terça-feira, 28 de setembro de 2010

E para paro o senado? Vai votar em quem?


Pois é a coisa está difícil, este anos podemos votar em dois senadores, o que torna a tarefa ainda mais difícil, a pesar da vasta gama de candidatos não dá para dizer que temos duas boas opções. Eu pergunto: vocês vão votar em quem? Na perua tresloucada que destruiu São Paulo? No pagodeiro espancador de mulheres? No pseudo-delegado cujo filho está envolvido na CPI?
Começando pelo começo: a Marta Suplicy sintetiza tudo de ruim que um político pode ser: assistencialista, ela veio com aquele monte de bolsa-sustenta-vagabundo; uniforme escolar, tamanha único para pobre, cujo slogan era aquele rosto sorridente "mamãe eu sou retardado" estampado no peito dos uniformes e nos cadernos ou mochilas (que os pais usavam para fazer feira); ela plantou palmeiras importadas da Argentina (curiosamente estas palmeiras foram importadas pelo ex-marido dela, lógico estamos falando de uma petista); chifrou Eduardo Suplicy (e mesmo assim usa a imagem dele na campanha); apanhou do argentino (talvez por isto o apoio do Netinho).
Ser perfeita é muito trabalhoso, eventualmente a Marta cansava sua beleza e tirava alguns dias de folga para viajar pela Europa, sejamos justos a Marta fez muito por São Paulo ela... er... bom... ela fez... já sei ela fez uma praça muito bonita perto de casa. Ela promoveu a manutenção das escolas de lata (feitas pela Erundina também do PT - lógico), depois tentou maquiar tudo com o elefante branco CÉU, meses depois da construção dos últimos CÉUs estes estavam interditados por defeitos estruturais (material vagabundo e obra feita as pressas), ela também construiu um túnel que enche de água, deixou de pagar as empresas que recolhem o lixo e ainda chorou quando não foi reeleita (coitadinha, como o Paulista é malvado).
A Marta só não é a pior candidata ao Senado por que temos o Netinho de Paula, sim aquele mesmo que bateu na sua esposa, deu uma gravata na funcionária da extinta Varig, que bateu no repórter vesgo (do Pânico na TV) e bateu em um rapaz que tirou foto com ele fazendo "chifrinho" (também para o programa Pânico). Se algum senador for contra a proposta do Netinho ele senta a porrada. O Netinho vai ser o guarda-costas da Marta.
A plataforma do Netinho é "Eu sou negro e nasci pobre". Neste meio tempo em que o Netinho foi vereador por São Paulo ele apresentou 18 projetos de leis dentre eles: criação da feira cultural preta (caucasianos não podem entrar), o dia da sanfona (juro que ainda não entendi) e claro a disponibilização de salas de aula da rede pública para estudantes de baixa renda estudarem para o vestibular (estímulo para a segregação racial). Agora como senador o Netinho vai anular a lei "Maria da Penha" a porrada na mulherada vai ser liberada - com Netinho de Paula o coro vai comer.
Ainda tem o Romeu Tuma, outrora nome forte e respeitado ele jogou tudo a perder pelo filho, defendendo este do processo de CPI Tuma disse que tudo bem andar na companhia de criminosos, sabe como é a fruta nunca cai muito longe da macieira.
Estamos sem opção, ou quase resta uma luz no fim do túnel Aloysio Nunes.
Aloysio Nunes Ferreira Filho nasceu em São José do Rio Preto, no dia 5 de abril de 1945. Foi deputado estadual de 1983 a 1991 pelo PMDB (sendo, em seu primeiro mandato, líder do governador Franco Montoro na Assembleia Legislativa), vice-governador de São Paulo de 1991 a 1994, acumulando a função com a de Secretário Estadual dos Transportes Metropolitanos. Deputado federal de 1995 a 2007, agora pelo PSDB. Foi Secretário de Governo na Prefeitura de São Paulo durante o governo José Serra/Gilberto Kassab e braço direito/Chefe da Casa Civil enquanto José Serra esteve à frente do Governo do Estado de São Paulo
De 1999 a 2002, ocupou dois ministérios no governo Fernando Henrique Cardoso: a Secretaria Geral da Presidência e o Ministério da Justiça.
Aloysio é o único preparado para o Senado, por isto dê um de seus votos ao senado para ele, o outro pode anular pois mais ninguém presta mesmo.

