em ociosidade, bem dificilmente reconhecerá que no fundamento desta desigualdade esteja uma desigualdade correspondente de méritos e de ganhos honestos" [1].
Lógico que existem diferenças entre a sociedade alemã de 1810 e o brasil de 2010 porém esta lógica ainda se iguala, Schopenhauer comenta que os pobres se vendem por pouco, incluindo a sua honra, hoje em dia as pessoas continuam se vendendo por pouco, se esta afirmação não fosse verdadeira ninguém prestaria concursos públicos, mas antes temos algumas questão a serem consideradas:
Vocês acham que alguém que se vende por pouco pode ter honra? Alguém que aceita ser sustentado pelo governo e se orgulha deste fato tem honra ou dignidade? O que é o "bolsa família" se não uma grande coleira? E o que são os assistidos se não pessoas que vendem sua honra por migalhas? Estes cães que subsistem graças ao governo petista latindo alegremente o nome do Lula, eles não tem dignidade. Não é necessário ter dignidade para viver, mas é fundamental.
Schopenhauer diz que o pobre dificilmente reconhecerá que os bens ganhos dos outros vieram a partir de esforço e trabalho, mas não é assim que esta nova classe petista pensa, ao contrário você que trabalha e paga seus impostos deve dar muito duro pois todos aqueles vagabundos que usufruem do bolsa cachaça dependem de você para serem sustentados. Não é errado pensar que o bolsa família é um grande roubo.
Embora estejamos sendo roubados pelo governo o PT faz ainda algo pior ao contrário do que diz a Dilma diz seu objetivo não é eliminar a pobreza, mas sim criar escravos, temos 10 milhões de dependentes que abanam seu rabo para o Lula, mais uma vez recorro as palavras do filosofo estas pessoas se vendem por uma miséria, o resultado só pode ser mais miséria, não estou falando da miséria material mas de outra miséria. O rebanho perde aquilo que classe social alguma determina: dignidade e honra, quando estas qualidades deixam de existir o que sobra são bons petistas, eis um dos motivos por eu escrever brasil com letra minúscula.

[1] SCHOPENHAUER, A. (2001) Sobre o fundamento da moral. São Paulo: Martins Fontes.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Cidade de Sangue, um conto nietzscheano


O que aconteceria se tudo aquilo em que você acredita fosse falso? Este é o dilema de David, um policial que acredita ser um herói, ao mesmo tempo em que torna-se amante de Yuki, líder da máfia asiática. Com a chegada de dois irmãos psicopatas (de 9 e 10 anos) que iniciam um derramamento de sangue, matando os mafiosos da cidade e ninicando uma guerra, David coloca em dúvida sua infância, seus ideais e a própria realidade como ele a vê. Toda sua vida seria baseada em uma ilusão?
Some a esta dúvida assassinatos sádicos, rajadas de balas e o submundo mafioso demonstrado pelo triângulo: um neurótico (David); uma perversa (Yuki) e dois psicóticos (os irmãos assassinos) e você terá o meu mais novo conto "Ruas de Sangue" (por link).
Deus está morto e nós o matamos?

Link para o Conto "Ruas de Sangue": http://recantodasletras.uol.com.br/contosdesuspense/2586551


Um trecho do conto:

"O carro de Yuki encosta ao lado de um prédio, onde David estava encostado na parede esperando por ela.
- Você veio em uma boa hora, estava muito animada para dormir.
- Tenho uma informação para você.
- Sobre os assassinos? - Yuki debochava de seu amante - você vai me dizer algo que eu não saiba?
- Sim.
Yuki fica séria e encara David percebendo que sua expressão denotava preocupação, mais até, algo perturbava David, ele precisava falar. Yuki entra no prédio acompanhada de David, ambos sobem para o quarto dela.
Uma vez dentro do quarto Yuki retira seu blazer e o coloca no recosto da cadeira, em seguida guarda o revólver, com o qual matou seu pai, em uma gaveta. Yuki acende um cigarro, senta-se na cadeira cruzando as pernas e exibindo para David uma de suas coxas cobertas por uma meia preta 3/4. O detetive permanecia de pé, andando em círculos.
- Então? O que era tão importante?
- Os assassinos são crianças.
- Ah é?
- Eles devem ter no máximo 10 anos.
- E...
-E? Eles são crianças Yuki!
- Eu comecei mais cedo, no lugar onde cresci era matar ou morrer, a única amiga que eu tinha era minha arma - Yuki lembra-se rapidamente dela aos oito anos segurando sua pistola fumegante, apontada para um cadáver, a pequena Yuki ostentava uma expressão neutra com lágrimas nos olhos - violência acontece em todos os lugares do mundo, por que se sensibilizar agora? logo com estes garotos? O que não mata, torna-me mais forte.
- Sinto muito.
- Cale a boca, se quisesse sensibiliza-lo eu contava sobre a primeira vez que fui estuprada, eu tinha 12 anos. Nada pior do que ser tratada como prostituta pelos meus companheiros.
- Sim, acho que entendo.
- David, se algum dia você olhar para mim com piedade, da mesma forma que aqueles pseudo-humanitários olham para os pobres, se você pensar, apenas uma vez, "coitada dela" eu mato você, entendeu?
- Sim, você é muito mais frágil do que eu imaginava.
Yuki levanta-se furiosa encarando David, o policial se vê invadido por uma profunda tristeza, ele não conhecia a origem daquela dor mas sabia que precisava fazer algo, David abraça Yuki "vai ficar tudo bem" Yuki livra-se de David acertando um soco em seu rosto. Em seguida ela o beija, os dois vão para cama.
- É sempre sombrio ao seu lado, Yuki.
- Se você quiser pode mudar de lado.
- Não pretendo sair daqui, se ficar ao seu lado significa ficar envolto pelas trevas, então eu serei tragado.
- Não se aproxime do abismo, você não vai conseguir voltar. Neste ponto nós dois somos diferente.
Os dois beijam-se sobre a cama, retirando a roupa para uma noite de sexo."

