Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 21 de outubro de 2017

O Hentai - A Sexualidade no Japão II

Chegamos ao segundo post dessa série, que torço para ser bem longa, no primeiro explorei um pouco da sexualidade japonesa: sua visão do sexo, do casamento, os fetiches e o lugar da mulher. Chegou a vez de uma das marcas registadas da sexualidade japonesa, o Hentai.

Origem

Não adianta nada falar de um tema sem saber de onde ele vem. A origem do hentai é tão antiga como a da publicação. Mais especificamente no século XVI nasceu o Shunga - publicações baratas e acessíveis com conteúdo erótico.
Podendo ser desde gravuras avulsas até "revistinhas" feitas sempre em grandes cópias relatando relações
A Mulher do Pescador
sexuais. Para os padrões de hoje as imagens são entediantes, mas na época geraram alvoroço.

Os Shungas vinham com temas variados, indo do sexo "comum" até a sodomia, imobilização, sexo com animais, entidades sobrenaturais, a imaginação é o limite.
Devido aos rígidos valores morais muitos Shungas foram perseguidos e destruídos, tornando-se um artigo de luxo. Sim a censura é burra e sempre torna atrativo aquilo que ela quer proibir!
A primeira publicação erótica chama-se A Mulher do Pescador e mostra uma mulher tendo relações com um polvo, impossibilitado de desenhar o órgão sexual masculino o artista fez analogia com os tentáculos, algo que perdura até hoje.

O Hentai

Poucas mídias tem a importância cultural que o mangá possui no Japão. Podemos pensar no cinema para os americanos e a literatura para os europeus. Os mangás retratam desde o cotidiano ao absurdo humorístico, influenciando no comportamento e na ideologia dos japoneses.
O erotismo não poderia ficar de fora de algo tão importante, diferente de nós ocidentais, onde a pornografia é fonte de vergonha no Japão ela é um negócio, igual ao qualquer outro (é o que acontece quando o cristianismo não envenena a mente das pessoas).
Hentai significa bizarro, podendo ser também pervertido ou anormal! Quem assiste animes vez por outra se depara com uma garotinha xingando alguém de "hentai" em geral ela tem as faces vermelhas e sente vergonha de seus sentimentos, outras vezes o cara é mesmo um pervertido sem habilidades sociais ou semancol.
Como discuti no primeiro post dessa série a violência contida nos hentais é bem subjetiva e menos violenta do que parece. Como qualquer mídia pornográfica o hentai explora imagens idealizadas, tais como "o comedor", a "safadinha que gosta de dar", "a menina tímida que quer transar" e por ai vai. Em comum temos a mulher como um ser desejado, e sim elas gostam.
O Hentai explora o proibido, como seu nome diz, apela ao incesto, ao estupro, a bolinação pública. Nas palavras de Platão: "O homem normal sonha com aquilo que o perverso faz".

Fanzine

Nem todo hentai é profissional, existe uma industria editorial paralela no Japão, onde artistas amadores imprimem e vendem suas obras em eventos específicos. Na maioria dos casos são histórias derivadas de personagens famos. os fanzines ou doujins.
Você deve estar pensando: "As editoras não os
Exemplo de Doujin
processam?". Poderiam, mas não o fazem. Muitos artistas foram descobertos pelos doujins, essa arte paralela acaba promovendo o conteúdo original, as editoras e os autores costumam olhar com bons olhos.

O anime Genshiken trás essa realidade, onde os protagonistas, todos otakus fervorosos resolvem fazer um doujin erótico de sua obra favorita. E sim existem hentais de obras famosas como Dragon Ball ou Pokemon.
Recentemente o criador de One Piece autorizou publicamente quem quiser a fazer uso de sua obra, incluindo hentais. 
Muitas dessas obras paralelas atingem status de obras de arte e são colecionadas e sim na sua maioria explora-se realidades alternativas envolvendo romance. Muitos são homossexuais - em sua maioria escritas/desenhadas por garotas.
O que também é comum mostrar relações sexuais entre casais oficiais ou aquelas que os fãs torcem. Durante sua exibição Evangelion foi alvo de inúmeros hentais mostrando Shinji e Rei; Asuka e Rei; todo o elenco masculino e Rei.. deu para entender.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Verdades Inconvenientes Sobre a traição

