Oito Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 19 de outubro de 2013

TOP 10 Anos 90


É muito difícil resumir uma década inteira em apenas 10 tópicos, mas decidi aceitar o desafio. Peguei o principal do que acontecia no Brasil, dando preferência para o que sobreviveu seja em tendência, seja em memória. Vamos dar uma olhada no melhor que aconteceu em entre 1990 e 1999.  


Arquivo X

Durante a década de 90 o Brasil e o mundo acompanhava um agente do FBI paranoico, correndo atrás de fantasmas da sua infância ao caçar alienígenas com sua parceira cética. Falando assim Arquivo X fica diminuído. O seriado mostra os estranhos casos investigados pelos agentes do FBI Fox Mulder e Danna Scully.

Os dois agentes tropeçaram em uma conspiração governamental que visa a produção de híbridos entre humanos e alienígenas. A coisa era muito bem construída e as pistas disfarçadas entre nove temporadas. Porém nem tudo girava em torno de conspirações do governo. Os agentes ainda investigavam casos envolvendo lobisomens, vampiros, telepatas, satanistas, aberrações de circo e outras esquisitices.

 

Ayrton Senna

Durante a década de 90 o Brasil estava cabisbaixo Tancredo Neves, esperança da democracia, faleceu ao assumir a presidência, José Sarney foi responsável por autos índices de inflação, o primeiro presidente eleito Fernando Collor de Mello ajudou a afundar ainda mais o pais e sofreu um impeachment, para piorar nosso futebol, principal refugo social, estava para baixo. Sobrou para Ayrton Senna carregar o Brasil nas costas.

O tri campeão mundial, e hoje reconhecido como um dos melhores da história, Senna recuperou o orgulho dos brasileiros, que acordavam cedo aos domingos para torcerem. Seu ultimo título veio em 1991, vencendo o inglês Mansel. Víamos nele um herói, um símbolo de esperança, Senna provava que era possível dar a volta por cima. Em 1994 o Brasil viu seu herói morrer. Ficamos órfãos de Senna.   

 

Cavaleiros do Zodíaco

Sempre que as forças do mal tentam dominar a terra a deusa Athena volta à vida e com ela surgem seus cavaleiros, homens que lutavam com o poder de deuses, acreditava-se que estes cavaleiros podiam rasgar os céus com um soco e rasgar a terra com um chute.

Tudo muito bonito, até o mestre do santuário tentar matar Athena, quando era bebê, Airos um dos cavaleiros salva a jovem deusa ariscando sua vida. O bravo Aiors entrega o bebê para Mitsumasa Kido que a cria como neta. O mesmo recruta órfãos e os manda para diversas partes do mundo para tornar-se cavaleiros.

 Cavaleiros do Zodíaco foi a principal febre dos anos 90, exibido na extinta TV Manchete (hoje Rede TV!) acompanhávamos as aventuras de Seiya e seus colegas enfrentando as forças do santuário evocando a força das constelações. O ápice veio com a batalha das 12 casas onde os cinco cavaleiros enfrentaram os 12 cavaleiros de ouro, um para cada constelação.

 

Copa do Mundo de 1994

Faziam 24 anos que o Brasil não vencia uma copa do mundo, as glórias de Pelé ficaram no passado, ostentávamos o título de consolação campeão moral, a geração de Sócrates e Zico havia sido derrotada e coube ao retranqueiro e pragmático Carlos Alberto Parreira, ao labo do contestado Zagalo montar uma seleção baseada na defesa.

A tal “era Dunga” iniciada no fracasso da copa de 1990 ressurgiu das trevas. Parecia enredo de filme, um grupo de fracassados se une em pró de um ideal. O resultado é que Romário comandou o time até a final contra a Itália do melhor jogador do mundo Roberto Baggio. Após uma disputa de pênaltis Dunga levanta o caneco.

 

Morte de Renato Russo

Em 11 de Novembro de 1996, falecia Renato Russo, o maior poeta do rock, um dos maiores músicos e compositores do nosso país, Renato Russo fundou a Legião Urbana, um dos grupos musicais mais influentes da história. Renato sempre escondeu sua condição de soropositivo. Mas sempre apoiou as campanhas de prevenção e tratamento da doença. O período em que esteve contaminado com a doença foi o mais produtivo de sua carreira, ele nunca produziu tanto e nunca se empenhou em tantas campanhas sociais a favor dos direitos dos gays e do combate a AIDS.   

 

Música

A música dos anos 90 gera amor e ódio, amor pelas grandes bandas que surgiram como Nirvana e seu álbum Nevermind, que simplesmente redefiniu a música. Aqui no Brasil tivemos o nascimento do Pato Fu, Planet Hanp, Chico Science & Nação Zumbi e seu Mangue, J. Quest,do  saudoso CXharle Brown Jr., Raimundos e Los Hermanos “Oh Ana Julia”.

