Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 31 de julho de 2010

Kogal Mini Contos: Fazendo boas ações pt. 1


Aki, Rika e Hitomi aproveitavam o intervalo das aulas para tomar seu lanche e conversar, até Rika tocar em um assunto incomodo para Aki.
- Aquela menina nova é muito esquisita.
Aki estremece.
- O que foi?
- na... nada não.
Neste momento a morte pula sobre as costas de Aki massageando seus seios, Aki fica vermelha enquanto Rika e Hitomi olham assustadas para aquela cena digna de uma pornochanchada. Finalmente Aki desvencilha-se dos dedos da morte, olhando-a furiosa.
- Que idéia é esta?
- Foi o cumprimento que Afrodite me encinou por que?
- Afrodite? - Rika tentava entender a conversa das duas enquanto Hitomi terminava de beber seu suco desviando o olhar para o outro lado.
Aki segura a morte pelo braço e a leva correndo para o outro lado do pátio longe de todos.
- O que está acontecendo?
- Eu falei com meu pai como você me animou ele deu permissão para que eu passe uns dias com os mortais, e foi bom eu ter vindo já que você precisa fazer suas boas ações para não morrer novamente.
- E você vai me ajudar?
Vou supervisionar. Papai mandou.
- Papai?
- Tanatos - sua voz torna-se grave, seus olhos vazios, o vento fica gelado - deus grego da morte, filho da noite inimigo da humanidade odioso até mesmo aos imortais. Por isto é melhor você se apressar.
- Quanto tempo eu tenho?
- Vinte quatro horas.
Aki grita desesperada, suas duas amigas aproximam-se encarando a Morte, que sorri gentilmente para elas, antes que Rika ou Hitomi digam algo Aki as segura pelos braços arrastando-as para fora da escola, a morte as segue flutuando atrás delas, para a surpresa dos que passavam.
Minutos depois as três garotas estavam em um estacionamento, Rika irrita-se e decide interromper o silêncio.
- O que estamos fazendo aqui?
- Viemos fazer uma boa ação.
- Por que?
- Eu não quero ir para o inferno.
Hitomi olhava para o nada e indiferente comenta:
- É uma boa justificativa.
Aki aponta para um carro estacionando em uma vaga de deficientes físicos. Assumindo um ar meigo e doce Aki aproxima-se do motorista.
- Por favor, este lugar é reservado para deficientes - ela geme sutilmente - mude seu carro, por favor.
- Vai pentear macaco baranga.
Enraivecida Aki deixa o homem ir embora, em seguida ela ergue um martelo de quebrar concreto e começa a arrebentar o carro do homem. Rika, Hitomi e a morte olham assustadas, o homem vê seu carro sendo destruído e grita desesperado, Aki e suas amigas fogem até um lugar seguro.
- Então? O que você achou desta boa ação?
- Que boa ação - Rika grita em desespero - você destruiu o carro daquele homem.
- Pode ser, mas agora ele aprendeu a não mais estacionar nas vagas de deficientes. O que você achou morte?
- Não sei se é uma boa ação.
Rapidamente Aki procura por outra boa ação, ela encontra uma velhinha tentando atravessar a rua.
- Ja sei.
Aki corre até o meio a rua esticando seu braço e fazendo os carros pararem, Aki pisa no capo de um deles e começa a gritar.
- Vocês não percebem que aquela senhora quer atravessar.
Aki olha em volta procurando pela velinha.
- Cadê ela?
A Morte surge flutuando ao lado de Aki.
- Aquela velinha assaltou o motorista do segundo carro e saiu correndo.
Assim que ouve as sirenes da polícia as garotas fogem. Aki interrompe sua corrida ao ver uma menina olhando para cima de uma árvore onde seu gato estava preso, Aki retira o sapato e o atira no gato, matando o animal, Aki recupera seu sapato e continua correndo enquanto a menina chora sobre o gato morto.
Em fim as quatro voltam para a escola frustradas por terem causado mais destruição do que boas ações.
- Hitomi, eu sou má?
- Acho que não, um ciclone não é mal quando destroi uma casa ou um terremoto não quer matar centenas de pessoas quando derruba um prédio? Eles simplesmente acontecem.
- Eu sou uma força destruidora da natureza?
- Você está mais para uma maré alta que afoga banhistas desavisados, acho que o mundo precisa de pessoas como você para equilibrar as coisas.
Aki afasta-se de suas amigas, desesperançada ela chuta uma lata vazia que acerta a cabeça de Takami.
- Por que você fez isto?
- Cale a boca.
- Desculpe.
- O que você está fazendo aqui?
- Eu deveria estar na aula de natação, mas tive vergonha.
- Por que seu corpo é deformado e feio?
- Não! Por que eu não sei nadar.
Aki sorri maquiavelicamente.

