Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 29 de novembro de 2014

Não de Dinheiro Neste Final de Ano (e muito menos em 2015)


A todos os interessados: Não peçam caridade, não peçam ajuda para os outros neste final de ano. Que todas essas campanhas de ajuda aos pobre, de natal solidário se auto sustentem.
Não faça ação de caridade, não ajude igreja, não ajude natal solitário, não de dinheiro no sinal, não compre bala no semáforo, não compre chocolate no metrô (que por sinal é crime). Se alguém vier lhe cobrar o mande pedir ajuda para a Dilma, que peça ajuda ao PT, ao bolsa família, ao minha casa minha vida. Esta gentinha que acreditou que tudo está bem no país que se vire.

Quem vendeu seu voto por uma esmola merece passar fome, passar frio, não seja idiota e para de sustentar esses parasitas. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A Vingança de Shina

Mês passado falamos sobre a saudosa revista Hypercomix, hoje o que nós trazemos é uma de suas histórias, na íntegra, quem não conheceu terá a chance de conhecer uma das divertidas publicações nacionais e um dos desenhistas mais talentosos do solo tupiniquim o João Vicente. Para quem conheceu vale relembrar os velhos tempos. Sem mais demoras fiquem com “A Vingança de Shina”


















sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O Povo de São Paulo Contra o PT


Neste dia 15 de Novembro, dia da proclamação da República, ocorreu um novo protesto contra a presidenta Dilma, os manifestantes manifestam-se contra o Foro de São Paulo e contra a corrupção, que nunca foi tão escandalosa. Enquanto empresários são presos pela investigação do petrolão o povo vai as ruas.
Diferente da primeira passeata, realizada no dia primeiro, onde os manifestantes gritavam o nome de Aécio, em solidariedade pelos ataques covardes da campanha petista, os manifestantes usaram verde e amarelo, sinal de uma maior organização. Outra coisa que chama a atenção até o ano passado movimentos populares tinham sempre uma bandeira esquerdista por trás, nas manifestações de junho bandeiras do PT foram queimadas, nesta passeata qualquer partido de esquerda é repudiado. “Nossa bandeira nunca será vermelha” afirmou Paulo Batista, candidato derrotado a cadeira de deputado estadual, organizador do movimento.
Paulo Batista um dos idealizadores do movimento
Outra mudança foi uma maior cobertura da mídia, pelo menos de uma parte da mídia que não tem rabo preso, as quais deram cobertura para uma minoria que pede intervenção das forças armadas. A grande maioria dos 10 mil manifestantes, em uma estimativa modesta, pediam uma investigação séria sobre o Foro e sobre o Petrolão.
Augusto Nunes, colunista da Veja comentou: “A segunda manifestação antipetista em 15 dias confirma que São Paulo compreendeu que é preciso deter o avanço da seita fora-da-lei. Surrada nas urnas do mais desenvolvido dos Estados (...) a anemia eleitoral manifestou-se em todas as regiões onde as urnas são menos vulneráveis ao Bolsa Família, o maior programa oficial de compra de votos do mundo”.
Mas afinal qual bandeira, além da brasileira, o movimento defende? O movimento chama-se
“Movimento Brasil Livre” que mostra-se contra a intervenção militar e contra o bolivarianismo os dizeres “Mais Brasil, menos PT” toma as ruas do Brasil, além de São Paulo o movimento se faz em Goiânia, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Sergipe, Rio Grande do Norte e Brasília.
O que é o Foro de São Paulo? O Foro nasceu de uma iniciativa do PT com Fidel Castro com intuito de juntar outros partidos bolivarianos da América Latina, oficialmente o Foro é apenas um encontro onde debatem-se ideias comunistas, isso porque a constituição brasileira proíbe que qualquer instituição com participantes internacionais interfiram no governo brasileiro.
O que realmente é o Foro de São Paulo? O foro discute ideias para uma uniformidade de governos na América Latina – o Foro deu apoio a Hugo Chávez e Evo Moralez, em seu discurso de comemoração aos 15 anos de existência do Foro, realizado em 2 de julho de 2005 o então presidente Lula afirmou: “Foi
assim que nós, em janeiro de 2003, propusemos ao nosso companheiro, o presidente Chávez, a criação do grupo de amigos para encontrar uma solução tranquila que, graças a Deus, aconteceu na Venezuela. E só foi possível graças a uma ação política de companheiros. Não era uma ação política de Estado com outro estado, ou de um presidente com outro presidente. Quem está lembrado o Chávez participou de um dos foros que realizamos em Havana. E graças a essa relação foi possível construirmos, com muitas divergências com o referendo que consagrou o Chávez como presidente da Venezuela”.
foto do de São Paulo pregando
 a integração da América latina

