Oito Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

domingo, 9 de setembro de 2012

Deus, um delírio: A face inconveniente da religião


“O Deus do antigo testamento é talvez o personagem mais desagradável da ficção: ciumento, e com orgulho; controlador, mesquinho, injusto e intransigente; genocida étnico e vingativo, sedento de sangue; perseguidor misógino, homofóbico, racista, infanticida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista, malévolo”.

São com estas palavras que Richard Dawkins inicia o capítulo 2 de sua obra prima “Deus, um delírio” livro escrito com o objetivo de converter os “religiosos por osmose” ao ateísmo. Dawkins aborda diversos aspectos em seu livro um deles é que ao nascermos em um país religioso acabamos seguindo esta religião sem realmente sermos religiosos.

Dawkins defende que os ateus devem ter orgulho de sua posição e pararem de se esconder, muito dos seus escritos vêm da sociedade americana onde a religiosidade atrasa a ciência, medicina, educação e outras áreas do saber. Muitos americanos acreditam que o homem veio de Adão e Eva refutando a evolução e inclusive interferindo no currículo escolar americano. Sua obra ainda trás que acreditar em Deus não é apenas inútil como perigoso. Pensem bem será que só os americanos são assim? E aqui no Brasil? Quantos religiosos pregam a homofobia? O preconceito? Quantos religiosos querem interferir na sua vida? São intolerantes com a religião, costumes dos outros?


Preconceito e religião
A primeira questão levantada no livro é que a religião deve ser discutida como qualquer assunto e não merece um respeito especial. Evitar tocar numa questão é eleva-la a um tabu e tabus são perigosos, a partir do momento em que não podemos tocar em um determinado assunto, este eleva-se a um status de poder absoluto e motivo para qualquer ação.
Poço citar como exemplo desde o Talibã até religiosos americanos que queimam clínicas de aborto a assassinam médicos, cristão queimados vivos na África (nos anos 2000) e religiosos bendizendo a AIDS como castigo divino contra homossexuais, pessoas parando tratamentos médicos e pedindo a cura para Deus.
No segundo capítulo Dawkins destrói todas as argumentações a favor de Deus, provando que seus seguidores apoiam-se em provas frágeis e fabricadas. Mais uma vez o autor refere-se a estudiosos que tentam comprovar Deus cientificamente (?) e ainda sobra espaço para criticar superstições comuns e altamente aceitas.
A religião incentiva a homofobia
Uma das argumentações do autor: Deus é onipresente; onisciente e onipotente: se Deus sabe de tudo ele sabia dos desastres naturais, dos pecados, dos genocídios em seu nome e inclusive da traição de adão e Eva, porém não fez nada; ao não fazer nada para impedir Deus prova que ele tem suas limitações ou se Deus é onipotente ele não é onisciente. A própria definição de Deus comprova sua inexistência.
Outra possibilidade é o sadismo de Deus descrito no velho testamento como no livro de Jó onde Deus destrói a vida do coitado apenas para sua diversão ou no caso de Moisés que vagou pelo deserto por 40 anos matando tribos que veneravam outras divindades seguindo ordens de Deus. Se Deus sabia que os seguidores de Moisés criariam o bezerro de ouro então por que não avisou Moisés? Ou talvez ele não soubesse? Mas Ele não é Onisciente? Ou Deus é sadomasoquista ou Ele não existe.
Em seguida o autor vale-se da evolução para explicar a origem do homem como um ser que evoluiu de um ancestral em comum do macaco e não vindo do barro como uma criação de Deus, pasmem muitos religiosos levam a sério a história de Adão e Eva, eu mesmo estudei com um cara que dizia que os dinossauros nunca existiram que Deus criou o homem do barro. Falar em dinossauros era pecado!
Muitos acreditam que nosso código de moral vem da religião, ao analisar a bíblia de como a bíblia trás relatos de assassinatos, opressão as mulheres, preconceito racial e sexual. Em Deuteronômio 20, Deus discrimina seus seguidores das outras tribos, as quais devem ser mortos por seguirem outra divindade.
Na história de Ló e os sodomitas (não confundir com Jó) no capítulo 19 do livro dos juízes um levita (padre) e sua concubina são abrigado por um idoso; enquanto jantavam os homens da cidade exigem que o idoso entregue o homem para ser abusado, o idoso se recusa afirmando que o homem é seu convidado, mas entregaria sua filha virgem e a concubina do visitante para serem abusadas dizendo “humilhai-as e fazei delas o que melhor vos agrade; porém a este homem não façais semelhante loucura”. Ambas as mulheres são estupradas a noite inteira, como consequência são mortas de exaustão, já os homens, bom não acontece nada com eles.
Mas e o novo testamento? Ame o seu próximo é amar o seu igual, de igual religião, que segue seu Deus. Jesus era um homem a frente de seu tempo, um pacifista e um filósofo que deve ser estudado – mas como filósofo e não como divindade. O apóstolo Paulo foi o responsável por espalhar a religião judaica pelos gentius e de impor as punições divinas para todos nós.
 
Religião e discriminação racial
Ao mesmo tempo Dawkins quebra com crenças de que a religiosidade é a única forma de se manter ético enquanto os ateus seriam adeptos da violência e criminalidade, conforme declarou José LuizDatena listando a ética ateia no capítulo 7:
 
1)      Não faça aos outros o que não quer que façam com você
2)      Trate os outros seres humanos, as criaturas e o mundo em geral com amor, honestidade, fidelidade e respeito.
3)      Aproveite sua própria vida sexual (desde que ela não prejudique outras pessoas) e deixe os outros aproveitarem a deles em particular, sejam quais forem às inclinações deles, que não lhe interessam.
4)      Sempre tente aprender algo novo.
5)      Não discrimine nem oprima com base no sexo, na raça ou na espécie.
6)      Jamais se autocensure ou fuja da dissidência; sempre respeite o direito dos outros de discordar de você.
7)      Crie opiniões independentes com base no seu próprio raciocínio e em sua experiência; não se permita ser dirigido pelos outros.
8)      Não doutrine seus filhos. Ensine-os a pensar por si mesmos, a avaliar as provas e a discordar de você.
9)      Leve em consideração um futuro numa escala de tempo maior que a sua.
10)   Questione tudo.
Antes de queimar sua bíblia leia o capítulo 10, onde o autor descreve o valor histórico da bíblia que é sim uma boa leitura, assim como todos os livros de mitologia ela não deve ser entendida literalmente, mas como uma metáfora sobre a construção de nossa sociedade.
O perigo de misturar religião e educação
Ao final de “Deus, um delírio” Dawkins demonstra seu ponto de vista de que a religião não deve ser ensinada nas salas de aula, a obra vem na oposição  do então presidente americano Geroge Bush e do primeiro ministro inglês Tony Blair em contestar a evolução e ensinar o criacionismo nas salas de aula. Mesmo discordando das opiniões de Dawkins é impossível discordar de suas conclusões: as religiões devem ser ensinadas em seus templos e para aqueles que quiserem ouvir enquanto que a ciência deve ser ensinada na escola e todos nós somos livres para decidir qual vertente queremos seguir.






Um comentário:

  1. Questionar tudo é sempre o melhor caminho, acho que boa parte dos ateus erram apenas em considerar pessoas que adotam uma determinada religião menos inteligente que eles, o que nem sempre é verdade. Frequentemente se esquece que fé e razão não caminham em uma mesma via e para quem tem uma determinada fé, seja ela qual for, a crença certamente irá se sobrepor à razão pela simples premissa de que a razão humana seria limitada...

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/09/in-treatment.html

    ResponderExcluir

"Os Deuses Mortos" Oito Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...