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sobre o Halloween ou o porque de algumas tradições


Não me peçam para comentar o dia do Saci, este será o tema da minha coluna no Olhar Nacional desta semana, hoje irei falar exclusivamente sobre o Halloween, mais especificamente sobre suas tradições. Você sabe por que se distribui doces no Halloween? Ou o por que daquelas lanternas feitas de abóboras que tornaram-se o símbolo das festividades? Aqui nos deuses mortos você vai descobrir.
Ao contrário do que se pensa o Halloween não é uma festa americana, mas sim inglesa/irlandesa onde comemorava-se o Sanhain (literalmente "fim do verão"), o ano novo celta , 31 de Outubro, acreditava-se que neste dia a barreira entre o mundo dos vivos e dos mortos era quase inexistente.
A morte não era celebrada apenas simbolicamente, o ano novo também significava uma nova colheita, o celtas dependiam das colheitas para viver, assim como eram adeptos ao sacrifício humano, logo o Sanhain era a data ideal para o sacrifício humano.
Ser sacrificado era uma honra, quando a colheita do ano anterior era fraca alguém importante servia ao sacrifício, caso contrário fazia-se um bolo para toda a aldeia, um pedaço era marcado com um carvão, quem pegasse o pedaço seria sacrificado.
Com a ascensão cristã o Papa usou o Sanhain para fortificar a fé cristã criando o dia de todos os santos, um trocadilho da língua inglesa tornou a noite de todos os santos em Halloween.
As tradições
Entregar doces na porta: No Sanhain oferecia-se comida para os mortos como forma de apazigua-los e evitar sua fúria, assim nasceu a tradição de pedir doces com a frase "doces ou travessuras".
Na década de 30, nos EUA, o doces ou travessuras era levado a sério com crianças quebrando janelas, ateando fogo em propriedade privada ou jogando bonecos na frente de trem em movimento simulando suicídios.
Fantasias: As fantasias são derivadas do Carnaval, e este pega tradições de antigos rituais que visavam livrar as pessoas de suas inibições. As crianças começaram a se fantasiar na década de 1940. Estas só foram comercializadas na década de 60.
Como toda tradição antiga a origem das fantasias possui outra versão, muito mais sinistra: Os celtas acreditavam que ao vestir-se de demônios ou de morto no dia 31 de Outubro os espíritos e criaturas do além não iriam reconhece-los como humano e deixa-los em paz.
As abóboras que viram lanternas: A abóbora entalhada com uma vela dentro é a imagem símbolo do Halloween, seu nome é Jack-O Lanterna. Reza a lenda que Jack era um ferreiro cruel, no dia de sua morte Jack conseguiu enganar o diabo indo para o céu. Porém os anjos do céu repudiaram Jack enviando-o para o inferno, furioso o diabo castigou Jack com uma chama perpétua a qual este deveria carregar em um rabanete, não existiam estas abóboras na Inglaterra, por isto um rabanete. Ao chegarem nos EUA os bretões substituíram o rabanete pela abóbora.
As abóboras são colocadas nas portas das casas como uma autorização as crianças, uma casa iluminada por Jack significa que seus moradores possuem doces, estas por sua vez ignoram que o sorriso de Jack simboliza a morte, o desenho original é feito para lembrar um crânio humano. Apetitoso, não acham?
A celebração: Ainda hoje, em pequenas cidades do EUA existe o desfile do Halloween, no brasil temos as festas típicas, em outros países a noite torna-se um grande punhado de festas ou uma única festa. Esta tradição veio do dia de Ação de Graças, realizado no séc. XIX por crianças que festejavam como no feriado cristão.
Não importa como se disfarce o Halloween é uma festa onde celebra-se os mortos e própria mortalidade, algo tão terrível só pode ser encarado de maneira divertida, porém macabra. Nada combina mais com Halloween do que filmes de terror. Aqui vão algumas sugestões temáticas:
Halloween de Jhon Carpenter - Este é o filme original e um dos melhores já feitos.
Halloween 4 - das sequências realizadas a parte 4 é de longe a melhor delas.
Halloween 3 - Esta é uma ideia interessante, a parte 3 não tem nada a ver com a série, é um filme sobre bruxaria e o Halloween em si.
Contos do dia Das bruxas - Esta pequena pérola terrorífica aborda as tradições do Halloween, vale a pena assistir se você gostou deste tópico.
Pumpikin Carver - Mais um filme sobre um psicopata que mata adolescentes no Halloween, a diferença é que este filme em particular é muito divertido.
Halloween de Robie Zombie - A refilmagem do clássico de Jhon Carpenter é muito boa e ainda conta com Malcon McDowell, porém o original é melhor.
Jack'O - Pérola trash com Linnea Quigley uma das Screen-queen mais famosas da indústria do terror.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Sobre a moralidade nietzscheana IV: O übermensch nas personagens de ficção