O discurso continua: “Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política”.
O filósofo Olavo de Carvalho revelou, ainda em 2005, os crimes do Foro tal como o fato de ser uma entidade secreta que desafia a lei nacional contra interferência de instituições estrangeiras na soberania nacional: “para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política”.
Em 2002 Lula anunciou que abriria mão do cargo de presidente no Foro de São Paulo para governar sem nenhuma influência de nações estrangeiras, porém seu discurso o contradiz: “Quem está lembrado o Chávez participou de um dos foros que realizamos em Havana. E graças a essa relação foi possível construirmos, com muitas divergências com o referendo que consagrou o Chávez como presidente da Venezuela”.
Carvalho ainda aponta que o discurso de Lula expões que decisões da política externa brasileira foram decididas em reuniões no Foro: “. E só foi possível graças a uma ação política de companheiros. Não era uma ação política de Estado com outro estado, ou de um presidente com outro presidente”. Diante desses fatos podemos nos questionar se o Foro de São Paulo tem alguma influência na construção do porto em Cuba com dinheiro Brasileiro iniciado este ano, que até agora não foi explicado de maneira convincente.
O que é o petrolão? “Petrolão” é o apelido do esquema de corrupção descoberto após o início da operação “Lava-jato” iniciado pela polícia federal. Em 2009 a polícia federal começa a investigar o doleiro Alberto Youssef por lavagem de dinheiro; entre os anos de 2012 e 2013 surgem os primeiros sinais da ligação entre Youssef e Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás.
Imagem da Revista Veja transcrevendo o depoimento de Youssef
Em março de 2014 a operação “Lava-Jato” surge para desbaratar uma operação de doleiros envoltos em lavagem de dinheiro. O juiz Sergio Moura manda prender Paulo Roberto, coordenador do esquema, Youssef era o caixa. Em Abril a investigação descobre o envolvimento das empreiteiras. Em julho o governo suíço bloqueia 23 milhões de dólares da conta de Paulo Roberto. Em agosto Paulo Roberto e Youssef aceitam o acordo da delação premiada.
Segundo Paulo Roberto o dinheiro desviado em contratos com as empreiteiras iam para trinta políticos, entre governadores e parlamentares em cargos estratégicos, e para três partidos – PT, PMDB e PP – para patrocinarem suas campanhas eleitorais e manterem-se no poder.
Já as revelações de Alberto Youssef revelou fatos mais estarrecedores, tais como: o envolvimento de mais de cinquenta políticos no esquema com propinas variando entre R$ 100.000 e R$ 150.000 por mês; a existência de contas secretas do PT no exterior no qual o dinheiro desviado foi usado pela campanha eleitoral do PT em 2010.
O mais escandaloso estaria por vir, sua afirmação de que Lula e Dilma sabiam de tudo, diferente do Mensalão, onde até hoje Lula afirma não ter existido. Segue a transcrição do áudio da polícia federal:
Youssef: “O Planalto sabe de tudo!”
Delegado: “Quem do Planalto?”
Youssef: “Lula e Dilma!”.

Se você ficou indignado com alguma dessas informações, se você é contra a corrupção, se você se incomoda em ver dinheiro da saúde e da educação para campanhas políticas. Se você não sente-se à vontade em saber que países como Venezuela e Cuba influenciam decisões políticas brasileiras então você identifica-se com o #movimentobrasillivre caso contrário talvez seja hora de rever sua concepção moral. 
link comunidade oficial Movimento Brasil Livre

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Nicoli Moreira

Natural de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo essa gata loira destacou-se ao representar o Mirassol, time do interior paulista, no concurso gata do paulistão, também fez participações em programas do SBT e trabalhos como modelo.
Sua principal diversão é estar com amigos em festas e viagens: “acredito que as pessoas mudam ou evoluem. Eu mesmo evolui e amadureci”. Nicole ainda se define como uma pessoa “super zen”.

Medidas:
Altura: 160 cm
Busto: 91 cm
Cintura: 62 cm
Quadril: 95 cm

Coxa: 54 cm















sábado, 15 de novembro de 2014

Another


Quem será o outro?

