sexta-feira, 15 de abril de 2016

Quem Inventou o Fanservice?

Não é incomum ouvirmos críticas voltadas a cultura pop sobre games ou filmes elogiando ou criticando a quantidade e qualidade dos fanservices. As mais recentes se deram em “Batman Versus Superman” e no trailer de “Capitão América: Guerra civil”. Mas todo fã de uma área da nerdice já se deparou com um servisse em sua produção favorita.

O Que é Fanservice?

Um dos primeiros posts desse blog foi sobre o assunto, explicando seu significado e significante, sete anos depois percebo os defeitos daquele post e decidi criar um post novo e mais completo.
Fanservice (você também vai encontrar como Fan Service ou service) em bom português é serviço ao fã é um elemento, em sua maioria visual, que existe apenas para agradar ao fã. Se ele não existisse a história continuaria idêntica, em geral apenas os fãs pegam ou aproveitam totalmente.
Muito comum nos animes e mangás o fanservice se expandiu para diversas áreas da cultura pop, sua origem consistia em inserir apelos sensuais no meio da trama, com o passar do tempo agregou fortes conteúdos eróticos, o que permanece até hoje, ao sair do universo anime e entrar nos comics, dos games e do cinema o service transformou-se em referências.
Vamos lá no trailer de “Capitão América: Guerra Civil” quando o Homem Aranha aparece, com aquele uniforme, naquela pose temos um fanservice. Seu uniforme faz referência ao primeiro usado por ele nos quadrinhos, um serviço aos fãs do cabeça de teia.
As cenas em que Batman derrota muitos inimigos de uma só vez no confronto com o kryptoniano é um fanservice aos fãs do morcego e mais especificamente aos fãs da trilogia Arkhan lançados para PS3 e X-Box.
Em Smallville, quando o jovem Clark Kent tinha trechos de sua história ritmada pela trilha sonora de “Superman: O Filme” aquilo era um fanservice, voltado aos fãs do Superman, a presença de Chirtopher Reever em alguns episódios foi outro serviço.  
Scarlett Johansson fazendo
 fanservice em "Homem de Ferro 2"
A lista é grande, praticamente todo o seriado ou filme traz fanservices, um pouco distorcido de sua origem quase toda sexual. No segundo Homem de Ferro, a cena em que a viúva negra (Scarlet Johanson) troca de roupa no banco de trás da limusine é um fanservice, assim como a cena de banho de Angelina Jolie em “Tomb Rider”. Outro anime muito bom, é MM! Onde o protagonista transforma-se em Super Saiajin ao atingir o nível máximo de tesão.
Alguns animes são só fanservice o caso de “Lucky Star” e “Genshiken” animes sobre Otakus que assistem animes e discutem, brincam a respeito. O primeiro é recheado de piadas e referências, o segundo brinca com a estrutura das animações aproveitando para brindar os fãs com imagens ou referências.
Fanservice em DXD
O anime mais recente a usar o fanservice é “DXD” em quase todos os episódios Rias Gremory aparece nua seja tomando banho ou se preparando para dormir. Os OVAs especiais, histórias curtas com cerda de três minutos, são 100% fanservices com a princesa carmesim usando biquínis justíssimos ou com cenas do Issey agarrando seus peitos ou a vendo nua.
As figures (estatuetas de personagens) também não escapam quando algum anime é comercializado lança-se uma linha convencional paralelo a uma linha “alternativa” temos a Rias Gremory de uniforme escolar, mas também temos ela no pole dancing. Eu tenho uma estatueta dela de lingerie preta removível, seus seios são de silicone. Puro fanservice.

Mas afinal quem inventou o fanservice?

Algumas coisas simplesmente acontecem, outras são cuidadosamente planejadas, o fanservice se enquadra na segunda categoria, ele tem até data de criação 04/10/1995 quando foi ao ar o primeiro episódio de “Neon Genesis Evangelion” o anime que criou o fanservice.
Mais especificamente o fanservice foi idealizado pela Gainax, estúdio que produziu Evangelion. A Gainax nasceu com uma proposta ousada, ser diferente. Foi o primeiro estúdio preocupado em produzir animes de fãs para fãs e Evangelion foi a obra escolhida. Provavelmente nunca saberemos o porquê já que a série tem proposta séria e intimista. 
Analisando a obra encontraremos na genialidade (ou seria espírito de porco) algumas dicas - superficialmente Evangelion é um anime de robôs gigantes, um dos gêneros mais populares do Japão, alguns elementos estão lá para brincar com o espectador, é como se o diretor falasse “você pensa que está vendo uma coisa, mas na verdade está vendo outra”. Como as situações clichês exploradas de maneira alternativa.
O primeiro episódio é quase 100% fanservice com o protagonista frágil e assustado como mundo a sua frente, uma foto da Missato apontando para seu decote com a inscrição: “você percebeu esses volumes? ”; a organização secreta que combate seres estranhos. Quando você pensa que vai ver uma luta épica, corta para o quarto onde Shinji dormia, ai o anime diz para o que veio.
No decorrer da série vemos o que se popularizou
o erotismo, ainda leve, Missato é mostrada nua de cima para baixo; Rei sai do banho e encontra Shinji que cai sobre ela, apalpando seu seio (cena que viraria clichê); os plug suits (as roupas que os pilotos usam) demarcando o corpo feminino; a Asuka seduzindo Shinji com seu corpo ou saindo da piscina.
Foi a Gainax, hoje um estúdio mais modesto, se compararmos aos gigantes da indústria que começou esse movimento, em parte por seus fundadores serem jovens. Eles foram a primeira geração que cresceram assistindo animes e lendo mangá a meterem-se na indústria com autonomia.
Sabendo que o fã quer ver: suas musas nuas; alguma cena com um significado que só ele entende ou ainda uma referência a outro anime os rapazes, hoje jovens senhores, iniciaram uma tendência e quase pagaram caro por isso. A Gainax quase faliu por ser diferente.
Ainda hoje os animes da Gainax possuem essa característica, muito difundida, mas eles  ainda tem seu toque especial: o anime “Shikabane Hime” tem um fanservice logo na abertura. Makina, a protagonista, é focalizada de baixo para cima, delineando suas curvas glúteas (a bunda em bom português) já nos primeiros acordes.


Na próxima vez que você estiver jogando um game, lendo um comics, vendo um filme e se deparar com algum fanservice, saiba que aquela cena, que pode ser uma referência ou uma imagem sensual, só existe porque um grupo de nerds japoneses se arriscaram então agradeçam a Evangelion e principalmente a Gainax.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Os Deuses Mortos" Sete Anos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...