Esta ultima parte da moral nietzscheana é meramente ilustrativa, venho explicar melhor o conceito de übermensch a partir de exemplos encontrados em personagens de ficção, por estes serem mais fáceis de se analisar do que figuras públicas, as quais não conhecemos todas suas facetas. Mas antes irei retomar o übermensch.
O übermensch é a princípio o homem comum que decidiu sair da multidão, ele cansou-se de usar uma coleira moralista que dita suas regras e normas, cansou de agir assim por que deve ser e pronto, cansou de ser escravo, ele decidiu refletir, pensar suas atitudes e colocar em dúvida tudo aquilo que tem relação com as normas e com a moral. O übermensch pode ser uma pessoa comum, se assim ele o decidir, mas nunca o-ser-por-ser.
Ser este homem superior requer auto-conhecimento de suas fraquezas, dores e alegrias, este processo é individual e não existe uma fórmula a não ser uma recomendação deve-se evitar tudo aquilo que impeça a apropriação da dor como alcool, drogas ou manuais de auto-ajuda os quais apaziguam e impedem o crescimento.
Por superar a sociedade o übermensch é essencialmente solitário, a solidão faz parte do processo "evolutivo" tal como o reconhecimento de seus valores, a modéstia pode ser uma inimiga, a cima de tudo é necessário um comprometimento para com seus ideais, deve-se aceitar a si livre da vergonha e dos julgamentos morais.
Irei analisar alguns candidatos a übermensch de três mídias: Cinema, Comix e Animes avaliando se estes conseguiram superar o homem comum:

Cinema

  • Zé do Caixão: A personagem de Mojica busca o filho perfeito, ele quer uma criança para doutrina-la segundo sua moral, livre de julgamentos falsos e da hipocrisia da sociedade. Assistindo seus filmes reconheço no Zé do Caixão um verdadeiro übermensch que isola-se da sociedade, a qual não o aceita e repudia segundo crendices, este decide supera-la na busca da mulher perfeita: corajosa, forte, brava (übermensch) para lhe dar o filho perfeito.
  • Neo: Em Matrix Neo percebe que existe algo de errado no mundo, ao conhecer a Matrix ele decide revoltar-se em um primeiro momento por obrigação moral para com Morfeu e seduzido por Trinit. É apenas na segunda metade do filme que Neo assume a responsabilidade de superar o homem, não por que precisa mas por que ele pode, aliás só ele pode, Neo torna-se literalmente um super-homem.
  • James Bond: Aqui temos uma cilada teórica James Bond bebe, fuma e troca o trabalho pelo sexo com espiãs Russas, porém um olhar mais detalhado vemos que James não é escravo de seus vícios, mesmo sua atração pelas mulheres é utilizada a seu favor seduzindo espiãs para terminar sua missão ou simplesmente impedir que estas o matem - um verdadeiro "faça amor, não faça guerra". 007 possui uma lealdade absoluta pela rainha da Inglaterra, ele não se deixa levar pelos sentimentos (algumas vezes escapa) e acima de tudo possui permissão para matar, ele coloca-se a cima da sociedade ao renegar este mandamento "não matarás". Suas tragédias pessoais o fortaleceram e o tornaram um espião melhor, como o assassinato de sua esposa em "007 a serviço de sua majestade" James Bond é um homem inlacançavel e um übermensch.
  • Jhon McLean: Foi graças a este policial que (descalço) combateu terroristas que Bruce Willis tornou-se um astro do cinema, mas seria ele um übermensch? Jhon é um policial dedicado que segue sua própria lei porém ele é humano, esta é a principal característica do Jhon sangrar, sentir dor, fugir. Em determinado momento de Duro de Matar Jhon acredita que não vai conseguir sair vivo do Nagatomi Plaza, mesmo sua inclusão contra os terroristas foi acidental, o policial não quis se envolver, se ele e sua esposa não estivessem no predio Jhon provavelmente passaria longe da ação, sendo assim Jhon McLean não é o übermensch.
  • Pinehead: O principal cenobite de Hellraiser parece uma versão demoníaca do super-homem, sem moral e culpa ele tortura e mata os humanos que o procuram na busca pelo prazer extremo momento onde a dor e o prazer tornam-se um só. Porém o segundo filme nos revela que Pinehead fora um humano transformado em demônio para servir ao inferno, não por escolha mas por obrigação e o übermensch não segue obrigações impostas por outros, a menos que ele concorde com as mesmas e Pinehead decide voltar a ser humano, logo ele não suplantou o homem comum.