Quando se parecia que o universo dos animes ameaçava ficar em uma mesmice surge uma singela série de 12 episódios sinistra, envolvendo mortes e mistério, sem cair em clichês de fantasmas com aparência leve, que nos leva de volta ao passado e atrai a juventude. Não tem como não gostar de Another.
A série começa com Sakakibara Kouichi, de 15 anos, mudando-se para a pequena cidade de Yomiyama – uma típica cidade interiorana, onde a vida é simples, as pessoas são gentis umas com as outras, não por uma obrigação social, mas porque elas realmente são educadas, uma típica cidade onde os vizinhos se conhecem, pacífica e onde ninguém desconfia do outro. Um paraíso, ou quase...
Sakakibara começa o anime internado, ele possui uma enfermidade nos pulmões, e por isso perde o começo das aulas. Em uma das noites tediosas no hospital o rapaz encontra uma garota usando tapa olho e o uniforme escolar indo para o necrotério.
Pouco depois Sakakibara recebe alta, uma vez em sua nova escola o rapaz encontra a garota em sua classe, aparentemente mais ninguém consegue vê-la.
Conforme os dias vão passando Sakakibara sente-se em casa, a pesar dele ser um aluno transferido, que irá embora para Tóquio no outro ano, seus colegas de classe o tratam como se ele sempre tivesse estudado com eles. Porém Sakakibara sente algo estranho no ar, algo que ele não consegue identificar e os outros alunos evitam tocar no assunto visivelmente assustados.
Curioso (ou seria apaixonado?) o rapaz aproxima-se da garota do tapa olho, resistindo a seus avisos “é melhor você não se aproximar de mim”. Sua teimosia é maior, caso contrário não haveria anime, ele descobre que a garota chama-se Misaki. Sakakibara descobre outras coisas.
Vinte e seis anos atrás na mesma classe que Sakakibara estuda, a terceira sala do nono ano, havia uma garota chamada Misaki, ela era a mais popular da escolas as meninas admiravam sua delicadeza e humanidade, os homens se enamoravam por sua beleza e os professores admiravam sua dedicação e capacidade para um futuro brilhante. Então Misaki faleceu, todos ficaram arrasados, tomados pela dor os alunos passam a fingir que Misaki continua viva, o professor responsável embarca na farsa – tudo corre bem atá o dia da formatura, onde ocorrem mortes estranhas.
Misaki personagem envolta em mistérios
Desde este dia passam a ocorrer estranhos fenômenos todos os anos na terceira sala do nono ano. Uma vez por mês um aluno, ou um de seus familiares, sofre uma morte estranha, ao final de cada ano percebe-se que havia um aluno a mais, um morto (um espírito) que frequenta a sala de aula como um ser vivo. Incapaz de saber quem é este outro os alunos e professores tomam uma decisão drástica a cada ano um aluno é sorteado e passa a não existir assim a conta de alunos pode bater e a realidade fica costurada.
A ideia pare ingênua e apresenta alguns furos graves, como uma escola pode ignorar a existência de um aluno que tem por lei o direito de aprender? Faz sentido que adolescentes de 15 anos façam tais farsas, mas professores, cuja ideologia é ensinar, jamais ignorariam um aluno escolhido ao acaso, ainda mais apoiados em uma superstição. Acreditem o roteiro é tão bom que esses furos passam despercebidos, os acontecimentos são tão envolventes que você passa a concordar o aluno inexistente é a melhor maneira de lidar com a existência deste outro.
Conforme Sakakibara aproxima-se de Misaki mortes acidentais começam a acontecer, todas muito bem feitas, na medida certa entre a sutileza e o gore temos mortes violentas e aflitivas porém sem mostrar demais. Outra virtude do anime é transplantar o espectador para a terceira sala do nono ano. Você sente-se um aluno, em um primeiro momento fica revoltado com a escolha do aluno inexistente, conforme o tempo passa vai se acostumando com os alunos, se apega a eles, tem seus preferidos, fica apreensivo com a investigação de Sakakibara, emociona-se com sua amizade com Misaki. A cada episódio um aluno morre é impossível não ficar temeroso/ansioso para saber quem é. Tudo isso em 12 episódios.

