Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Ela, a bunda


A bunda feminina exerce, desde os primórdios, atração por parte dos homens além dos motivos óbvios por que tamanho desejo? Por que não as pernas? Ou os seios? Ou alguma outra parte do corpo? Temos motivos culturais como as avantajadas ancas brasileiras ou teorias antropológicas onde o desejo pela bunda seria uma busca inata por mulheres com quadris de parideira a qual possibilita uma boa prole ao homem. Tais explicações nunca me satisfizeram totalmente.
Na época das cavernas o homem primitivo mantinha relações sexuais com a mulher pelo ânus - imitando os animais a mulher ficava de quatro sendo coberta pelo homem, em algum lugar na evolução da espécie o homem migrou do cu para a vagina podendo assim ter filhos porém nunca abandonou completamente o sexo anal em um manifesto antievolucionário. Procurando imagens na internet constatei que fotos relativamente recentes da revistas playboy e sexy as modelos não aparecem em nenhum enquadramento de quatro como se recusassem esta pose mantendo assim o aspecto evolucionário, repudiando o domínio de sua porção animalesca.
Esta ideia é retratada no mito de Lilith, a primeira mulher de Adão foi concebida em meio aos lagartos mais próxima a um demônio do que humano Lilith apresenta-se como personificação do desejo sexual suja de sangue e saliva ela e Adão unem-se rapidamente, ambos imitam os animais praticando o sexo anal, Lilith revolta-se contra Adão por não querer ficar em baixo dele nas relações sexuais fugindo para a terra dos demônios onde torna-se amante dos malditos vivendo em uma gigantesca orgia e dedicando sua vida a matar os homens através do sexo. Adão encontra em Eva mulher com que procria passando do ânus para vagina.
Em ambos os momentos temos uma renúncia ao desejo inicial em virtude da existência da espécie, ainda em outro mito Prometeu rouba o fogo dos deuses entregando esta para humanidade, em consequencia ele é acorrentado e todos os dias uma ave devora parte de seu fígado - prometeu rouba o fogo em um pedaço de pau, claramente uma metáfora para o falo, símbolo da sexualidade masculina, mas por que o fígado? Em épocas antigas o fígado era a representação dos sentimentos, posteriormente o fígado fora trocado pelo coração. Imaginem o desenho de um coração romântico, daqueles que parecem nas figurinhas de "amar é" ou "Hellow Kitty" geralmente desenhado por meninas meigas e apaixonados, agora invertam este desenho, colocando-o de ponta cabeça teremos a silhueta de uma bunda. Invertendo o mito de prometeu e substituindo a tortura pelo prazer veremos a estimulação da representação do afeto (fígado) instigado pelo pau em chamas (o falo) é o desejo sexual sublimado pelas fantasias românticas - o coração.
Curioso como as mulheres renegam a beleza de sua bunda, ficando irritadas e disparando "homem só olha para a bunda" uma birra com sua própria sexualidade, em sua eterna busca pelo amor (coração) elas não percebem que estão atrás da satisfação (bunda) denunciando esta falta como a busca que alguém que as complete (o encaixe do pênis) - arrisco uma interpretação onde a trepada do homem primitivo somado ao mito cotidiano de que todo o homem é galinha e irá trair sua mulher é uma espécie de conformismo/permissão para o homem trair sua mulher o que não fica evidente é que a mulher trai a si mesma ao negar o encaixe e separar o coração da bunda.
Em manifestações mais primitivas da sexualidade como o funk ou o axé podemos ver a exaltação da bunda e sua clara relação com a sexualidade anal, aqui a mulher desejada é aquela com bunda grande e sem recalques sexuais um verdadeiro ato antievolucionário, renegando assim a cultura e por isto vítima de descaso e ódio pela sociedade que abandonou e não consegue viver em paz por te-la abandonado.
Quando Lilith abandona Adão sua saída foi trepar com todos os demônios e depois com os homens durante a noite como uma negativa de sua vontade original em ser tratada como uma igual ela torna-se mais animalesca do que humana, renegada por Deus e sedenta de luxúria Lilith tenta destruir a civilização com o sexo - Lilith surge a noite quando todos dormem e a civilização ignora os monstros de baixo da cama dizendo "eles não existem, são apenas histórias".

sábado, 28 de agosto de 2010

KIT DO BRASILEIRO


"O Brasil é a prova de que Darwin estava errado. Somos a verdadeira ilha de triunfo dos menos adaptados" (Reinaldo Azevedo)

Vai transar?
O governo dá camisinha.

Já transou?
O governo dá a pílula do dia seguinte.

Teve filho?
O governo dá o Bolsa Família..

Tá desempregado?
O governo dá Bolsa Desemprego.

Vai prestar vestibular?
O governo dá o Bolsa Cota.

Não tem terra?
O governo dá o Bolsa Invasão e ainda te aposenta.

RESOLVEU VIRAR BANDIDO E FOI PRESO?
a partir de 1º/1/2010 O GOVERNO DÁ O AUXÍLIO RECLUSÃO?

esse é novo
Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, é de R$798,30 "por filho" para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso.
Não acredita?
Confira no site da Previdência Social.

Portaria nº 48, de 12/2/2009, do INSS
http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22

Mas experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!