Para senador vote: 451

sábado, 25 de setembro de 2010

Koga Mini-contos: Outras possibilidades


As ruas de Tóquio tremem quando uma estranha criatura com 30 metros destrói um prédio. Aki, Rika e Hitomi observavam a destruição, cada uma dentro de seu robô gigante...
- Não são robôs, mas entidades biossintéticas, porém dar mais detalhes seria entregar parte da trama - Aki gritava de maneira descontrolada para o narrador ignorante.
Hitomi interrompe:
- Eu sou um híbrido metade alienígena, metade frutos do mar, metade tia avó da Aki.
- Podem existir três metades?
Não deu tempo de Rika ficar confusa, a criatura ataca as três entidades biossintéticas, presas por um cabo de força atacam a criatura iniciando um combate.
- Pode parar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Aki interrompe a narrativa, as três amigas estavam de volta ao quarto da protagonista. Rika não se conforma com a gritaria:
- O que você está fazendo?
- Eu desisti de ter minha vida controlada pelo autor...
- Ainda com este delírio de ser personagem fictícia.
- Como estava falando antes de ser rudemente interrompida, eu vou tomar as rédeas da minha vida, em princípio vou mudar o tema desta série.
- Mudando o gênero? - Hitomi comia um pacote de salgadinhos.
- Estava pensando em um gênero mecha, mas seria muito complicado.
- preguiçosa.
Cala a boca peituda.
- Invejosa.
Aki limpa a garganta pronta para retomar sua narrativa:
"Sempre que as forças do mau tentam dominar a Terra, elas surgem para nos defender. Capaz de rachar o chão com um soco e varar o céu com um chute. São as 'Amazonas do Zodíaco'".
Aki, amazona de pégasus, Rika, amazona de andrômeda e Hitomi amazona de cisne subiam as escadarias do santuário, sabendo que o próximo adversário seria o mestre do santuário.
- Por que eu sou o Andrômeda? O andrômeda era viado
- Por que eu quero, agora cala a boca e corre.
As Amazonas invadem a sala do mestre deparando-se com Diego vestido como mestre do santuário.
- Vai lá Rika, acaba com ele.
Rika cai de joelhos começando a chorar:
- Ikki socorro.
Hitomi abraça sua amiga - "eu protejo você".
Aki encara Diego sabendo que esta seria a luta decisiva, Aki prepara-se para atacar quando Diego faz sinal para que ela espere.
- Você se rende?
- Na verdade, eu tenho uma arma secreta, pode entrar lobo.
Voltamos ao quarto de Aki, esta, descabelada e de olhos arregaladas, recuperava-se do susto.
- Acho que este tipo de história não combina com garotas.
Rika e Hitomi concordam incrédulas.
A lua brilhava no céu, um garoto era ameaçado por um monstro gato de echarpe lilás, o animal queria roubar a alma do amor do garoto (?) quando uma tiara voadora atinge o monstro chamando a atenção para Aki, Rika e Hitomi as três aparecem em silhuetas sob a luz da lua, Aki estava provida de suas "xuxas":
- Como você ousa atacar um garoto inocente que diverte-se tarde da noite? Não posso perdoa-lo. Irei puni-lo em nome da lua.
O monstro quase dorme durante a introdução, mas levanta-se para lutar. As três garotas estavam quase sendo derrotadas quando são salvas por uma rosa vermelha, que rasga o céu, fincando no chão entre elas e o monstro, Aki aproveita a pausa para derrotar o monstro, seu salvador era Takami vestido com esmoque preto e máscara.
Aki meiga:
- Obrigada por me salvar.
- Não poderia suportar viver em um mundo onde você não exista.
- Pare, você já me conquistou com o "não poderia".
Seus lábios aproximam-se...
- Pare!!!
Voltamos para o quarto de Aki que em desespero tentava apagar os rastros de sua imaginação.
- Eu sabia - Hitomi percebe que seu salgadinho terminara, então abre um pacote de biscoito.
- Você fica quieta - os olhos de Aki pegavam fogo e sua língua transforma-se em uma língua bifurcada de cobra.
Aki era uma garota como todas as outras, estudiosa, gentil e desportista até o dia que soube de sua terrível doença - frieira no cerebelo. Agora Aki está sozinha em seu quarto escrevendo um diário onde anotara o progresso de sua doença:
"Eu dependo da ajuda das pessoas, sou um incomodo. Hum... acho que consigo vender esta história para algum produtor merda! Eu escrevi isto, por favor lembrem-se eu sou uma menina meiga e boazinha".
Aki passa seus dias fazendo fisioterapia, internada no hospital, tomando remédios, passando mal por causa dos remédios até um dia, em sua escola, Takami aproxima-se de Aki.
- Não adianta, eu tenho uma doença incurável, por isto não posso me envolver com ninguém.
- É que...
- Por favor não insista, se nos casarmos e tivermos quatro filhos eu serei um estorvo para você.
- Na verdade eu...
- Não, eu não posso criar vínculos com as pessoas.
Aki sai correndo e chorando enquanto Takami fica sem entender nada:
- Eu ia perguntar as horas.
Voltamos ao quarto de Aki, esta via-se sozinha, encontrando um bilhete de suas amigas "estava muito chato e fui em bora" Rika; "fui comer um x-burguer" (Hitomi). Aki olha para o leitor.
- Eu sei que você continua aqui. O que vocês acham, vou assumir o controle destes mini contos?
No aquário de Oberhausen, Alemanha, o polvo Paul aproxima-se de duas caixas de plástico uma "sim" e outra "não" o molusco escolhe a "não".
FIM
- Não é justo!!!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Beleza é fundamental