Vamos ser sinceros a traição nunca é 100% de responsabilidade do traidor, ninguém trai ou é traído sozinho, em última instância a traição só acontece quando o relacionamento já não existe mais e os envolvidos não querem enxergar esse fim.  Assim a traição apenas explicita o que estava encoberto.
Alguém pode argumentar: "Existem casos onde o traidor se aventura guiado apenas por seus desejos sexuais". Pois bem ele é o único culpado pela traição? Difícil de imaginar que apenas uma pessoa seja responsável pelo que acontece em uma relação a dois. 
Novamente o casal não quis enxergar a relação. Um seria incapaz de viver na monogamia e o outro não quis ver com quem se casou. O traído pode ser um cego ou um dissimulado, mas nunca uma vítima.
É muito fácil para alguém que foi traído vir chorar, dizendo que dedicou seu tempo a uma pessoa que não valia nada. Será mesmo? O traído nunca percebeu? Nunca fez nada para garantir a fidelidade? A sedução deve ser feita todos os dias, por um simples motivo ninguém é obrigado a amar ninguém. 
Dizem que a pessoa traída é a última a saber. Mentira! A pessoa traída é a última a querer perceber, em geral ela o faz quando não pode mais fechar os olhos, quando não adianta mais tentar negar a verdade: Seu relacionamento não existe e ela está vivendo em uma mentira.
Menos mal se estivermos falando de um namoro, quantos casamentos são falsos? Quantas pessoas casam para cumprir uma obrigação social? Quantas mulheres não acreditam que aquela festa digna de uma princesa resultara em amor e alegria eterna? Quantos homens não casam com medo que sua sexualidade venha a ser questionada? Quantos casamentos acontecem por pressão social? O que começa errado nunca pode acabar bem.
O pior de todos os relacionamentos é aquele que existe por medo da solidão, uma pessoa não consegue ficar sozinha, então ela acha outra pessoa e percebe que sua solidão não passa. O relacionamento se desenvolve, cria-se uma dependência e o sofrimento aumenta.
Não devemos cair em armadilhas como: O casamento é uma instituição falida. Ou a família é uma instituição falida? O mais correto seria: o casamento não é para todo mundo. E para aqueles que se dedicam, não será fácil.
O casamento é o relacionamento ideal para uma parcela da população, não para todos. Cada pessoa tem a obrigação de parar e pensar “qual a melhor relação para mim?” caso contrário irá sofrer.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Kamen Rider Drive


Fiquei anos sem assistir a um tokusatsu, sendo preciso desde a época da Manchete que eu não navegava por esses mares, recentemente resolvi dar uma chance a esses heróis coloridos. Me surpreendi com a qualidade das séries e principalmente com minha diversão ao assisti-las.
Esse é um post introdutório a série (a qual não terminei de assistir) tendo como base minha experiência e um vídeo do canal TokuDoc (que você assiste clicando aqui link). Esse é um Kamen Rider que agrada a maioria dos fans da franquia, com história esperta e bons efeitos.


Um Pouco de História

Mas antes de começar, algumas explicações: O que é tokusatsu? É um gênero, assim como terror, aventura, SCI-FI. O toksatsu trás elementos de ficção científica, monstros e ingredientes infantis (seu público alvo). 
Surgido no Japão pós-guerra, o governo japonês encontrava-se derrotado, falido e com o orgulho ferido. Lá pela década de cinquenta começaram chegar na terra do sol nascente os heróis da DC.
Preocupados com a perca de sua identidade o governo incentivou a produção de filmes locais.
Foi assim que surgiu Godzilla, com orçamento pobre (existiam outras prioridades ao cinema), colocaram um homem usando roupa de borracha pisoteando maquetes. Essa fórmula improvisada fez tanto sucesso que virou uma marca.
Hoje em dia o tokusatsu possui orçamentos substanciais, contudo as características de sua origem permanecem. Assim como qualquer gênero do cinema.  
O tokusatsu não é uma exclusividade do Japão, podendo ser feito em qualquer lugar do mundo, desde que se respeite suas características.
Kamen Rider é um exemplo de tokusatsu, o primeiro Rider surgiu em 197, inspirado no mangá de Shotaru Ishinomori, das páginas ao live action a personagem sofreu modificações radicais. Inicialmente uma obra sombria e pesada se tornou um produto divertido voltado a um público jovem - tal qual Tartarugas Ninja.
Kamen Rider significa motoqueiro /cavaleiro mascarado, em geral inspirado em algum animal no qual o herói transforma-se gritando Henshi (transformar) caracterizado pela armadura, uma moto e um cinto. Kamen Rider é uma das mais longevas franquias da televisão.


