Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 9 de dezembro de 2017

O Brasil nos animes e Tokusatsu

Quem está acostumado a assistir animes ou demais séries japonesas já percebeu que vez ou outra os responsáveis acabam homenageando outros países e culturas. Os motivos são muitos desde mercadológicos até o gosto pessoal do criador.
O Brasil já foi representado algumas vezes, em sua maioria pela música ou ao esporte ou pela preferência dos artistas envolvidos. Independente do motivo nesse post vou trazer as referências que os japoneses fizeram ao nosso país.

Personagens Brasileiros

Que melhor maneira de começar se não pelo mangá/anime recordista de vendas e tempo de publicação One Piece. Seu criador Eiichiro Oda afirmou que se One Piece se passasse em nosso universo Luffy (o protagonista) seria brasileiro!
Para Oda sensei Luffy é a representação da liberdade, poucas coisas irritam mais o pirata do chapéu de palha que ser obrigado a viver uma vida burocrática, sem poder ser ele mesmo e se expressar. Para isso ele escolheu o brasileiro como "modelo" para sua principal criação. É uma bela homenagem.
Outra personagem bem conhecida é Aldebaran de Touro, do anime Cavaleiros do Zodíaco, na trama cada cavaleiro veio de um país e/ou foi treinado em uma nação. 
É interessante ver que uma das mais poderosas armaduras (a de ouro) veio do Brasil.
Aldebaran é brasileiro e foi treinado no Brasil, onde conquistou sua armadura, tanto no mangá, como no anime foi dito que apesar de sua aparência (210 cm e 130 kg) Aldebaran é uma pessoa gentil. Analisando ele é um dos caras mais legais do anime.
Marci Saotome
Lembram-se do porque o cavaleiro de touro enfrentou Seiya e companhia? Para ajuda-los a despertar o sétimo sentido, depois de derrotado o mesmo caiu na gargalhada. O cavaleiro está sempre rindo, diferente de outros cavaleiros gélidos.
O anime Musumet - As Justiceiras, exibido no canal Animax trazia três heroínas que se transformavam usando capacetes irradiados por um meteorito. As heroínas tinham como antagonistas três irmãs de nacionalidades diferentes. É isso mesmo três garotas de nacionalidades diferentes, irmãs, que moram no Japão.
Shion Saotome (americana); Kou Saotome (chinesa) e a brasileira Marci Saotome, que ao se transformar evoca o carnaval brasileiro. 
Nem só de piratas e cavaleiros que vive o Brasil,
Kamen Rider Amazon
existe até um Kamen Rider BR, o Kamen Rider Amazon de 1974 Daisuke Yamamoto cai na floresta amazônica e é criado por lá, quando cresce vira um herói cuja transformação é inspirada na piranha.

Daisuke é japonês de nascença, mas foi criado no Brasil o que fala mais alto a genética ou o meio em que a pessoa vive?
Em Goseiger (2010) tem um vilão que assume uma forma chamada Chupa Cabra; a mesma série apresenta outro monstro chamado Brajira (é como os japoneses chamam nosso Brasil) de aparência bem carnavalesca.

Cidades e Lugares

Em Gundan de 1979 a sede da Confederação da Terra fica em um complexo sob o rio Amazonas e a bandeira é quase igual a brasileira: Verde, amarela e azul, com o globo terrestre no lugar do arco estrelado.
Gundan Seed Stargazer, de 2006 trás cenas importantes em Fortaleza, Amapá, Bahia, Brasília e Maranhão. O Brasil também é citado em Gundan 00, como uma nação aliada.
O anime Michiko e Hatchin (2008 - 2009) é ambientado no Brasil, antes de produzir a diretora visitou o Rio de Janeiro e Olinda, pesquisando o país para sua série. O tema de abertura é o samba Paraíso. Mas parece que os brasileiros não conhecem o anime.
Um dos OVAs de Hellsing é ambientado no Rio de janeiro, ali Alucard hospeda-se em um hotel repleto
Michiko e Hatchin
de vampiros nazistas, onde troca tiros com eles destruindo o hotel. É uma das coisas mais violentas e sanguinolentas da história da animação, ou seja mais real impossível.

A mensão mais recente foi no anime Akiba´s Trip (2016) uma comédia amalucada sobre vampiros sensíveis a luz que precisam ser despidos para serem derrotados, totalmente ambientado no bairro de Akihabara (o paraíso nerd no Japão) a exceção é a Amazônia.
Logo nos primeiros episódios um vilão tenta controlar Akihabara usando ondas de rádios, uma das heroínas recorda-se de seu professor, especialista em rádio, faliu e foi refazer sua vida sendo minerador na Amazônia (para quem não sabe a exportação de pedras preciosas é um dos principais motrizes da economia brasileira). 
O Brasil voltou a franquia Kamen Rider no século XXI no filme Kamen Rider 000 Vs Wizard o final é ambientado no Brasil, mais especificamente Rio de Janeiro, com direito a uma rainha de bateria nipônica sambando.
Já o filme Kamen Rider Gain X Wizard de 2013 o Rider Wizard está passeando pela praia de Fortaleza com direito a placas em português indicando o caminho para a capital.
Em Kamen Rider Amazons (2016-2017) a equipe usa como base o Latin Club Leon, recheado de referências ao Brasil como alimentos e cartazes.