Parafraseando o poeta, as feias que me desculpem, mas beleza é fundamental. Longe de ser uma afirmação machista Vinicius despiu a alma feminina com esta afirmação, mulheres são seres lindos e graciosos, a beleza masculina nem se compara com a feminina, o corpo da mulher é curvilíneo, sedutor, belo.
O rosto feminino é delicado, não estou falando da estrutura óssea mas de suas feições, sua beleza é muito mais subjetiva, envolve um estado de suavidade e sedução. Esta relação com da mulher com a beleza está presente desde os mitos gregos.
Afrodite ainda é uma das divindades mais apreciadas, mesmo nos dias de hoje, as representações da "Vênus (seu nome romano) de Millo" são apreciadas até hoje. Até seu nascimento é belo - Afrodite nasce das espumas do mar, aquecidas pelo sangue de Coelo (divindade que representa o céu) após ser ferido por Cronos (divindade do tempo, pai de Zeus).
A mais bela das deusas, Afrodite tinha sua beleza cantada pelos poetas considerada a deusa da beleza e dos prazeres, mãe dos amores, das graças, dos jogos e dos risos.
Esta mesma beleza, por muitas vezes, é fonte de discórdia "a mulher passa a odiar, na medida em que deixa de encantar" (Nietzsche). A discórdia pela beleza de outras, ou a própria inveja feminina é uma das reações mais destrutivas da natureza humana, sendo possível apenas por que a beleza é uma característica fundamental da mulher.
Hera, a deusa da discórdia, nutria particular desprezo pelas mulheres, esposa de Zeus, época que seu desprezo teve início. No dia de seu casamento Hera convidou todos os seres vivos, a única que faltou foi a ninfa Quelone, injuriada hera a transformou em tartaruga.
O casamento de Zeus com hera for marcado pela discórdia (dai seu título), Zeus castigou sua esposa suspendendo-a entre o céu e a terra com uma bigorna em cada pé.
Hera conspirou com Poseidon (deus dos oceanos e mares, irmão de Zeus) e Palas (sua filha com Zeus) fracassando miseravelmente.
A deusa da discórdia perseguia todas as mulheres cuja considerava vulgares, inconstantes e delinquentes, detestando as concubinas de Zeus e perseguindo seus filhos bastardos.
As feministas são filhas de Hera, acreditando buscando esta suposta inversão de poderes, insurgindo contra tudo aquilo que lhes lembre sua porção mulher: feminilidade, beleza, meiguice, inclusive o próprio homem, porém não é este o seu real objeto de ódio.
O movimento feminista renega esta beleza, ao fazê-lo renega sua própria porção mulher. As feministas são movidas pela negação em encantar, elas não aceitam esta porção "delicada" da beleza, preferindo endurecer, o que resta é a raiva, assim como Hera elas trazem a discórdia, nutrindo o mais profundo ódio contra a própria mulher.
No fundo existe a beleza, e ela é fundamental.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Kogal Mini contos: O encontro de Aki com Takami



Aki passa seu batom, dá uma volta na frente do espelho esvoaçando sua saia, o sorriso da garota torna-se uma expressão de raiva, Aki bate o pé no chão contrariada.
- Por que tenho que sair com aquele idiota?
- Por que você prometeu - A morte flutuava atrás de Aki, assustando a garota.
- O que você você está fazendo aqui?
- Estou curiosa com esta coisa de "encontro". posso ir junto?
- Se você vier junto não será mais um encontro - dizia Aki contrariada - pensando bem, pode vir.
- Não você prometeu que "teria encontro" com o Takami.
Flash Beack
Duas semanas atrás Aki agarrava a perna de Takami chorado em desespero.
- Por favor, eu não estudei nada, me ajuda PELO AMOR DE DEUS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
- A culpa é sua por não ter estudado. Além do mais estamos em salas diferentes, como você vai colar de mim?
Aki - com olhos brilhando e um sorriso maligno retira dois celulares de sua bolsa, seguido por dois blusões da sua escola.
- Passo 1) irei colocar este fone de ouvido neste celular; passo 2) vou enrolar o fone de ouvido no meu antebraço, o lado em que se ouve irei encostar na orelha, o lado em que se fala irei colocar no cotovelo; passo 3) Farei minha prova com minha cabeça apoiada no braço assim poderei falar todas as perguntas e ouvir as respostas. E você faz o mesmo.
- O tempo em que você levou para pensar nesta cola dava para ter estudado.
- Por favor Takamiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
- Tudo bem.
- Viva!
- Masssssssssssssssssss em troca vou querer sair com você em um encontro.
De volta ao dia de hoje
Aki estava desconsolada, arrependida pela decisão, mas obrigada pela pouca consciência que tem. Em fim, ela vai ao encontro de takami.
Meio dia Takami estava em uma praça vestindo terno de lã amarelo com quadriculados verdes,camisa azul e gravata verde, cabelo repartido ao meio fixado com gel. Ele já estava preocupado pois chegara duas horas antes do combinado quando finalmente Aki chega ao local combinado.
- É exatamente meio dia portanto boa tarde.
- Tanto faz.
Assim que o "casal" inicia seu encontro a Morte aproxima-se da praça voando sem ser percebida por ninguém(!?) primeiro Takami leva Aki para um cinema onde estava passando um filme de Jackie Chan para a surpresa da garota.
- Jackie Chan?
- Achei que este filme combinava com você.
Irritada Aki acerta um chute rotatório no rosto de Takami jogando-o longe. Aki respira profundamente olhando para os outros filmes, ela percebe um cartaz de filme romântico e sente um arrepio na espinha, Takami aproxima-se dela e recebe um soco no olho da garota.
_ O que foi agora?
- Eu nunca assistiria uma romance com você!!
Morte anotava cuidadosamente os passos deste estranho ritual chamado encontro.
Em seguida Takami leva Aki para uma feira de flores, a garota surpreende-se positivamente.
- Achei que uma garota fosse gostar de ver flores.
Aki agradece feliz, em seguida ela corre para ver de perto algumas flores, os raios do sol atravessam a estufa iluminando o rosto de Aki, Takami olha encantado para Aki, sem conseguir se controlar Takami corre enlouquecido até Aki. Esta se assusta quando vê Takami correndo para cima dela exibindo os lábios pronto para beija-la, em desespero Aki pega um caquitos enfiando-o na boca de Takami que rola no chão de dor.
A morte anotava tudo o que Aki fazia.
Pouco depois Aki sai da feira de flores irritada com Takami que estava com os lábios inchados.
- Você estraga tudo mesmo.
- Desculpe.
- Estou com fome.
- Como assim?
- Fome! Meu estômago está vazio, meu organismo pede comida, o açúcar de meu sangue já foi metabolizado... não vá me dizer que você convida uma garota para sair e não a leva para jantar.
- São três horas da tarde!
- Não importa! Eu quero comer.
Aki chuta Takami para que este ande logo.
Pouco depois Takami leva Aki para um restaurante por quilo. Aki fica furiosa.
- O que é isto?
- Eu sempre como aqui.
Aki saca um caquitos que comprou na feira de flores e o enfia no olho de Takami que fica rolando de dor no chão.
- Como você leva uma garota linda, simpática e maravilhosa para comer em um restaurante por quilo.
Morte anota tudo em seu caderninho enquanto Takami leva Aki para um restaurante e chora ao pagar a conta.
No final do dia Takami estava desanimado e arrastando-se enquanto leva Aki para casa, a garota saltitava segurando uma sacola cheia de presentes.
- Muito obrigada.
Aki entra em casa e bate a porta no rosto de Takami que desiludido começa a chorar. Aki estava dentro de sua casa apoiada contra a porta ouvindo o choro de seu amigo.
Takami voltava por uma rua deserta, olhando para baixo quando vê Aki encostada em um poste de luz, esta aproxima-se de Takami e dá um beijo em seu rosto.
- Obrigada, eu me diverti muito hoje.
Aki vai embora sorrindo enquanto Takami pula de alegria, nenhum dos dois repara na morte que anotava tudo.
Conclusão da morte:
"O ritual humano denominado 'encontro' é precedido por muita indecisão, rapidamente o casal se confraterniza, ambos os lados adaptam-se ao gosto do outro. Conclusão nenhum dos dois faz o que quer por querer agradar o outro. Mas no fim os dois fazem o que queriam à tanto tempo. Por que os humanos enrolam tanto?"