Kamen Rider Drive


Essa é a vigésima quinta série da franquia exibida originalmente em 2014, para você só viu as séries Black e Black RX exibidas na Manchete vai ter o mesmo choque que eu, se você está acostumado a séries tokusatsu então não vai ligar muito para a qualidade do seriado, que supera muitos filmes japoneses.
Drive começa em uma noite chuvosa, pessoas se divertiam inocentemente quando o tempo desacelera. A vida começa a andar em câmera lenta, acompanhado de desastres e estranhos seres chamados Roidmulds.
Ao mesmo tempo nosso protagonista Shinosuke Tomari é um policial que acaba vendo seu parceiro morrer na mesma noite em que o tempo parou, meses depois ele foi transferido para a Divisão de Investigações Especiais, dedicada a descobrir o motivo do congelamento do tempo e prevenir/socorrer esses evento.
Shinoske que fora um excelente policial está desmotivado, é preguiçoso e não enxerga razão em seu trabalho, cabe a sua parceira Kiriko Shijima motiva-lo (se o cara não se motiva com uma gata dessas, então esqueça). O dois formam o casal da série e isso não é spoiler, fica nítido na primeira cena de Kiriko que eles se amam.


Mudanças na Fórmula

Drive é uma das séries mais queridas da franquia Kamen Rider, isso deve-se a sua qualidade que vai desde o roteiro até o elenco, passando pela parte técnica. Mas quando as primeiras imagens saíram
não foi assim.
As primeiras críticas foram para o visual. A maioria dor Riders são baseados em animais, esse é baseado em um carro. Criticas injustas, pois o visual desse Rider é muito legal! 
Se você prestou atenção no começo do post sabe que Rider é motoqueiro ou cavaleiro. Aqui a Toei mudou para um carro, o que não faz nenhuma diferença para a série.
Uma das principais marcas da franquia é um cinto que permite a transformação do herói. Esse continua, mas com uma mudança o cinto fala! E é cheio de personalidade, ele lembra os gatos de Sailor Moon que precisam incentivar o herói preguiçoso. Muito legal.
A trama é muito bem desenvolvida, com episódios duplos (foi isso que chamou minha atenção inicialmente e me motivou a ver a série) com desenvolvimento das personagens e reviravoltas. Um formato bem diferente do "monstro da semana" onde todo episódio existe um monstro que é derrotado, sem nenhum acontecimento significativo.
Drive tem roteiro, mas também tem homenagens. Aparentemente a onda saudosista também chegou ao Japão e a Toei vem inserindo elementos setentistas, oitentistas e noventistas em seus seriados.
A garagem da Divisão de Investigações Especiais é uma referência ao Jiban; o carro do Rider, fonte de
Time Fórmula homenageia Ayrton Senna 
discórdia, é uma referência ao Ridron, carro usado pelo herói em Kamen Rider Black, confirmado pela Toei.

Segurem as lágrimas, Driver tem uma homenagem ao nosso querido Ayrton Senna, os japonesas adoram Fórmula 1 e idolatram o piloto brasileiro que nos anos 1990 foi uma espécie de embaixador do esporte no Japão. Pois bem a série tem uma transformação inspirada no piloto.
A transformação Time Fórmula tem os motivos do Senna na Willians, com direito ao capacete amarelo. Provavelmente a Willians foi escolhida por ser azul, uma vez que a armadura principal é vermelha não dava para pegar a McLaren Honda.


As Gatinhas de Kamen Rider

Outra tradição de Kamen Rider é a presença de belas atrizes, eu sei as séries de Tokusatsu costumam ter japinhas maravilhosas, mas Kamen Rider é um capítulo a parte. Drive tem duas atrizes que você não vai conseguir desviar os olhos.
A primeira delas é a Rio Uchida que interpreta Kiriko, uma policial casca grossa, mas cheia de charme que inicia a série incentivando nosso herói (assim até eu salvo o mundo). A moça é uma Gravure Idol, uma modelo especializada na publicação de livros com fotos sem nudez.
Saindo de Drive a moça não fez muita coisa, somente mais dois filmes Okitegami Kyoko no Bibōroku de 2015 e  Bloody Chainsaw Girl de 2016, esse de título bem sugestivo. 
Na série ela tem um papel muito importante, acaba funcionando como narrado., Explico: é a partir dela que vemos a evolução do herói, é ela quem o apresenta ao projeto da polícia. 