"Trabalhe duro, pois milhões de pessoas que vivem do Fome-Zero e do Bolsa-Família, sem trabalhar, dependem de você"

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Kogal Mini Conto: Um dia nas águas termais


As quatro amigas (Aki, Rika, Hitomi e a morte) estavam dentro de um ônibus, Aki sentava-se encolhida em um canto enquanto as outras três conversavam alegremente, é a morte quem levanta a bola:
- Eu não entendi o título.
- Águas termais são fontes naturais em solo vulcânico - começa a explicar Rika - assim não importa a temperatura ambiente as fontes estarão sempre quentes.
- Entendi, estas fontes são como o lago fervente do inferno?
- Mais ou menos - assustada Rika decide mudar de assunto - o que foi Aki?
- O que eles estão fazendo aqui?
"Eles" são Takami para de ler uma revistinha olhando sem entender para as meninas.
- Não estou falando dele, mas dele.
O outro "ele" era o lobo (assassino do conto chapeuzinho vermelho" no qual estes mini-contos são baseados) o assassino estava sentado em outro banco limpando suas unha com seu facão.
- Saudades?
- Não!!!!!!!! - Aki grita histericamente - por que ele está aqui??????
- Por que se não o Takami ficaria sozinho - Hitomi terminava de comer um sanduiche sem esboçar alguma emoção - se o Lobo não estivesse aqui o takami teria que nos espiar sozinho enquanto tomamos banho ai o conto não teria graça.
- E está tudo bem para você ser espiada no banho?
- Não sou recalcada.
Takami pesca algo de interessante na conversa.
- Quer dizer então que está tudo bem se eu espiar vocês?
Aki salta da cadeira acertando uma voadora em Takami que quica três vezes no chão antes de escorregar pelo chão do ônibus. Lobo assiste a cena sorrindo.
- Quanta energia Aki.
Aki encolhe-se sozinha e deprimida no outro canto do coletivo.
Meia hora depois as amigos chegam até as fontes termais...
- Eu não sou amiga deste cara - Aki gritava em desespero apontando para o lobo - e muito menos deste nerd.
Continuando as quatro amigas, acompanhadas dos dois homens chegam as fontes termais, assim que pagam para entrar...
- Eu ainda tenho que pagar para entrar nesta espelunca? Junto de um psicopata e de um tarado?
Neste momento Hitomi abre sua bolsa entregando tiquetes de entrada gratuitas para a zeladora, assim os seis companheiros de viajem vão cada um para seu vestiário. Melhorou Aki?
- Um pouco.
Dentro do vestiário masculino Takami faz um buraco na divisória dos dois vestiários, assim que ele tenta olhar Aki enfia seu dedo no buraco (opa!) furando o olho de Takami que rola de dor no chão. Do outro lado do vestiário Aki tapa o buraco com uma fita adesiva.
- Agora sim é seguro nos trocarmos.
Hitomi é a primeira a ficar nua, chamando a atenção das outras três por causa dos seus seios enormes.
- Nossa Hitomi - Rika prestava muita atenção - como isto é possível?
- Está começando a ficar apaixonada?
- Não, só estava impressionada... não... é...é...
- É?
- É grande...
Hitomi vai para trás de Rika apalpando seus seios e medindo o tamanho deles
- Não....
- Não são muito grandes, mas tem potencial.
- Não faz assim...
- Quer dizer assim...
- Não coloque a mão ai... Nããããão!
Aki e a morte afastam-se dizendo que irão deixa-las a sós para o desespero de Rika.
- De novo não!!!!!
Minutos depois as quatro garotas estavam na fonte de águas termais esta é dividida em dois lados o esquerdo para homens e o direito para mulheres, separados por um muro de bambu. Takami subia no muro tentando espiar as garotas quando Aki o acerta com uma pedra.
A morte flutuava sobre a água de um lado para o outro enquanto as três garotas ficavam a toa na água. Sem conseguir ficar quieta Rika puxa um assunto.
- Então com que tipo de homem vocês querem casar?
- Tem que ser homem? - Hitomi olha envergonhada para sua amiga que esconde-se atrás de uma pedra.
- E... e você Aki?
Hitomi estava submersa apenas com a parte superior da cabeça para fora observando Rika que tenta prestar atenção na resposta de Aki, esta por sua vez estava mais desleixada do que nunca sob as águas.
- Bom, vou querer casar com um milionário de 98 anos a beira da morte, de preferência sem herdeiros.
Morte Prestava atenção na resposta de sua amiga:
- Por que você simplesmente não casa com um milionário sem herdeiros e mata ele?
As três meninas olham assustadas para a morte que não entende a surpresa delas, do outro lado do muro Takami fica louco ouvindo a conversa das meninas:
- Não é justo, por que existe este muro entre eu e a felicidade?
- Se você quer vá pegar.
Takami olha para o Lobo que sorri como um assassino, Takami sente-se encorajado, escala o muro saltando do outro lado em puro êxtase ele grita apaixonado.
- Eu quero o meu verão!!!!!!!!
Porém as quatro garotas já tinham ido para o vestiário, o lobo entra no banho feminino vendo a decepção de Takami.
- Que azar o seu.
- Adeus, meu verão.
Takami vai embora em silêncio, assim que percebe-se sozinho o lobo aproxima-se de uma árvore de onde retira sua câmera digital de alta definição. O assassino sorri ao perceber que havia gravado todo o banho das garotas.

