Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Crítica de 50 Tons de Cinza


O maior fenômeno literário de 2012 foi exaltado pelos leitores e achincalhado pela crítica, como comentários preconceituosos ao estilo “pornografia para donas de casa”. Vamos por partes: Cinquenta tons não é um romance erótico, mas sim um romance. As famigeradas cenas de sexo são alguns dos momentos mais monótonos do livro, cheguei a pular algumas passagens donsideradas “picantes”. O livro também é pessimamente escrito, porém o que importa é a história e as emoções que ela provoca.

O livro foi escrito de forma despretensiosa, ele era um fanfic (ficção de fã) de Crepusculo publicado na internet, sem nenhuma obrigação de seguir normas editoriais ou censuras sem sentido. As personagens são humanas, demasiadamente humanas. Diferente da saga dos vampiros falsificados, 50 tons de cinza evoca uma sexualidade madura.

Personagens:

Christian Grey é um rico empresário, um homem sedutor e misterioso, é ele quem leva o livro nas costas em seus primeiros capítulos, nunca visto com mulheres e sem nunca ter tido uma namorada Christan leva uma vida secreta, mantendo as pessoas à distância. Solitário, frio e sarcástico são as descrições perfeitas de Christian.

Lógico que estamos falando de uma máscara, com o virar das páginas o Sr. Grey vai se humanizando, mas esta é um assunto para a análise do livro a ser feita mais para frente.

Anastássia ou simplesmente Ana é uma jovem garota de 22 anos, ainda virgem e tímida, que não conhece sua beleza ou qualidades, mesmo tendo centenas de homens atrás dela. Seu primeiro contato com Grey foi em uma entrevista, ela tropeça e cai de quatro na frente de Christian.

A moça começa o livro muito chata, ela quase me faz abandonar a leitura nos primeiros capítulos, felizmente ela melhora, revelando-se mais forte. Assim que é apresentada ao mundo BDSM Ana entra em parafuso. Como uma garota virgem, que sonha com o príncipe encantado pode lidar com chicotes, algemas plugis anais?  Boa parte do livro se baseia na angústia de Ana.

Análise do Livro:

Conforme a trama vai se desenvolvendo Ana vai caindo no gosto do leitor, ao ponto de haver uma identificação, em bora sua indecisão possa gerar alguma raiva Ana revela a condição humana, percebi que Ana é exatamente igual a qualquer pessoa. Quem se apaixonou sabe o quão gostoso e o quão terrível esta experiência pode ser. Ana é tão humana que chega a incomodas, nós nos vemos na garota.

Ao tempo que Christian Grey ostenta um disfarce de homem ideal, ele mostra-se um garoto assustado e frágil, Ana consegue entrar em seu coração, descobrindo o que tanto Christian escondia seu lado humano.

Seus relacionamentos anteriores, puramente sexuais, são uma defesa, uma maneira do Sr. Grey se esconder, evitar o verdadeiro contato humano. Até então ele era uma casca de homem, o empresário que fecha negócios, assim como o dominador são farsas. A necessidade de estipular um contrato para seus relacionamentos e os limites rígidos ( o que cada uma das partes pode ou não fazer) revelam sua fragilidade.

O verdadeiro motivo do livro é a possibilidade de mudar, sem abandonar sua atual realidade e principalmente sem fazer quaisquer julgamentos. Christian se vê como um monstro, porém só ele se vê assim, em nenhum momento o Sr. Grey é retratado como alguém com práticas bizarras ou a pureza de Ana como algo ideal. Ao contrário Anastássia vai aderindo aos prazeres do sexo, conhecendo um mundo novo e sedutor enquanto Grey vai descobrindo o prazer de ser amado e comoexiste mais em uma relação do que o sexo.

Ana começa a história como uma garota que quer um relacionamento normal (seja lá o que isto for) e tem aversão as práticas sexuais de Grey; Chrystian quer uma submissa, alguém sem vontade e sem vós que ele possa controlar, gradativamente eles vão mudando de ideia. Grey afasta-se de seus jogos enquanto Ana fica cada vez mais fascinada pelo universo sadomasoquista.

A ambivalência das personagens se reproduz nos leitores e críticos. Freud já dizia que a sexualidade vem sempre acompanhada do humor, do asco e da moralidade. O humor fica com Grey, o asco com Ana; os dois alternam neste sentimento até encontrarem o equilíbrio perfeito o fascínio. Mas e quanto à moralidade? Esta fica com os críticos. Criticar o livro por seu conteúdo sexual é na verdade estar com sérios problemas com sua sexualidade.


3 comentários:

  1. de todas as críticas que eu li essa foi a mais sensata, e que realmente pegou o espirito do livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em gênero, número e gru. Acho que quase ninguém de fato compreendeu a história. Quem pensa que se trata de um romance erótico está redondamento enganado. O livro fala de um homem, que tem aparência de perfeito, mas que se tornou um "monstro" em sua sexualidade por ter sido violentado quando criança. Ao invés do Sr. lindo virar um pedófilo e fazer com outras crianças o que fizeram com ele, ele se tornou um sado, pois na cabeça "dele" a única forma de vencer seus tratos é "humilhando alguém". Quanto à Anastácia, ela não é uma jovem virgem que se apaixona por um caro rico que pode lhe prorcionar tudo. Ela é simplesmente uma garota comum, como nós, que conhece alguém que faz seu corpo tremer. Ela não está interessada no dinheiro, pois a todo instante ela se sente constrangida pelos presente. Ela simplesmente se apaixonou. E ela sofre por saber que a relação "não tem futuro", que não sairá dali nada de bom, mas insiste porque ama e quer pelo menos tentar. Quem de nós nunca passou por isso? quantas de nós já sabia desde o princípio que uma relação não iria ser boa mas por teimosia optou-se por continuar? e a todo instante, por estarmos "cega" de amor, nos deixamos maltratar, humilhar, torturar, ser violentada, estuprada, no sentido de termos que passar por situações não desejadas só para querer agradar o parceiro. O que seria mais humilhante? ser amordaçada porque assinei um contrato sexual e deixar ser chicoteada ou ser traído por seu marido na sua própria casa com sua melhor amiga? ou o que é mais humilhante, seu amor dizer que te ama e depois dizer para os amigos que só está com vc pq vc é boa de cama? e assim sucessivamente. Certamente, já nos envolvemos com canalhas, já nos iludimos com frases do tipo: Ele não quer assumir um relacionamento sério comigo porque ele já foi traído no passado. Mera desculpa. Igual a do livro. A Anástácia tenta justificar as ações do lindo por tudo que ele passou no passado...me identifiquei com Anástacia e com suas dúvidas, em outras situações que vivi mas que acabam sendo sinônimas no amor e no sofrimento...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...