sábado, 21 de fevereiro de 2015

Vampire Princess Miyu

As noites do Japão escondem muito mais coisas do que nossos olhos ocidentais conseguem enxergar. As trevas da noite escondem criaturas bizarras que esgueiram-se por entre os templos e alimentam-se das emoções represadas pelos humanas. Essas criaturas chamam-se Shimas, seres que parasitam os humanos fracos. Para lacra-los surge Miyu uma vampiresa com a aparência de uma menina de 13 anos, porém sua idade e verdadeira aparência são desconhecidos.
Miyu é uma personagem relativamente conhecida em terras tupiniquins, lá pelos anos 2000 e 2001 seus episódios começaram a ser lançados em DVDs vendidos em bancas de jornal.  Diferente de outras séries de anime Miyu possui narrativa sóbria e invariavelmente melancólicas, finais felizes são um luxo reservados a poucas personagens.
Vampire Princess Miyu narra a melancolia de uma garota presa entre dois mundos, sem pertencer a nenhum deles, vagando pelos humanos e
odiada/temida pelos Shimas Vampire Princes Miyu antecede “Entrevista com o Vampiro” de Anne Rice. Outro fator de destaque é a sensualidade do anime, diferente de outras obras onde temos personagens “safadas” ou avantajadas (para não dizer peitudas) Miyu é altamente sedutora apenas por sua presença e por seus olhos eróticos. A sutileza dá o tom nesse anime.
Miyu é acompanhada por seu servo Larva, um Shima ocidental que veio mata-la porém tornou-se seu servo, os dois nutrem uma relação delicada, muitos afetivos os dois raramente explicitam seu romance.
Miyu e Larva
Raramente vemos cenas de violência ou sangue no anime, Miyu não é uma heroína típica, nem sei se podemos chama-la de heroína, ela não se importa em defender os humanos, embora sinta a dor deles e se compadeça (exceção feita as crianças a quem ela defende com unhas e dentes) Miyu acreditasse que cada um é responsável pelo que lhe acontece. A vampirinha não hesita em beber sague de humanos, ao contrário ela é bastante criteriosa optando por pessoas por quem fica seduzida ou vítimas dos Shimas que tiveram sua vida destruída, mesmo quando bebe o sangue de uma vítima esta fica em estado catatônico, desligado do mundo vivendo em um sonho de felicidade. Esta é a principal diferença entre Miyu e os Shimas a primeira importa-se com os humanos e lamenta não ser um de nó; já o segundo grupo usa os humanos para seu benefício.
Miy se alimentando
Por falar nos Shimas eles diferente de outros monstros que ficam à espreita por qualquer um que apareça em seu caminho. Os Shimas escolhem humanos que torturam-se pela culpa ou por suas próprias proibições. No primeiro episódio do anime uma professora é atormentada por três alunas, sentindo-se culpada e sem direito de retrucar, um Shima aproxima-se dela e mata as garotas, gradativamente a professora vai sentindo-se mais miserável, ela não fez nada, mas sente-se culpada por desejar a morte de pessoas que morreram. Entenderam como funciona o anime?

Origem

Vampire Princess Miyu nasceu como manga pelas mãos de Narumi Kakinuchi (ele é o autor de Iczer) publicado em quatro volumes no ano de 1989, no mesmo ano foram feitos quatro OVA´S de trinta minutos cada, em 1997 foi produzido um anime de 26 episódios.

Diferença entre a série de OVA’s e a série em Anime

Para quem não está acostumado aos termos OVA significa Original Video Animated animações feitas diretamente para o mercado de vídeo lançados nos antigos VHS (atualmente lançados em DVD) a qualidade da animação costuma ser melhor, assim como as histórias mais longas já a qualidade depende da série e do estúdio.
Em fim Miyu é uma personagem misteriosa e solitária em ambos os formatos na série animada isso fica claro desde o primeiro episódio com o belo e triste tema de encerramento onde Miyu afirma não precisar de ninguém enquanto uma voz sussurra “é mentira”. No OVA a solidão de Miyu
surge apenas no terceiro episódio.

