quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A Hora do pesadelo: As Primeiras Mortes



Antes de tornar-se o mestre dos sonhos Freddy Krueger era um assassino de crianças ao ser descoberto pelos pais foi preso apenas para ser solto por um erro técnico. Liberto foi queimado vivo pelos moradores da cidade e seus ossos escondidos apagando o crime.
“As Primeiras Mortes” é um projeto antigo de New Line Cinema contando a história de Freddy matando as crianças de Springwood. O filme seria um terror psicológico apostando no clima de terror e apreensão. Robert Englund sempre foi um dos mais entusiastas do projeto deixando um buraco em sua agenda todos os anos. Infelizmente o projeto nunca aconteceu.
No projeto Robert poderia atuar sem maquiagem e atuaria no seu tipo preferido de terror o “terror psicológico” infelizmente o projeto nunca foi para frente. Até agora. Está no ar um conto inédito baseado na premissa.

A historia começa com Tiffani uma garotinha loira que brincava na frente de sua casa, o pequeno descuido de sua mãe é fatal – assim começa uma das histórias mais Sangrentas e violentas da saga de Freddy Kruegger.
Outro ponto abordado pelo conto é a amizade entre Freddy e seu perseguidor Donald Thompson, pai de Nancy, ainda uma menininha e colega de classe da filha de Freddy – o assassino encontra o disfarce perfeito – pai de família, cristão devoto e vizinho prestativo ninguém imagina que por detrás desse homem existe um monstro.
A única pessoa que desconfia é a jovem Sora, irmã de uma das vítimas, inconsolável pela dor começa uma investigação particular que pode custar sua vida.
Conforme mata as crianças Freddy vai se aproximando do assassino que conhecemos, a loucura toma conta – somos apresentados a diversas referências os sete filmes da franquia clássica são espalhados pelo texto em um desafio aos fãs.

Leia o conto aqui

sábado, 24 de outubro de 2015

Paranapiacaba Uma Cidade Assombrada no Interior de São Paulo



Também conhecida como Silent Hill brasileira a pequena cidade de Paranapiacaba acumula histórias aterrorizantes e pontos turísticos macabros. O clima serrano contribui muito com sua mata fechada e nevoeiro.

Um pouco de história

Paranapiacaba foi fundada em 1967 por ingleses com o intuito de implantar a malha ferroviária do Estado de São Paulo – funcionários e engenheiros construíram casas para morarem dando origem a uma pequena vila que tornar-se-ia a cidade.
Com o passar dos anos e a decadência dos transportes ferroviários as famílias inglesas voltaram para sua terra natal levando, inclusive, os restos mortais de seus parentes mortos abandonadas as casas que foram absorvidas pelo tempo.
Nos anos trinta as ferrovias foram integradas a malha ferroviária do Estado a FEPASA porém a cidade foi se degradando lentamente até o então prefeito de Santo André Celso Daniel adquirir a vila histórica – Celso Daniel foi assassinado anos depois.

Locais assombrados:
 

O Castelinho

Um dos principais pontos turísticos da cidade, hoje transformado em museu, o Castelinho, foi moradia do engenheiro chefe das ferrovias, Daniel Fox, construído no alto da vila em local estratégico permitia que o engenheiro tivesse visão do pátio de manobras e controle dos trens que chegavam.
Por ficar no alto da vila e ser apelidado de castelo (devido sua arquitetura) a casa do engenheiro prendeu a atenção dos moradores da época (e de hoje) tornando-se o ponto mais importante de vila e passando a impressão de controle. O mesmo foi feito em bairros antigos onde uma igreja era erguida no ponto mais alto e a cidade crescia envolta.
Ainda hoje existem histórias de que Fox abitaria a casa – temos relatos de madeira rangendo e louça sendo manipulada - Fox um homem de quase dois metros de altura tinha o hábito de descer as escadas e tomar café na cozinha, usando xícaras de louça, seu espírito manteria velhos hábitos - guias turísticos se aproveitam do imaginário popular e da vontade dos turistas de conhecerem histórias macabras e repassam essas histórias. A demonstração de poder do engenheiro inglês e o constante fog da região assustam os moradores.

Túnel dos Mortos

Quando os ingleses construíam a ferrovia eles tiveram que escavar um túnel para passagem dos trens, na época usava-se mão de obra escrava e as condições de segurança eram muito precárias. Acredita-se que muitos trabalhadores morreram durante a escavação.
Porém a lenda de assombrado paira sobre outro evento – após a construção do túnel os escravos foram massacrados e emparedados no túnel – não existe documentação sobre o caso apenas as histórias populares, valendo-se da lógica escravagista não seria nenhum absurdo o massacre dos escravos. Quando sua mão de obra não fosse mais necessária os escravos eram descartados ainda mais em um local de difícil acesso como aquela cidade.
O uso de escravos como reboco na parede também não é de se surpreender dada às noções de direitos humanos da época.
Moradores dizem ser possível escutar os espíritos dentro do túnel, em especial a meia noite, em parte fica fácil de entender a noite tudo fica ampliado e nossa imaginação ouve o que quer, construções antigas favorecem a imaginação e ruídos estranhos, assim como a infiltração de água dentro de paredes rochosas.
Uma das histórias provavelmente real foi o rompimento de um cabo de aço dentro do túnel, usado nos trilhos que estourou, devido a baixa qualidade rasgando vários operários que compões os inúmeros mortos do túnel.