O anime é repleto de mistérios. Misaki tem alguma coisa a ver com a Missaki motra 26 anos atrás? Quem é o morto? Existe uma maneira de parar a maldição, porém ela é pior do que a maldição em si. Tudo que uma boa história de terror precisa, fugindo dos clichês de fantasmas cabeludos, aparições atrás do protagonista e câmera em primeira pessoa.


terça-feira, 11 de novembro de 2014

Elizabeth Berridge

Elizabeth é uma atriz americana mais conhecida pelo público brasileiro por seu trabalho em “Pague para entrar e Reze para sair” um cult movie nacional. Os brasileiros fãs de terror se lembram com carinho deste filme exibido nas madrugadas da Globo onde quatro amigos passam a noite em um parque de diversões e são perseguidos por um assassino usando máscara de Frankenstein.
Filha de um advogado e uma assistente social Elizabeth nasceu em Nova Iorque a dois de maio de 1962. Ainda na infância a moça começou a cantar e dançar na escola onde estudava.
Sua dedicação as artes cênicas eram tamanhas que Elizabeth recebeu um diploma por meio de uma escola independente de atores a Mamaroneck High School – um colégio público localizado em Nova Iorque.

Carreira no Cinema

Sua estreia deu-se com “Natural  Enemies” um drama de 1979 – na trama um homem contrata cinco prostitutas para realizarem suas fantasias sexuais antes de matar a família. Elizabeth interpreta uma das primas (e por consequência uma das principais personagens). O filme não teve grande repercussão e acabou esquecido.
Nos anos oitenta Elizabeth atuou um ano no mega sucesso da televisão “Dalas”, em 1981 atuou em outra série “The Guiding Light” sobre uma disputa de famílias em uma cidade fictícia.
Seu primeiro papel de destaque acabou sendo em 1981 onde a moça protagonizou “Pague para entrar, Reze para sair”. O diretor Tobe Hooper – no auge de sua carreira – filma dois casais de amigos que optam por passar a noite em um parque de diversões, dento do trem do terror eles observam um homem vestindo máscara de Frankenstein assassinar uma mulher
pague para entrar reze para sair
após não conseguir fazer sexo com ele.
Os amigos acabam descobertos e perseguidos pelo assassino, um homem deformado, e seu pai. Elizabeth faz tudo o que se espera de uma screan queen sua primeira cena é nua se preparando para o banho, durante o filme ela convence como mocinha apavorada que foge do assassino. Incluindo a forte cena final.
Seu grande papel no cinema veio apenas em 1984 com “Amadeus” – drama que conta a vida de Wolfgang Amadeus Mozart aqui Elizabeth interpreta Constanze Mozart – interpretação pela qual até hoje ela é lembrada. No mesmo ano a moça contracenou com o então iniciante Charlie Sheen em “Silence of the Herat”.
Amadeus
Em 1985 ela atuou em “Conversa Suave” um thriller sobre uma jovem de 15 anos que seduz um estranho e perigoso homem mais velho e acaba tendo que se deparar com as consequências. No decorrer dos anos oitenta vieram alguns papéis intermediários em filmes medianos sem grande sucesso e participações em seriados como “Miami Vice” e “The Equalizer”.
Os anos oitenta começaram no mesmo ritmo atuando no western “Montana” e na comédia dramática “... E A festa Acabou”. Ainda vieram papéis menores em “O Troco” de 1999 e em “Broke Even” um filme sobre investigação criminal.
Atualmente a moça está casada e tem uma filha, ela segue interpretando sempre em pequenos papeis e participações em seriados importantes. Talento é uma coisa que não se perde.

Porém sempre vamos nos lembrar de Elizabeth em seu momento de glória no cult “Pague para entrar, Reze para sair” sua atuação envolveu uma geração.


sexta-feira, 7 de novembro de 2014

“Não Haverá Diálogo”

