Oito Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Vilãs de "Queen's Blade

Elas, as vilãs. criaturas vis, frias. Por que estas criaturas despertam tanta admiração? Simplificando ao extremo podemos dizer que as (os) vilãs(ões) são necessárias(os) para existência do herói o que nos leva à uma máxima as vilãs (e os vilões) representam tudo aquilo que não podemos ser. As vilãs por sua vez são sensuais, eróticas e por que não fetichistas?
Para estrear esta série de posts escolhi as três vilãs do anime "Queen's Blade" uma animação onde todas suas personagens apresentam algum fetiche, a temática é simples: existe um torneio chamado "Queen's Blade" onde qualquer mulher, maior de 12 anos, pode participar. A vencedora torna-se rainha. Com uma temática tão simples só mesmo as personagens se destacam.
As três vilãs são ótimas representantes da categoria: elas ignoram a moral, são manipuladoras, lutam apenas por si mesmas, são extremamente sensuais e cada uma representa um fetiche diferente. O destaque das três foi tanto que o tema de encerramento da segunda temporada "Buddy Body" foi dedicado à elas.


Melona a assassina das mil faces

A "líder" das vilãs é a coelhinha cor-de-rosa Melona (melão em japonês) ela é o que pode ser chamada de má, Melona é uma assassina metaforfa, manipuladora, impiedosa porém impulsiva. É curiosos notar que Melona é uma personagem "fofa", parece uma boneca enquanto esconde uma intenção assassina, é uma legítima famme Fatale pronta para "brincar" com que aparecer pela frente.
Ela pode se transformar em qualquer pessoa, diferentemente do que vemos em outras personagens Melona pode abandonar sua forma sólida manipulando também seu corpo. Exibicionista e maliciosa ela não usa sutiã transformando parte de seu cabelo em duas mãos que apalpam seus seios quando ela fica entediada. O que deixa a dúvida suas orelhas de coelho seriam fisiológicas ou um instrumento de fetiche (impossível não pensar na Playboy)?
Durante uma batalha Melona aperta seus seios espirrando um ácido corrosivo, em uma analogia com o leite materno, fonte de nutrição e afeto transformado aqui em algo destrutivo. Ela representa a sexualidade mais primitiva, fruto de pesadelos ambíguos onde o prazes do sexo vem junto com a morte (vemos a mesma relação nos filmes de terror onde quem faz sexo morre) não existe afeto ou carinho, apenas o desejo.

video


Airi a Sedutora do utro Mundo

Esta "empregada" é a mais recatada das três, o que não quer dizer menos sensual. Airi é subserviente, no tema de encerramento cantada pelas três a vilã dá a letra "meu encanto é a total submissão". Airi não é exatamente má, ela alimenta-se da energia vital de homens e mulheres caso contrário ela poderá morrer. Ao enfraquecer, o primeiro sintoma é o desaparecimento de suas roupas(!).
Airi pode ser submissa, mas é apenas uma arma de sedução para atrair suas vítimas, ela apresenta uma certa ingenuidade e um ar de Lolita, uma armadilha letal. Quem se aproximar morre, mas é impossível não se aproximar.
vemos novamente uma figura cuidadosa, semelhante ao "leite venenoso" de Melona, diferente desta Airi tem um instinto maternal, cuidando de um menino órfão durante a série, este vive abraçando ela (bobo o garoto) Airi pode até se transformar em uma boa moça, mas continuará seduzindo suas vítimas para absorver sua energia vital.

video


Menace, Rainha de Amara

Menace é claramente inspirada na Cleópatra, uma das mulheres mais sensuais da história que seduziu os césares e comandou impérios. Menace reinava em Amara até uma rebelião destruir seu reino. Atualmente ela conta com o auxílio de um cetro mágico com cabeça de gato (tarado e tagarela) para reconstruir seu reino.
Menace tem apenas um desejo passar o dia nua, sendo massageada por seus servos e servas, dando preferência para as servas, as quais tem permissão de massagear certas partes íntimas (sim, isto aparece no anime), embora muito forte ela não gosta de lutar, prepotente Menace ordena a todas as pessoas que vê pela frente que torne-se seu servo.
Como eu disse ela representa o poder feminino, sua aspiração lésbica favorece a ideia de ser intocável (para os homens) - Menace é aquela mulher que todos desejam e ninguém pode ter, em parte por que ela ama a si mesma, e seu cetro-gato mas existe um "consolo" quem servi-la pode ver seu corpo nu e toca-lo, mas para por ai. É o voyerismo máximo.


