Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Somos todos iguais, porém não podemos ser diferentes: sobre a intolerância religiosa e o preconceito contra ateus


O mais recente exemplo de preconceito foi dado pelo "jornalista" José Luiz Datena (peço perdão aos jornalistas por usar o termo) ao fazer uma enquete em seu "jornal" questionando se seus mirrados espectadores acreditavam em Deus. Quando viu um alto número de espectadores dizendo que não Datena disparou:

“Como nós temos mais de mil ateus? Aposto que muitos desses estão ligando da cadeia.”

“Ateus são pessoas sem limites, por isso matam, cometem essas atrocidades. Pois elas acham que são seu próprio Deus.”

“É só perguntar para esses bandidos que cometem essas barbaridades pra ver que eles não acreditam em Deus.”

Este é apenas um exemplo do que acontece. Não vou perder meu tempo escrevendo sobre os preconceitos de um homem como ele. Porém deixo registrada minha indignação por seu preconceito.



Antes de mais nada é melhor entender o preconceito do cotidiano - temos um fenômeno interessante ocorrendo no brasil: ao mesmo tempo em que uma verdadeira guerra contra o preconceito é travada (os exemplos vão desde o termo afrodescendente ao orgulho gay) uma padronização cresce cada vez mais. É como se nossa sociedade pregasse: "somos todos iguais, porém não podemos ser diferentes".
Provavelmente o preconceito contra ateus venha de nossas raízes religiosas, o brasil é um país fortemente cristão, toda nossa sociedade foi construída segundo a moral do cristianismo, os índios foram catequizados e o ensino da religião era obrigatório até alguns anos atrás.
Nos últimos anos houve a expansão das igrejas evangélicas que aproveitaram o vão existente entre a criação cristã e a não identificação com a igreja católica. Não se mudou o Deus, apenas se mudou quem levava a Ele.

Voltamos agora ao preconceito. De onde ele vem? O preconceito em geral é fruto de um pensamento rígido, uma incapacidade de aceitar o outro e uma não aceitação de que o mundo não é como se quer ou que as pessoas não são como os preconceituosos assim o querem. Aqui estou generalizando todos os preconceituosos e não apenas os religiosos.
Se formos mais a fundo no preconceito, encontraremos uma profunda frustração provocada pela incapacidade de "abrir o leque", esta incapacidade transforma-se gradativamente em raiva daqueles que são diferentes. Pois revelam que é possível ser mais flexível e expõe toda a fragilidade do preconceituoso.

Muito bem, após toda esta introdução vamos voltar à religião: nossos antepassados foram convertidos a força aqui no brasil. Os índios tinham sua própria crença, o mesmo vale ao negros trazidos como escravos e obrigados a se converterem. Mas e os Europeus? Ou eram politeístas, que tiveram que se converter quando o imperador Constantino tornou-se cristão. Outros eram judeus, que durante a inquisição tiveram que mudar de religião, sob pena de morrem na fogueira. 
Séculos de perseguição religiosa resultaram em um profundo ódio contra sua própria religião que fora recalcada pela cultura, porém o que se empurra para debaixo do tapete não desaparece, o ódio religioso ressurge contra aqueles que mostram que é possível ser diferente. Temos então a descriminação contra judeus, muçulmanos, umbandistas, macumbeiros, espiritas e ateus.
Campanha da ATEA contra o preconceito
Claro que existe o outro lado da moeda, ser ateu não significa "não crer em nada". É muito simples meus amigos, para eu dizer que "não acredito em Deus" eu devo ter obrigatoriamente um Deus como referência e a minha crença pessoal para reputar. A própria crença na ciência já revela uma lógica religiosa.

A crítica ateia a religião é válida a partir da frase "Só Jesus salva" ou "só Deus salva". Tais frases revelam a total falta de flexibilidade por que só? Desde criança, quando fiz meu catecismo por opção (praticamente obriguei meus pais a me levarem na igreja) eu ficava pensando "que tipo de Deus precisa obrigar as pessoas a idolatra-lo?" isto sempre me pareceu um sinal de fragilidade e impotência divina.
Já dizia Nietzsche "O último cristão morreu na cruz". Desde a morte de Jesus tivemos uma igreja católica gananciosa e sedenta por poder, seu ímpeto diminuiu com a revolução luterana, já hoje em dia alguns pastores fazem o mesmo que os antigos Papas pregando o terrorismo, prometendo o inferno para quem não os seguir.
Sim, existem bons religiosos, pessoas que seguem suas religiões, aceitam os demais, pois era o que Jesus dizia "ame seus irmãos" que tipo de religiosos repudia ateus e que tipo de ser humano são os ateus que recriminam os religiosos?  

Exemplo de preconceito contra religiosos






Exemplo de preconceito contra Ateus

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...