Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

quinta-feira, 24 de maio de 2012

CPI do cachoeira: Quem vigia os vigilantes?

SMS do deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP) para o governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB)
Quem vem acompanhando a CPI do Cachoeira está percebendo que estamos diante da maior pizza da história de Brasília, não pela CPI em si, que invariavelmente elege uns dois ou três deputados para serem caçados e ficamos por isto mesmo. Estou falando do clima de vingança e da manipulação midiática.
Vamos por partes: Qualquer CPI que tenha Fernando Collor como investigador perde sua credibilidade de imediato. Collor sugeriu a convocação de Policarpo Júnior, diretor sucursal da Revista veja, o pedido não foi aceito. Vale lembrar que Collor foi deposto do cargo de presidente da República após uma denúncia da própria revista Veja.
O mesmo julgamento vem sendo feito pela Rede Record e pela revista Carta Capital: A primeira fazia forte oposição ao governo Lula, chegando a exibir uma matéria encabeçada pela frase de Marta Suplicy "relaxa e goza" na mesma semana a emissora mudou de opinião após o PRB integrar a base governista.
O PRB é o partido de Marcelo Crivella, senador do estado do Rio de Janeiro, cantos góspel, bispo da Igreja Universal e sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal e dono da Rede Record.
Após o PRB e Marcelo Crivella aderirem ao governo Lula a Record mudou de opinião e passou a defender o governo e criticar quem o investiga. A final criticar o governo petista é criticar o sobrinho do chefe. A Record vem sistematicamente atacando Policarpo Júnior usando trechos de conversas totalmente fora de contexto.
Policarpo manteve relacionamento com o bicheiro como informante, quem assistiu qualquer filme policial sabe como o sistema de informantes funciona. O repórter mantém contatos no mundo do crime para obter informações.
O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) foi o primeiro a falar contra o pedido de Collor e criticar indiretamente a televisão do bispo "Destacar uma pessoa ou outra (na gravações) é submete-la a um regime diferenciado que pressupõe culpa - e logo de quem, de um jornalista".
Outra mídia que vêm criticando a revista Veja é sua concorrente direta, a modesta Carta capital, que vem crescendo no mercado após o início do governo Lula - não por acaso cerca de 70% dos anúncios da revista são do governo federal. Em 2004 o então presidente Lula elogiou publicamente a revista afirmando que a Carta Capital não praticava o "denuncismo pelo denuncismo" por que "não se preocupava com o mercado".

A Carta capital é do jornalista Mino Carta, que aproximou-se do PT e de Lula em 2002. Em 2005 Mino entrevistou Lula para sua revista, onde destacou seu "QI alto, bravura, carisma, belos propósitos, bom humor e ironia" já em 1994 o mesmo Mino Carta declarou: "Lula não é suficientemente aplicado. Ele teve tempo para aprender algumas coisas e não o fez. Por exemplo a falar melhor, a organizar seu raciocínio de forma sintaticamente mais resistente. Isso teria implicado leituras, estudo. Mas a julgar pelo Lula que está ai hoje, ele não se aplicou. O melhor mesmo para ele é bater uma caixa no bar da esquina tomando uma pinga com cambuci". Aparentemente 70% da cota de patrocínio o fez mudar de opinião.
Não preciso dizer que caso a veja perca credibilidade suas concorrentes ganharão muito espaço na mídia e é de olho nesta vaga que a Carta Capital está interessada.
Tudo termina em Pizza
Carlos cachoeira está sendo acusado de usar sua influência e comprar favores: dentre os acusados estão o senador Demóstenes Torres, ex-membro do Democratas que o expulsou do partido rapidamente, acusado de receber propina para defender os interesses de Cachoeira.

O Governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), o qual possui muitos assessores ligados ao Cachoeira, o mesmo acontece com o governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) que também possui assessores se relacionando com Cachoeira. Por fim o ex-delegado da polícia federal e e atual deputado Protógenes Queiroz (PCdoB) apareceu orientando supostos membros da quadrilha a manterem silêncio quando forem depor.
Destes acima apenas Demóstenes sofreu as merecidas consequências - que nem serão tantas assim. O maior símbolo de impunidade porém surgiu quando o deputado candido Vacarezza (PT) enviou um SMS ao governador do Rio de janeiro Sérgio Cabral (PMDB) acalmando o companheiro de que este não seria convocado "A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe você é nosso e nós somos teu".
Para quem não sabe a polícia federal apontou que a empreiteira Delta é o principal braço financeiro de Cachoeira e a Delta tem relações estreitas com Cabral. No último dia 17 o relator Odair Cunha (PT-MG) sequer mencionou o nome dos três governadores e da Delta - a Folha de São Paulo denunciou um cordo envolvendo PT, PMDB e PSDB para pouparem seus governadores.
O senador Pedro Taques (PDT-MT) criticou severamente o andamento da CPI "Enquanto devíamos votar convocação de governadores de estado, estamos fazendo dessa CPI um instrumento de vingança contra a imprensa".
Quem vigia os vigilantes?
Sócrates
Enquanto a CPI investiga para não culpar ninguém os instrumentos da mídia vêm se aproveitando: a Record para assumir o posto de emissora mais assistida e a Carta Capital para ser a revista semanal mais popular. Pouco se importando com o que acontece em Brasília.

Estes dois veículos de mídia querem assumir o posto de arautos da ética - a problemática é a mesma proposta pelo filósofo Sócrates ao falar sobre comerciantes, escravos e trabalhadores que estariam protegidos em Atenas pelos guardiões. O sábio grego questiona "quem irá nos proteger deles"?

Platão responde ao seu mestre que eles deveriam contar mentiras carinhosas aos protetores, os fazendo acreditar que eles são melhores que a classe trabalhadora e assim os guardiões os protegeriam de bom grado. Atualmente esta mentira carinhosa vem mudando de lado e nossos "protetores" se colocam como melhores que as demais emissoras e revistas, como únicos capazes de nos proteger da injustiça.
O poeta romano Juvenal satirizou esta "mentira carinhosa" em sua mais célebre frase "quem vigia os vigilantes"? A Veja vigia o governo, a Carta Capital e a Rede Record vigiam a Veja e quem vigia estas duas? Quis custodiet ipsos custodes?

Um comentário:

  1. Oi Diego,

    Tudo bem? O texto está muito bom e permite, mesmo quem nunca acompanhou o caso nos meios de comunicação, informação mais que necessária para se chegar a conclusão da pizza. Quando vejo o Collor aconselhando a Dilma, confirmo a ideia de que não há inocentes no caso.

    Lu

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...