video


Finalizando até onde vimos as vilãs apresentam um forte apelo sexual, associado a uma proibição - "toque e morra", mas neste meio-tempo vai ser muito divertido. O fetiche funciona como um disfarce para esta proibição. Enquanto prestamos atenção nesta sensualidade não percebemos o que está por trás - tudo aquilo que é proibido pela sociedade e punido pela moral é arriscado, porém mais gostoso.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Uma Espiadela em Baixo da Saia da Sociedade IX: Uma nota sobre este moralismo




O cristianismo deu veneno para Eros beber. Este, na verdade, não morreu, mas ficou viciado (Nietzsche).

Nesta semana a Record fez uma reportagem investigativa em Guarulhos, São Paulo, sobre a entrada de menores em um baile Funk. Estes menores iam desde adolescentes (15-16 anos) até crianças de (9-10 anos). O flagrante de crianças, com imagens encaminhadas para o juizado de menores foi perfeita, estava estranhando ver uma matéria tão bem feita na Record, que exibe apenas derramamento de sangue, até que o repórter que "narrava" a matéria diz que as cenas do baile Funk eram: imoralidades explícitas, desrespeitosos, feriam valores familiares e outras bobagens do tipo.
Como a Record, que exibe cadáveres na hora do almoço pode falar em imoralidade explícita? Concordo que crianças não devem entrar no baile Funk; também concordo que o Funk é poluição sonora e a dança é uma manifestação das pulsões sexuais mais primitivas. Mas são realizadas em um ambiente fechado, frequentado por pessoas que sabem o que vão encontrar lá (não estou falando das crianças), alias as pessoas vão nestes bailes a procura deste ambiente sexual.
A impressão que tive era que este texto foi escrito por algum pastor, logo me lembrei de um livro chamado "Xôgum" sobre o choque de cultura entre ocidentais e japoneses no século XVI, até a chegada dos cristãos o Japão era uma sociedade sexualmente aberta, onde as concubinas tinham um lugar de destaque e o sexo era algo gostoso e divertido, não pecaminoso.
Lembro-me também do meu primeiro artigo como psicólogo "Kogal: Chapeuzinho vermelho contemporâneo" publicado na revista "Vórtice de Psicanálise" onde tratei deste fetiche universal pela óptica da psicanálise. O que chamou minha atenção em ambos os casos foi o moralismo envolvente: Na pesquisa para o artigo li sobre sociólogos japoneses criticando a exploração da sexualidade por parte das colegiais - na minha opinião estes ficavam excitados com as colegiais e isto os incomodava. Na própria comunidade japonesa havia uma crítica da sexualidade - claro existem outros aspectos porém o sensual é um dos principais.
A primeira fala de um moralista é: "Eu não sou moralista" uma reação de certa forma impúdica. Teriam eles vergonha de sua posição? Qual o problema em assumir uma convicção? Respeito muito pessoas que discordam de mim por terem um ideal e o manterem, argumenta-lo abertamente. Então qual o problema dos moralistas? Já sei seria por que o moralista enxerga o sexo em tudo aquilo que vê pois desta forma aproximaria-se mais da sexualidade do que nós, os desavergonhados?
Vocês sabiam que no final do séc. XIX estudiosos tentavam criar uma classificação para a sexualidade? Eles queriam estuda-la para em fim entende-la nasceu assim a sexologia, porém juntamente à sexologia nasceu outra ciência a criminologia [1]. Sim ao tentar estudar a sexologia criaram uma ciência que estuda os criminosos. Paro por aqui pois se ficar muito mais óbvio a coisa perde a graça.

[1] ROUDINESCO, E. PLON, M. (1997) Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Declaração de amor para São Paulo


Minha amada São Paulo comemora 457 anos e o brasil inteiro lhe deve parabéns após tantos anos de dedicação e serviço.
Eu amo São Paulo, nossa cidade possui todos os problemas de uma grande cidade como super lotação, poluição e má distribuição de renda que embora terríveis não apagam o fogo da paixão por esta cidade, não é nos bons momentos que se prova o amor, mas sim nas dificuldades. Não podemos os séculos de história de São Paulo. desde sua fundação, o ciclo do café, a revolução de 32, a boca do lixo até os dias de hoje.
Não me entendam mal amo meu país, mas com São Paulo é diferente, tenho adoração por esta cidade. Posso dizer que sou "patriota" por São Paulo, a final São Paulo é mais poderosa que muitas pátrias. Minha cidade é a verdadeira pátria mãe. Quando São Paulo levantou armas contra a ditadura Varguista, seus filhos provaram que a amam.