Comix

  • Batman: O cavaleiro das trevas possui o ideal nietzscheano de virtude e valor, inteligente, orgulhoso de suas habilidades e capaz de debochar do perigo com um meio sorriso cínico Batman segue fielmente sua missão auto imposta a partir da reflexão de seu sofrimento. Com a morte de seus pais Bruce Waynne dedica sua adolescência e juventude ao treinamento que o transformaria em Batman. Ele vive nas trevas, não permite que ninguém se aproxime pois o convívio com pessoas normais o retiraria de seu caminho, ele é um belo exemplo de übermensch.
  • Super-Homem: Não deixa de ser curioso fazer esta comparação o cripitoniano jamais mente, representa e defende o modo americano de vida no qual Clark Kent quer desesperadamente se infiltrar, casa com Louis Laine, possui uma forte crença na bondade humana, ele é um escoteiro que serve de modelo para as crianças em outras palavras o extremo oposto do übermensch.
  • Ravena: A personagem dos Jovens Titãs é filha de um demônio gerada para ser um portal de entrada por onde seu pai viria dominar o mundo, este destino foi traçado em seu nascimento e Ravena passou a vida se preparando para negar seu destino, ela tornou-se uma heroína e reuniu os Titãs. A reflexão que faz de si, o conhecimento acumulado em sua vida e sua determinação a tornam o übermensch. Em uma história Ravena entrega artefatos para seus amigos dizendo que eram armas para mata-la caso ela perdesse o controle de seu lado demoníaco e ajudasse seu pai. Isto sim é determinação.
  • Vampira: Migrando para o universo Marvel Vampira foi obrigada á ficar sozinha caso contrário mataria as pessoas ao seu redor, ela inicia sua carreira como vilã mas percebe que havia algo de errado, ela estava sendo manipulada. Vampira mergulha na solidão, passa parte de sua vida no limiar entre heróis e vilões optando pelos X-Men, diferente de outros mutantes seus poderes não podem ser aliviados, ela deve ficar afastada das pessoas e embora sinta-se inferior em alguns momentos ela consegue suplantar algumas dificuldades como quando relacionou-se com Gambit, assim Vampira pode ser considerada uma übermensch.
  • Magneto: O mutante é movido pela vingança, embora pregue sua superioridade e aja fria e calculadamente suas ações são regidas pelo ódio contra a humanidade, o verdadeiro übermensch não odeia o rebanho, apenas sabe que é superior ao mesmo, Magneto quer destruir a humanidade, esta é a prova de que ele não é um ser superior mas sim ordinário, embora forte e determinado.
  • Wolverine: O mais popular dos X-men está aqui por curiosidade, a pesar de seguir sua própria moral Logan está indeciso entre manter seu presente ou descobrir seu passado, embora conhecer seu passado fosse fundamental para seu auto-conhecimento Wolverine é dominado por um forte ódio e dúvida o que o afasta de ser superior.