A outra beldade da série atende pelo sugestivo nome de Fumika Baba e você baba (perdão pelo trocadalho do Carilho), a moça é linda. A exemplo da Rio Fumika também é importante na série, com uma pequena diferença. Ela é uma vilã.
O mais correto seria dizer ela é A vilã da série, Roidmulds que assumi forma humana (se é para escolher um corpo humano, que seja da Fumika Baba), uma das cabeças dos vilões. Não posso falar muito dela para não estragar a diversão de quem não assistiu.
Fiquem de olho nela, Fumika promete ser uma das grandes atrizes de sua geração (ela tem 22 anos), a moça vem atuando em dramas e filmes como o elogiado Code Blue (2008 - 2009); Kaiju Club e Puzzle de 2014; Kuroi Bodo e Mars: Tada, Kimi wo Aishiteru ambas de 2016. Atualmente está em um novo dorama.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Kill la Kill

Uma garota em busca de vingança, uma sociedade de classes, situações loucas e lutas absurdas, muito fã service em um anime onde as coisas não são o que parecem. Essa seria a melhor forma de descrever Kill la Kill.
Outra maneira de descrever esse anime único (e não estou usando figura de linguagem) é como a história de duas garotas: Ryuko Matoi e Satsuki Kiryuin.


Uniformes curtos e tesouras

Kill la Kill começa com Ryuko chegando a academia Honnouji em busca da verdade sobre a morte de seu pai, percebendo que está em um lugar diferente (para dizer o mínimo), um colégio hierarquizado, onde a líder Satsuki Kiryuin, membro de uma rica família, comando o colégio com mãos de ferro.
Nessa instituição os alunos agraciados usam uniformes com fibras de vida chamados Uniformes Goku (Gokuseifuku, junção de Gokusei que significa dominação e seifuku uniforme escolar). Esses uniformes dão poderes sobre-humanos para seus usuários graças a um material misterioso chamado fibra de vida.
No primeiro episódio Ryuko salva uma garota hiperativa e preguiçosa chamada Mako, que a acolhe em sua casa. 
Ryuko é "atacada" por seu uniforme

Ryuko procura pelo assassino de seu pai e não está nem ai para o colégio. Aparentemente ela descobre que Satsuki sabe alguma coisa e a desafia.
Sem entrar em detalhes para não estragar a experiência de quem não viu Ryuko descobre nos destroços de sua casa um porão contendo um uniforme escolar vivo que lhe dá poderes superiores aos uniformes Goku. 
O designer ousado dese uniforme transforma Ryuko em sex symbol, o que rende algumas das melhores piadas do anime. Chamada constantemente de exibicionista a moça não pode fazer nada, uma vez que o modelo do uniforme foi desenhado pelo seu pai e não muda.
Por ser um uniforme vivo ele fala e conversa com Ryuko, a única capaz de ouvi-lo. Mais uma vez nossa protagonista passa por louca. Mako diz para todos que Ryuko é solitária e ama seu uniforme, segundo a garota essa amizade é muito bonita e inspiradora. Sim a Mako tem um parafuso a menos.
Ryuko acaba abrigada pela família de Mako na favela onde vivem. O pai é um médico que orgulha-se de matar mais pacientes do que consegue salvar, o irmão é um trombadinha e a mãe uma cozinheira alienada. Lá a moça do cabelo curto é feliz, menos quando tenta tomar banho, já que os homens da família (e o cachorro) tentam espia-la.
A única pista do assassinato de seu pai é uma meia tesoura vermelha que Ryuko usa como espada. Essa tesoura tem a capacidade de aumentar ou diminuir de tamanho e é a única arma capaz de cortar os uniformes Goku.

As Primeiras impressões enganam

Kill la Kill é um anime que pode facilmente te
Satsuki Kiryuin
enganar. Ele parece um obra de ação comum com uma heroína em busca de vingança que se depara com uma grande vilã. Nada está mais longe da verdade.