Muitos dizem que nós, paulistas, somos arrogantes. Nós somos sim, por que podemos. Não são todos que podem encher o peito e dizer "sou filho de São Paulo", sou filho da "cidade da garoa", da "Locomotiva do brasil".


Felizmente não temos mais aquela palhaçada do bolo de São Paulo, onde algumas pessoas destroem o alimento, agora a coisa está mais organizada, a cidade oferece opções turísticas para seus filhos, infelizmente ela não está preparada para turismo internacional. Mas são defeitos a serem solucionados.


Em uma primeira olhada São Paulo parece fria, imponente com seus prédios, assustadora em sua selva de concreto, mas quem realmente ama esta cidade sabe que São Paulo tem seu romantismo, como no vídeo a baixo:





video

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O Lobisomem no cinema


Se comparado com outros monstros clássicos do cinema como vampiros ou zumbis o Lobisomem sempre foi subestimado, diferentemente de Drácula e Frankenstein, nosso amigo peludo não possui raízes na literatura, provindo do folclore britânico. O lobisomem debutou no cinema em 1913 com "The Werewolf" filme destruído em um incêndio quatro anos depois.
Com o bum dos monstros da universal a produtora resolveu investir no lobisomem, filmado em 1935 "The Werewolf of London". Foi só em 1941 que o Lobisomem fez o merecido sucesso com "O Lobisomem" filme que definiu as regras do monstro no cinema - como transformar-se em noites de lua cheia e e ser vulnerável apenas á balas de pratas. porém a principal característica do lobisomem é a maldição: até mesmo um homem comum que "faça suas orações todas as noites não está livre da maldição do lobisomem", com a maldição vem um conflito "o que fazer?" matar? Abdicar da liberdade? isolar-se? Morrer? Sim, o que fazer quando se está amaldiçoado?
As dificuldades técnicas em criar a transformação do lobisomem favoreceram que esta criatura fosse deixada de lado, embora surgisse eventualmente em algumas produções foi apenas nos anos 80 que o monstro amaldiçoado retornou ao cinemão.
Talvez o filme mais importante desta nova era do lobisomem seja "Um Lobisomem Americano em Londres", como se não bastasse ter recebido o oscar de efeitos especiais o filme de Jhon Landis redefiniu o estilo horrorífico dos anos 80, ao alternar cenas de comédia pastelão com momentos de carnificina. Landis promoveu em larga escala o terror divertido, representado posteriormente pelas piadinhas de Freddy Kruegger e as brincadeiras juvenis das vítimas de Jason - esta mistura de gêneros não foi criada por Landis, ela é mais antiga, mas seu filme foi fundamental para o horror oitentista.
Além do jovem americano que transforma-se em lobisomen nas ruas de Londres outras produções foram destaque como o clássico da sessão da tarde "Bala de Prata" - baseado na obra de Stephen King ou "Grito de Horror" dirigido por Joe Dante (que mais tarde dirigiria "Gremilins"). Meu filme favorito de lobisomens é "A Companhia dos Lobos" de Neil Jordan (que posteriormente dirigiria "Entrevista com o vampiro") - o filme faz uma releitura de chapeuzinho vermelho, sendo desenvolvido nos sonhos da protagonista.
"A companhia dos lobos" traça um paralelo entre a passagem da infância para a adolescência, o despertar dos desejos sexuais, sem perder a magia da infância. A jovem protagonista passa os dias com sua avó, a qual a alerta sobre os perigos dos homens, contando histórias de lobisomens, ao mesmo tempo em que costurar uma capa vermelha para sua neta, no demais vocês podem imaginar.
As décadas seguintes não foram generosas com os lobisomem, o destaque fica com "Lobo" com Jack Nicholson e Michelle Peiffer, o filme resgata o clima sóbrio dos primeiros filmes do monstrengo, a pesar da boa produção e história tétrica falta o lobisomem no filme, o recente "Lobisomem" com Benicio del Toro e Anthony Hopkins resgata o clima gótico das primeiras produções e faz jus ao lobisomem, a pesar daquele final de gosto duvidoso, este novo "Lobisomem" merece ser conferido.
O ultimo destaque fica por conta da trilogia "Possuída", diferenciando-se dos demais filmes do gênero por retratar uma mulher como lobisomem, o primeiro filme da série vai além estabelecendo uma relação entre a primeira menstruação, a repressão sexual de uma mãe conservadora e moralista com a bestialidado do lobisomem. Este singelo terror canadense teve duas continuações, todas protagonizadas pela linda screan-queen Katerine Isabelle.