Futebol

O futebol brasileiro é muito admirado pelos japoneses, ele já foi citado em Super Campeões (1983-1986) de Yoichi Takahashi, na trama o protagonista Oliver Tsubasa vem para o Brasil jogar pelo São Paulo Futebol clube. 
O grande ídolo de Oliver e responsável por trazer o futuro craque para o tricolor, é Roberto Rongo, ex-jogador aposentado que percebe no garoto um diamante bruto.
Em 2002 outro mangá de Yoichi Takahashi foi
transformado em anime, esse é Hungry Heart - Wild Striker, que chegou a ser exibido no finado Animax, Kyosuke é um delinquente japonês, irmão mais novo do astro da seleção nipônica, o que joga muita pressão em seus ombros.
Desperdiçando seu talento a rapaz é convencido a entrar para o time de sua escola, que conta com dois jogadores estrangeiros: um goleiro filho de japoneses com ingleses e Rodrigo (claramente inspirado no Robinho). O brasileiro é habilidoso, mas fominha e vive zoando os japoneses dizendo que eles não sabem jogar futebol.
Super 11 também trás referências ao Brasil, onde muitos jogadores sonham em vir pra cá. Existe um time que homenageia a seleção com os craques Falcão da Silva e Lagarto Carlos, já percebeu em quem eles são baseados, né?
No anime School Humble (um dos mais engraçados já feitos) faz uma rápida homenagem citando um encontro entre um dos protagonistas com o então técnico da seleção Zico.
Em Assassination Classron Kuro Sensei vem para o brasil, onde fica nos zoando pela derrota para a Alemanha por sete a um. Justo, eu diria.
Quem assistiu Kamen Rider Black RX (1988) na Manchete deve se lembrar do agasalho do Santos. Esse pertence a Toei e apareceu em várias séries: Jiban; Solbrain e Jamperson (1993 e único não exibido no Brasil).

Ayrton Senna

Ayrton Senna de Akira Toriyama
Responda rápido que país idolatra mais Ayrton Senna Brasil ou Japão? O piloto foi escolhido pelo governo japonês como embaixador oficial da Fórmula 1 no país, cargo que ele aceitou com prazer.
Akira Toriyama, criador de Dragon Ball, rendeu várias homenagens ao piloto em  DB com Goku e sua turma na McLaren Honda de Senna, além de escreveu um mangá de um volume acompanhando uma corrida onde Senna venceu seus rivais.
O piloto ainda é homenageado no anime Rozen Maiden (2004) com um pôster no quarto do protagonista e em Kamen Rider Drive a transformação Tipe Formula é inspirada no piloto em sua fase pela willians.
Em Solbrain (1991) ele é homenageado com diversos cartazes em uma oficina mecânica, lembrando que o piloto estava no auge e tinha acabado de ser bi-campeão mundial.

A Música Brasileira

Os japoneses adoram nossa música (ressaltando que funk não é música e eles não conhecem a sofrência) Cowboy Beboop (1998 - 1999) trás três senhores em quase todos seus episódios chamados: Antonio, Carlos e Jobim. 
Os três não tem nenhuma importância para o
Antonio, Carlos e Jobim
desenvolvimento da trama, estão lá apenas para a homenagem do criador, que é fã do compositor.

O anime Wolf´s Rain de 2003 e também exibido pelo saudoso Animax tem uma bossa nova original, composta no japão, mas cantada em português como tema de encerramento. 
Kyoryuger

Nenhuma obra usou tanto a música brasileiro do que o super sentai Kyoryuger de 2013 os heróis inspirados em dinossauros tiram seu poder da Canção da Terra descrito como: "algo que não se controla" inspirado no samba.
A coreografia de transformação se dá após uma sambadinha dos heróis; o líder vermelho ativa o modo "carnival" cheio de plumas e cores. Esse mesmo líder tem uma cena em que viajou ao Brasil, com direito a comer uma coxinha.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Perguntas e Respostas sobre o Jaspion

Faz algum tempo que venho planejando um post sobre o Jaspion, ainda mais agora que comecei a falar sobre tokusatsu, o problema é que o Jaspion é muito conhecido e todos os fãs o conhecem. Dependendo da quantidade de visualizações e/ou se houver algum pedido eu escrevo sobre a série.
Para esse post selecioneis curiosidades e perguntas frequentes sobre o seriado, aproveite para tirar as suas dúvidas:

A Toei vai fazer um remake do Jaspion?
Essa é uma das perguntas mais repetidas e ela tem dois embasamentos: três filmes adaptando os primeiros metal hero: Gavan, Sharivan e Sheider; e o filme Space Squad onde o Jaspion foi citado graças a MacGaren ser o vilão do filme.
Então o Jaspion vai ganhar um remake? NÃO! O Gavan foi ressucitado pelo saudosismo, os fãs japoneses que assistiram na época foram agraciados. O Gavan é o Metal Hero mais querido do Japão, é por isso que ele  ganhou dois filmes e apareceu em outros tokusatsus.
A Toei vem revivendo alguns de seus heróis, mas só em participações especiais: como o Jaspion em Space Squad e Jiraya em Ninninger, mas só! Os demais metal heroes (dos quais o Jaspion pertence) não serão adaptados e provavelmente o Jaspion não volta mais.
É verdade que o Jaspion foi um fracasso no Japão?
Não! Esse é um mito da internet, Jaspion foi o quarto metal hero, lançado depois da trilogia Gavan, Sharivan e Shider. As três séries fizeram muito sucesso, muito por ser uma série original e por serem séries que continuam. As três funcionam como uma série só.
Mas e o Jaspion? Ele veio logo em seguida, com um enredo bem diferente e sua audiência foi menor do que as três séries anteriores. 
Jaspion era uma série cara, ambientada sempre em um planeta diferente; seus dois primeiros episódios foram gravados na Rússia.
Com a audiência menor do que o esperado a Toei barateou a série, mudou o horário de exibição e o penteado do Jaspion, mas esteve longe de ser um fracasso. O Metal Hero com menor audiência no Japão foi Metalder e não Jaspion, que teve seu sucesso.
Por que o cabelo do Jaspion mudava tanto?
Primeiro você tem que saber uma coisa, o ator que deu vida ao Jaspion chama-se Hikaru Kurosaki, em sua época muito famoso gravando discos e
participando de doramas (as novelas japonesas), daí você tem uma ideia do investimento da Toei.
O Hikaru sugeriu o black Power, já vi gente falando que esse penteado tinha como objetivo apoiar protestos sobre direitos humanos. Uma grande bobagem de esquerdopata. 
Hikaru sugeriu o penteado para dar um ar selvagem a personagem.
Jaspion foi imaginado como o Tarzan das Galáxias, um garoto criado na selva pelo profeta Edin. Os japoneses não gostaram do pesnteado e a Toei o fez cortar.
As demais mudanças dizem respeito a agenda de Hikaru Kurosaki, em paralelo ao Jaspion ele participava de outros projetos e para cada um deles tinha que cortar o cabelo de maneira diferente.
Por que criaram o Boomerman?
Lembra daquele cara de roupa branca que desejava se vingar do MacGaren e jogava bumerangues? Ele foi introduzido para dar um rosto humano a série.
Se você assistir a Jaspion prestando atenção vai ver que em muitos episódios Hikaru Kurosaki quase não aparece, isso porque ele estava gravando outros projetos, um duble usava a roupa do Jaspion e depois Hikaru dublava.
Boomerman foi interpretado pelo ator Hiroshi Watari, interprete do Sharivan (um grande sucesso no Japão) e o Spielvan, quinto metal heroe, exibido no Japão como Spielvan: Jaspion 2. além de ser famoso, ele dava um rosto humano ao seriado.
É verdade que Jaspion venceu a novela da Globo em audiência?
Não! Isso é um grande exagero, Jaspion deu muita audiência, em média oito pontos, chegando a dar 12 pontos algumas vezes e a Manchete o exibia de duas a três vezes por dia, tentando aumentar o seu ibope.
É verdade que Jaspion foi exibido no horário nobre e roubou alguns pontos da Globo, mas nunca venceu a novela, mesmo assim é um feito.
Jaspion foi influenciado por Star Wars?
Sim! o primeiro episódio trás quase uma réplica do bar em que Obi Wan Kenobi contrata Han Solo, os monstros, o ambiente e o clima de tensão são os mesmo. O vilão máximo Satan Goss é a cara do Darth Vader.
A Miya, aquele porco espinho que auxiliava o Jaspion, era praticamente um Ewok, do Retorno de Jedi.
Os primeiros episódios fazem referências a filmes SCI-FI como o super computador Sakura sendo uma réplica do HAL 9.000 inteligência artificial assassina de 2001 Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick.
Para baratear a produção os episódios foram ambientados no Japão, mas a mitologia espacial continuou.
Satan Goss e Dayleon eram homens fantasiados?
Isso mesmo, muita gente se surpreende e/ou se frustra om a informação acreditando que eles eram feitos em CG ou como robôs. 
Preste atenção quando Satan Goss aparece a câmera filma seus pés, dando a impressão de grandeza; quando o Dayleon aparece ele é filmado de baixo para cima, criando a perspectiva de um gigante. 
Na verdade são dois homens fantasiados sobre uma maquete, essa é a magia do cinema.
O ator que faz o Jaspion é brasileiro?
Esse é um dos maiores boatos da internet brasileira, ele tem dois responsáveis: Jô Sores e a wikipedia, vamos lá:
Quando Jaspion fazia sucesso na Manchete Toshikiko Egashira (descendente de japoneses responsável por trazer Jaspion e Changeman para o Brasil e detentor dos direitos) fez o Circo Show.
Um show, no formato de circo, contando histórias do Jaspion e Changeman, usando uniformes originais cedidos pela Toei (estava tudo no contrato, além das séries ele recebeu material para divulgação).
O Circo Show fez tanto sucesso que o Jô Soares entrevistou um dos atores dessa apresentasão, que é descendente de japonese, Jô fez o favor de terminar a entrevista dizendo que acabou de entrevistar o Jaspion!
Anos depois alguém viu a entrevista e escreveu na página da wikipedia que o ator que fez o Jaspion era brasileiro, como a maioria das pessoas são preguiçosas e copiam informação da wikipedia o boato se propagou.
Não está convencido? Escrevi lá em cima que o ator que viveu o Jaspion era uma estrela da época, Hikaru Kurosaki, cantor e ator japonês.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Angélica Woicichoski

O seu presente de natal!

Fica fácil entender porque essa linda gaucha tem o apelido de Angel, vai me dizer que  você não se sente no céu ao olhar para essa linda loira.
Natural de Estrela (RS) Angélica é uma pessoa muito verdadeira, apaixonada por doces e liberdade. Ela afirma que sua maior loucura foi trocar a segurança do lar materno pela liberdade.
Além de modelo a moça também estuda psicologia e tem um sonho de consumo: "um Audi R8 Spyder branco V10 5.2",  simples, romântica e recatada a moça guarda suas experiências mais picantes para si: "segredinho". 
Segundo ela a melhor maneira de enlouquecer um homem na cama é: "Deixar o momento e o tesão te levarem. Sem medos, sem pudores. Entrega total". sobre qual a sensação em ser muito gostosa ela dispara: "GOSTOOOSA!". A parte preferida de seu corpo são os seios (concordam?).
Sobre o Natal, a loira diz que é sinônimo de união e não passa longe da família, sobre um pedido ao Papai Noel ela é simples e singela"Ganhar na Mega da Virada (risos)".














Perfil
altura: 173 cm
Busto: 92 cm
Cintura: 68 cm
Quadril: 98 cm

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Bolsonaro: Por que tanto medo?