Animes

  • Major Motoko: Personagem principal do longa de animação "O fantasma do futuro" ela é uma ciborgue membro da polícia federal que questiona sua existência em quanto humana. Atormentada por memórias/fantasias de uma vida anterior que pode não ter existido Motoko pratica mergulho nas horas vagas - por possuir um corpo metálico qualquer erro pode mata-la é esta sensação que a aproxima de sua humanidade, na animação a major persegue um terrorista denominado "mestre dos fantoches" um programa de computador que adquiriu vida e questiona sua existência, manipulando a mente de outros andróides. No decorrer do longa Motoko aceita as diversas possibilidades de ser tornando-se o übermensch. O longa de animação está disponível em DVD e foi a principal fonte de inspiração para Matrix, inclusive a temática é a mesma.
  • Saya: "Blood The Last Vampire" é outro longa de animação do mesmo diretor de "O fantasma do futuro" cuja personagem principal é Saya uma vampiresa de quem pouco se sabe apenas que ela é a ultima criatura da noite original e que caça chyropterans, espécies de vampiros com aparência de morcegos, não sabemos o por que ela os caça, a única explicação é que Saya simplesmente o quer fazer e sua dedicação chega a extremos, assim como seu isolamento, nenhum humano pode ajuda-la, ela por sua vez Saya nutre uma forte vontade de ajuda-los, ela é uma personagem que já nasce como übermensch.
  • Ryomou Shimei: Ikki Tousen é uma série que mistura ação, humor e erotismo onde colegiais saem na porrada decidindo quem irá controlar a área em que vivem, esta luta é uma farsa do destino que atribui a cada um o nome de um guerreiro do passado sendo assim cada lutador já sabe quem irá vencer, como e quando irá morrer. Seu destino é traçado no nascimento. Ryomou começa a série ciente de seu destino, mas progressivamente vai mudando de ideia a medida em que torna-se amiga de outra personagem Hakufu, o conceito de amizade de ambas é o conceito nietzscheano de fidelidade e respeito ao amigo e acima de tudo uma relação recíproca de desenvolvimento. A amizade permite que Ryomou conteste seu destino e lute ao lado de Hakufu pois assim ela o deseja. Seu passado trágico; uma maldição em seu olho esquerdo e a quase morte de um amigo a afastaram das pessoas, servindo apenas para fortalecer suas novas amizades, orgulhosa de sua força, distante das pessoas comuns, adepta ao individualismo e selvagem nas lutas ela faz de tudo para alcançar seu objetivo, menos trair seus ideais ou seus amigos. Ela merece ser chamada de übermensch.
  • Revy: Se Chucky Norris tivesse uma filha com a tenente Ripley (da série Aliens) esta menina apanharia todos os dias de Revy, a pirata do anime "Black Lagoon", uma das animações mais espertas dos últimos tempos ainda conta com linguagem tarantinesca. Falando da Revy a garota tem basicamente duas paixões na vida - dinheiro e armas e ambas estão misturadas, capaz de afundar uma frota adversária com apenas um lança granadas e duas pistolas Revy segue a vida despreocupada, tentando ignorar seu passado trágico ela é representação da máxima nietzscheana "o que não mata, me torna mais forte" - Quando menina, em um bairro pobre de NY Revy procurava por Deus mas só encontrou violência, ao entender que não havia nada ela tornou-se sua própria deusa e entrou no "jogo" determinada á sobreviver. Para alcançar seus objetivos Revy é capaz de tudo, felizmente para quem a cerca seus objetivos são simples ela quer se divertir seja gastando o dinheiro de seus saques ou (principalmente) mandando bala contra quem estiver pela frente, ela se diverte enquanto mata seus inimigos, ao optar por não esquecer seu passado ela suporta sozinha o sofrimento com um sorriso no rosto (o homem superior deve rir), não permitindo que ninguém se aproxime. Se você olhar torto ela mete bala.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Entre peixes assassinos e colegiais com metralhadoras: O cinema Underground japonês