Abaixe os filmes desta coluna:
(Todos os filmes estão legendados por que dublagem estraga o filme)

Um Lobsomem Americano em Londres

Bala de Prata

Grito de Horror

A Companhia dos Lobos

Lobo

Lobisomem

Trilogia Possuída

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Ainda sobre a chuva ou Você tem fome de que II

Os últimos dias tem sido marcados pelas consequências da chuva no Rio de Janeiro, esta é mais uma tragédia na "Cidade maravilhosa". Ano passado escrevi um tópico parecido (veja aqui) sobre a tragédia no Nordeste. Voltando ao Rio já começaram as campanhas para os sobreviventes...
A pergunta que fica é por que ajudar? O que de fato aconteceu? Foi o forte volume de chuva? Tragédias naturais ocorrem em todo o lugar do mundo, mas em poucos lugares elas são tão devastadores. Principalmente quando são eventos previsíveis, ou o Sérgio Cabral não sabia que chove em Janeiro?
Governos sérios antevêem acidentes, eles se preparam, criam órgãos de prevenção. Ano passado em Nova York houve excesso de neve e mortes, o governo se preparou e neste ano nevou ainda mais forte, porém com um número inferior de mortes. O que dizer do Japão que convive com terremotos e a cada ano diminui o número de vítimas em seu país? O que foi feito no Rio de Janeiro? O Panamericano, as Olimpíadas e o Cristo Redentor como uma das sete novas maravilhas. O carioca tem fome de que? De quem é a culpa pela eleição de Sérgio Cabral e Eduardo Paes.
Nós já sabemos o que eles irão dizer: choveu muito; lidamos com uma infra estrutura falha herdada do governo anterior ou alguma desculpa esfarrapada - esta é a desculpa favorita dos petistas e simpatizantes, se um petista for flagrado comendo sua secretária este irá dizer que o pinto pertence ao governo anterior, logo as desculpas são substituídas pela pedição de auxílio e todos voltam a falar da reforma do Maracanã para a Copa do Mundo.
É mais ou menos assim: "Nós somos idiota alienados e votamos em quem faz festa e joga futebol com o presidente, agora que as nossas escolhas deram errado por favor limpem nossa sujeira, a final não queremos aprender com nossos erros". Então você vai vestir o nariz de palhaço e colaborar com "as vítimas"? Ou vai permitir que eles aprendam com seus erros e amadureçam.

"A gente não quer só comida, a gente quer comida, educação e arte" (Titãs)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Enchente em Franco da Rocha ou Sedentos por sangue e a audiência triplica


Nestes últimos dias notícias do alagamento vêm dominando o noticiário, só existe algo que vende mais do que sexo, sangue. A televisão dá plantões sobre áreas alagadas, focaliza as vítimas, grava o choro dos sobreviventes que perderam seus entes queridos, tudo para o nosso entretenimento.
Não me venham com esta de que o plantão jornalistico informa, o público está ávido por sangue, os bispos da Record estão dando pulos de felicidade com o evento e a possibilidade de "encaminhar as vítimas para Deus", já o Datena está tendo orgasmos múltiplos com a tragédia.
Não existe mídia sem público, se as televisão foca os mortos é por que o público gosta de assistir seus cadáveres, filmes de ficção não são suficientes, "Terremoto"; "O dia depois de amanhã" e "Volcano a fúria" mostram pessoas fingindo sua agonia, isto não é suficiente para o grande público ávido por sangue.
Quantos mortos temos agora? Não importa, é muito pouco quanto mais melhor, seria bom vermos uma ao vivo, quem sabe o suicídio de um pai que perdeu seus filhos? pelo menos uma câmera escondida no necrotério e um sorriso no rosto "antes ele do que eu".