Em 2015 ele era uma piada, em 2016 uma possibilidade, em 2017 Bolsonaro é um dos principais presidenciáveis. E com a provável condenação de Lula vai chegar em 2018 como principal nome, por isso se iniciam os ataques de vários lados e ideologias.
Mas por que tanto medo? Ou deveria perguntar: por que tanta raiva? Os convido para uma análise.
Bolsonaro é maioria em três grupos: jovens, nordestinos e evangélicos. Os dois primeiros grupos enxergam no deputado alguém que "colocaria ordem na casa", sim o Brasil virou uma bagunça, não só política, mas de mimimi.
Hoje em dia qualquer opinião é acrescentada da palavra fobia, ou melhor quase qualquer. Apenas opiniões contrárias a certas doutrinações. E não falo do preconceito (esse sim precisa ser esclarecido e combatido) digo opiniões. Vide os ataques cruéis de grupos de esquerda contra comediantes e instituições culturais.
Bolsonaro vai na contramão desses ditadores da vida alheia. O deputado não fica culpando o capitalismo ou a sociedade malvada pelos males do mundo; ele não defende o sustento de vagabundos; assim como passar a mão na cabeça de bandidos; tampouco é contra um paternalismo que que se apodera e manipula  a vida dos mais pobres.
As esquerdas se consideram donas de alguns grupos, tais como: negros, homossexuais, nordestinos, pobres e jovens em geral. Quando alguém desses grupos se manifesta contra são achincalhados com ofensas preconceituosas pelos mesmos grupos.
É curioso como as esquerdas querem colar em Bolsonaro rótulos como: machista, racista e homofóbico. Ele não é machista, simplesmente não é feminista; não é racista, apenas não sente vergonha em ser caucasiano e não é homofóbico, simplesmente gosta de ser hétero.
Disse acima que jovens e nordestinos estão com Bolsonaro: esses são dois currais eleitorais do PT, o partido acredita que todos os nrdestinos deveriam ter se vendido ao bolsa família e que os jovens deveriam odiar tudo que é conservador.


Duas Questões Reais

 De tudo que é dito sobre Bolsonaro duas questões são reais. Recém filiado ao PATRIOTAS o deputado chegaria a presidência sem uma base no congresso, o que o obrigaria a fazer acordos ou governar sozinho.
Bolsonaro ainda não apresentou uma equipe de governo, não temos ideia de quem serão seus ministros.
Porém o pré-candidato vislumbra ter Paulo Guedes como ministro da economia, nome muito bem aceito no meio. Guedes é Phd em economia pela Universidade de Chicago, uma das mais conceituadas do mundo e referência no pensamento liberal. Saiba mais sobre ele clicando aqui.
São questionamentos cabíveis e necessários, porém sem o ódio contido nas críticas direcionadas ao parlamentar.

sábado, 25 de novembro de 2017

O Novo Halloween

19/10/2018 marque essa data fã do terror (e do cinema em geral), é na terceira sexta-feira de outubro que a franquia Halloween vai voltar aos cinemas, prometendo muitos agrados aos fãs, incluindo o retorno de Jamie Lee Curtis a franquia.

O que esperar

Ainda temos poucas coisas sobre o novo filme, apenas que ele vai ignorar todas as continuações partindo diretamente do primeiro. A informação veio do criador de Michael John Carpenter.
Segundo o diretor/produtor/roteirista o novo filme deve ignorar as continuações e os dois filmes de Rob Zombie, definindo a produção como: "Quase uma realidade alternativa", explicando: "Segue após o primeiro e finge que nenhumas das continuações aconteceram. Vai ser divertido. Temos um diretor muito talentoso e foi tudo bem escrito. Fiquei impressionado".
O diretor citado por Carpenter é David Gordon Green não tem nada muito significativo em seu currículo, honestamente eu duvido que você tenha visto alguns de seus filmes. Carpenter é o produtor executivo do filme, espero que ele exerça influência na produção.
Além de Curtis o filme tem mais uma atriz confirmada: Judy Greer, com papeis médios em filmes como Jurassic World e Homem-Formiga.
Os fãs da franquia vem pedindo a contratação de Robert Englund para viver o Dr. Samuel Loomis, que foi vivido pelo finado Donald Pleasence na série clássica e por Malcolom McDowell na versão de Rob Zombie.

Ode Paramos?

O novo filme vai ignorar as sequencias e os dois remakes, se a atitude é acertada ou não ainda vamos descobrir. Se os sete filmes são dispensáveis ou não é uma questão de gosto. Eu adoro o quarto filme e acho o primeiro do Rob Zombie um bom filme.

Como uma produção isolada, um presente aos fãs a iniciativa é válida, para isso que tal relembrar como o primeiro filme acabou?
Na obra original Michael Myers era uma criança normal, até que assassinou sua irmã após essa fazer sexo com o namorado em uma noite de Halloween, essa é uma das melhores sequencias pré-créditos do cinema, ele é internado em uma instituição.
Anos depois, já adulto Myers foge do hospício onde esteve internado, dr. Loomi parte em seu auxílio tentando convencer os moradores locais de que Michael não é um adulto traumatizado ou um assassino, mas sim o mau encarnado.
Ao mesmo tempo três amigas fazem planos para a noite do Halloween, enquanto duas delas planejam encontros com os namorados Laurie (Jamie Lee Curtis), que é uma boa moça vai trabalhar como babá.
Você já sabe o que acontece, Myers ataca, ao final do filme todos pensam que o assassino está morto porém seu corpo desaparece. Um final tão impactante quanto o início. 
Halloween é uma obra-prima do terror, não peço o mesmo dessa nova obra, sei que seria impossível, mas espero que ele fique a altura do filme original, os fãs agradecem.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Karen Witter

Mais um post da sessão scream queen (aquelas atrizes cuja carreira, ou parte significativa dela é/foi dedicada ao horror). Hoje você vai conhecer um pouco mais dessa diva, que sem exageros é uma das mais bonitas a aparecer por aqui.
Karen Witter ou Karen Lorren nasceu em Long Beach, Califórnia, sua carreira foi demstacada pelo cinema de terror e pela revista Playboy, marcando época com sua beleza perfeita. Karen foi capa da revista por três vezes: 1982; 1983 e 1991.