Continua...

terça-feira, 27 de julho de 2010

A Ciência e a Arte (a lenda de duas irmãs)


A Ciência e a Arte são duas irmãs gêmeas - embora idênticas, chegando a nos confundir suas personalidades são diferentes. As duas sempre andavam juntas. A onde a Arte ia a Ciência a acompanhava, sempre nesta ordem a Arte liderava as expedições infantis, era à Arte quem inventava as brincadeiras. Um dia a Ciência se cansou de apenas seguir sua irmã, foi ai que ambas entraram na adolescência.
A Ciência era uma jovem púdica, dama recatada envergonhava-se com os flertes masculinos, escondendo seu charme por sobre suas anáguas, dificultando a aproximação dos homens que desejavam conhece-la, em contra partida a Arte explorava a vida, namoradeira, expansiva, atraindo para si o olhar masculino.
O sonho da ciência era se casar, ela buscava um parceiro que a entendesse, a Arte tinha muitos parceiros, seu objetivo era o prazer, as vezes ela tinha mais de um parceiro por vez. A arte explorava os limites de seu corpo. Até nos momentos íntimos a ciência era recatada, gostava de ser despida lentamente a cada botão aberto seu parceiro devia beijar sua pele, o sexo era carinhoso mas conservador, ela era quem ditava as regras já a Arte queria ser penetrada, por todos os orifícios com dois ou três pênis ao mesmo tempo, roupas rasgadas, arrancadas á força, calcinhas devoradas por homens, esbofeteavam seu rosto, cuspam em sua cara, a Arte gostava de apanhar.
Eventualmente as duas irmãs se encontravam, a amizade infantil já não existia mesmo querendo manter um relacionamento estável agradando assim seus pais, as duas garotas logo brigavam Ciência chamava sua irmã de vulgar, impúdica, vergonha para as mulheres, desavergonhada enquanto à Arte gritava pela casa recalcada, azeda, frígida, "você ficará com teias de aranha entre as pernas".
Os namorados da Ciência sentiam inveja dos amantes da Arte pela exploração máxima do prazer, enquanto que os amantes da Arte invejavam a estabilidade e segurança dos parceiros da Ciência.
No fim as duas irmãs não percebiam que embora muito diferentes elas almejavam o mesmo destino, queriam conhecer a si mesmas como mulheres individuais, uma independente da outra restando o saudosismo infantil de quando exploravam o mundo juntas.

FIM

sábado, 24 de julho de 2010

Kogal Mini contos: Ela, a morte


Bom gente, estou iniciando uma nova série de mini-contos sobre a mesma personagem do conto Chapeuzinho vermelho http://recantodasletras.uol.com.br/contosdeterror/2380376
Eu criei novas oportunidades para estas personagens.