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Estão querendo passar a mão 2 ou defenda os seus direitos


2011 começou "tudo novo de novo" as férias acabaram e cada um voltou para o seu ofício alguns estudam, outros trabalham e tem aqueles que estudam e trabalham. Tem aqueles cujo ofício é pedir. Não estou me referindo aos moradores de rua ou miseráveis mas aquelas pessoas que acreditam que nós temos que sustenta-los.
São pessoas que querem ter privilégios sem responsabilidade. Semana passada houve uma enchente em São Paulo, o que estas pessoas fizeram? Incendiaram um ônibus! O que acontece quando o trem atrasa? Eles quebram a estação! Sejamos francos o transporte urbano de SP é péssimo, mas quebrar só piora as coisas.
Este pensamento foi ampliado com o governo petista que ensinou a estas pessoas - o rebanho humano (ou animais na coleira) que eles tem o direito de exigir esmola. Quem nunca passou por experiência semelhante: Alguém bate em sua porta pedindo dinheiro, você oferece comida e eles reclamam pois querem dinheiro ou então jogam a comida fora.
Não deixa de ser irônico! Estes "cumpanheiros trabalhadores" passam o ano nos chamando de "elite privilegiada", dizem que nós (classe média) não gostamos deles, que temos preconceito, somos acusando de nos sentirmos superiores. Estas mesmas pessoas não pensam duas vezes em nos pedir alguma coisa. Quantos membros da "nova classe média" pediram caixinha neste natal?
Ajuda para que? O brasil não está melhor? Nunca na história deste país a "nova classe média" teve tanto poder de compra? Não existem milhares de novos empregos? Por que eles precisam do meu dinheiro?
Proponho que vocês façam como eu e não dêem esmolas, não paguem lanches para pedintes (mesmo crianças), não comprem nada em ônibus ou nos faróis, eles que peçam para o Lula! Ignorem histórias tristes de pais cujos dez filhos estão passando fome uma vez que ele perdeu seu emprego. Digam para estas pessoas usufruírem um dos milhões de empregos gerados pelo governo petista.
Não se comova com falsas histórias tristes, não alimente quem tem fome - a Dilma irá alimenta-los, não dê esmolas, não tenha medo de ser acusado de insensível ou cruel tenha sempre em mente que a sua contribuição já foi ROUBADA pelo rebanho com o "bolsa família".

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Uma questão de ética. Até onde podemos ir ou petistas os novos hiperbóreos


"God save the queen" (Sex Pistols)