FIM

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Mais uma vez Sandy Capetinha ou Vasculhando os rios do inferno


Recentemente consegui um programa onde tenho acesso as estatísticas do meu Blog, pude ver quantas pessoas entram, onde estas pessoas vivem e qual o caminho que elas fizeram até meu blog. Qual minha surpresa ao descobrir que o tópico mais visitado é um do ano passado "O Contemporâneo e suas Vicissitudes (ou Classificação Indicativa, Anel de Castidade e Sandy Capetinha)" http://osdeusesmortos.blogspot.com/2009/06/o-contemporaneo-e-suas-vicissitudes-ou.html a maioria dos visitantes chegou ao Blog pelo sistema de buscas do google procurando as palavras "Sandy Capetinha". O que eles acharam do Blog ou deste tópico em particular eu já não sei.
Após esta constatação fiquei pensando o que significa ser a Sandy Capetinha? Ela é uma personagem, representa um desejo. Se ela é capetinha, obrigatoriamente existe uma Sandy Santinha, a capetinha é o negativo da bondade, da pureza, da castidade. A capetinha representa tudo que existe de cruel e erótico (portanto desejável) Sandy Capetinha rompe com o Tabu e escancara o desejo primordial do humano.
Capetinha, Satanás ou demônio. Seu nome evoca o medo e o erotismo. Enquanto no céu passaremos a eternidade tocando arpa em um taedium vitae, o inferno apresenta-se como uma orgia regada á sangue, onde tudo é permitido por isto mortal. É necessário cuidado com as curvas de Sandy Capetinha.
Estamos ficando cada vez mais moralistas, falamos de classificação indicativa, de proteger as crianças, repudiar tudo aquilo que vem do prazer enquanto busca-se o politicamente correto: favela virou comunidade; deficiente virou portador de necessidades especiais; os pobres são aqueles que necessitam de nossa atenção e cada vez mais este desejo visceral atraí nosso olhar para o Ébero (o rio que cerca o inferno). Olhamos escondidos, tarde da noite, quando ninguém mais estiver nos vigiando esta é a função da internet - o balseiro que atravessa os mortos para a morada dos prazeres proibidos.
Em uma passagem do início de carreira do Freud, cansado das críticas - sempre as mesmas e sempre das mesmas pessoas, preparava-se para apresentar mais um trabalho, de pé no centro do salão, cercado pelos médicos de Viena, antes de iniciar suas reflexões sobre o recalque sexual Freud aponta seu dedo para seus críticos e profere: Vocês criticam meus artigos porque vocês lêem os meus artigos e quando lêem vocês ficam excitados e isto os incomoda. Esta é a sexualidade da internet: esconder as fotos da capetinha (e de outras tantas modelos) de uma maneira que possamos encontra-las. Estes "segredos" habitam a net, o Ébero da sociedade. Viva Sandy Capetinha! Precisamos dela.

Um Wall paper para aqueles que ousarem entrar no limbo.