Nasce uma Estrela

Desde cedo Karen esteve dividida entre duas profissões atriz ou neuropsicóloga, na época chamado de psicobiologia, na faculdade da califórnia, onde estudou. 
Em um dos intervalos de estudo karen fez aulas de atuação em Hollywood, o que foi suficiente para enter sua verdadeira vocação.
Ao perceber que nada a fazia mais feliz do que atuar a moça abandonou a faculdade e investiu na carreira de atriz, tornando-se uma estrela do cinema B.
Como acontece na maioria dos casos sua carreira
começou devagar, com papéis esporádicos em séries de TV, sendo a mais famosa The Dukes of Hazzard, em 1988. Seu primeiro papel em um filme foi como a Miss Fevereiro (são como as playmetes são conhecidas nos EUA, pelo mês do ano) em I Married a Centerfold de 1984.
Os anos seguintes seguiram-se sem sucesso nas telas, vivendo de pequenas participações a moça colhia a fama pelas duas capas da Playboy fazendo fotografias e comerciais de televisão.
Em 1986 veio sua estreia nos cinemas, ainda como uma ponta, em Caçada Perigosa, um dos muitos filmes de ação que desapareceram no tempo; no mesmo ano ela esteve na comédia Ratboy (de nome autoexplicativo). Até que em 1988 ela teve seu primeiro papel de destaque na comédia The Perfect Match, uma comédia de fundo romântico.
Os anos 1980 foram seguindo ao seu final prometendo um injusto ostracismo cinematográfico, nossa musa conseguia pequenos papéis em comédias sem sucesso. 
Uma das regras do cinema é: não adiante você ter talento ou beleza, precisa vender ingressos. Foi ai que o terror entrou em sua vida.


Zumbis, enterros e pipocas

Em 1989 Karen aceitou seu primeiro papel no cinema horrorífico Out of the Dark interpretando Jo Ann (a protagonista do filme), uma atendente de telessexo (para quem não era nascido, até os anos
2000 existia um serviço de telefone onde os homens ligavam e faziam sexo por telefone com atendentes, essa ligação era cobrada. Em suma o precursor do sexo virtual).
Em Out of Dark Karen entra na mira de um serial killer vestido de palhaço, que gosta de retalhar moças bonitas. Um típico horror oitentista, com tudo que as produções dessa época tinham direito: assassino mascarado, moças bonitas (e sem roupa) e muitas mortes. Até hoje o filme é um cult nos Estados unidos.
The-Vineyard
Seu próximo filme no gênero foi Midnight Uma anfitriã de um show de horror e um produtor de filmes B entram em uma guerra por direitos autorais, sem saber que existe algo a mais nessa história.
Logo na sequencia veio um de seus filmes mais divertidos The Vineyard, o Jardim em uma tradução literal) foi batizado no Brasil como A Maldição dos Mortos vivos.
 The Vineyard é o samba do chinês doido misturando mitologia chinesa, Kung-Fu, zumbis, comédia e aquele clima divertidíssimo dos anos 1980.
Na trama o Dr. Po é um chinês conhecido por produzir o melhor vinho do mundo em sua ilha particular (vai lendo...) que incentiva as artes e produz filmes, por detrás desse bondoso vinicultor existe um ser cruel, vivo há centenas de anos que busca a fórmula da imortalidade.
Até o momento Po consegue manter-se jovem graças a um medalhão roubado de sua mãe, uma deusa chinesa e ao sangue de jovens beldades. 
Uma vez que suas vítimas não tem mais serventia eles são jogados em um jardim para morrer, lá voltam como zumbis. Uma doideira de primeira qualidade (ou de quinta, depende do ponto de vista).
Pois bem Karen dá vida a Jezebel, uma aspirante a atriz que é levada por seu empresário para a ilha do Dr. Po. Com a desculpa de passar o final de semana lá, beber vinho, festejar e fazer testes para seu próximo filme. Junto com a moça vão um grupo de aspirantes a atores, que servirão como vítimas, e um repórter especializado em vinho.
Acontece que Po se apaixona por Jezebel, que corresponde os sentimentos do produtor de cinema e de vinho. Procurem que vale a pena!


Os Anos 1990

Em 1990 Karen protagoniza um dos clássicos do Cinema em Casa: Enterrado Vivo (Buried Alive), dividindo as telas com um dos mitos do cinema de horror Donald Pleasence.
Na trama um professor de ciências vai trabalhar em um reformatório para moças comandado por um sádico médico, cujo passado é envolto em mistérios, um dos quais ele teria assassinado seu pai. Lógico que o professor não dá bola aos boatos, caso contrário não teríamos o filme. 
Popcorn

No ano seguinte veio outro clássico, dessa vez das locadoras de vídeo, atire a primeira pedra quem nunca assistiu Popcorn de 1991. Maggie é uma estudante de cinema que tenta esquecer seu passado traumático, que melhor forma de fazer isso se não com um festival de filmes e terror?

A trama manjada: grupo de estudantes de cinema promovem um festival de filmes de terror antigos para arrecadar renda, sem saber que uma espécie de fantasma da Ópera espreita o local.
O charme da produção está nos filmes exibido, três produções produzidas para a película, simulando serem filmes da década de 1950, a exibição tem direito a óculos 3D e efeitos em 4D como mau cheiro e cadeiras tremendo (e você achando que o Cinemark era criativo).
Karen dá vida a uma das vítimias, a linda Joy, lanterninha da sessão que descobre da pior forma que o assassino se disfarçada de seu namorado.