Recentemente encontrei um vídeo no You Tube onde o comediante Marcelo Madureira chama o ex-presidente Lula de vagabundo e mal caráter, você pode assistir o vídeo clicando aqui o comediante mantinha uma expressão séria enquanto desabafava perante a câmera, ao lado de Diogo Mainardi no Conexão manhattan do GNT.
Este vídeo desperta alguns questionamentos, a final podemos xingar o presidente da república? A autoridade máxima do país pode ser criticado com tons ofensivos? E quanto respeito devemos ao nosso presidente?
Primeiramente devemos respeito ao presidente de nosso país, seja ele quem for? De imediato eu diria não, nenhuma pessoa é credor de nosso respeito, principalmente quem não conhecemos pessoalmente. Figuras públicas devem primeiro conquistar nossa atenção, em seguida analisaremos seus atos e veremos se esta figura merece respeito, admiração, scracho ou simplesmente desprezo.
Lembro-me de meus professores universitários dizendo não aceitem uma opinião de imediato sem contesta-la, mesmo que esta opinião venha de uma pessoa credenciada com mais conhecimento que você. Aceitar alguém apenas por seu título é alienação, quanto maior for o cargo de alguém maior a responsabilidade desta pessoa ao abrir a boca.
O que foi dito a cima vale para o Lula e para o Marcelo Madureira. O Lula foi o primeiro presidente que não escreveu nenhum livro em seu mandato, não que isto seja fundamental, mas demonstra o seu nível de interesse pela cultura. Ao lado de Getúlio Vargas Lula é adorado pelo rebanho e não podia ser diferente ambos abusam da política do pão e circo: basicamente compram votos com esmolas.
Marcelo Madureira estudou engenharia, foi redator do "TV Pirata" sempre foi interessado na política, fazia críticas aos governos Sarney, Collor, FHC e Lula sem nunca tomar partido. Com o fim da "TV Pirata" ele foi para frente das câmeras com o "Casseta e Planeta" que por muitos anos foi o melhor humoristico da TV, diria que nos últimos 8 anos a atração se popularizou, criou piadas mais simples para a massa entender e óbviamente caiu de qualidade, até o desgaste total.
Talvez a melhor forma de se identificar o valor de uma critica seja quem se ofende com ela, evidentemente os petistas ficaram contrariados, estes seres que criticam toda e qualquer falta ética, menos a deles e dizem apoiar causas sociais e o desenvolvimento humano mas realizam o assistencialismo em causa própria enquanto distribuem coleiras para o rebanho (falarei mais em meu próximo tópico). Eu comparo estes petistas com o Hiperbóreos era um povo mitigo, dentre os gregos, que viviam no extremo norte do pólo, amados pelo deus Apolo os hiperbóreos eram famosos por sua compaixão e felicidade. Este povo vivia feliz e muito mais do que os humanos normais.
"Olhemo-nos no rosto. Somos hiperbóreos - sabemos muito bem como vivemos longe. 'nem por terra nem por mar encontrarás o caminho que te leve aos hiperbóreos' [...] Descobrimos a felicidade, conhecemos o caminho, encontramos a via para sair de milênios inteiros do labirinto [...] antes viver nas geleiras do que entre as virtudes modernas e os ventos do sul..." [1].
Está crítica nietzscheana torna-se mais contundente com a resposta de Mercadante para Paulo Bufalo na ultima campanha para governador. Indagado sobre trair seus ideais Mercadante responde que o PT teve que fazer uma escolha entre manter-se fiel aos seus ideais e ascender ao poder. Citando Freud:
"os bolchevistas esperam ser capazes de fazer a agressividade humana desaparecer mediante a garantia de satisfação de todas as necessidades materiais e o estabelecimento da igualdade, em outros aspectos, entre todos os membros da comunidade. Isto, na minha opinião, é uma ilusão. Eles próprios, hoje em dia, estão armados da maneira mais cautelosa, e o método não menos importante que empregam para manter juntos os seus adeptos é o ódio contra qualquer pessoa além das suas fronteiras. " [2].
Agora eu lhes pergunto, independente de concordar ou não com Marcelo Madureira, o senhor Lula merece o seu respeito?

[1] Nietzsche, F (1888). O ANTICRISTO. Escala. SD.

[2] FREUD, S (1933[1932]). POR QUE A GUERRA? (EINSTEIN E FREUD). Edição eletrônica. 2002.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Uma Espiadela em Baixo da Saia da Sociedade VIII: A consequencia da coleira ou Aqueles que limpam com jornal.


Existem aqueles que lêem jornal e aqueles que limpam com jornal, não estou classificando as pessoas em duas classes, isto seria irresponsável, mas existe sim um grande número de pessoas desinformadas, não por que não tem acesso a informação mas por que não querem ter esta informação.
Este fenômeno não é recente, embora não saiba exatamente quando ele começou, é sabido que desde a ditadura militar o governo preocupa-se em desinformar a população ou a parte mais carente da mesma. Na realidade o governo Vargas já utilizava desta estratégia podre, desde então TODOS os governos mantiveram esta estratégia. mas por que os governantes manteriam a ignorância da população?
A resposta é simples - é interessante manter o povo na ignorância, o rebanho é facilmente manipulado, vide o "efeito fome zero" população manipulável é voto certo. Entenderam agora?
Pois bem após décadas de desincentivo à educação e desinformação resulta na crença de que pobreza é um fenômeno da natureza e motivo de orgulho. As escolas vêem em decadência constante, o asistêncialismo se torna cada vez mais utilizado. Estas circunstâncias apenas engordam o rebanho, este acredita que receber verba do governo é a única possibilidade de crescer na vida, esta sim é uma estratégia varguista.
Depois de tantos estímulos contra a educação não é de se estranhar o total desinteresse do rebanho pela informação, educação ou cultura. O mínimo necessário para sobrevivência será fornecido pelo governo, já o resto? Não é necessário.

"Os Deuses Mortos" Oito Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...