Estou convencido de que cineastas são seres esquisitos, podemos até chama-los de loucos, felizmente (para nós) os cineastas usam sua loucura em favor da artes. Dentre estes os "loucos mais loucos" são os cineastas japoneses, principalmente se pegarmos o cenário underground.
O cineasta mais conhecido deste meio é Takeshi Miike, em sua pérola "Ichi - O assassino" (lançado aqui pela Europa filmes) o diretor nos conta duas histórias paralelas que se cruzam: na primeira Kakihara um Yakusa masoquista procura por seu chefe, o anjo, desaparecido, Kakihara está desolado, uma vez que ele estaria apaixonado pelo chefe, quem lhe aplicava surras e torturas periódicas e agora com seu sumiço Kakihara sente-se traído, na busca por seu mestre realiza torturas e rompe com as outras ganges.
A segunda história é a do tal ichi (1 em japonês) rapaz traumatizado com a morte de uma prostituta que veste-se como herói japonês (estilo Jaspion) para caçar os criminosos da cidade, hipnotizado por um desafeto pela gange do anjo, óbvio que as duas histórias se cruzam.
Porém, foi apenas no making-off de "máscaras do terror" ultimo episódio da tele série "Mestres do terror" (censurada na TV americana pelas cenas de tortura e exibição de fetos mutilados) que conheci o verdadeiro Takeshi, em sua entrevista o diretor parece sereno e educado, explicando suas atrocidades como quem compra pão na padaria. "Quando sou convidado para um projeto, fico pensando 'por que alguém quer assistir um filme meu?'" Tenho certeza de que Takeshi Miike sofre de uma leve psicose.
Porém Miike é muito Pop, se pegarmos a cena underground japonesa veremos que seus filmes são um tanto convencionais (Takeshi é tão underground quanto Cronemberg) o verdadeiro cinema-das-trevas japonês mostra-se em "The Machine Gril".
"The Machine Gril" conta a história de uma irmã (a bela Minase Yashiro) que cuida de seu irmão mais novo, este sobre bullying por parte de colegas da escola e acaba sendo assassinado, a personagem de Minase busca vingança e descobre que o assassino é o único filho de uma família de ninjas assassinos yakuza.
O filme trás desde necrofilia até um tempurá feito com a mão da protagonista. Porém só depois de ser sequestrada pelos Yakuza que o título do filme se faz, Minase tem seu braço decepado pelos yakuza mas consegue fugir, Asami (a mãe de um amigo de seu irmão igualmente assassinado) ajuda Minase em sua vingança e faz uma metralhadora para a irmã vingativa colocar no lugar de seu braço.
Fica fácil imaginar o que acontece em seguida, a garota vinga-se violentamente, explode cabeças e intestinos, finalizando em uma luta contra a mamãe yakuza (a psicopata mor da família) armada de um sutiã broca.
A atriz principal é a modelo Minase Yashiro escolhida por sua beleza, a pesar de nunca ter atuado antes Minase não faz feio, ao contrário sua representação combina perfeitamente com o clima do filme. Destaque para Asami atriz que desenvolve a metralhadora e treina a garota vingadora é uma atriz pornô, aliás atrizes do pornô costumam atuar no underground japonês.
Recentemente pude assistir a pérola trash Sexual parasite: The Killer Pussy (para quem não acreditou no título eu traduzo "Parasita sexual: A vagina assassina") tudo começa na Amazonia ande dois exploradores procuram um peixe raro quando um índio curandeiro (está mais para um cosplay de vilão de seriado Changeman) tenta impedi-los, o peixe entra no corpo da pesquisadora (adivinhem por onde), o outro pesquisador, apaixonado, congela sua amada viva.
Um ano depois cinco amigos perdem-se na floresta e entram em uma casa abandonada, onde a tal pesquisadora está congelada, uma das garotas é possuída pelo peixe tornando-se um zumbi assassino, o tal peixe habita o corpo da garota, que fica o filme inteiro andando pelada, surgindo na forma de uma vagina dentada carnívora, comedora de pênis.
Não preciso ficar descrevendo o que acontece, os amigos vão morrendo um a um vitimados pela vagina dentada enquanto assume o controle de outra garotas lindas. Nota para o peixe que sai de dentro do corpo das mulheres para devorar suas vítimas, o peixe parece um primo distante dos muppets - ele é um boneco de borracha em forma de luva. Por falar no peixe este se multiplica por "girinos" expelidos pela boca das garotas que rastejam a procura de outros corpos.
A pesar do título o filme não mostra nada de diferente de uma sexta-feira 13, já a atriz principal é a mega peituda Sakurako Kaoru que passa o filme de baby doll, calcinha e botas (olha o fetiche) correndo e gritando, atuação perfeita como Screan queen aliás Sakurako está perfeita no papel, parecendo uma veterana do terror.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Sobre a moralidade nietzscheana III: Ações nietzscheanas na política ou adentrando o lado obscuro do Brasil.