Além do Horror

1991 foi o ano de sua terceira e última capa para Playboy, depois de Popcorn a moça entrou no ostracismo, voltando a participar de séries de TV, com papéis em produções que iam desde Arquivo X até Flipper.
Em 1997 voltou aos cinemas com uma participação pequena em The Lovemasters, sua carreira acabou focada no trabalho como modelo, esse nunca faltando convites.
Atualmente com 55 anos Karen vive em sua casa de praia em Long Beach, trabalhando apenas quando convidada e sim ela continua muito bonita.



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

A História do Kamen Rider

Kamen Rider é uma das franquias mais longevas da televisão mundial, completando 46 anos, para você que conhece apenas o Black ou o RX (que foram exibidos na Manchete) ou nunca ouviu falar e ficou de curioso vai encontrar uma boa introdução ao herói inseto; se você é um iniciado ou fã de Kamen Rider sente e relaxe.
Antes uma propaganda, já fiz um post sobre Kamen Rider Drive, você pode ler clicando aqui.

Kamen Rider Showa e Heisei

Kamen Rider divide-se em duas eras Showa (1926 - 1989) e Heisei (1989 - 2017) os nomes se devem ao calendário japonês, diferente de nós que usamos o calendário cristão, nossos amigos nipônicos seguem a era dos imperadores.
A cada novo imperador que assume o trono uma nova era tem início, se nós falamos 2017 os japonese falam vigésimo oitavo ano da era Heisei. Recentemente o imperador japonês abdicou do trono, assim o Japão vai viver uma nova era em 2018, assim como Kamen Rider.

Mas qual a diferença? Além da estética retrô e efeitos especiais a narrativa muda bastante, principalmente no tom e na motivação dos heróis.
As séries da era Showa são mais sóbrias, mostrando um herói solitário em busca de vingança contra uma organização criminosa que visa dominar o mundo. 
Esse Rider é um ciborgue, construído contra sua vontade, que ao reaver suas memórias e perceber que sua vida fora destruída parte em busca de vingança.
A estrutura dessas séries utilizam-se do "monstro da semana", a cada episódio surge uma criatura nova que o Rider derrota, até o confronto derradeiro com os vilões.
A séries Hisei costumam ser mais coloridas, mai divertida, investindo em piadas, existem mais de um Rider e um amplo elenco de apoio explorando o lado humano do herói. Não é por ser uma série cômica que não existe lugar para dramas pessoais e realizações.
De forma geral os Riders da era Heisei continuam sendo humanos, sua motivação é mais nobre, a de salvar as pessoas e proteger a humanidade. Não raro temos um par romântico.
A estrutura da série também  muda bastante: temos uma história continuada, assim você tem que assistir a todos os episódios para acompanhar e entender a série. 
O monstro da semana ainda existe, mas em quantidade mínima. Aqui o roteiro é mais elaborado.
Muitos fãs discutem "qual é a melhor era". Uma bobagem! São narrativas diferentes para épocas diferentes e gostos diferentes. 
Se as séries da era Showa são mais sombrias, suas narrativas são mais simples; os Riders Heisei são mais alegres, porém com personagens (protagonista e coadjuvantes) mais verticais.
Algumas características se mantém: o bem contra o mau; o grito de transformação Henshin!; o cinto que transforma o herói; o Rider Kick e a moto.


Origem


Shotaru Ishinomori
Kamen Rider foi criado por Shotaru Ishinomori, finado mangaká japonês. Esse senhor que vivia descabelado sonhava em ser romancista, mas o contato com Osama Tezuka o levou para o nanquim.
O que poucos sabem é que Kamen Rider foi criado como um herói sério e sombrio, um homem amaldiçoado pelo destino em busca de vingança, sua vida deixou de ter valor e agora ele
não tem nada a perder.
Ishinomori nunca escreveu para crianças, suas personagens são anti-heróis que não estão nem ai para a justiça e proteger inocentes, buscam vingança e sua própria morte ao final, uma recompensa pelo sofrimento.
Kamen Rider foi baseada em outra personagem de Ishinomori: Skull Man, em 1970, a primeira edição vendeu mais de 1.5 milhões de cópias (uma enormidade para sua época), Skull Man foi o primeiro anti-herói japonês, em busca de vingança ele manipulava e sacrificava pessoas inocentes.
Deu para entender porque a Toei modificou bastante Kamen Rider, os japoneses não são de ficar de mimimi, mas tudo tem um limite. Prestando atenção nos Riders da era Showa é possível ver essa influência.
Ficou interessado nessa versão dark? Existem duas obras que você pode assistir. Uma delas é o filme Shin Kamen Rider, de 1992, Shin Kazamatsuri é um cientista a serviço do exército que se submete a uma cirurgia realizada por seu próprio pai. Como resultado transforma-se em um utante capaz de se transformar em um gafanhoto.
Shin Kamen Rider

Shin Kamen Rider mostra a transformação mais perturbadora, muitas cenas violentas e sexo, em meio ao tormento de Kazamatsuri acompanhamos uma onde de assassinatos em Tóquio. 
Shin Kamen Rider é quase um filme de terror, talvéz por isso não tenha feito muito sucesso e o projeto não foi para frente. Mesmo assim Shotaru Ishinomori, que participa do filme, afirmou ter gostado da obra, que segundo ele é o mais próximo de sua visão original. Está esperando o que para assistir?
A outra obra é Skull Man, um anime foi produzido pelo estúdio Bones em 2007. Na trama acompanhamos um fotógrafo que volta a sua cidade natal (sitiada pelo exército, temendo uma guerra civil no Japão), em busca de um herói mascarado.
Enquanto investiga assassinatos e aparições de monstros esse fotógrafo acompanha de perto o submundo político e o uso da guerra para o lucro. 
A filha de um empresário (amigo do finado pai do protagonista) divide-se entre a política e a igreja, onde ajuda os órfãos e vive paixão platônica pelo padre local.
Uma das subtramas trás o sexo como moeda de troca, uma aspirante a atriz se vende para subir na carreira; uma menina tenta descobrir a verdade por detrás de Skull Man, insinuando uma desgraça em sua vida. 
O "herói" é uma ameaça, ele inspira terror no coração das pessoas e quase não aparece durante a cena, fórmula narrativa brilhante, para passar a paranoia na qual a cidade vive.