Ryuko vaga pelo país em busca da verdade sobre a morte de seu pai, um cientista, suas andanças a levam para a academia Honnouji, onde o conselho estudantil, comandado por Satsuki, impera oprimindo os estudantes.
O colégio opera em uma meritocracia exagerada e distorcida: os estudantes são ranqueados em três estrelas, duas estrelas, uma estrela e sem estrelas. Essa classificação resulta em sua qualidade de vida. Quanto mais estrelas mais conforto. Os de três estrelas moram em mansões; já os sem estrelas moram em favelas.
Como alguém conquista uma estrela? Em um misto de conquistas acadêmicas e desempenhos nos clubes escolares. Se um aluno frequenta um clube que se desenvolve bem, realiza suas atividades com sucesso e conquista membros ele vai receber estrelas. A quantidade de estrelas se relaciona com sua posição no clube. Presidentes de clubes tem mais estrelas que novatos.
Os alunos desleixados, que não frequentam clubes, tiram notas baixas, se atrasam constantemente e dormem durante as aulas não ganham estrelas. 
Conforme os episódios vão se desenvolvendo vamos conhecendo a outra protagonista, Satsuki Kiryuin e descobrimos que suas motivações não são tão egoístas como pensamos. Ela não é uma patricinha arrogante que quer mandar em todo mundo, mas sim uma garota preocupada em combater as injustiças do mundo.
Percebemos que ela construiu esse sistema depois de ver pessoas sofrendo nas mãos dos mais fortes sem poder se defender. Satsuki decidiu desde pequena ser essa defesa e criou a academia Honnouji. 
Dependendo do ângulo que você olhe a história muda, ambas as protagonistas podem ser taxadas de excessivas e radicais ou de bondosas e heroicas. Aliás Satsuki é até mais heroica que Ryuko por querer combater as injustiças, a moça da tesoura quer apenas solucionar a morte de seu pai, todo o demais é consequência.


Um estúdio Inovador

Kill la Kill  foi a primeira animação do estúdio Tigger, fundado por dissidentes da Gainax. Lendário estúdio
Muito fanservice
responsável por Evangelion. O diretor do anime Hiroyuki Imaishi foi o animador principal de Evangelion e diretor de Tengen Topp Gurren-Lagan.

A adaptação do roteiro ficou por conta do outro sócio Kazuki Nakashima, responsável por animes como Crayon Shin-chan e Gurren-Lagan
A influência da Gainax é importante e visível dito que esse foi o primeiro estúdio criado por otakus e voltado para otakus. Sendo responsável pela criação do fanservice, enxertos generosos de cenas cômicas e absurdas, situações que desafiam a lógica e claro mocinhas sensuais em situações de pouca roupa.
Kill la Kill não tem compromisso com a realidade, marca do estúdio e herança da Gainax.
Outra herança do estúdio pioneiro fica nas camadas do roteiro. Evangelion e Gurren-Lagan começam prometendo um anime comum e vão se revelando algo mais profundo, suas personagens são verticais, repletos de dramas enquanto a história em si vai se ramificando até você perceber que não existem cenários simples ou histórias lineares.

sábado, 7 de outubro de 2017

Jennifer Love Hewitt é eleita a atriz mais sexy do mundo

Meu primeiro pensamento ao ouvir essa notícia foi "não me surpreende", Jennifer é linda, inteligente, sensual e talentosa. Pode não ser uma atriz brilhante, mas entrega boas interpretações dentro de suas limitações. 
A eleição foi feita pela revista americana Glam´mag, que anualmente elege as atrizes mais quentes do cinema, Jennifer atingiu o topo da lista (pela segunda vez) aos 38 anos de idade, deixando muitas novinhas para trás. A mulher é igual vinho, melhora com a idade.
Essa gata ficou famosa na década de 1990 com os dois filmes da série Eu sei o que vocês fizeram no verão passado. Hit do horror que a projetou como estrela.
Curioso notar que Jennifer nunca apareceu nua nos cinemas ou televisão, o mais próximo foi na série The Client List, onde interpretou uma mãe solteira que necessitou se prostituir para sustentar sua família. 
Sobre sua nudez em cena a atriz é enfática: "É muito mais sexy não mostrar tudo. Sinto que a imaginação pode ser muito mais interessante do que isso". Você vai discutir?
Fique com algumas cenas de filmes e séries que á ajudaram na eleição:


Eu sei o que vocês fizeram no verão passado


Doce Trapaça

O Julgamento do Diabo

Legalmente Chic


Ghost Whisperer

The Client List

domingo, 1 de outubro de 2017

Juliana Maia

Não existe apelido mais apropriado do que Juju – meigo e sexy – para essa menina mulher vinda do sul do país que adora receber elogios no Facebook: “Que mulher não gosta? Tem uns meio escrotos mas eu apago. De resto é legal. Curto causar isso”.
Essa paranaense de 22 anos afirma que a parte preferida de seu corpo é o bumbum: “Gosto de todas, mas o meu bumbum é minha parte preferida. Graças a meu pai e minha mãe. Naturalmente grande”. Alguém discorda?
Aliás grande é uma ótima palavra para descreve-la linda e voluptuosa Juliana prefere os homens que não se interessam por ela (ou seja aqueles que mentem bem, pois não se interessar por uma mulher dessas é impossível).
Sua maior loucura na cama foi afirma ter feito sexo a três: “Foi legal porque não teria coragem se fosse só eu e uma mulher” continuando “Ela quase jogou o cara para fora da cama”.
A morena possui fantasias de fazer sexo em locais proibidos: “Já fiz na beira da estrada, no capô de um carro” e gosta de ser dominada na hora H: “Com força é bom, gosto de ser dominada, acho que é o homem que tem que mandar no negócio”.














Perfil
Altura: 166 cm
Busto: 94 cm
Cintura: 64 cm
Quadril: 103 cm


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Um Método perigoso

Aproveitando o aniversário da morte de Freud resolvi revisitar a película de 2001, dirigido por David Cronemberg, mais conhecido por obras como A Mosca e Videodrome.
Dada as devidas apresentações Um Método Perigoso comprova duas tendências: a primeira é que os filmes do diretor vem ficando mais sutis, Cronemberg amadureceu como cineasta e faz aqui sua obra-prima, a segunda máxima fica por conta do enredo: a relação entre Freud e Jung respectivamente o pai da psicanálise e seu principal pupilo é usada para relatar uma relação de pai e filho.
Como cinema Um Método Perigoso está mais próximo da sutileza envolvente de Senhores do Crime e Spider do que a visceralidade de A Mosca e Crash - Estranhos prazeres. Essa sutileza não deve ser entendido como falta de intensidade.

Baseado em Fatos

Tudo começa quando Sabrina Spielrein é internada em um hospital na Suíça. O jovem psiquiatra suíço Carl Jung vê ali a oportunidade perfeita para testar um novo tratamento, a cura pela fala desenvolvido por Sigmund Freud, a quem ele só conhece por suas publicações.
Sabrina é a figura central do filme, foi ela quem proporcionou o encontro entre Jung e Freud e foi ela quem protagonizou o rompimento entre os dois. 
Jung sempre admirou Freud, foi justamente esta admiração a razão de seu rompimento. O suíço esperava um mito e encontrou um homem.
Por sua vez Freud sempre teve questões não resolvidas com figuras paternas, com Jung o mestre vienense experimentou o papel de pai, coube a ele lapidar o jovem psiquiatra, prepara-lo para a sucessão. 
Jung tinha outros planos, ele não suportou a sombra de Freud e trilhou seu próprio rumo. O rompimento dos dois foi terrível, envolvendo desmaios e o mais profundo ódio. Eles nunca mais se falaram.
Jung não suportou estar abaixo de Freud, durante o tratamento de Sabina o jovem suíço comete o maior erro que um analista pode cometer. O de se envolver amorosamente com sua paciente. Ter que admitir este erro para Freud foi doloroso, dor maior foi quando Sabina torna-se psicanalista e opta pela teoria freudiana a dele.
O perigo do método está no joguete emocional nascido da relação entre analista e seu paciente. Os desbravadores do psiquismo pagaram um preço alto por sua ousadia, Jung quase se destruiu, precisando superar um surto psicótico. Freud jamais cedeu a tentação e manteve a mão de ferro protegendo sua ciência. 