Ela, a morte

Aki acorda em meio a um denso nevoeiro, não havia horizonte, apenas a densa neblina que ocultava o céu e a terra. Aki caminha sem entender onde estava ou como havia chego lá. Flashs de memórias invadem sua mente fazendo-na lembrar do derradeiro encontro com o lobo e de sua morte, ao longo Aki vê uma figura tétrica, alta, magra, carregando uma foice trazendo uma ampulheta na cintura e seu rosto coberto por um capuz negro.
- Deve ser brincadeira.
O ceifador sinistro aproxima-se de Aki que tenta fugir, correndo sem conseguia sair do lugar. Sem opção Aki cai sentada chorando.
- Por que isto está acontecendo comigo!?
A morte aproxima-se, Aki consegue vê-la mais claramente, sua estatura era bem menor, por volta de 1.60m, e ela não era tão magra assim, exibindo formas femininas por sobre o capuz, aproximando-se mais Aki pode ver o rosto da morte, esta retira seu capuz revelando um rosto ingenuo e envergonhado, embora muito bonito.
- Por que você está chorando? Não sei o que você está acontecendo mas eu não sou quem você pensa.
- Não!?
- Não. Você está no limbo, eu sou a morte e vim leva-la para o inferno.
- É exatamente o que eu estou pensando! - Aki grita ensandecida, enquanto a Morte faz cara de "ué" virando sua cabeça para o lado.
- Bom, já que você sabe o que vai acontecer vamos?
- Não - Aki volta a chorar - eu não quero ir, não você é má. Má. Má e má.
A morte senta-se chateada chorando, Aki fica surpresa e ainda mais assustada: "agora sim eu estou perdida, esta garota vai recomendar minha alma para o diabo".
- É sempre assim, as pessoas nunca gostam quando eu apareço, elas ficam rindo e se divertindo ai eu apareço e elas ficam tristes, como se alguém tivesse morrido.
- Bom... você é a morte - a morte olha atentamente para Aki, que recua assustada - desculpe.
- Como?
- Bom, você disse que veio levar minha alma, isto geralmente estraga o dia de uma pessoa.
- Você acha mesmo? Pensando bem as pessoas costumam fugir de mim, sempre que eu pedia um bichinho de estimação para o meu pai, Tanatos, ele morria, as pessoas fazem o sinal da cruz quando me aproximo delas, até os 10 anos eu achava que era uma vampiresa.
Aki não acreditava no que ouvia, por um segundo ela consegue controlar-se elaborando um plano para tentar sair daquela situação "chance". Aki levanta-se decidida.
- E se eu te ajudar.
- Você?
- Sim, eu sou a menina mais popular do meu colégio, ou era, eu posso ajuda-la que tal.
A morte levanta-se animada, segurando as mãos de Aki e saltando de alegria - "obrigada, obrigada, obrigada".
- Muito bem, o primeiro passo é esta roupa, ela é muito feia, além disto eu percebo que você tem um corpo bonito.
- Você não gosta da minha roupa?
- Este manto é horrível, todo sujo - Aki segura a borda do manto da morte e o retira deixando a ceifadora nua, tapando o seios e sua calcinha preta decorada com um crânio branco bordado - Vamos ver, onde tem um shopping por aqui?
A morte movimenta sua foice fazendo aparecer um vestido decotado de saia rodada pouco a cima da cocha, meias 3/4 e botas pretas.
- Eu sabia que era bonita, agora vamos ver seu cabelo. Tem mega hair no inferno?
- Os fabricantes de cosméticos vão todos para lá.
A morte faz seu cabelo crescer até a cintura, tornando-se vermelho, Aki o penteia até a morte assumir uma aparência lolita.
- O que achou?
- Ficou ótimo, agora vamos que eu tenho outras pessoas para buscar.
- Vamos?
- Para o inferno, como você foi legal comigo eu vou falar com o demônio, ele vai arranjar uma área VIP para você.
- Como assim? Você vai matar sua amiga?
Os olhos da morte brilham de emoção, ela trança suas mãos por sobre a boca emocionada, seus olhos enchem-se de lágrimas.
- Amigas?
Aki vira sua cabeça para o lado com ar displicente.
- Bom, se você quiser.
A morte pula por sobre Aki abraçando-a, tanto a morte quanto a garota ficam com suas calcinhas a mostra, Aki consegue afastar sua nova "amiga" conseguindo falar.
- Então tem jeito?
- Existe uma coisa chamada segunda chance, você deve voltar para o mundo dos vivos e fazer algumas boas ações, se conseguir poderá viver novamente.
Aki abraça a morte agradecendo-a, ela sente o cheiro de carne podre dos condenados exalar da morte e tapa o nariz.
- Mais uma coisa, arrume um perfuminho.
Aki abre os olhos percebendo que estava em seu quarto, a garota pula de alegria, toma seu café da manhã, vai para o colégio cantarolando e senta-se em seu lugar ainda cantarolando de alegria. Suas amigas estranham seu bom humor.
- Vocês sentiram minha falta?
- Nós nos vimos sexta-feira, hoje é segunda, não deu tempo de sentir saudades.
- A vida é maravilhosa.
A professora entra na sala de aula.
- Quero apresentar-lhes uma nova aluna.
A morte entra na sala de aula, vestida como colegial, trazendo consigo dois fantasminhas um sobre cada ombro. Aki fica boquiaberta ao ver a morte, esta acena para sua "amiga".

