Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

quinta-feira, 1 de março de 2012

Vem ai a temporada de F1 2012

Em 1994 Galvão Bueno, no alto de sua sabedoria, disse "ai vem Rubens Barrichello!" estou esperando até hoje. Por que começar um tópico sobre a primeira temporada de F1 em 20 anos sem o Rubinho? Para comemorar oras! Chega de passar vergonha, chega de ver a tradição brasileira no automobilismo ser jogada no lixo, chega de ver o pessoal da globo inventando desculpas para a inaptidão da tartaruga Rubens.

Mas por que Rubinho foi descartado? Não foi nenhum choque de bom senso nos donos das equipes. A culpada, se é que podemos falar assim, é a crise financeira na Europa e donos de equipe passaram a dar preferência por quem trás mais patrocínio. Assim sendo temos dois tipos de equipes: as milionárias que lutam pelo título e mantiveram seus pilotos e as que sofrem com a crise e venderam uma ou as duas vagas de seus carros. Detalho a baixo cada uma das 12 equipes, seus pilotos e suas chances no campeonato.


Red Bull Renault

1 - Sebastian Vettel (Alemanha)

2- Mark Webber (Austrália)

Não tenho muito o que dizer sobre a Red Bull, a meu ver a equipe se mantém como favorita ao título com a combinação melhor carro e melhor piloto. Vettel, o atual bi campeão é favorito a levantar o caneco pela terceira vez consecutiva. A surpresa fica por conta de Webber o veterano está na Red Bull desde os primórdios da equipe, acredito que a gratidão esteja mantendo seu emprego.

Em 2010 o australiano lutou pelo título até a ultima corrida, já em 2011 ele teve um desempenho medíocre. Se em 2010 Webber teve seu "canto do cisne" em 2011 as coisas voltaram ao normal. Vamos ver o que ele faz este ano.


McLaren Mercedes

3- Jason Button (Inglaterra)

4- Lewis Hamilton (Inglaterra)

A segunda melhor equipe do campeonato pode conseguir uma surpresa e dar o título a um de seus pilotos, porém o mais provável é que o time lute pelo título de construtores. Para isto eles contam com Jason Button, sou fã dele, e o porra loca do Hamilton.

A dupla de pilotos "puro-sangue" se complementa Button é cerebral, estrategista o inglês faz de cada corrida um jogo de xadrez Na primeira vez em que teve um carro decente nas mãos ele conquistou o campeonato, tornando-se o piloto mais velho a sagrar-se campeão do mundo.

Já Lewis Hamilton é visivelmente talentoso, igualmente campeão do mundo, lhe falta cabeça, 2011 foi marcado por pataquadas, acidentes e polêmicas. Vamos ver como ele volta em 2012.

Ferrari

5- Fernando Alonso (Espanha)

6- Felipe Massa (brasil)

A scuderia mais tradicional da fórmula 1 sonha em voltar aos tempos de glória, para isto conta com um dos três melhores pilotos da atualidade Fernando Alonso que consegue tirar leite de pedra, mesmo não sendo favorito o espanhol pode beliscar o título. Nunca duvidem de Alonso.

Por sua vez Massa pode estar se despedindo da Ferrari, e por consequência da possibilidade de guiar para uma grande equipe, as duas ultimas temporadas do brasileiro foram medíocres, tirando a teoria da conspiração Ferrari/Alonso Massa vem devendo e muito, tendo o rendimento abaixo da média, desde que sofreu aquele acidente com a mola do carro de Rubinho.


Mercedes

7- Michael Schumacher (Alemanha)

8- Nico Rosberg (Alemanha)

Existem duas formas de se encarar a Mercedes como uma equipe nova que vem se desenvolvendo e como uma milionária que está devendo resultados. A última das quatro milionárias tem recursos e pessoal experiente para buscar algo mais. Ross Brawn, diretor da equipe, tem um currículo invejável. Schumacher não é mais o mesmo porém consegue fazer mais.

Eu diria que o principal problema da equipe está no regulamento Brawn sempre foi campeão explorando as falhas e duplas interpretações dos regulamentos, em dois anos ele ainda não conseguiu dar o "pulo do gato". Outro ponto negativo é a falta de fé da equipe em Rosberg.