sábado, 11 de setembro de 2010

Kogal Mini contos: A Odisseia de Cousteau - Um dia na vida de três garotas


- Boa noite, sou Jacques Cousteau, o oceano está lindo, a vida segue seu rítimo preservada, longe da interferência do homem. Esta noite visitaremos visitaremos uma espécie pouco conhecida a Kogal.
Jacques Cousteau estava de pé na proa de seu barco, o Calypso, a morte passa atrás dele flutuando e dando tchauzinho para o leitor.
Aki caminhava sem ter para onde ir pelas ruas que circulam sua casa quando ouve uma voz vindo do além. Uma voz com sotaque francês.
- Como toda forma de vida marítima a Kogal é fruto de uma evolução, entre as décadas de 60 e 70 as garotas queriam ser más, eram agressivas e andavam em Ganges. O primeiro elo da evolução chama-se "Sukeban" Suke (fêmea), Ban (chefe).
Década de 60, Aki, Rika e Hitomi estavam sentadas no primeiro degrau de uma escadaria as três fumavam cigarros, usam uniforme de marinheiro com longas saias indo aos joelhos, cada uma tinha uma gilete escondida em suas mãos. Aki segurava uma espada de bambu, Rika e Hitomi traziam correntes.
- Ei garotas - gritava Aki - e aquele bunda-mole hoje querendo me desafiar? Ele mijou nas calças quando ameacei cortar o olho dele com minha gilete.
As três ficam rindo do feito de sua líder quando ouvem um narrador francês:
- Estas garotas além de violentas costumavam roubar lojas e baterem carteiras, muitas escondiam uma gilete entre os seios para rasgarem os rostos dos seus inimigos.
As três garotas erguem-se perante uma gange rival, Aki cospe o cigarro sorrindo, ela ergue sua espada de bambu ameaçadoramente.
- Deixemos está barbárie para prosseguir na evolução, em meados dos anos 80 as colegiais abandonaram seu aspecto violento, seus uniformes tornaram-se cada vez mais sensuais assumindo um aspecto sensual e meigo até o dia de hoje. Veremos o exemplo de três espécimes, irei me aproximar lentamente, evitando assusta-la.
Aki estava sentada na sua cama, irritada de braços e pernas cruzadas, ela olha para o narrador com os olhos vermelhos de raiva, o narrador afasta-se preocupado por afetar o eco sistema daquele ser marinho.
- Eu não sou um peixe!
Aki levanta-se irritada, saindo de seu quarto, sua irritação aumenta por ser seguida pelo documentarista.
- Escolhi esta espécime por ser absolutamente mediana, do tipo que pode ser vista em qualquer lugar, mesmo seu cabelo sobre os ombros ou expressão raivosa não a diferem das demais garotas.
Furiosa Aki atira um sapato contra o documentalista esbracejando com dentes pontiagudos, língua bifurcada, soltando fogo pela boca (conseguiram visualizar?).
- Quem disse que eu sou mediana? Sou muito linda - Aki batia o pé no chão ininterruptamente - é inaceitável que você não perceba como eu sou especial seu francês pervertido.
Aki vai embora irritada mancando pois usava apenas um pé de sapato. A câmera de Cousteau, continuando sua narrativa.
- A Kogal pode aumentar sua renda com encontros pagos, o que envolve encontros com homens mais velhos, envolvendo passeios ou jantares.
Aki estava sentada à uma mesa de um restaurante sujo e caindo aos pedaços, na sua frente um homem de quase cinquenta anos parecia envergonhado.
- Isto deve ser brincadeira.
- Desculpe boneca.
- Não me chame de boneca seu velho mentiroso.
- Não me chame de mentiroso tchutchuquinha.
- Cadê o seu carrão?
- Emprestado.
- Seu terno?
- Do meu irmão.
- Seu celular?
- Da minha mãe.
- A carteira de couro?
- Do meu primo.
- O sapato de marca?
- Roubei de uma loja.
- Você é uma fraude!!!
- Não fale assim ô bacanuda.
Aki salta de sua cadeira acertando aquele homem com um chute no rosto.
A cena muda para o quarto cor-de-rosa de Hitomi, esta estava sentada sobre os joelhos em sua cama abraçando uma boneca de pano artesanal no formato de Rika.
- Estamos no recinto de outra garota, seus longos cabelos negros e pele pálida, modos delicados a fazem uma linda garota, comparando com a espécime anterior (Aki) esta aqui (Hitomi) é mais evoluída.
O documentário é interrompido com Aki acertando Diego com um taco de basebol.
De volta ao quarto de Hitomi esta abraçava a boneca feita à imagem de Rika demonstrando um pouco de sua emoção.
- A rotina desta garota envolve um ritual peculiar, a garota é uma cosplayer - Hitomi abre seu armário mostrando centenas de uniformes e fantasias - cosplay é aquela pessoa que veste-se como sua personagem favorita de anime, comix ou seriados imitando seus trejeitos e interpretando cenas.
Hitomi intercala as cenas do documentário fantasiada de: enfermeira, professora, empregada, freira, jogadora de tênis, chefe de torcida, coelhinha da playboy, diabinha, anjinha, prostituta, salva-vidas.
- Esta fêmea possui outros artifícios para atrair os machos de sua espécime como suas grandes mamas, o representante masculino é particularmente atraído pelas mamas e quadris avantajados, curiosamente as fêmeas preocupam-se em emagrecer cada vez mais.
Hitomi estava ajoelhada perante o documentalista oferecendo para ele um almoço caseiro e um jornal.
- Eu farei tudo o que você quiser - Hitomi faz uma mesura perante Jacques Cousteau - Se quiser testar meus atributos é só pedir mestre.
Desta vez estamos no quarto de Rika que acena alegremente para o documentalista.
- Esta terceira espécime não apresenta muitos atrativos, ela não é alta nem baixa, não é magra e nem gorda, não é diferente, mas também não é comum.
Rika estava chorando no canto de seu quarto perguntando "o que eu sou?".
As três amigas passeavam por um shopping já habituadas com a narração com sotaque francês.
- Iremos nos despedir com a imagem destas três espécimes em seu habitat natural uma espécie de estrutura de concreto e vidro onde os seres marinhos nadam sem rumo.
- Eu já disse que não sou um peixe! - grita Aki.
- Estas três espécimes convivem pacificamente em sua rotina, compartilhando seus problemas e dividindo suas alegrias quase nada pode afetar tal estado.
As três garotas vêem a ultima bolsa em liquidação e correm até ela uma empurra a outra tentando chegar na bolsa primeiro.
- Como toda forma de vida estas espécimes podem competir por aquilo que é essencial para sua sobrevivência.