continua...

terça-feira, 20 de julho de 2010

A política se lê como uma cena primária


A ideia deste post veio do tópico levantado pelo Marcos em seu blog "ACERCA DO “'HOMEM DOS LOBOS'”: http://umtranseunte.blogspot.com/2010/07/acerca-do-homem-dos-lobos.html
Comecemos do princípio: cena primária é uma protofantasia onde a criança vê os pais transando esta cena pode ser imaginada ou a criança coloca-se em posição de vêr os pais em pleno ato. A cena primária é interpretada como violência ou estupro do pai contra a mãe, a cena primária mais famosa da história da psicanálise está em O homem dos lobos. Marcos questiona se o sujeito dos lupinos teria passado o resto de sua vida procurando seu lugar perdido pela visão dos pais trepando.
Agora sim chego na política, não é raro criticarem nossos políticos, acusa-los de incompetente e/ou ladrões (raro é alguém chama-los de honestos e coesos) assim como não é raro ver os mesmos políticos sendo reeleitos, alguns até renunciam e são reeleitos (não é mesmo Genuino?). A criança vê o coito dos pais pois sua mãe pertence ao pai tal percepção é sentida como uma agressão por parte do pai contra ele e a violência é deslocada. Políticos corruptos, incompetentes, celebridades oportunistas e coronéis seriam eleitos para violentarem o Brasil em virtude "dum" sentimento de inapropriação do brasileiro? O brasileiro comum não é aquele que evita lutar por seus direitos? Mobiliza-se para que seu time compre jogadores enquanto ignora as atitudes dos governantes? O brasileiro comum não é aquele que revolta-se por cinco minutos durante o noticiário sobre Brasília para em seguida desfrutar da novela? Sim!
Talvez o brasileiro não se conheça como brasileiro, não existe uma identificação com nossas raízes, provavelmente por nossa história: fomos uma colônia, depois viramos vice-reino para Don João fugir, só ficamos independentes por que Dom Pedro estava cagando no rio Ipiranga. Dom Pedro II foi uma excessão com ele o Brasil teve uma cara, o país progrediu como nação, logo sendo substituído pelos marechais/presidentes, em seguida o primeiro grande coronel Getúlio Vargas, em seguida o golpe - a liberdade acabara, após as diretas já tivemos o segundo grande coronel Sarney. Logo em seguida elegemos (agora sim) o terceiro coronel Fernando Collor - um coronel incompetente, em seguida veio a cracatua maluca Itamar Franco, ouve uma ameaça de melhora com o plano Real na era FHC, moeda "forte" que perdeu força com a crise, estamos com o quarto grande coronel Lulla que barganha migalhas pela dignidade humana. Estes são nossos pais infiéis que preservamos pela incapacidade de tomarmos a mãe pátria estuprada por nossos políticos.
Um bom exemplo de "pai infiel" é uma mulher Soninha. A defensora das ciclovias (um ótimo projeto e absolutamente necessário diga-se de passagem) iniciou sua carreira como vereadora pelo PT elegendo-se na chapa de Marta Suplicy, depois que a loira do botox destruiu São Paulo reduzindo a Cidade as cinzas Serra foi eleito, na época Soninha escreveu uma carta aberta de várias páginas pedindo para Serra manter as ideias Kamikaze de Marta. Nas ultimas eleições para prefeito Soninha mudou de partido, mostrando que não é uma canalha ela saiu do PT e filiou-se ao PPS, no segundo turno o PPS apoiou Serra, Soninha disse que estava do lado do partido mas não subiria ao palanque com o tucano, sua recompensa foi uma subprefeita, Soninha rapidamente tornou-se uma aliada psdbista pleiteando uma vaga ao senado nestas eleições, vaga que não conseguiu mas seu apoio ao antes odiado e agora gran mestre José Serra continua. "onde está aquele garoto que queria mudar o mundo?"