O jovem piloto alemão tem capacidade para ser um dos maiores, porém falta alguma coisa, talvez um carro a altura de seu talento. Quem sabe se o trio Brawn-Schumacher-Rosberg se acertarem a Mercedes não se sagra campeã é difícil mas pode acontecer.


Lotus Renault

9- Kimi Raikkonen (Finlândia)

10 - Romain Grosjean (Francês)

A Lotus é a maior das menores, herdeira da primeira Lotus a equipe preta ainda se ressente pela incapacidade de Robert Kubitza em pilotar, a escolha para substituí-lo é no mínimo inusitada Raikkonen é o orgulhoso detentor do título de campeão mais questionado da história. Grande zebra daquele ano o finlandês sagrou-se campeão após Alonso e Hamilton se estranharem.

Como se não bastasse o título de "azarão" Haikonen sagrou-se campeão na fase decadente de sua carreira, um ano depois o finlandês não chegou nem perto do título e abandonou a F1 por falta de equipes interessadas.

O outro piloto é uma incógnita Grosjean é suíço, mas apadrinhado como francês, piloto de testes da falecida Renout o "quase francês" teve sua chance com um carro muito ruim e não pode demonstrar nada. O embrolho sobre sua pátria mãe se dá por sua herança familiar, por seu talento demonstrado nas categorias de base e pela falta de bons pilotos franceses na Fórmula 1. Grosjean só está na Lotus por que conseguiu patrocinadores suficientes para isto.

Force India Mercedes

11 - Paul di Resta (Inglaterra)

12 - Nico Hülkemberg (Alemanha)

A Force India é a antiga Minardi, comprada por empresários indianos, se comparada com outras equipes a Force india é o time que mais se desenvolveu, muito se deve a quantidade de dinheiro investida. Não será surpreendente se a scuderia indiana superar a Lotus e até a Mercedes nesta temporada.

Sobre seus pilotos não posso dizer muita coisa: di Resta surgiu muito bem ano passado, agora em sua segunda temporada na equipe, mais acostumado com o carro o jovem inglês poderá se confirmar como realidade ou não.

Hülkemberg deixou uma bela impressão em 2010, sua temporada de estreia na F1 pela Willians e ganhou o troféu de injustiçado ao ser substituído pelo venezuelano Pastor Maldonado e seu rico patrocinador - o governo da Venezuela. Hülkemberg tem mais uma chance de se confirmar como realidade. No momento ambos os pilotos são boas promessas.

Sauber Ferrari

14 - Kamui Kobayashi (Japão)

15 - Sergio pérez (México)

A trajetória da Sauber é curiosa, ela começou na Fórmula 1 com o apoio da Mercedes, após um acordo de cavalheiros a distribuidora mudou-se para MaLaren e a Sauber peregrinou até conseguir os motores Ferrari. A equipe acabou sendo comprada pela Toyota, quando os japoneses finalmente colhiam os frutos do trabalho dura a montadora abandonou a categoria. Peter Sauber comprou novamente sua equipe.

O fato é que Peter Sauber sempre teve medo de arriscar, a Sauber era cotada como uma equipe que tinha tudo para ser grande e conquistar títulos exceto o pensamento grande. Seu dono se contentava em ter um time médio. Seus pilotos formam uma dupla interessante Pérez é rápido e inconstante já Kobayashi é piloto da Toyota, apesar de apadrinhado o japonês é bom já merecendo o título de melhor oriental da F1. O que pode não parecer muita coisa porém este japa é talentoso.

Toro Rosso Ferrari

16 - Daniel Ricciardo (Austrália)

17 - Jean-Eric Vergne (França)

A Toro Rosso é uma equipe satélite, seu objetivo é revelar pilotos para a Red Bull e nada mais, não esperem muita coisa dos touros vermelhos italianos. Seu principal mérito é também seu principal motivo de vergonha. Sebastian Vettel foi revelado pela Toro Rosso e conquistou sua primeira vitória pela equipe italiana.

A primeira vitória da Toro Rosso veio antes da primeira vitória da Red Bull o que provocou um mal-estar nas duas equipes e o orçamento da Toro Rosso foi diminuído. Seus dopis pilotos são estreantes, precisamos ver o que eles podem fazer. A antiga dupla foi demitida por nenhum deles ser capaz de ser um piloto de ponta.