Por onde eu começa a assistir?

Gostou do Kamen Rider? Quer começar a assistir, mas não sabe por onde começar? Fácil comece de qualquer lugar, a série Kamen Rider não tem continuidade (ou quase) cada temporada trás um herói independente, existem crossovers, mas a maioria feita no cinema. Você não precisa ver os filmes para curtir a série.
A Era Showa trás uma pequena ligação nos primeiros
O Kamen Rider Original
Riders: Kamen Rider de 1971 é o herói original, fez tanto sucesso que em 1973 foi feito Kamen Rider V3, continuação direta da série original.
As duas séries trazes a vingança contra uma organização maligna que os criou. V3 mostra um homem vingando a morte de sua família, com ajuda dos Riders originais - as duas séries receberam um Reboot nos cinemas japoneses do século XXI com Kamen Rider The First e Kamen Rider THE NEXT.
Kamen Rider Amazon, de 1974 foi o primeiro a ousar trazendo um Rider brasileiro (brincadeira gente), um garoto japonês é criado na Amazônia após um desastre e volta ao Japão para combater uma organização criminosa.
Skyrider de 1979 é mais do mesmo, um homem foi transformado em ciborgue sem seu consentimento e busca vingança, o que o diferencia dos demais é sua capacidade de voar, influência de Superman - O Filme, que prometia fazer você acreditar que um homem pode voar.
Skyrider
Kamen Rider Black, de 1987, foi o primeiro Rider mais pesado, criado para ser um agente do mau ele precisa combater seu irmão, as cenas em que mata os vilões os perfurando com sua espada foram criticadas pela violência, mesmo assim foi um sucesso iniciando uma série de Riders mais sombrios, como Kamen Rider Black RX e mais três filmes de cinema, incluindo Shin Kamen Rider.
Existem dois boatos na Internet: Kamen Rider Black foi o melhor de todos os tempos; o Black foi um fracasso no Japão. Nem uma coisa nem outra. A série fez mais sucesso no Brasil do que no Japão, onde o RX é mais famoso.
Em 2000 Kamen Rider Kuuga foi o primeiro Rider da
Kamen Rider Kuuga
série Heisei, apresentando o herói para uma nova geração. De aparência colorida e sem uma organização maligna. Uma escavação arqueológica libera monstros e o poder do herói.
A escavação arqueológica foi uma boa sacada, afinal é exatamente o que a Toei fez ao reviver o herói. Em 1999 A Múmia tinha feito muito sucesso, o que inspirou o tema da série.
Kamen Rider Agito, de 2001, tem relação do Kuuga e envolve uma força policial criada para combater monstros. 
A partir de 2003 os roteiristas foram dando asas a imaginação: Kamen Rider Faiz trás mutantes (pegando carona no sucesso de X-Men); Kamen Rider Blade (2004) se inspira nos quatro naipes do baralho e Kamen Rider Hibiki (2005) usa a música como arma.
Em 2008 os vampiros voltaram a moda, um pouco mais romantizados graças aquela praga chamada Crepúsculo, nasceu Kamen Rider Kiva, onde a história é contada sempre de dois pontos de vista, onde um acrescenta ao outro. Muitos consideram essa série como uma das melhores.
Kamen Rider Decade (2009) é um ode ao saudosismo, a personagem viaja pelas dimensões interagindo com os Riders anteriores, com direito ao elenco original. 
Kamen Rider 000 de 2010 trás um Rider andarilho, que inesperadamente se vê como salvador da humanidade, a ideia do herói humano e inusitado que vinha ganhando força pelo mundo.
Em 2011 Harry Potter encerrou sua saga nos
Kamen Rider Gaim
cinemas, a magia estava em alta, como não poderia deixar de ser Kamen Rider Wizard (2012) baseia-se na magia combatendo Phantons. Ele também uma um anel, referência ao Senhor dos Anéis?
Em 2013 a Toei lançou o samba do Japa doido: Kamen Rider Gaim mistura dança de rua, samurais e frutas, são as frutas que dão poderes ao herói. Duramente criticado de prévia Gain virou uma das séries preferidas dos fãs.
Kamen Rider Drive
Misturando política, religião e ideologias pessoais Gain se passa em um mundo onde as pessoas perderam sua liberdade e se expressam em competições de street dance. Os Riders ganham poderes e os usam como julgarem melhor, alguns lutam contra a injustiça outros em benefício próprio.
Kamen Rider Drive, de 2014, mostra um policial membro de uma força secreta destinada a combater seres que desaceleram o tempo. Baseado em um carro Drive é outra série que sofreu críticas antecipadas (pelo visual) e hoje mora nos corações dos fãs. Já falei dela aqui.
Em 2015 tivemos o primeiro Kamen Rider morto, em Kamen Rider Ghost. O herói precisa coletar relíquias para realizar um desejo, enquanto protege a humanidade.
Ufa! Existem muito mais Riders do que esses, se você quiser conhecer todos recomendo o vídeo do canal Tokudoc Quais são os Kamen Riders, que você assiste clicando aqui.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

As Gatas de DxD

Finalmente a estréia a quarta temporada de DxD, animada foi anunciada, porém não aguento esperar e sei que vocês também não. Para ir aquecendo segue uma lista com as gatas de DxD - gatinhas demoníacas - cortesia da página do facebook Hight Scholl DxD Brasil.