FIM

Linke de Chapeuzinho vermelho:

http://recantodasletras.uol.com.br/contosdeterror/2380376

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Aquilo que está oculto pode ser visto pelo buraco da fechadura ou contando uma piada


Estes dias estava pensando na Bruxa de Blair este excelente filme de terror consegue assustar da maneira mais simples possível, não mostrando nada. A produção levou três atores para o meio do nada, deu duas comeras para eles e ficaram fazendo barulho á noite, não poderia ser mais simples, nem mais assustador.
A verdade é que gostamos de histórias do tipo Bruxa de Blair não (apenas) pelo terror porém por sua estrutura. O filme é basicamente uma mentira, claro que toda a sétima arte é uma mentira, o cinema nos vende ficção mas Bruxa de Blair é uma mentira mentirosa somos levados a crer que a trama é real e que de fato aqueles garotos foram mortos por algum espírito da floresta. Ou gostaríamos de acreditar? O cinema possui outras histórias semelhantes como "Canibal Holocaustro" e "Contatos imediatos de quarto gral".
Estamos falando de um segredo que não é segredo - o segredo só existe até ser revelado este é o objetivo do segredo caso contrário não o confidenciar-mos. existe algo de erótico, de fetichista neste mundo em que viemos onde nada se revela por inteiro como se o olhássemos pelo buraco de fechadura lembro-me de Al Pacino explicando a psique de Deus em "Advogado do Diabo" em seu monólogo ele explica o por que o pecado original não só era inevitável como arquitetado - Deus diz veja a maçã mas não pegue; tudo bem pegue a maçã mas não prove; Vá... prove a maçã mas não coma; pode comer a maçã mas não engula.Assim é nossa sociedade com regras frágeis com aparências rígidas pronto para serem quebradas, alias estas proibições nascem para serem quebradas, nós brasileiros temos uma ótima fórmula para expor esta mentira é o humor alguns programas humorísticos são mestres em desmascarar a realidade como: "Os Simpsons", "Family Gay", "South Park" e os nacionais "CQC" e "Pânico na TV", nossa cultura popular também desmascara esta realidade através do humor. um exemplo:

Quando Deus fez o mundo, para que os homens prosperassem decidiu dar-lhes apenas duas virtudes. Assim:
- Aos Suíços os fez organizados e respeitadores da lei.
- Aos Ingleses, corajosos e estudiosos.
- Aos argentinos, chatos e arrogantes.
- Aos Japoneses, trabalhadores e disciplinados.

- Aos Italianos, alegres e românticos.

- Aos Franceses, cultos e finos.
- Aos Brasileiros, inteligentes, honestos e petistas.
O anjo anotou, mas logo em seguida, cheio de humildade e de medo,
indagou:
- Senhor, a todos os povos do mundo foram dadas duas virtudes, porém, aos brasileiros foram dadas três! Isto não os fará soberbos em relação aos outros povos da terra?
- Muito bem observado, bom anjo! exclamou o Senhor.

- Isto é verdade!

- Façamos então uma correção! De agora em diante, os brasileiros, povo do
meu coração, manterão estas três virtudes, mas nenhum deles poderá utilizar mais de duas simultâneamente, como os outros povos!
- Assim, o que for petista e honesto, não pode ser inteligente.
O que for petista e inteligente, não pode ser honesto. E o que for inteligente e honesto, não pode ser petista. Palavra do Senhor...

Em uma entrevista para rede Record Lulla chorou ao despedir-se do país que governa, sua ênfase em anunciar sua aproximação do povo e jogar com o fato de vir de uma origem humilde, como se pobreza fosse uma virtude e não uma criação social.
Voltemos ao tópico apenas para encerra-lo, criamos o mundo em que vivemos o criamos de maneira subjetiva, assumimos papéis que tornam-se máscaras rígidas as quais não conseguimos retirar, vestimos uma carapuça, determinamos papéis que são aceitos pelos que nos rodeiam, precisamos dos pobres, dos ricos, das desigualdades e de sonhos idealistas são todas máscaras que precisamos retirar, para isto serve o cinema, o humor e a cultura popular.