Williams Renault

18 - Pastor Maldonado (Venezuela)

19 - Bruno Senna (brasil)

Se vocês procurarem decadência no dicionário vão encontrar a foto da Willians ao lado. A equipe que em outros tempos foi campeã absoluta e principal força da Fórmula 1 é hoje uma nanica que vendeu suas duas vagas. Não dá para se ter a mínima ideia do que a Willians pode fazer.

Maldonado não teve muita chance de mostrar do que é capaz, sua entrada na F1 ocupando o lugar de Hülkemberg devido aos petrodólares de Hugo Chávez fez com que muitos torcessem o nariz para o venezuelano, o fato de ter andado na frente do Rubinho ano passado não diz nada a seu favor.

Já Bruno Senna por sua vez conseguiu uma vaga graças aos empresários brasileiros e a crise na Europa. Sua estreia na F1 foi na pior equipe possível, ele fez muito em conseguir largar, ano passado ele disputou meia temporada pela Lótus onde foi elogiado pelos mecânicos mas somou apenas 4 pontos. Se Bruno conseguir fazer duas temporadas na Willians podemos avaliar seu real talento.

Caterham Renault

20 - Heikki Kovalainen (Finlândia)

21 - Vitaly Petrov (Rússia)

A Caterham é a antiga Lótus, seu dono malaio comprou os direitos pelo nome da scuderia, ano passado tivemos duas equipes com o mesmo nome e agora o malaio perde o direito de usar o nome Lótus. Uma das três equipes a usarem o teto orçamentário - onde se gasta gasta muito menos que as demais e rende muito menos também. A Caterham é a melhor das piores, única a possuir um motor tradicional.

O piloto finlandês é aquela promessa que não vingou, Kovalainen chegou a ter uma vaga na McLaren, sendo escolhido para substituir Fernando Alonso, porém resultados medíocres o fizeram perder a vaga entre grandes equipes; já Petrov é uma figura, patrocinado pelo governo russo Petrov está sempre acompanhado de sua mãe nas corridas. Piloto lento e insignificante ele é mais um que comprou uma vaga.
HRT Cosworth

22 - Pedro de la Rosa (Espanha)

23 - Narain Karthkeyan (Índia)

A HRT era até ano passado a pior equipe da categoria e deve continuar assim. Seus dois pilotos são o veterano inexpressivo Pedro de la Rosa e o indiano Karthkeyan. O primeiro está ai supostamente para levar sua experiência e ajudar a scuderia a crescer porém de la Rosa tem experiência em andar devagar e perder.

Já Karthkeyan estava na primeira dupla de equipe com Bruno Senna, sendo afastado por deficiência técnica, agora o indiano está de volta, ele deve ter patrocinadores mas não tão fortes assim.

Marussia Cosworth

24 - Timo Glock (Alemanha)

25 - Charles Pic (França)

A Marussia é a antiga Virgin, a equipe não passou nos padrões de segurança e vai estrear sem ter feito nenhum teste. Não devemos esperar nada dela. Sobre seus dois pilotos: Glock é uma mistura de piloto sem grandes patrocinadores e promessa que não vingou. O alemão pode não ser genial mas também não é para tanto. Já Pic faz sua estreia na categoria em uma equipe impossível de mostrar algum serviço.



A temporada começa dia 18 de Março no GP da Austrália com transmissão as 3h da manhã. Veja a baixo a relação de pontos ganhos por cada posição de chegada:


1º lugar – 25 pontos
2º lugar – 18 pontos
3º lugar – 15 pontos
4º lugar – 12 pontos
5º lugar – 10 pontos
6º lugar – 8 pontos
7º lugar – 6 pontos
8º lugar – 4 pontos
9° lugar – 2 pontos
10° lugar – 1 ponto





Um comentário:

  1. Ola,
    Eu curto muito F1 e estou louco para começar a nova temporada. Excelente matéria que nos da ainda mais vontade pelo começo das corridas.

    Eu acredito ainda no domínio da RBR e o tri campeonato de S.Vettel, creio também que esta será a última temporada de Massa na Ferrari e quero ter uma opinião melhor sobre Bruno Senna, pois é a primeira vez que pode realizar um pré-temporada de fato. Vamos ver.

    Seguindo...

    Abraços, Flávio.

    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...