Os OVA´S são mais densos, narrados por uma médium que encontra-se com Miyu tornando-se uma espectadora das histórias e o triste fim de seus protagonistas, no anime o drama dilui-se, o que e natural considerando o maior número de episódios. Outra diferença é Larva, nos OVA´S o servo de Miyu é mudo, no anime ele fala, o que diminui a solidão da garota e torna a obra menos angustiante, tanto Larva como Miyu estão mais humanizados.
No anime somos apresentados a Reiha, o demônio do frio, que deseja o cargo de guardiã, para se divertir derrotando os Shimas e nada mais. A relação entre Reiha e Miyu está no limite entre a política e o ódio declarado as duas sabem que se lutarem a vencedora sairá gravemente ferida, isto é se houver uma vencedora, Reiha é falsa e age como amiga de miyu, que aparentemente não importa-se de entrar no jogo do demônio do frio. Reiha não consegue entender a relação de Miyu e dos humanos.
A origem da personagem também muda, na série animada Miyu é muito antiga, em alguns episódios ela atua no Japão feudal enquanto que nos OVA’s sua origem é contemporânea.
O quarto episódio do OVA é impressionante sendo triste e belo ao mesmo tempo mostrando a origem de Miyu, uma inocente garota de 13 anos cujos pais guardam um segredo. Miyu seria a descendente de uma família de vampiresas predestinadas a guardarem a passagem dimensional entre Shinmas e os humanos. A dispidida entre Miyu e sua mãe é tocante.
Já na série animada Miyu não tem uma origem, ela simplesmente é o que é. Não mudando muito o seu
Miyu e Chisato
destino, cada uma das versões agrada a um público diferente tem aqueles que gostam de ver uma explicação e aqueles que preferem uma versão mais sombria de que coisas ruins simplesmente acontecem. Particularmente eu prefiro o menor número de explicação possível, mas a versão do OVA é tão bem feita que fica impossível não admira-la.
Uma das grandes diferenças entre as versões é justamente a protagonista no anime Miyu é séria, trás consigo um ar constante de tristeza ela mais madura com uma sedução sutil; nos OVA’s Miyu é uma ninfetinha ao final de cada história ela ri excitada, como se estivesse brincando. É uma defesa contra sua realidade. A solidão de Miyu é mais insuportável do que no anime. Pese bem o que é pior uma solidão de séculos, ao qual você está acostumado ou de alguns anos, lembrando-se de sua vida pregressa que não volta?
Nos OVA’s Miyu tem apenas a companhia de Larva, seu servo mudo, aprisionado atrás de uma máscara, ela infiltra-se em colégios apenas como uma maneira de passr o tédio e tentar resgatar o tempo que não volta. Já no anime Larva pode falar e retirar a máscara, Miyu infiltra-se em uma escola em mais uma tentativa de reviver algo perdido, é quando ela faz amigas.
No amime somos apresentados a Chisato ela e sua turma, rapidamente as duas tornam-se amigas, em um dos primeiros episódios Chisato presenteia Miyu com um chaveiro da amizade, parece pouco, mas para a vampirinha é muito. Ela não está mais sozinha. Por algum tempo Miyu pode viver uma vida normal, sim, por algum tempo Larva a avisa que Chisato irá envelhecer e Miyu tem seu tempo congelado e elas terão que se separar. Miyu opta por viver o momento.
No anime Miyu sente mais empatia pelos humanos, sofrendo e impotente perante o ataque dos Shinmas Miyu alimenta-se principalmente das vítimas tentando recompensa-los, já no OVA Miyu caça garotos bonitos, no segundo episódio Miyu disputa um garoto com uma Shinma. Outra diferença é o respeito Miyu respeita alguns humanos, porém detesta que a persigam, em alguns momentos fica feliz quando alguém morre pois é mais uma alma que irá ao cemitério onde ela vive. Já no OVA ela não liga em usar humanos como isca e tampouco tenta fazer amizades.
A boa notícia os OVA´S e o anime estão disponíveis on-line no anitube, veja todosaqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Os Deuses Mortos" Sete Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...