sábado, 21 de agosto de 2010

Kogal Mini contos: Conversa no quarto pt. 2


As três amigas: Aki, Rika e Hitomi estavam no quarto de Aki. As duas primeiras usavam regata e calcinha já Hitomi fazia cosplay de Lilith usando colante vermelho, meia calça malva e asas maleáveis vermelhas e azuis. É Rika quem quebra o silêncio:
- Você já reparou que sempre estamos com roupas sensuais?
- Ele é um tarado - Aki olha furiosa para o teto - o escritor é um tarado pervertido.
- E você Hitomi? O que acha?
- Não me incomodo - a garota continua lendo uma revista, sem nenhuma expressão.
Aki e Rika olham descrédulas para sua amiga.
- O que você espera de alguém que se veste assim?
Hitomi encara Aki com frieza, a protagonista encolhe-se de medo até Rika sente um arrepio na espinha. Hitomi retorna a sua leitura.
- Mudando de assunto, vocês viram que abriu uma nova loja?
- Você já pensou que nossas conversas são sempre superficiais e vazias - Aki estava entediada com o fato de não ter mais nada para fazer.
- Nem sempre...
Aki e Rika deitam suas cabeças - a primeira sobre o colchão e a segunda sobre um travesseiro improvisado no chão do quarto. Hitomi para de ler mudando o assunto:
- A moral está na força, também na meta do esforço, se não gostam do que está acontecendo basta mudarem sua conduta. A sociedade existe para criarem indivíduos mais dotados e fortes - quando Hitomi termina de falar ela percebe Aki e Rika olhando-a assustadas - bom, vocês queriam uma conversa mais profunda.
As duas garotas recuperam-se do susto voltando a deitar, Aki repete as palavras de sua amiga, tentando entende-las. Hitomi continuava lendo.
- Ei Rika - Aki coça sua cabeça com um do dedos, em seguida olha a sujeira em sua unha com desprezo - você e a Hitomi colam velcro?
Rika pula do chão assustada.
- Por que o susto?
- C... como assim por que o susto - Rika gritava em desespero - Que raio de pergunta é esta?
- É que vocês duas estão sempre juntas.
- Nos três estamos sempre juntas.
- É, mas vocês duas estão mais juntas do que nós três.
- Hitomi fale alguma coisa.
Hitomi estava corada de vergonha, evitando fitar Rika, que recua amedrontada.
- V... você...
Hitomi desvia seu olhar para baixo ainda mais envergonhada:
- Você fica comigo esta noite? - sua voz era baixa e tímida.
Aki sorri maquiavelicamente, finalmente ela encontrara algo que pudesse diverti-la, a garota levanta-se da cama para o desespero de Rika que não percebe Hitomi aproximar-se dela.
- Bom eu vou deixa-las a sós - Aki ria como um demônio travesso.
Hitomi abraça sua amiga sussurrando no ouvido de Rika, envolvendo o ventre dela amiga com sua mão esquerda, massageando o seio de Rika com a direita. Aki sai do quarto e fecha a porta na cara de Rika que estendia seu braço livre pedindo ajuda.

FIM

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Psicanálise + animes I: Evangelion



"Será Deus o criador do universo ou apenas um produto do homem? Enquanto Deus permanecer no Céu, tudo na Terra estará bem... Em quem você tem fé?"

Hoje eu vou falar sobre um anime, não vou falar sobre O Anime, estava esperando terminar a Copa do Mundo para iniciar uma espécie de novo ciclo em meu blog ao lado da série "uma espiadela em baixo da saia" e dos mini contos irei iniciar ma nova temática "psicanálise + animes" apenas demonstrando que onde houver produção humana existe a psicanálise - claro que escolhi a dedo os animes de cada poste, o primeiro será Neon Genesis Evangelion.
Antes de falar sobre Evangelion é necessário entender o que é Evangelion: Se o mundo dos animes fossem as pinturas de Da Vinci Evangelion seria a Mona Lisa, se o mundo dos animes fosse uma copa do mundo Evangelion seria como ganhar a final de virada no ultimo minuto com dois jogadores a menos, se o mundo dos animes fosse o cinema Evangelion seria como encontrar a obra prima perdeda de Ingmar Bergman, Stanley Kubrick, Akira Kurosawa ou qualquer gênio morto... acho que vocês entenderam.
Começando pelo início
Tudo começa com um diretor novato, porém talentoso, acometido por uma profunda depressão iniciada em 1991, a depressão fora tão forte que o deixara afastado por quase três anos. Este evento fora fundamental para criação de Neon Genesis Evangelion uma série da animação criada entre Outubro de 1995 e Março de 1996.
Vou falar um pouco da mitologia da série no ano 2.000 um meteoro cai na Antártida promovendo uma onda de destruição quase aniquilando a vida na Terra, os sobreviventes reconstróem seus seus países e tudo começa á voltar ao normal até o ano de 2.015 quando os anjos de Deus invadem a Terra sem que (quase) ninguém saiba o motivo. Uma organização chamada NERV criou andróides gigantescos (os tais Evangelions) pilotados por adolescentes de 14/15 anos para tentar derrotar os anjos... se alguém me contasse a série desta forma eu ignoraria porém...
Evangelion é feita de mentiras a principal delas é a própria série os primeiros episódios sugerem uma animação comum cheia de clichés e situações para "chocarem" o público isto muda com o passar do tempo a trama passa ao segundo plano enfocando nos personagens até o seu magnífico final.
Algumas mentiras de Evangelion: Não houve meteoro um grupo de conspiradores conseguiu os manuscritos do mar moro (ecos de Arquivo X) com o qual descobriu a existência de um anjo que dera início a humanidade estas pessoas tentaram encontrar Deus como resultado quase destruíram a humanidade.
Outra mentira: A idade dos pilotos não importa, os pilotos (vou falar dos personagens logo mais) são escolhidos por um único motivo suas mães. A mãe de dois personagens morreram e suas almas ficaram aprisionadas dentro dos Evangelions (cada piloto possui o seu) os pilotos entram em um recipiente fálico que é alojado dentro de um corpo que possui a alma de suas mães - os pilotos não sabem que as almas de suas mães estão nos robôs, as próprias almas estão adormecidas, para facilitar o controle, não dos pilotos mas da NERV.
Os robôs possuem o nome de EVA´s - são seres híbridos dos anjos encontrados pelos humanos Adão (encontrado na Antártida) e Lilith encontrada no Japão (a animação é japonesa oras) e mantida crucificada pela NERV assim EVA vem de Adão.
O objetivo do grupo de conspiradores que comandam a NERV e visa utilizar os EVAS para derrotar os Anjos e então fundi-los à Adão e absorver todas as almas dos seres humanos retornando a vida embrionária em um grande útero (alguém ai pensou em pulsão de morte?) porém o diretor da NERV tem um objetivo diferente ele que reencontrar-se com sua esposa cuja alma está aprisionada no EVA 01, ele utilizará todos a sua volta para alcançar seu objetivo e a humanidade que se foda.
Lembram que eu falei sobre a depressão do diretor? Pois bem neste período ele encontrou uma coisinha chamada psicanálise, não apenas como paciente mas como leitor, desenvolvendo uma atração especial por Jung - veremos sua relação com a psicanálise (e com a depressão) com os personagens e principalmente com seu final.
Como eu disse Evangelion é mentiroso os personagens são bem humorados, divertidos sempre com muitos amigos isto é uma máscara. Todos os personagens sofrem de angústias profundas e vivem atormentados.