Existem muitas outras histórias envolvendo a cidade como relatos de acidentes na instalação da malha ferroviária e acidentes envolvendo trens – muito comuns na época. Mais histórias macabras:
Em 1981 a estação principal construída pelos ingleses pegou fogo, apenas o relógio ao estilo inglês foi poupado pelas chamas, à estação havia sido desativada em 1977. A linha ferroviária que liga Santos a Jundiaí passa pela estação da Luz, em São Paulo, também sofreu com um incêndio em 1946, suspeita-se de incêndio criminoso, mas sem provas.
Entre as décadas de 1950 e 1960 um vigia que guardava os trilhos e prédios históricos o homem batia três vezes no fundo das casas dos moradores perguntando se estava tudo bem, o morador deveria devolver as três batidas – em uma noite ele foi assassinado, sem que se tenha descoberto o responsável, ainda hoje moradores relatam ouvir as três batidas do fantasma do vigia.
Um dos prédios mais bonitos é o Clube da União Lyra Serrano onde acredita-se existir o espírito de uma bailarina que sapateia a noite. O clube habitaria outro fantasma um homem de preto usando chapéu que pode ser visto anoite parado na janela.
O caminho mais curto para a parte nova da cidade é por trás do castelinho a rota leva o nome de um dos engenheiros ingleses a trilha do Mens os moradores recomendam que o mesmo seja evitado, se a pessoa não tiver escolha ela deve faze-lo cantando para espantar os espíritos.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

O ENEM privilegia os alunos menos preparados



Semana passada tive a oportunidade conversar com algumas pessoas que vão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) sobre a prova e seus métodos de correção  enquanto eles explicavam esse ultimo fiquei embasbacado me perguntando como é possível um absurdo desses! Fui pesquisar e comprovei. O que pretendo é demonstrar como o ENEM privilegia alunos despreparados e medíocres em detrimento aqueles que podem render bons profissionais:

O ENEM baseia-se na Teoria de Resposta ao Item (TRI para simplificar) a prove é dividida entre perguntas fáceis, médias e difíceis possuindo pesos diferentes – o que faz sentido – muito bem o absurdo começa na correção a TRI avalia o desempenho do aluno e supões que se alguém acertar questões difíceis deve acertar a fáceis também. Parece razoável? Continue lendo.
Se um aluno acertou uma questão difícil ele deve ter acertado uma fácil, se não aconteceu o avaliador supões que o aluno chutou a questão e a anula. É isso mesmo que você leu. Peguemos um exemplo: o aluno ralou para entender uma parte da matemática considerada difícil – calculo avançado por exemplo e dedicou menos tempo a uma matéria considerada fácil como frações ele acertou a primeira e errou a segunda. O TRI e seus defensores agem como senhores da verdade e anulam a questão alegando que o rapaz esforçado chutou.
O TRI trás oculto uma filosofia (perdão aos filósofos) nefasta e cruel o aluno deve-se manter medíocre vale mais acertar todas as fáceis do que alternar entre fáceis e difíceis o ENEM e os gênios que vem ocupando o ministério da educação incentivam os estudantes a não se esforçarem muito se mediano é suficiente.
Ser medíocre é uma escolha e as pessoas podem sim viver na média sem almejar nada mais na vida. O que não se pode é incentivar a preguiça intelectual e punir os esforçados e os acima da média. A coisa piora já que falamos do ensino superior. Todo o ensino deve ser nivelado por cima, o superior mais ainda. Um país não pode formar profissionais medíocres, deve-se concentrar nos bons profissionais ou melhores.
Algum leitor deve estar pensando “mas as pessoas não tem o direito de conquistarem o sonho de estudar em uma universidade?” – parabéns se você pensa assim você é um idiota! Em primeiro lugar nem todos que passam no vestibular se formam. Muitos ficam pelo caminho. E mesmo dentre aqueles que se formam a minoria atua na área um profissional mediano acostumado a não se empenhar não vai ter sucesso na área.
Universidade não serve para realizar sonhos, não são gênios da lâmpada, são locais de preparo profissional os quais oferecem seus serviços a outras pessoas. Se você argumenta que os mais pobres não tem o mesmo preparo então você é preconceituoso que chama pobre de burro. Em geral os alunos que trabalham para pagar a faculdade (podemos chama-los de pobres pois sem essa renda extra não conseguiriam) são os mais esforçados e dedicados a matéria. Na minha época de faculdade eu ficava impressionado com pessoas que pegavam duas conduções para ir e voltar, trabalhavam, estudavam, liam os livros e iam muito bem nas provas – nenhum deles precisava de uma provinha voltada aos medianos. Creio que ficariam ofendidos com a filosofia da TRI.
Em geral quem defende esses programas são membros da Esquerda Caviar – habitantes de áreas nobres que nunca pisaram em bairros da classe média ou baixa, nunca falaram de igual para igual com alguém de classe mais baixa isso porque julgam saber o que é melhor para eles, alimentam o preconceito: “pobre é burro” e assumem a missão sagrada de proteger as classes baixas delas mesmas.
Se você vai prestar o ENEM boa sorte e tenha o pior desempenho possível, quem sabe assim você passa.

sábado, 17 de outubro de 2015

Cris Andrade



Modelo, musa do tricolor e sedutora do teste de fidelidade Cris Andrade é um monumento a libido masculina – a moça ainda participou do concurso “Gatas da Indy” e “Miss Bumbum” chega para encantar você.
Embora nunca tenha participado de um ensaio nu a moça se diz a espera de um convite: “não tenho nenhum problema em posar nua, admiro o nu artístico, e poderia sim se recebesse uma boa proposta” (o que essa gente está esperando?).
Seu sonho sempre foi trabalhar na televisão, embora tenha sido uma sedutora do programa do João Kleber a moça sabe que pode conseguir muito mais – beleza e carisma ela tem.


Idade: 25 anos
Altura: 1,57m
Quadril: 99cm
Busto: 83cm
Cintura: 61cm







 


"Os Deuses Mortos" Sete Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...