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Mini contos - Agora sim: Chapeuzinho vermelho


Aki estava irredutível de braços cruzados a garota vira o rosto para Diego que tentava convence-la.
- Não adianta, não irei fazer mais nada até aumentar meu salário.
- Mas você é a estrela do meu conto.
- Eu quero um banheiro particular em meu camarim, um massagista particular e folga de três dias nos finais de semana. Até lá estou de greve entendeu? Greve.

Agora sim: Chapeuzinho vermelho

Hitomi e Rika estão em uma sala de aula, na frente do quadro negro segurando um apontador (um aparelho de metal que serve para apontar e não aquilo com o que se aponta o lápis). Atrás delas o nome do conto "Chapeuzinho vermelho".
- Boa noite leitores - Rika pulava de alegria - esta noite iremos apresentar o conto chapeuzinho vermelho, não é mesmo Hitomi?
- Sim.
- Ela é sucinta.
Rika tentava descobrir uma forma de escrever na lousa quando Hitomi saca um controle remoto com o qual muda a tela da lousa Hi-tec. Rika inicia sua explicação.
- Chapeuzinho vermelho é um conto de fadas no qual é representada a problemática do Édipo. Vejamos a protagonista é uma garota vestida de vermelho - surge na tela uma imagem da chapeuzinho vermelho - a cor vermelha simboliza uma sexualidade a flor-da-pele porém em uma garota que não a controla, também temos um lobo - surge a imagem de um lobo na tela - Existem duas versões de Chapeuzinho vermelho a primeira escrita por Perrault e a segunda pelos irmãos Grinn em nenhuma das versões o pai da garota aparece isto por que o pai é representado pela figura do lobo.
Surge na tela a imagem de Perrault.
- A versão escolhida para este conto é a primeira escrita por Perrault, como vocês verão neste link link recanto das letras a história original é muito diferente das versões da Disney. Não concorda?
- Sim.
- Claro que estamos falando de uma adaptação, aqui a personagem da chapeuzinho é representada pela colegial Aki, se quiser mais detalhes vocês podem entrar nestes links:

http://osdeusesmortos.blogspot.com/2010/04/kogal-mini-contos-como-ser-uma-kogal.html
http://osdeusesmortos.blogspot.com/2010/04/como-ser-uma-kogal-pt-2.html

- É importante ressaltar que estamos falando de um conto de terror, que tenta aproximar-se de histórias que retratavam terrores profundos do ser humano.
- "Chapeuzinho vermelho" é uma orgia de sangue e violência psiquica - Hitomi permanece inexpressiva - explorando tabus pouco encarados nos dias de hoje onde uma sexy colegial tenta sobreviver a sedução de um assassino em série.
- Boa noite e divirtam-se com o conto "Chapeuzinho vermelho":

http://recantodasletras.uol.com.br/contosdeterror/2380376

FIM

terça-feira, 13 de julho de 2010

Rompendo Tabus 2: A verdade não existe e a moral também não.