FIM

terça-feira, 7 de setembro de 2010

A cara do brasil (com b minúsculo) ou Copa do Mundo 2014( bolsa estádio: Os elefantes brancos vem ai!)


A copa do mundo vem ai, faltam quatro anos e precisamos de poucas coisas: infra estrutura, rede hoteleira, planejamento, cidade cede da abertura, local de encerramento e dos estádios. Nós já temos a cedes, muito mal escolhidas é verdade mas os estádios estão planejados com o dinheiro público.
Primeiro a surpresa do ano: vai sair o estádio do Corinthians, a empreiteira será a mesma dos outros estádios (calma que eu já falo deles) gentilmente convidado pelo presidente Lulla para assumir a construção, falta definir o nome, algumas sugestões: Teixerão ou Lulão em fim a sede de São Paulo provavelmente será em Itaquera. Imaginem as tomadas antes do jogo a TV da FIFA mostrando aquela favela, as crianças remelentas com barriga d´agua e casas de madeira, mas tudo bem eles tem um estádio na porta de casa. E nem vou falar da incidência do presidente Andrés Sanches ser petista e amigo pessoal do Dirceu... sim Dirceu terrorista e mensaleiro.
Falando sério São Paulo tem a maior rede hoteleira do Brasil e a única capaz de suportar o público de copa do mundo, estes hotéis ficam próximos ao centro da cidade então a) como chegar até Itaquera? b) O que existe em Itaquera para receber o público de copa do mundo? c) O estádio vai beneficiar a cidade como sede da Copa ou apenas o clube se beneficiará da empreiteira petista?
Estou sendo irônico por um único motivo, a pesar da empolgação até o momento não existe nenhuma confirmação de que o Teixerão será a sede da copa. Nesta ultima terça-feira durante o centenário do Corinthians Lulla frisou para Emilio Odebrecht que nada estava decidido, nesta mesma terça-feira o governador Alberto Goldman assinou o financiamento de R$ 3.1 bilhões para obras em torno do Morumbi em especial uma linha de Metrô que ligaria Congonhas ao estádio (Coluna do PVC, Folha de São Paulo 05/09/10). A conclusão é que não existe conclusão.
As perguntas a cima geram novas perguntas: como as sedes da copa como foram escolhidas? Por que cidades capazes de receber uma copa do mundo como Florianópolis ou Goias ficaram de fora enquanto outras cidades como Manaus, Brasília e Cuibá foram escolhidas? Estas escolhas visaram o melhor para o país enquanto sede da Copa ou foram escolhas politicamente corretas para mostrar como o brasil é grande? Até onde eu sei a sede de uma copa do mundo precisa ser uma cidade bem desenvolvida que receba bem os turistas, arrecade com o evento e possa deixar uma infra-estrutura de herança. Manaus não tem infra-estrutura para receber uma copa do mundo, Recife e Cuiabá idem... A cidade deve acrescentar ao evento e não o contrário, escolher uma cidade subdesenvolvida que não tem condições de receber um jogo significa apenas uma coisa - muito dinheiro público investido.
Copas do mundo não resumem-se a construir estádios de futebol, precisam de transportes, vias públicas, hotéis, redes de restaurante, infra-estrutura elétrica, água e saneamento básico. Quais brasileiras tem estas condições? São Paulo, Minas Gerais, Rio grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro (não me refiro as cedes mas cidades capacitadas).
Recife: Tenham em mente que Pernambuco ainda não se recuperou das destruição 14.316 casas pela chuva, porém a Copa é mais importante. Este estado possui três grandes times - cada um com seu respectivo estádio obviamente o governo irá viabilizar o bolsa estádio para evitar brigas entre as torcidas, como o governo é bonzinho, ainda tem mais o estádio será longe da capital, onde não tem infra estrutura, o bolsa estádio será ampliado.
Custo do estádio: R$ 464 milhões.
Investimento com habitação em 2009: R$ 70.6 milhões.

Investimento com urbanismo em 2009: R$ 102.3 milhões.

Cuiabá: pergunta quem irá utilizar o estádio de Cuiabá? Sim pois o campeonato mato grossense é referência mundial, a UEFA mandou olheiros para estudar este campeonato e colher informações para a próxima UEFA Chanpions Leagle. Cuiabá possui infra estrutura? Possui rede hoteleira? Que tal rede de restaurantes? Bom eles tem o pantanal que provavelmente é muito bonito. A população local merece assistir um evento como a copa mas isto não justifica mais um bolsa estádio, o arquiteto responsável Sérgio Coelho diz que construir um estádio para 47 mil pessoas em Cuiabá possui uma "flexibilidade interessante" (Folha de São Paulo 04/09/10).
Custo do estádio: R$ 342 milhões.
Investimento com habitação em 2009: R$ 57.6 milhões.
Investimento com gestão ambiental em 2009: R$ 68.9 milhões.

Manaus: O que eu disse para Cuiabá aplica-se em dobro para Manaus, a população merece acompanhar um jogo de copa, a cidade é linda mas não dá! A desculpa utilizada é revitalização do centro de Manaus bom este não é o dever do governo? Vamos fingir que acreditamos nesta justificativa o que vai ser feita da Arena da Amazônia? O festival de Parintins?
Custo do estádio: R$ 499 milhões.
Investimento com habitação em 2009: R$ 53.3 milhões.

