Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Quem foi Jacques Lacan


“Jacques Lacan procurou introduzir a Peste, a subversão e a desordem no âmago de um freudismo que, após ter sobrevivido ao fascismo, soubera adaptar-se à democracia a ponto de não mais reconhecer a violência de suas origens. A história de Jacques Lacan é a história de uma paixão francesa (...). Mas é também a história de um pensamento que, depois de Freud, quis arrancar o homem do universo da religião, do oculto e do sonho, com o risco de evidenciar a impotência permanente da razão, da luz e da verdade ao efetuar essa operação” (Elisabeth Roudinesco).
Depois de Freud Lacan foi o mais brilhante nome da psicanálise, reformulando-a a partir da filosofia e principalmente da linguagem, único instrumento humano capaz de estruturar a realidade, dono de personalidade forte, descrito como arrogante, mordaz, prepotente, aristocrático e acima de tudo um homem encantador.
Gira em torno de seu nome uma aura de incompreensibilidade de seus escritos, Lacan não queria formar seguidores, ele queria formar pensadores, aos não deixar suas ideias claras obrigava cada um de seus ouvintes a formar suas próprias ideias baseado em sua experiência, um mestre por excelência.
Estou me adiantando. Lacan nasceu Jacques-Marie Lacan a 1901 em paris, filho de uma rica família de fabricantes de vinagres, católicos fervorosos batizavam todos os seus filhos com o nome Marie – referencia a virgem Maria. Educado no Colégio Stanislas – um colégio tradicional no ensinamento católico/filosófico Lacan tornou-se ateu aos 16 anos desafiando os educadores cristãos em debates acadêmicos. Onde citava os pensamentos de Nietzsche.

Contrariando seus pais, que desejavam um fabricante de vinagres, Lacan ingressou na medicina, onde começou a questionar o ensino tradicional baseado apenas na fisiologia acreditando que as doenças, principalmente as mentais, relacionavam-se a história de vida dos pacientes. Posteriormente Lacan afirmaria que “doenças são palavras não ditas”. Em primeiro lugar aproximou-se dos psiquiatras surrealistas.
Lacan chegou a conversar com Salvador Dali, que em suas pinturas demonstrava algumas interpretações do real, uma mesma imagem podia significar duas coisas completamente diferentes dependendo do ângulo de visão se via uma sala mobiliada ou o rosto de uma mulher.
Foi na década de 1930 que Lacan começou a ler Freud, ele aproveitou-se de sua posição no Hospital Sainte-Anne para atender pacientes paranoicos e publicar sua tese de doutorado “Da Psicose paranoica em suas Relações com a Personalidade”. Ingressando posteriormente na Sociedade Psicanalítica de Paris após passar a perna em seu examinadores.
Para ser admitido em uma sociedade o candidato deve sujeitar-se a uma análise comum outro membro. Após seis anos deitado no divã de Rudolph Loewenstein, a quem Lacan dizia não ser inteligente o suficiente para analisa-lo, Lacan foi convidado a integrar a Sociedade Psicanalítica de paris devido sua genialidade, porém deveria continuar sua análise. Após ser aceito Lacan abandonou a análise em um desafio público a seus superiores.
Lacan ministrava seminários, aulas da teoria freudiana, sob seu ponto de vista, o grande mestre francês aproveitava-se das aulas para expor suas teorias, que contrastavam rigorosamente dos demais membros da sociedade. Lacan ministrou ao todo 10 seminários como analista da sociedade de 1953 a 1963 – quando fora expulso por um movimento político.
A expulsão apenas fortaleceu o seu nome, livre de amarras Lacan progrediu e desenvolveu os principais pontos de sua teoria após esse evento, ministrando mais 15 seminários.

Foi a partir de Lacan que novos analistas surgiram e iniciaram um movimento de renovação na psicanálise. Lacan ainda dirigiu um ensino de “campo freudiano”, no departamento de psicanálise, na universidade Paris VII. Confiou a seu genro Jacques-Alain Miller a transcrição de seus seminários.

O final da vida de Lacan fora sofrido, após desvendar os segredos da linguagem o mestre fora atingido por distúrbios cerebrais, que o tornaram parcialmente afônico, o que não o impediu de continuar trabalhando e ministrar um ultimo seminário, praticamente mudo, para seus alunos. Vitimado por um tumor maligno no cólon, que espalhou-se por seu sangue Jacques Lacan faleceu no dia 9 de Setembro de 1981, na clínica Hartmann de Neuilly.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...