Rias Gremory
A princesa Carmesim, a princesa da ruína, herdeira do clã Gremory, a princesinha do inferno, musa máxima das animações, com vocês Rias Gremory: Depois da guerra contra o céu ela foi um das poucas sobreviventes oriundas de uma família puro sangue, o que lhe causou problemas com um casamento arranjado (que graças ao Issei não se concretizou).
Muito gentil e amorosa com seus servos ela começa o anime disfarçada de uma "garota normal" ou quase. Aos olhos de todos ela é a estudante mais bonita de seu colégio e presidente do clube de ocultismo. A moça arrasta admiradores por onde passa. Aos poucos conhecemos sua verdadeira face. A demônia mais desejado do inferno (e da terra) apaixona-se por Issei, seu peão. O mesmo grita para quem quiser ouvir "A virgindade da presidente é minha!", bobo ele.

Akeno
A sacerdotisa do trovão, a última sádica - Depois de Rias ela é a personagem mais poderosa do clã Gremory, não a toa é a rainha do tabuleiro, no quesito beleza divide opiniões sobre quem é mais bela: ela ou sua regente. Difícil escolher. Seu jeito calmo e aquele sorrisinho no rosto conquistam qualquer um, mas cuidado a boa educação esconde uma perversa de primeira. Viva a Akeno!
Essa é uma personagem que demora para mostrar a que veio, de início é apenas a braço direito da capeta ruíva, aos poucos vamos conhecendo sua personalidade - sádica e sensual Akeno diverte-se nas lutas, ela é aquela que mata o oponente e lambe os dedos e quando o adversário desiste ela fica triste por perder sua diversão. Nas missões demoníacas também explora seu sadismo, no segundo especial ela é convocada para massagear os pés de um executivo, para isso veste-se como uma dominatrix e o provoca com frases "imagine se seus empregados o vissem agora".

Koneko
O mascote perfeito, é assim que somos apresentados, a Loli de DxD, tímida, calada, com olhos expressivos e uma beleza singular a pequenina esconde enorme força. É a torre de Rias. Capaz de arrancar uma árvore do chão ou derrubar uma parede da porrada ela é pura força bruta.
Como o nome entrega ela é um demônio gato (Neko é gato em japonês) de início a garotinha antipatiza com Issei (para não dizer que o detesta) e não suporta a "taradisse" do peão, mas o suporta por respeito a Rias. Aos poucos vai vai reconhecendo o direito dele a vida, sempre com comentários irônicos e curtos. Um conselho não comente sobre seus seios pequenos. No primeiro especial de DxD um demônio cria uma planta que ataca mulheres er... "bem dotadas" usando sua energia para criar uma planta que faz crescer os seios de qualquer uma, sua justificativa: "seios pequenos são feios". Ao ouvir essa infâmia Koneko libera toda sua fúria.

Asia Argento
A personagem mais "errada" do anime: inocente, freira, meiguinha, ela é tão doce que as vezes irrita (peço desculpas aos fãs da Asia) ela foi a primeira garota a tratar bem Issei, que por sua vez foi seu primeiro amigo. "Amaldiçoada" pelo dom de reverter os ferimentos das pessoas ela foi recrutada pela igreja, com segundas intenções.
Após se tornar bispo de Rias, Asia vê seu sonho virar pesadelo - ela pode morar na casa de Issei, porém Rias foi morar junto. Na primeira temporada ela foi a principal rival da princesa Greory no amor, também foi importante pra o protagonista safadão criar seu golpe que rasgar roupas das adversárias. Com o passar dos episódios ela vem perdendo sua inocência, mesmo assim reza pedindo a deus para ser um bom demônio(?).




Xenovia
Ultima aquisição do clã Gremory, espadachim a serviço da igreja mudou de lado após descobrir que deus está morto (Nietzsche já sabia) tornando-se o outro cavalo de Rias - aliás "cavala" é uma boa descrição, como não existe mulher feia em DxD Xenovia veio com tudo para cima do pobre Issei.
Como passou sua vida enclausurada pensando em deus ela não tem malícia, aliás não sabia o que uma garota de sua idade deveria fazer, ao ver que todas as demais dão em cima do Issei ela imitou. De todas é a menos a vontade com sua sexualidade, que vem sendo descoberta ao longo da animação. Injustamente chamada de "masculinizada" por alguns Xenovia é uma bela guerreira (em todos os sentidos).

Irina
Finalmente uma personagem que não é apaixonada pelo Issei (coro de anjos cantando Aleluia). Amiga de infância de nosso protagonista que afastou-se por longos anos. Motivo: estava sendo treinada pela igreja para matar demônios. Melhor amiga de Xenovia, só que um pouco mais malandrinha.
Após descobrir que sua amiga virou um demônio Irina a trata como inimiga, mas logo descobre o motivo (a garota de cabelo azul teve medo que saber da morte de deus interferiria em suas orações, diminuindo a força celestial) após descobrir a verdade se desculpa. Diferente de todas as demais personagens ela é a única que não suporta o jeito tarado de ser do Issei.

Leviathan
O que dizer de um chefe de estado que vai a reuniões diplomáticas vestida de garota mágica (com direito ao báculo da Sakura)? Essa é Leviathan, um dos demônios mais poderosos do inferno. Seu modo descontraído de levar a vida envergonha sua irmã, seu único ponto fraco.
Aparentemente o inferno é repleto de demônios alegres e bondosos, Leviathan perde a compostura quando o assunto é sua irmã caçula, para protege-la a garota mágica é capaz de destruir o planeta. Por isso os outros demônios entram na suas fantasias e se divertem. Em um dos OVA's vemos Leviathan convencendo sua irmã a experimentar um de seus cosplays, é muito divertido.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...