Estava eu assistindo "V. de vingança" pela quarta ou quinta vez permiti-me divagar na história, analisando as personagens e suas motivações pude reuni-los em três grupos: O governo autoritário, moralista e conspirador que expunha sua verdade; O segundo grupo é o mais amplo de todos engloba a população, aqueles que aceitavam a verdade do governo com algumas variáveis desde desde a população que ostenta a foto do primeiro ministro em suas salas, a garotinha de óculos que questiona o governo veladamente, passando pelo humorista que guarda relíquias proibidas em sua casa, a personagem de Natalie Portman que percebe algo de errado mas permanece estável em seu lugar até o detetive - membro do partido que aos poucos questiona a verdade imposta. O terceiro grupo é o próprio V. personagem revolucionário que tem como objetivo de vida a vingança. Em "V. de vingança" temos duas verdades extremas, opostas cuja única semelhança é o autoritatrismo. As duas verdades aprisionam as pessoas, V. tem uma existência isolada, seus companheiros são relíquias de outros tempos, seu rosto está escondido por uma máscara, jamais o vemos, conhecemos V. por seus ideais enquanto o primeiro ministro aparece por um telão, seu rosto é ampliado, sua figura é raivosa "junte-se a mim ou será destruído" o verdadeiro primeiro ministro aparece apenas no final, até então temos a sua verdade, tão rígida quanto a de V. para manter esta verdade o primeiro ministro promoveu um genocídio.
A verdade pode ser uma prisão, radicais são inflexiveis, rabiosos, prisioneiros de seus próprios ideais Hitler tinha sua verdade e foi as ultimas consequencias para mante-la, Che Guevara idem, eram verdades diferentes mas ambos foram à extremos abdicando da própria vida para mante-la, o mundo está repleto de famosos extremistas: Pol Pot (na minha opinião um genocida muito mais notório que Hitler), Idi Amin, Stalin, Pizarro, Torquemada, em níveis mais brandos Hugo Chavez, Fidel Castro, George Bush, MR 13. Porém não quero falar de figuras históricas mas sim da realidade cotidiana.
Vimos que podem existir mais do que uma verdade e quando isto ocorre temos um embate, também existe a possibilidade de uma verdade mais tênue, branda que divaga entre duas verdades. Uma pessoa pode ter mais do que uma verdade? Assim como a realidade à verdade é uma construção e como tal possui infinitas possibilidades, diria mais: quanto mais verdades tivemos melhor caso contrário seremos como V., impossibilitados de retirar nossa máscara.
Nietzsche já nos alertava a busca pela verdade é ridícula pois ela não existe, cada um tem a sua verdade porém algumas questões podem ser levantadas:
P. Para cada verdade existe uma mentira oposta?
R. Não, tal pensamento é positivista, a verdade (assim como o real) corresponde à ordem da metafísica, se as verdades não passam de possibilidades elas englobam a mentira em si como um único organismo pois afirmar que uma verdade é falsa implica em sobrepor outra verdade sobre ela.
P. Podemos ter 2 ou mais verdades contraditória?
R. Lógico que sim, o ser humano é contraditório suas invenções não poderiam ser diferentes.
Já dizia o poeta "a mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer".
Indo mais além a verdade está intimamente relacionada a moral, ambas são amantes uma depende da outra para exercer seu gozo assim se a verdade não existe a moral também não: valores como bondade, generosidade, "humanismo", crueldade não são marcados a ferro em nossa alma. O que existem são emoções e mesmos estas podem ser confundidas pois o erro é humano.
Fulano ajuda os pobres, ele é tão humano! QUEM DISSE? Este é apenas um ponto de vista embargado pela moral e não uma verdade.
Por fim quero deixa-los com uma pergunta: seus valores são seus ou vocês apenas foram aceitos?

sábado, 10 de julho de 2010

Convite para minha coluna semanal


Olá amigos este é um tópico propaganda estou convidando vocês para lerem minha coluna no Blog Caderno do dia. Um Blog jornalistico a semelhança das revistas semanais ou de jornais impressos diários.
Neste Blog serei o editor da coluna "Cotidiano" o primeiro post está disponível desde as 19 horas desta sexta-feira, irei colocar uma nova coluna todas as sextas-feiras às 19 horas. Espero vê-los por lá.