Os personagens principais:
  • Shinji Ikari é o personagem principal da série e auter-ego do diretor/criador da série garoto frágil, tímido que evita relacionar-se com as pessoas esperando pelo dia de sua morte - na infância Shinji vê sua mãe morrer dentro do EVA 01 (sua alma fora absorvida) após a morte de sua mãe Shinji foge de casa, seu pai Gendo (diretor da NERV) o abandona com um amigo, quando Shinji completa 14 anos ele é chamado por seu pai para pilotar a Unidade 01 e nada mais. Shinji aceita pilotar esperando assim ser elogiado por seu pai (uma tentativa de ludibriar o abandono), porém os dois se ignoram. Vale falar um pouco sobre a relação de Shinji com seu pai: Gendo manipula o filho atraindo sua confiança enquanto recruta um amigo de Shinji para pilotar outro EVA que seria possuído por um anjo e obriga seu filho a derrotar este anjo mutilando seu amigo, o sofrimento do filho irá despertar a alma de sua esposa dentro do EVA 01.
  • Misato Katsuragi Misato é a diretora de operações da NERV quando criança seu pai renegava sua família pelo trabalho, ele morre na Antártida ao encontrar o primeiro anjo, antes de morrer ele salva Misato que tornou-se catatônica, voltando a falar anos depois e desde então não parou mais. Quando Shinji fora convocado ela o leva para sua casa motivo: ela não queria ficar sozinha Misato forja uma família com Shinji e Asuka (outro piloto). Misato é o que pode ser chamada de mulher horizontalmente acessível: ela envolve-se com vários homens procurando neles o pai perdido através do sexo porém sempre termina seus relacionamentos abandonando seus homens ficando sozinha.
  • Asuka Langley Soyu (a ruiva) - Asuka (leia Aska) é a piloto do EVA 02 ela é arrogante, metida, narcisista, falsa, prepotente, orgulhosa, paranoica, carente a beira de um surto psicótico (que acontece durante a série) A mãe de Asuka criou o EVA 02 por trabalhar demais e não ter tempo para a família ela foi abandonada pelo marido, a mãe de Asuka negligência todos visando a criação do EVA 02 o qual absorveu sua alma, esta mãe não morreu mas surtou, ela ignorou sua filha adotando uma boneca a qual batizou de Asuka, tentou assassinar sua verdadeira filha e por fim que enforcou-se. A identidade de Asuka é baseada nesta boneca, ela tem que ser a melhor para assim atrair a atenção de todos (o olhar materno), ela odeia ser ignorada. Asuka pede para morar com Misato mas aos poucos vai cindindo quando se vê superada por Shinji e salva por Rei (outro piloto) cujo Asuka detesta e a chama de "boneca" aos poucos ela vai perdendo o controle do EVA até não conseguir mais pilota-lo e ficar de cama, morrendo lentamente (mesmo quadro do diretor).
  • Rei Ayanami (a de cabelo azul) - Rei foi a primeira garota a ser escolhida e pilota o EVA 00 um protótipo e único que não possui alma isto por que Rei é um híbrido de Lilith com a mulher de Gendo/mãe de Shinji ela foi criada para unir a alma de Gendo à alma de sua esposa e nada mais. Rei não conhece seus sentimentos, apática ela começa conhecer suas emoções no convívio com Shinji suicidando-se para salva-lo. Porém Rei possui vários clones sem alma que estão prontos para substitui-la assim que ela morrer.
Eu falei que Evangelion bebe da água da psicanálise porém a verdadeira psicanálise aparece apenas nos dois últimos episódios: Rei funde a alma de Shinji a da mãe dele assim Shinji poderá recriar o mundo conforme sua vontade a primeira reação de Shinji será criar um mundo permeado pela angústia onde todos os personagens são confrontados e esmagados por suas ansiedades persecutórias - provavelmente a representação da depressão do diretor, porém Shinji percebe que as coisas não precisam ser assim, ele cria outro mundo onde não existem os anjos, onde seus pais estão vivos, Misato é sua professora, Asuka é sua amiga de infância e Rei é alegre e divertida neste mundo não existe tristeza, mas não é o que Shinji quer, ele percebe que existem infinitas possibilidades (infinitos "eus" possíveis) e que a realidade não existe enquanto algo determinado, esta cena é sensacional Shinji vaga no vazio uma voz diz que ele é totalmente livre, mas Shinji não sabe o que fazer então surge uma linha agora ele tem um chão mas sua liberdade diminuiu para que ele posa se orientar no mundo. Então Shinji retorna ao mundo em que conhece ao lado de Asuka, Shinji olha à sua volta e chora, Asuka o chama de patético.
Talvez o melhor resumo de Evangelion é que ele explica o que é a psicanálise, de forma que todos aqueles que tem intimidade com a criação de Freud deveriam conhecer Evangelion, qualquer um que goste de uma boa história com personagens muito bem estruturados também deveria conhecer.
Evangelion existe uma uma série de 26 episódios que é exibido atualmente no canal Animax (canal 83 da SKY), possui dois filmes "Death and Rebirth" que resumem a série e The End of Evangelion que na verdade é uma recriação dos dois ultimos dois episódios sobre outra óptica. Atualmente Evangelion está sendo reconstruído em um projeto que visa recontar a história em quatro filmes revendo algumas ideias, mostrando eventos sobre outros pontos de vista e introduzindo novos personagens já assisti os dois primeiros filmes You are (not) alone que é muito bom e You can (not) advance que simplesmente mata a pal. Aparentemente estes filmes podem ser lançados em DVD pela Play Art.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Kogal Mini Contos: Vampiresa?