Semana passada, quando os parlamentares retornaram ao trabalho o senador Aloysio Nunes (PSDB/SP) respondeu a presidenta Dilma sobre sua “proposta” de diálogo – Aloysio, um homem honesto e dedicado a democracia disse no senado e afirmou no programa “Alexandre Garcia” da globo News (ao lodo do senador Walter Pinheito – PT/BA) que não aceita diálogo com Dilma por não haver condições.
Segundo o senador Dilma não tem em sua personalidade habilidade para o diálogo, Dilma teve por quatro anos uma bancada gigantesca a seu favor e não conseguiu criar um diálogo nem mesmo com sua base aliada, que por muitas vezes votou contra o governo, agora que os partidos da oposição aumentaram Dilma está preocupada.
Outro motivo de preocupação para o PT é o racha que ficou no país após 12 anos fomentando uma ideologia cindida entre “bons” e “maus” a última campanha coroou o divisão, Sul e Sudeste estão em pé de guerra com Norte e Nordeste – tanto no âmbito popular – o preconceito regional cresceu assustadoramente, como no político a oposição cresceu muito nos estados mais abastados.
 Esta cisão, tão clara na última campanha, é um dos motivos citados por Aloysio para negar o diálogo: “Como é possível descer tão baixo na calúnia, na infâmia, transformar as redes sociais, que são um instrumento maravilhoso da democratização dos debates, da participação social, num esgoto fedorento para destruir adversários” – Aloysio referiu-se a campanha petista que acusou Aécio de usar cocaína, de praticar violência contra a mulher e encerrar o bolsa família.
Sobre a covardia dos militantes Aloysio concluiu sua descrença na possibilidade de confiar em Dilma para um diálogo: “quem faz isso, para mim, não tem autoridade moral para pedir diálogo com ninguém. Comigo não! Porque se estende uma mão e a outra mão tem a faca, o punhal para lhe cravar na barriga, para lhe cravar nas costas!”.

Não é apenas Aloysio que pensa assim, os partidos oposicionistas deve anunciar em breve uma união de siglas criando assim um “blocão” contra o governa, pela primeira vez o governo petista enfrentará uma oposição verdadeira e atuante. Veremos.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

São Paulo Não reconhece a eleição de Dilma


Neste primeiro de novembro cerca de 30 mil paulistanos tomaram as ruas da principal cidade do país e saíram em um protesto contra a eleição da presidenta Dilma pedindo seu Impeachment baseado na delação premiada de Alberto Youssef afirmando que o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma sabiam sobre o esquema de corrupção da Petrobras.
O evento organizado, principalmente pelas redes sociais, parecia não dar em anda, pois uma vez que as urnas foram fechadas o resultado da eleição está decidido, porém os brasileiros seguem indignados pela vitória as custas do coronelismo e clamam pela cassação do mandato da presidenta, que arrasta uma mar de corrupção atrás de si.
Os manifestantes levavas faixas de “Fora Dilma”;  “Vai pra Cuba” uma minoria gritava "Aécio 45", pedindo uma separação e a intervenção militar (que infelizmente ganhou atenção) – a força popular volta a clamar pela prisão da atual presidenta e a investigação dos escândalos de corrupção dos correios e da Petrobras.

Não eram apenas anônimos que se manifestaram, os roqueiros Lobão e Roger estiveram presentes e foram atualizando seus seguidores do twitter conforme a passeata se dava. Segundo informações da CET a multidão interditou a Paulista nos sentidos Consolação e Paraíso seguindo para a Brigadeiro Luis Antônio. Atos semelhantes foram realizados em Brasília e Curitiba.










sábado, 1 de novembro de 2014

Paula Galvão – Segundo Ensaio

A Rainha do Country

Promessa é dívida, ano passado foi feito uma enquete aqui no Blog perguntando quem os leitores gostariam de ver novamente como gata do mês, não deu outra Paula Galvão ganhou com folga. Ela que já foi Rainha do Forró e Felina veste o traje de rainha do Country. Você aguenta esta cavala?
Paula começou sua carreira como dançarina do “Aviões do Forró”, ganhou o tradicional concurso de beleza (ou seria gostosura?) Felinas, mas ficou famosa como atriz pornô onde fincou bandeira no imaginário masculino. Fala-se muito de mulheres que possuem um corpo perfeito, mas Paula é uma das poucas que faz jus ao título. Tanto que fica difícil escolher entre os seios, as coxas ou o quadril.

Paulo revelou-se nos filmes uma máquina de sexo, mas confessa que gosta de algo mais lento e íntimo: “beijos carinhosos sobre a calcinha tem o poder de me convencer que a transa será muito boa, pois, ao mostrar que o homem tem calma consigo mostrar e servir minhas verdadeiras razões”. A moça revela uma face conservadora no sexo: “um pouco mais de intimidade ai arrisco um bom ‘papai e mamãe’, porque parece pouco, mas dá um prazer danado”.


























Ficha da Moça


Altura: 174 cm
Busto: 92 cm
Cintura: 62 cm
Quadril: 95 cm
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...