Este é o link do post
http://cadernododia.blogspot.com/2010/07/estreia-do-cotidiano_09.html

Este é o link do blog (que está relacionado ai ao lado):
http://cadernododia.blogspot.com/

quarta-feira, 7 de julho de 2010

A copa que realmente importa e ultimos comentários futebolisticos


Pois é garfaram o Uruguai se não fosse aquele gol irregular (Van Persie estava irregular na hora do chute de Sneijder) a celeste teria ido para a prorrogação ai eu queria ver mas como dizem se minha mãe tivesse bigode ela serio o meu pai.
Com a queda do Uruguai minhas previsões foram para o escambau, poso acertar apenas o terceiro colocado. Até então tinha acertado 73% Somados os dois tópicos em que fiz previsões acertei 70% acho que dá para pedir um emprego na ESPN.
Esta foi a Copa das Zebras, foi a copa da arbitragem, foi a Copa de Maradona e principalmente não foi a Copa dos craques: Cristiano Ronaldo preferia se ver no telão, Messi tentou ser Maradona, mas não deu, Kaká contundido e jogando com dores não conseguiu, Rooney então foi uma desgraça, assim como Fernando Torres.
Como é de praxe aqui vai a minha Seleção da Copa com os 11 melhores de cada posição.

Goleiro: Casillas (Espanha)
Lateral direito: Maicon (Brasil)
Zagueiro: Lugano (Uruguai)
Zagueiro: Juan (Brasil)
Lateral esquerdo: Fabio Coentrão (Portugal)
Volante: Elano (Brasil)
Volante: Schweinsteiger (Alemanha)
Meia-armador: Sneijder (Holanda)
Meio-atacante: Honda (Japão)
Atacante: Müller (Alemanha)
Centro-Avante: Suáres (Uruguai)
Técnico: Joachim Löw

Agora sim vou ao verdadeiro motivo deste tópico a Copa que realmente importa. Em meu primeiro post comentei caso o jogo estivesse ruim era melhor olhar para as beldades da arquibancada então aqui vai a Copa das beldades, porém irei começar pelas oitavas de final:

Uruguai X Coreia do Sul = O charme portenho contra o requinte sul-coreano disputa difícil mas dá Uruguai na prorrogação. Vence Uruguai.

EUA X Gana = Esta é uma partida feia de se ver porém os fartos seios das Americanas dão uma vantagem difícil de ser revertida. Vence EUA

Holanda X Eslováquia = Partida equilibrada outra partida que vai para prorrogação, mas eu fico com a tradição Vence Holanda.

Brasil X Chile = Assim não tem graça, goleada Brasileira mais o Show. Vence Brasil.

Argentina X México = Mais um Clássico ambas as torcedoras são lindas porém o lado Brega das Mexicanas são um erro fatal. Vence Argentina.

Alemanha X Inglaterra = Aqui as inglesas não não nem para o cheiro Deus salve a rainha. Vence Alemanha.

Paraguai X Japão = O Paraguai tem Larissa Riquelme e só, elas lutam bravamente mas acabam goleadas 7 a 1 Japão. Vence Japão.

Espanha X Portugal = Quem gosta de mulher bigoduda é... acho que ninguém outra goleada. Vence Espanha.

Quartas-de final

Uruguai X EUA = Se as Uruguaias tiveram que suar para vencer as coreanas contras as americanas a coisa fica mais fácil e celeste passa fácil pelo país das mulheres sem bunda. Vence Uruguai.

Holanda X Brasil = As curvas brasileiras contra os olhos azuis das holandesas este vai para a cobrança de penaltis porém as raimundinhas chutam fora e as brasileiras voltam para casa. Vence Holanda.