A lua cheia iluminava o pequeno beco onde um Bad Boy cortava caminho, ele surpreende-se com a presença de Aki imersa nas sombras, semi-iluminada pela lua, olhos avermelhados, rosto inocente, os botões superiores da camisa abertos revelando parcialmente seus seios. Ela fita o garoto sem revelar seus pensamentos transmitindo apenas a mais profunda luxúria.
- A pesar do rosto inocente, você é muito sedutora.
Em um silêncio sepulcral Aki levanta parcialmente sua saia, o rapaz aproxima-se da colegial agarrando-a selvagemente, Jogando Aki contra a parede para beija-la, Aki envolve o garoto com suas pernas, enquanto afasta a gola de sua camisa. Assim que o pescoço do rapaz fica visível Aki revela suas presas cravando estas em sua pobre vítima, a lua é coberta por uma nuvem, o beco volta a ser encoberto, o grito do Bad boy dura poucos segundos, seguido pelo silêncio.
Aki emerge das trevas com o sangue do garoto sujando sua boca e seios, sua concentração é quebrada por palmas, Rika e Hitomi aplaudiam entusiasmadas. Aki sai da personagem vampiresa tornando-se envergonhada.
- O que vocês duas estão fazendo aqui?
- Nós é que perguntamos - Hitomi concordava em silêncio com sua amiga - Por que estas presas e todo este sangue?
- Agora que o conto da chapeuzinho acabou, eu tenho que encontrar outra coisa para fazer e vampiros estão na moda.
- Então agora você é uma vampira?
- Vampiresa.
As duas garotas olham curiosas para Hitomi que falara pela primeira vez e agora voltava ao seu costumeiro silêncio.
- O que é uma vampiresa?
- O feminino de vampiro, falar vampira é errado.
Aki olha diretamente para o leitor.
- Este blog também é cultura.
- O correto é vampiresa ou mulher vampiro. Pode-se dizer, Aki, que agora você é uma noiva de Satã.
- Acho que eu não gostei disto.
O Bad Boy arrastava-se pela calçada tentando fugir, Aki pisa em cima dele fulminando-o com olhar furioso.
- Você está morto, volte para lá.
O Bad boy arrasta-se de volta para o beco, enquanto Hitomi volta ao assunto empolgada.
- Como vampiresa você pode ser a jovem inocente mas curiosa transformada por um aristocrata do leste europeu que utilisa seu título para esconder sua identidade de nosferatu - Hitomi entra em extase esfregando suas mãos em seu corpo - este conde irá transforma-la em sua serva, aplicar castigos corporais, obriga-la a viver acorrentada e a alimentar-se de sobras, você irá usar roupas rasgadas para deixar seu corpo a mostra e permitir que seu amo sirva-se quando quiser.
Hitomi estava alucinada de desejo, Aki e Rika dão um passo para trás assustadas com sua amiga.
- Não me confunda com você.
Hitomi estava dominada por suas fantasias de modo que não ouvia mais nada.

FIM

Aki estava na frente de Diego irritada.
- Devolva minha vida.
- Tudo bem, a partir do próximo mini conto as coisas voltarão ao normal.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Uma Espiadela em Baixo da Saia da Sociedade VII: Pobreza não é virtude