Chegamos a terceira parte da moralidade em Nietzsche, já falei do conceito de moral e como o mesmo está fragilizado no Brasil de hoje agora veremos se existe espaço para um nietzscheano no Brasil.
Como age um verdadeiro nietzscheano? Como qualquer pessoa, a resposta pode frustrar as expectativas de alguns de vocês mas não existe uma código de conduta, apenas o conhecimento de seu desejo, das consequências do mesmo e uma reflexão de como se deve realiza-lo. Tal reflexão não é pautada em um contexto social mas sim na satisfação - que está implícito no convívio social, como é impossível viver em uma caverna temos que ter em mente que vivemos em uma sociedade, o que não quer dizer abraça-la incondicionalmente.
Alguns homens mudaram suas sociedades ao repudia-las, outros usaram a insatisfação para controlar o rebanho vejamos dois exemplos: Che Guevara usou ideias pró-rebanho para modificar a realidade cubana, ao lado de Fidel Castro ele derrubou déspotas assassinos para colocar outro déspota assassino no poder, com a diferença deste usar a farsa ao seu favor e poder assim manipular o rebanho ao seu bel prazer, Che ainda tentou fazer o mesmo no Congo e na Bolívia, o que o falso argentino queria era tornar-se um mito (e conseguiu), ser um Deus entre os homens, nietzscheanos não querem ser os deuses de outros, mas seus próprios deuses e ter a sua própria doutrina. Um exemplo de übermensch é Nelson Mandela, a primeira vista esta parece ser uma incoerência, vejamos Mandela - um homem que passou a vida preso e fiel aos seus ideais, recusando-se a ser mais um no rebanho ele manteve-se firme, foi eleito presidente e então proclamou: "não esqueçam, mas perdoem" não é o perdão uma artimanha dos agenciadores do rebanho? Mandela sabia que não se pode mudar a sociedade pela guerra, a guerra apenas destroi, nada é construído pela guerra, já uma forte moral nietzscheana sim leio nas entrelinhas da fala de Mandela "perdoem pois não há outra forma, vocês tem sua parcela de culpa por terem abaixado a cabeça por tanto tempo, assumam a responsabilidade. Destruam para reconstruir nosso país" o governo de Mandela foi uma cuidadosa destruição, o episódio do jogo de Rugby representado em "Invictus" retrata este momento, infelizmente aqueles que o sucederam parecem não ter entendido recado, preferindo distribuir coleiras, a situação dos negros na África do Sul não mudou muito, eles são livres mas são discriminados, embora tentem genuinamente descobrir o que fazer com sua liberdade falta-lhes esta moral. Eles ainda estão se acostumando a serem livres, infelizmente sob a batuta de agenciadores do rebanho.
Quando se fala em figuras políticas fica difícil encontrar aqui no Brasil um partido que assemelhe-se aos ideais nietzscheanos comecemos nossa busca pelos partidos nanicos de esquerda como PSTU, PSOL, PCO, PCdoB, PCB e outros semelhantes eles parecem ter aquele ímpeto por mudar, porém sob esta generosa ideologia paira uma frustração, uma inveja destrutiva. Ideias como estatizar o poder privado e romper com o FMI beira a destruição pela destruição, ideias semelhantes as de Pol Pot e seu Khmer vermelho Nietzsche nunca falou de guerra ou destruição, ele abençoava a vida e na destruição não existe vida. Vamos inverter nossa busca olhando para o PMDB o maior partido do Brasil não possui uma identidade, é uma verdadeira Maria-vai-com-as-outras o PMDB alia-se com quem estiver no poder o abraçando com a mão direita e empunhando uma faca com a esquerda, definitivamente eles não são nietzschenos, o filósofo pregava que a amizade era um dos sentimentos mais preciosos que se poderia ter, um homem que trai seus amigos não é digno da alcunha deste alemão. Sem contar que falta a determinação e os valores pessoais, os quais faltam ao PMDB. Chegamos ao PT o maior agenciador de rebanhos, petistas alimentam-se do sangue dos miseráveis trancados em seus porões e alimentados com restos enquanto os humilham e sodomizam com bolsas esmolas. O PT é o maior dos nossos inimigos "Que encontras de mais humano? - Poupar alguém da vergonha" (Nietzsche) . Bom... o inimigo do meu inimigo é meu amigo? Cuidado com esta afirmação. O PSDB é um partido que vaga entre atitudes reacionárias e ações que esboçam respeito pelos miseráveis o suficiente, pelo menos, para não humilha-los com nossos restos exigindo adoração divina em troca. Seu problema é semelhante ao do PMDB existem muitas visões dentro dele que impedem uma moral nietzscheana. com algumas ideias estritamente positivistas quanto ao social, o PSDB passa longe de ser um partido Nietzscheano.