Investimento com gestão ambiental em 2009: R$ 37.1 milhões.

Fortaleza: O Ceará está na primeira divisão, Chico Anísyo e Tom Cavalcante são cara legais, o ceará do Pânico é muito engraçado então vamos dar o bolsa estádio para eles, o Ceará é um estado assolado pela seca e pela fome acredito que o dinheiro público poderia ser melhor utilizado, mas um estádio para 60 mil pessoas é mais importante. Héctor Vicliecca, o arquiteto responsável pelo estádio disse "com a copa, o brasil vai receber muita coisa nova" (Folha de São Paulo 04/09/10) acho que não.
Custo do estádio: R$ 452 milhões.
Investimento com habitação em 2009: R$ 48.9 milhões.

Investimento com saneamento em 2009: R$ 159.9 milhões.

Brasília: Terra de Renato russo líder do Aborto atômico e posteriormente do Legião Urbana provavelmente Renato inspirou-se na política brasileira para compor suas músicas de protesto, é curioso que o arquiteto Eduardo de Castro Mello seja filho do arquiteto que projetou o Mané Garrincha que será reformado - traduzindo Brasília contratou o filho para retomar o trabalho do pai (nepotismo?) êeeee brasil.
Custo do estádio: R$ 696 milhões.
Investimento com habitação em 2009: R$ 31 milhões.
Investimento com atenção básica em saúde: R$ 44.8 milhões.

Salvador: A implosão do Ponte Nova por si já foi bizarra - o estádio onde morreram sete pessoas foi implodido ao som de Ivete Sangalo "poeeeira, levantar poeiraaaa!" quem foi o responsável por este mal gosto? imagine as famílias das vítimas assistindo esta cena? A coisa só melhora (momento de ironia) quando o arquiteto Marc Duwe comenta "Quando você melhora o estádio, muda também o comportamento das pessoas"(Folha de São Paulo 04/09/10). Virou palhaçada.
Custo do estádio: R$ 592 milhõs.
Investimento com habitação em 2009: R$ 77 mihões.

Investimento com policiamento: R$ 100.4 milhões.
Também temos o Rio de Janeiro, cujas obras inflacionadas do Pan arrombaram os cofres públicos e Rio grande do Norte. A Folha de São Paulo de 05/09/10 também trouxe números destes estádios.
Rio de Janeiro:
Custo do estádio: R$ 720 milhõs.
Investimento com habitação em 2009: R$ 118.3 mihões.
Investimento com defesa civil: R$ 136.3 milhões.

Rio Grande do Norte
Custo do estádio: R$ 400 milhõs.
Investimento com habitação em 2009: R$ 13.7 mihões.

Investimento com saneamento: R$ 0.0.

Três vivas para Ricardo Teixeira coronel da CBF que conseguiu o direito de distribuir o bolsa estádio, o próximo passo será o bolsa pipoca para assistir os jogos, o bolsa cachaça para comemorar a vitória do brasil e o bolsa Freud para pessoas como nós aguentarmos tanta palhaçada.