Crescemos em um mundo mágico, quando crianças sabemos que o mundo "lá fora" existe e nos espera com suas leis incontestáveis como: a chuva cai, o sol é quente, a lei da gravidade atrai os objetos para baixo e outras semelhantes. Aprendemos leis sociais tomando-as como dogmas, uma destas certezas é a pobreza, não que ela não existe - existe má distribuição de renda, mas acreditamos que a pobreza é uma lei da natureza, ela sempre existiu e sempre existirá.
Aqueles que nascem pobres passarão sua vida lamentando o fato de serem pobres, claro que a única possibilidade deles é continuarem pobres ou era... atualmente não se lamenta tanto assim ser pobre, se tem orgulho eles batem no peito gritando "somos pobres sim e dai?". Na prática não muda muita coisa a manutenção da pobreza se dá da mesma forma.
Este complexo de Hiena (come merda e dá risada) é fruto de políticas socais fajutas e falsos ídolos que visam a identificação com origens humildes sobrepujando a qualidade de vida criando assim uma supervalorização da pobreza, não que os pobres (ou qualquer nome politicamente correto que desejem) não tenham valor ou capacidade mas nem tudo que sai da favela é arte, assim como nem tudo o que sai da favela é cocaína. No Brasil petista de hoje você membro da classe média tem a obrigação de ser idiota pois toda capacidade criativa e intelectual concentram-se na periferia que deve continuar na miséria para não perder suas origens.
Alguns programas políticos garantem esta ilusão baseados na segregação um bom exemplo é o agora candidato ao senado Netinho do PC do B - quando não está batendo em sua esposa Netinho vai a câmara dos vereadores de São Paulo onde exerce seu primeiro mandato apresentando 18 projetos de lei dentre os quais estão disponibiliza salas de aula da rede pública para estudantes de baixa renda estudarem para o vestibular (estímulo a segregação, como um bom coronel); criação da feira cultural preta (estímulo a segregação racial, esqueça Nelson Mandela) e dia da sanfona (?). Outro bom exemplo de segregação é o dia da gratidão Nordestina data criada por Agnaldo Timóteo do PR ou a grande sacada de Aldo Rebelo PC do B o dia do Saci a ser comemorado em 31 de Outubro.
Por enquanto você que é pobre fique feliz por dormir em uma cama dura, passar fome, sofrer nas enchentes, ser discriminado pois você foi escolhido por Deus, assim como você muitos outros alçaram sucesso então relaxe e goze que depois será só alegria... mas que depois? O depois oras, não pense nisto o PT pensará por você.

domingo, 8 de agosto de 2010

Kogal Mini Contos: Fazendo boas ações pt. 2


Começava à anoitecer quando Aki arromba o portão da piscina onde ela fica olhando para as águas ao lado da morte, Rika e Hitomi estavam mais atrás, Rika olha curiosa enquanto Hitomi comia um x-burguer.
- Ei Hitomi, por que a amiga da Aki fica flutuando?
- Eu já desisti de entender como o autor pensa.
- Como assim?
Hitomi olha para sua amiga, que ainda não sabia que era uma personagem de ficção.
- Você é mais feliz assim.
No primeiro plano Aki olhava para a piscina ao lado da morte.
- Ajudar um amigo a nadar é uma boa ação?
- Acho que sim, mas você não tem tempo para tentar outras coisas.
Aki olha irritada para o relógio esperando por Takami.
- Cadê você o lagartixa?
Takami grita de dento do vestiário - Por que você está me ajudando?
- Quatro lindas garotas querem ajuda-lo e você foge?
- Eu tenho vergonha.
Aki olha novamente o relógio, invade o vestiário masculino de onde arrasta Takami, ela o joga na água para o desespero do garoto.
- Agora nade!
Takami debatia-se em desespero até chegar na borda, Aki pisa em sua cabeça afundando-o até o corpo de Takami flutuar sem vida na piscina.
A morte suspira e devolve a vida para Takami que volta a debater-se e morre novamente. Aki e Morte olham-se.
- É melhor retira-lo da água antes de revive-lo.
Minutos depois Takami estava recuperando o Fôlego na beira da piscina.
- O que aconteceu?
Morte adianta-se.
- Nada de mais, você só morreu um pouquinho, mas já passou.
Takami olha assustado para morte que sorri de maneira ingênua. Aki fica desesperada e chuta o garoto para a piscina, ele começava a se afogar, mas Rika o ajuda a sair da água, em seguida ela encara Aki.
- Não é assim que se ensina alguém a nadar.
- O que você sugere?
- Que tal um pouco de incentivo?
Pouco depois as garotas estavam de micro biquínis, cercando Takami que estava sentado cobrindo suas partes íntimas.
- Isto não é muita apelação? - Rika parecia irritada, Hitomi bebia um refrigerante com a mão na cintura indiferente se alguém visse seu corpo, morte estava envergonhada, Aki não aguentava mais esperar.
- Muito bem, vamos voltar para a água.
- Agora não dá.
Aki percebe que o garoto estava de "barraca armada" ela acerta um chute nele que faz Takami quica três vezes na água antes de cair e começar a afogar-se novamente, ele para de se debater quando percebe que Aki também entrara na piscina.
- Escute aqui, se você vier nadando até mim eu te dou um selinho.
- Só um selinho? Eu prefiro brincar de "plaft - plaft".
- "plaft - plaft"?
- Sim, eu coloco o meu rosto no meio dos seus seios e "plaft - plaft".
- Filho da puta! Quem você pensa que eu sou? Vem logo aqui se não eu te mato desgraçado!
Takami atravessa a piscina em 2.5 segundos instaurando assim um novo recorde, Aki consegue sua boa ação.
No dia seguinte Aki acorda no limbo, a morte estava na sua frente.
- Por que eu estou aqui? Não fiz minha boa ação?
Morte fala consigo mesma olhando para o leitor - Ela chama aquilo de boa ação?
- Mas... o Takami aprendeu a nadar e aquela menina recuperou seu gato, ou um pedaço dele e aquela velinha sentiu-se viva e pronta para assaltar mais um dia.
Morte estava pensativa.
- Tem razão.
- Tenho?
- Sim, mas algumas coisas serão diferentes.
- Tudo bem, qualquer coisa, mas eu quero viver.
A morte sorri maquiavelicamente.
- Foi você que pediu.