A parte triste da música foram conjuntos nacionais que infestavam nossa programação tais como Raça negra, Molejo, e outros do gênero que não acrescentavam nada e ainda embutia refrãos insípidos e superficiais que enalteciam a pobreza, foi nessa época que conhecemos o hoje político e espancador de mulheres netinho de Paula. Mas nada nos preparava para a grande tragédia musical o “Axé Music”.

 

Nascimento do Real

No início dos anos 90 o Brasil era assolado pela inflação – imagine que você quer comprar uma calça, você a vê na vitrine de manhã, mas não tem tempo de comprar. Ai você volta a tarde e descobre que a calça está mais cara. Essa era a realidade de quem vivia naquela época. As pessoas faziam grandes compras mensais, estocavam alimento, pois poderiam não conseguir comprar comida. Após várias tentativas frustradas, o que envolveu o confisco do dinheiro da poupança o Brasil foi salvo por um sociólogo.

Filho de um general, educado nas melhores escolas, professor em Paris e combatente da ditadura Fernando Henrique Cardoso formulou um plano econômico que liquidou a inflação, o Real fora oficialmente adotado em 1 de julho de 1994. FHC fora eleito presidente em 1995, em seus dois mandatos iniciou todos os programas sociais que temos hoje e ainda combateu três crises financeiras impedindo que o Brasil entrasse em crise econômica, a qual a Argentina vive até hoje.

 

Quentin Tarantino

Se os anos 90 tiveram um dono este foi Quentin Tarantino de balconista em uma vídeo locadora a diretor cultuado Tarantino redefiniu o cinema independente, trouxe a violência para a cultura pop e mostrou criminosos como pessoas normais, onde assassinatos eram parte de seu cotidiano, como classificar a teoria de Like a virgin ou o hilário diálogo de John Travolta e Samuel L. Jackson após estourarem a cabeça de um coitado.

Foi essa mistura de tendências, violência, humor negro, referência de filmes B, filosofia e muita crítica social que Tarantino redefiniu a cultura pop. Foram dessa década “Cães de Aluguel”, “Pulp Fiction”, “Grande Hotel”, “Jackie Brown” e a primeira de muitas parcerias de Tarantino e Robert Rodrigues “Um drink no Inferno”.

 

South Park

Desenhos ácidos e crianças de boca suja não eram novidade, mas nada se comparava com South Park, muito mais crítico do que seus parentes comportados “Os Simpsons” os meninos de South Park vivem em uma pequena cidade do Colorado, a canção inicial trazia South Park como uma cidade acolhedora, onde todos se conhecem e são amigos. Escondendo uma população atrasada, racista e por que não idiota? Os quatro garotos tentavam entender o mundo em que viviam.

Stan Marsh é um garotinho neurótico que tenta suportar seu pai idiota, sua irmã briguenta e sociedade injusta; Kyle Broflovski é um garotinho judeu – único na cidade,como na véspera de natal onde a família de Kyle compra briga com a cidade inteira e  Kyle conta a todos sobre o Sorentinho o cocô de natal. Kyle é internado em um hospício; Kenny é o garoto pobre, que come qualquer coisa por dinheiro e morre ao final de todos os episódios; porém a personagem mais divertida é Eric Cartman é um gordinho irritado e preconceituosos que dispara frases como “ruivos não tem alma”, “Judeus são mentirosos e escondem dinheiro”, “não vou ficar em casa de pobre” e a clássica “chupe meu saco peludo”.

 

Tiazinha 

Os anos 90 tiveram muitas musas, a maior de todos foi Tiazinha (Suzana Alves), uma jovem que dançava de lingerie e depilava os marmanjos que erravam perguntas durante o programa H! Comandado por Luciano Hulk. Não sabíamos direito para quem torcer, se o rapaz acertasse a pergunta Tiazinha retirava uma peça de roupa, se ele errasse a moça rebolava e arrancava um tufo de pelos. Suzana foi a primeira mascarada a se destacar, a moça gravou um CD com o hit “Uh Tiazinha”, teve um programa de televisão onde virou a primeira heroína nacional e ainda retirou sua máscara na Playboy, que até hoje está entre as 10 mais vendidas. Na sequencia vieram Feiticeira, como o próprio nome diz, usava uma roupa inspirada em Jeane é um gênio, Joana Prado foi outra que posou para a Playboy e fez recorde de vendas. Na mesma década tivemos dançarinas do Tchan, Carla Perez foi o sonho de consumo dos homens, cedendo o trono para as duas Scheilas e ainda sobrou tempo para Alexandre frota e suas funkeiras a proibida do funk e a ninja do funk.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Os Deuses Mortos" Oito Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...