sábado, 4 de setembro de 2010

Kogal Mini Contos: Cuidados femininos


Era apenas mais um dia no colégio, se não fossem os gritos de Aki ecoando pelo corredor. Rika passa correndo pelo corredor seguida por Aki, as duas amigas discutiam arremessando seus sapatos uma na outra - Aki arremessa uma carteira, Rika responde com uma pia de cozinha Aki atira uma privada Rika joga um bode. Aki desvia do animal que acerta o professor Kurosawa. As meninas olham assustada para Kurosawa desmaiado, ao lado do bode que comia a flor de um vazo colocado na janela.
Minutos depois as duas garotas estavam arrependias na frente da diretora que babava de raiva.
- O que as duas pensam que estavam fazendo?
- Sabe o que é... nós duas nos desentendemos, só que as coisas saíram do controle.
A diretora desacreditava naquelas duas garotas que pediam desculpas pelo que fizeram.
- Posso saber o motivo da briga?
Aki leva seu dedo ao queixo, olhando para cima como extrema seriedade ela recorda o início da briga, ela puxa o ar e começa a explicação:
- Esqueci.
A diretora quase cai da cadeira, Rika cai de costas enquanto Aki tenta disfarçar sorrindo.
- Eu não tenho culpa se o escritor não pensou em nada.
- Escritor? - desta vez é a diretora quem fica confusa - que escritor?
- A Aki pensa que ela é uma personagem de ficção.
Aki segura as mãos de sua amiga sorrindo.
- De qualquer forma o motivo de nossa briga não é importante, o que importa é continuar nossa amizade.
- E o que acontece com o professor de vocês? Ele está de cama depois de ... - a diretora lê a ficha médica do professor Kurosawa ficando perplexa - de... de... ter sido atingido por um bode!?
- Ele está doente? - Aki parecia preocupada - que bom, a aula dele é um saco mesmo.
- Que bom, já que vocês não gostam da escola, eu vou suspende-las.
As meninas entram em desespero implorando de joelhos para a diretora lhes dar outra chance, a mandatária da escola sorri vitoriosa.
- Existe uma maneira de vocês continuarem no colégio, já que estavam brigando cooperem e ajudem seu professor enquanto ele estiver descansando em casa.
Durante a tarde as duas amigas encontram-se com Hitomi explicando seu castigo para ela, que ouve em silêncio enquanto come um x-burguer.
- Ei Hitomi?
- O que foi Aki?
- Eu estava pensando, você é tão serena, você nunca fica irritada?
- Um samurai tem que saber controlar suas emoções.
- Samurai?
- Eu só entraria em uma batalha a pedido de meu mestre.
- Mestre?
- Se entrasse em uma luta seria rápida e letal, caso perdesse cometeria suicídio envergonhada por viver.
- Do que você está falando?
- Venham comigo, tenho algo que irá ajuda-las em seu castigo.
Meia hora depois Hitomi estava em seu quarto esperando que suas amigas saiam de dentro do banheiro onde estavam se trocando, o que ela ouve é a voz de Rika.
- Por que temos que fazer isto?
- Por que combina com a tarefa designada a vocês.
Antes que as duas respondam Hitomi abre a porta do banheiro revelando Aki e Rika vestidas como coelhinhas da plaboy.
- Por que temos que usar isto!? - berrava Aki em completo descontrole.
- Você não vão cuidar de um homem? É assim que mulheres devem se vestir para alegrar um homem doente?
Aki espumava num misto de ódio e desespero por não ser compreendida, enquanto Rika olha-se no espelho com os olhos cheios de lágrimas "o que aconteceu comigo? Eu era uma menina com sonhos, vivia cada dia aspirando pela esperança do meu futuro. Onde está aquela menina sonhadora?"
- Acho que entendi sua confusão - Hitomi percebe que talvez cometera um erro - vocês preferem uma roupa de enfermeira sexy?
- Sua maluca, nós vamos cuidar do nosso professor - os olhos de Aki giravam devido a sua loucura induzida - isto é um castigo entendeu? c-a-s-t-i-g-o CASTIGO!
- Você está dizendo que prefere algemas e chicotes? Pois eu também posso empresta-los, mas limpem o sangue antes de devolver.
Aki desiste e arrasta Rika para fora daquela casa.
Minutos depois as meninas estavam na casa do professor Kurosawa que fica assustado quando encontra as duas garotas. Aki e Rika desculpam-se pelo ocorrido dizendo que irão cuidar dele. Kurosawa deita-se sorrindo pois duas colegiais irão "cuidar dele" seus sonhos eróticos são interrompidos por gritos de garotas, som de pratos quebrando, uma parede cai. Kurosawa levanta-se e corre até a cozinha que pegava fogo enquanto as duas garotas brigavam por uma panela.
- O que vocês estão fazendo?
- Esqueci?
Aki fica rindo enquanto o professor e Rika caem de costas.
- Nós estávamos decidindo quem faria sua janta professor.
- Por que as duas não cooperam?
As garotas concordam enquanto o professor vai deitar-se.
Minutos depois Kurosawa é acordado pelas garotas que oferecem um filet de peixe para ele, o professor prova com receio de ser envenenado mas percebe que estava delicioso.
- Está muito bom meninas.
- Obrigada.
- Você cooperaram para fazer meu jantar?
- Sim, a Aki pescou e matou o peixe, enquanto eu o cozinhei.
- Pescou?
- Sim, eu o pesquei naquele lago atrás da sua casa era um peixe bem grande e gordo, ele parecia amigável por isto foi fácil surpreende-lo, depois eu cortei sua cabeça, abri sua barriga, limpei e retirei as entranhas então...
Kurosawa deixa o peixe de lado e levanta-se indo até um armário contando uma antiga história de sua família:
- Quatro anos atrás meu filho casou-se e saiu de casa, pouco depois ele teve uma filha Yuri - Kurosawa procurava algo em seu armário - Com três anos de idade Yuri me deu um peixe de presente no meu aniversário, dias depois Yuri adoeceu morrendo em seguida, então eu cuidei daquele peixe. A ultima memória da minha netinha. E agora vocês matam esta doce lembrança, me contam os detalhes do seu sofrimento e me fazem comer este peixe que simboliza minha neta?
Kurosawa saca uma metralhadora com motosserra (!?), algumas granadas e corre atrás de Aki e Rika explodindo sua casa. As garotas caem ao lado de uma parede destruída onde algo ovalar pulsava chamando a atenção das meninas.
- O que é isto?
Aki olha mais atentamente aquela coisa quando descobre sua identidade.
- É um ovo de tijolo.
Rika fica muda diante de algo tão estapafurdio, ela levanta catatônica e prepara-se para a morte, vinda pelas mãos de seu professor que mira nas duas garotas sorrindo como um demônio vingador.
- Espere professor - Aki estende sua mão impedindo a vingança de Kurosawa - entendo que o senhor esteja furioso conosco, mas não deixe que esta pobre criatura venha à um mundo cercada pela violência.
Aki segura o ovo delicada mente mostrando-o ao seu professor que sensibilisado abaixa a arma.
- Um ovo de tijolo, eles são raros, geralmente nascem dentro das paredes...
Kurosawa para percebendo que havia destruído a parede e provavelmente matado a mãe daquele ovo.
- O que foi que eu fiz? Sou um assassino eu mereço morrer!!!
- Não! O que aconteceu foi um acidente, se quer mesmo redimir-se então cuide e ame este tijolinho com o mesmo amor que o senhor tinha por sua neta.
O ovo começa a rachar Aki e Kurosawa tinham lágrimas nos olhos de emoção por estarem diante do milagre da vida. O ovo se quebra nascendo um tijolinho.
- Veja professor, uma nova vida veio ao mundo, dê a ela amor e não ódio, cuide dela, a proteja mas cuidado para não ser zeloso em excesso.
Kurosawa pega o filhote de tijolo em suas mãos em com muito cuidado o embala.
- É uma fêmea, seu nome será Yuri.
Rika olha indignada para o leitor.
- Por favor acaba logo.
FIM
- Obrigada

"Os Deuses Mortos" Sete Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...