Argentina X Alemanha = Este também é equilibrado, mas as Argentinas vencem com um gol de penalti ao 30 da prorrogação. Vence Argentina.

Japão X Espanha = Um clássico desta copa as Chicas calientes contra o charme oriental vitória apertada. Vence Japão.

Semi finais

Uruguai X Holanda = Até aqui as uruguaias fizeram bonito mas seu adversário é forte, as holandesas são sensacionais vencem sem ajuda da arbitragem. Vence Holanda.

Argentina X Japão = O melhor da Argentina são as argentinas, mas falta perna para nossas Hermanas. Vence Japão.

A grande final

Holanda X Japão = Confronto difícil duas belas escolas de beleza muito diferentes porém vou ficar com aquela mais meiguinha. Vence Japão.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Sem novidades no Fronte: Chove chuva ou Você tem fome do que?


A Copa do mundo é indubitavelmente o evento mais divertido do ano tanto que mal a Copa chegou na sua metade e ficamos incomodados após dois dias sem jogos. Porém a Copa tem um problema (e não é a Argentina) durante a Copa esquecemos de todo o resto... Ou o problema seria com o brasileiro que esquece de todo o resto?
Vocês devem ter vista a temporada de chuvas no Nordeste, estão todos compadecidos: um estado com tanta miséria, tanta fome, tantos petistas e coronéis passar por todo este sofrimento.. pêra ai tantos petistas e coronéis?
Lembram do que eu falei no tópico todo coronel precisa de um cavalo? Aqui está o Link: http://osdeusesmortos.blogspot.com/2010/06/todo-coronel-precisa-de-um-cavalo-ou.html
Resumindo: Os governantes agenciam o rebanho, colocam uma coleira em seu eleitorado, os ensinam a dar a pata e rolar, fingem erradicar a miséria a troca de esmolas em retribuição pedem a dignidade de seu eleitorado. Assim a população vende-se em troca de poder viver de renda.
Eles elegeram Sarney, Collor e Lula eis o resultado, sinto muito se minhas palavras parecem duras mas cada um é responsável por suas escolhas. "Ser lulista é nunca ter que pedir perdão" [1].
Não estou querendo ser sádico, pelo contrário estou sendo otimista talvez esta tragédia abra os olhos de algumas pessoas, sei que não serão todas as pessoas porém se pelo menos um sobrevivente repensar sua relação com a política haverá algo de positivo nesta tragédia. Eventos catastróficos promovem ma reorganização no funcionamento psíquico dos envolvidos como se pegasse no tranco infelizmente atuações, campanhas solidárias movidas por artistas (que visam a auto promoção e não o auxílio ao próximo) abafam este novo pensamento não nascido. Tudo bem, se não for nesta tragédia que as pessoas irão rever seus ideais, poderá ser na próxima pois neste rítimo existirão outras.
"Primeiro levaram os comunistas, como não sou comunista não falei nada; depois levaram os judeus, como não sou judeu não disse nada; em seguida levaram as testemunhas de Jeová, como não sou testemunha de Jeová não disse nada; então eles me levaram ai não havia ninguém para dizer nada por mim". Frase escrita por um anónimo em campo de concentração Nazista.
Lula e os petistas criaram uma Odisséia Messiânica visando erradicar a pobreza se os mesmos perderam-se em sua ilusão ou simplesmente querem ser idolatrados pelo rebanho nunca saberemos o que sabemos é seu modo de pensar Lula e Com. Ltda. passam a ideia de que erradicação da miséria é idêntico ao aumento de renda. Dinheiro no bolso é diferente de dignidade. Em nome deste otimismo cria-se o esvaziamento dos desejos.
A tentativa lulista de levar luz as trevas acaba por dissipa-la na luz do dia - o aumento de renda cria uma nação de miseráveis a tragédia no Nordeste é apenas uma boa representação do futuro.
"A gente não quer só comida a gente quer comida, diversão e arte".

[1] AZEVEDO, R. (2009) Máximas de um país mínimo. Rio de Janeiro: Record.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...