FIM

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Mudança de endereço


Olá amigos este tópico destina-se aqueles que acompanham minha coluna no "Caderno do dia", venho avisa-los que o Blog mudou de nome e endereço agora ele chama-se "Olhar Nacional" e está no endereço: http://olharnacional.blogspot.com/
Quanto a minha coluna todos meus textos serão postados até o final desta semana, entrando um artigo inédito sexta-feira as oito horas da noite.
Minha coluna está no endereço: http://olharnacional.blogspot.com/search/label/Cotidiano

Muito obrigado a todos.

Diego.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

A procura de um herói na F1 ou quem salva a mocinha peituda?

Chamar um esportista de herói é algo precipitado e muitas vezes injusto, não por seus feitos mas pelo mesmo estar fazendo o seu trabalho e nada mais. Tendo isto em mente mantenho o termo herói apenas para fins dramáticos.
Nos brasileiros estamos acostumados com grandes pilotos o primeiro foi Emerson Fittipaldi seguido por Nelson Piquet e Ayrton Senna depois... Rubinho "pé de chinelo" Barrichello o piloto de batata frita (lembram-se daquele comercial em que ele pilotava um pacote de batatas fritas), o fiel escudeiro (piada criada pro Galvão Bueno que tentava elogiar o inelogiável), também conhecido como tartaruga ou caracol (segundo pânico na TV)... como esquecer de suas músicas "este ai passou, este ai passou, este ai passou..." ou "sempre atrás de um alemão/é o Rubinho/ sempre atrás de um Alemão/é o Rubinho/e o motivo todo mundo já conhece/Problema hidráulico, o motor que aquece..."
O ultimo domingo foi um dia triste para o auto mobilismo brasileiro, foi o dia em que Felipe Massa virou Rubinho... Vamos voltar no tempo quando Rubinho foi demitido da Ferrari nós brasileiros comemoramos - comemoramos pois não passaríamos mais vergonha com o Barrichello e comemoramos pois teríamos um piloto de verdade na Ferrari. Massa quase foi campeão, era arrojado, determinado e nos orgulhava até semana passada... assisti o GP da Hungria e Massa foi discreto, atrás de Alonso atuação digna de um Rubinho.
Pensemos na analogia de um filme de ação temos o herói, uma mocinha peituda que precisa ser sáuva e o alívio cômico - aquele personagem meio pateta que fica fazendo trapalhadas a arrancando risadas do público. O mocinho é atlético, simpático, corajoso, salva o mundo e fica com a mocinha peituda já o alívio cômico é baixinho, fora de forma, feio e fica com o cavalo do herói. Se o auto mobilismo brasileiro fosse a série Star Wars Senna seria Luke Skywalker, Nelson Piquet seria Han Solo e Barrichello seria Jar-jar Binks. Massa saiu da categoria de herói para alívio cômico, rótulo difícil de perder o único caso que me lembro de um alívio cômico virar herói de ação foi Nigel Mansel - apelidado por Piquet como "o idiota veloz" claro que Mansel venceu competindo sozinho, mas foi campeão.
Falta alguém nesta equação os anti-heróis aquele personagem que mais parece um vilã mas é um herói Piquet pode ser um bom representante para este personagem, mas acho que ninguém representa o anti-herói melhor que Michael Schumacher - pessoalmente prefiro os anti-heróis eles são debochados, canalhas e fazem coisas pervertidas com as mocinhas. Outro bom protagonista seria Fernando Alonso, eu não critico Alonso e absolvo massa pelo contrário todos os envolvidos na troca de resultado são igualmente responsáveis a diferença é que Alonso é um anti-herói e sabe o que precisa fazer para resgatar a mocinha já Massa foi o alívio cômico preferindo beijar o cavalo.
Neste GP pudemos ver ecos da amarelada de Felipe massa, Barrichello ultrapassou Schumacher (algo inédito) o alemão defendeu-se sem ser desleal, a rede globo chamou o multi campeão de desleal mas a onde ele foi desleal? O Rubinho poderia ter batido? Era só ele tirar o pé do acelerador, algo que fez por anos ao lado de schumi. A Globo sempre tratou os dois como rivais quando na verdade Rubinho vendeu sua dignidade por seis abrindo espaço para o alemão ser vitorioso trajetória semelhante a de Weber vencedor da prova com uma diferença ambos tiveram apenas uma chance de provra que eram pilotos com capacidade de serem campeões, Rubinho falhou no ano passado terminando em terceiro no campeonato já o australiano pode vencer este ano, como Button fez ano passado em cima do Rubinho.
Depois da corrido Barrichello ficou chorando para o microfone global dizendo que esta ultrapassarem foi para desentalar os seis anos de fidelidade ao alemão. Interessante se foi tão incomodo para o Rubinho por que ele demorou tantos anos para levar a público? A verdade é que a única coisa em que o Barrichello é bom é chorar.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...