Temos os DEMOCRATAS que encolhem a cada ano, ficando felizes em ser a sombra do PSDB, embora goste do Kassab - chamar aquele cara de vagabundo foi uma demonstração magistral de poder, ao colocar aquele manifestante em seu lugar Kassab mostrou quem é, qual suas ideias e que não recuaria perante ninguém. Esta é a moralidade nietzscheana, infelizmente Kassab é um em meio a um deserto crítico, nem seu protetor Serra aproxima-se desta moral. Um partido como o DEM que contenta-se em ser a sombra do PSDB não merece ser relacionado ao nosso filósofo, ao contrário merece nosso desprezo. O PP é o antiga Arena, assim como o PT faz hoje eles agenciavam o rebanho, vale para eles o mesmo que disse para o partido de estrela vermelha. Resta o PV, este partido gera simpatia, a pesar do Gilberto Gil, mantém-se firme aos seus ideais referentes a ecologia e respeito ao ser humano, eles não humilham ninguém com migalhas e muito menos forjam discursos de igualdade marxista. Outro partido semelhante, porém ideologicamente mais fraco é o PPS assim como o PV ele respeita o humano, não o trata como cachorro e nem tenta tipifica-lo com ideias naturalistas e positivistas, mas tem alguns membros que o enfraquecem, como a Soninha (de quem já falei em outros tópicos) Tanto o PV como o PPS estão longe de serem nietzscheanos, acredito que não irei encontrar nenhum partido que aproxime-se da filosofia da transmutação de todos os valores.
"A: 'Tu és um desmancha-prazeres; eis o que se diz por toda parte.'
B: 'Com certeza! Desfaço a cada um com gosto que tem pelo seu próprio partido, o que nenhum partido me perdoa'." (Nietzsche).
Partidos políticos são feitos de homens, alguns deles possuem esta moral que tanto falta nos dias de hoje mas aviso eles são poucos e a maioria está morta. O primeiro grande líder que tivemos foi Don Pedro II, foi com ele que o Brasil mais progrediu, como um verdadeiro nietzscheano "Pedro Jr." trouxe cultura e progresso, sem discriminar as classes mais baixas com falsas regalias regadas á migalhas, claro que os militares estragaram tudo desde então entramos em um hiato que perdura até hoje... o governo de Don Pedro II é apenas uma sombra gravada na caverna da memória.
Gostava muito do Dr. Ulysses, o Dr. já deixa claro, não somos iguais, ele era um homem superior e sabia disto, sendo respeitado pelo mesmo motivo, fiel aos seus ideais ele é um raro exemplo de nietzscheano querido, mas não a ponto de ser eleito, a final homens superiores não são tão amados assim.
Recentemente tive algumas decepções políticas como no caso de Romeu Tuma (nunca o considerei um nietzscheano), que passou toda sua vida defendendo o combate a criminalidade revelou-se um traidor da própria causa em virtude do filho, uma clara falta de valor. Eduardo Suplicy mostrou toda sua mediocridade de caráter quando arrastou-se aos pés de Marta após chifre e o divórcio, porém uma pessoa que casa com a Marta não pode ser grande coisa, outra decepção.
Já falei do Kassab, outro que me agrada é o Alckmin que peitou todo o PSDB para ser candidato a presidência, sua atitude foi digna, porém apressada faltou-lhe a paciência de um mestre, existe nele a fidelidade a figura de Mário Covas e potencial de vir a ser porém um excesso de moralismo o impeça de ser um Nietzscheno, ele poderia ser um übermensch se quisesse, mas não o quer.
Talvez o ultimo grande líder que tivemos tenha sido Mário Covas, protagonista de uma atitude exemplar, que ninguém mais seguiu como exemplo de fiel as suas ideias. Quando fora confrontado por manifestantes: funcionários públicos e deputados da oposição contra o projeto de previdência do estado, cerca de cinco mil manifestantes, membros da CUT e militantes da oposição pararam a avenida Oscar Americano exigindo uma reunião a portas fechadas, Covas disse que não iria receber ninguém, se os quisessem negociar ele iria até o "homem toteinico" dos manifestantes falar em público e assim o fez, Covas saiu de sua sala, pediu para a polícia abrir o portão, atravessou os manifestantes, como um homem superior o faria, subiu no carro de som, pegou o microfone e disse que não retiraria o projeto pois acreditava nele, chamou os manifestantes, militantes e deputados da oposição e líderes sindicais (que devem sofrer de algum complexo de Che Guevara) de autoritários e antidemocratas, o governador desceu do carro de som, atravessou a multidão e voltou para o palácio. Covas teve seu dia de Zaratustra infelizmente ninguém seguiu seu exemplo. "O que é grande no homem é ele ser uma ponte e não uma meta. O que se pode amar no homem é ele ser uma passagem e um declínio" (Nietzsche).
Após falar na cidade Zaratustra fora ridicularizado pela população que preferia assistir um equilibrista, que ao atravessar duas torres sobre uma corda bamba fora derrubado por um palhaço invejoso, a população abandona o local e Zaratustra entra na floresta arrastando o cadáver.
"Desconcertante é a vida humana e sempre desprovida de sentido. Basta um simples palhaço para lhe ser fatal.
Quero ensinar aos homens o sentido de sua existência, que é o super-homem.
Mas estou ainda bem longe deles e meu sentido nada diz a seus sentidos . Para os homens, ainda estou a meio caminho entre um palhaço e um cadáver." (Nietzsche, Assim Falava Zaratustra).

"Os Deuses Mortos" Sete Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...