Um Método Perigoso (A Dangerous Metod) 
Canadá, 2011, 99 minutos
Direção: David Cronemberg
Sigmund Freud - Vigo Mortensen
Carl Jung - Michael Fassbender
Sabina Spielrein - Keir Knightley

sábado, 23 de setembro de 2017

Freud: O homem


No dia 23 de Setembro de 1939 faleceu Sigmund Freud, pai da psicanálise e um dos nomes mais importantes do século XX. 
Esse post não tem a retenção de ser uma biografia rápida, mesmo porque biografias rápidas não são as ideais.
Se você quiser uma biografia de Freud recomendo uma das dezenas que dedicam-se a esse médico judeu que desbravou o inconsciente. Podendo escolher desde a autobiografia (sua autoanálise), passando por escritos de seus seguidores, chegando a sua biografia oficial, escrita por Ernest Jones, então presidente da Sociedade internacional de Psicanálise a IPA, existem aquelas realizadas por escritores que nunca o conheceram, inclusive nasceram após sua morte. 
Sua obra abrange 24 volumes, publicados em mais de 30 idiomas diferentes e 123 artigos, além de prefácios, intervenções, cerca de 15 mil cartas, um diário e outras publicações que ainda são encontrados. Fora os escritos inéditos queimados pelos nazistas. 
Por muito tempo a escrita freudiana esteve em domínio da Imago, que lançou a edição americana, o que significa dizer a versão traduzida para o inglês e depois traduzida ara o português, repleto de termos médicos. Uma edição sisuda e sem a poesia da pena freudiana. 
Felizmente desde 2011 diversas editoras vem publicando suas obras direto do alemão. Recomendo a Companhia das letras.

Uma Breve Biografia

Freud nasceu em 6 de maio de 1856, na atual República Tcheca batizado de Sigismund Schlomo Freud, posteriormente  mudaria seu nome para Sigmund, de família judaica, circuncidado ao nascer Freud recebeu uma educação judaica não convencional. 
Adorado pela mãe, que o chamava de "Meu Sig de ouro" e amado pelo pai, Freud possuía grande afeição por uma governanta católica que apresentou conceitos cristãos.
Irmão mais velho de oito crianças, Freud desde sempre demonstrou alta sagacidade e interesse pelos estudos, sendo o único filho a ter seu próprio quarto.
Os estudos de Freud determinavam a rotina de seus irmãos, enquanto estudava os demais estavam proibidos de fazer barulho. Freud estava sempre lendo.
 Na juventude Sigmund apaixonou-se Gisela Fluss, romance sem futuro. No ano de 1873 Freud ingressou na medicina e apaixonou-se pela biologia darwiniana, a teoria da evolução revelou-se um modelo para todos os seus trabalhos. 
Seus primeiros estudos foram sobre o sistema nervoso de enguias.
Um fato pouco conhecido é que o grande interesse de Freud sempre fora a pesquisa, movido por questões financeiras Sigmund passou a atender como clinico, sabendo que desta forma poderia apressar seu casamento com Martha Bernays (futura Martha Freud). 
Em 1885 Freud ganhou uma bolsa de estudos, válida para qualquer universidade da Europa, para a decepção de seus professores o prodígio optou por ir a Paris, estudar a hipnose sob a tutela de Jean Martin Charcot, lá Freud teve seu primeiro contato com as histéricas, o que deveria ser uma cura rápida (a hipnose) tornou-se uma experiência que posteriormente transformou-se na psicanálise. 
O fato é que Freud era péssimo hipnotizador e gradativamente foi abandonando o método em pró de outro tratamento a "cura pela palavra".

A Cura pela Palavra

Sua primeira experiência em ouvir seus pacientes
deu-se a partir da "Catarse" ou limpeza de chaminé, método já existente baseado na confissão católica, onde o paciente falaria sobre o que o incomoda, em tese e tal "confissão" traria alívio. 
Sabedor que este alívio é momentâneo Freud desenvolveu o conceito de "associação livre". Aqui o paciente deita-se no divã e fala tudo aquilo que lhe vier a mente sem preocupar-se se é importante ou coerente. Percebendo que tudo que era dito pelos pacientes estava relacionado Freud começou a moldar a psicanálise, experimentando o novo método em si mesmo. Se tivesse que existir uma cobaia, essa seria ele.
No ano de 1899 o mestre vienense publica seu mais célebre livro A Interpretação dos Sonhos rompendo definitivamente com o conhecimento da medicina e propondo um método próprio para alcançar o inconsciente, no qual Freud apresenta a ideia da sexualidade infantil.
A classe médica repudia suas ideias, Freud é vaiado, pessoas cospem no chão em sua presença e desviam de seu caminho para não andarem na mesma calçada. 
Seus pacientes o procuram como ultima alternativa, na mesma proporção em que veem os opositores, surgem seguidores e adeptos. Gradativamente a psicanálise vai tomando forma. 
Apesar de todas as críticas e ameaças Freud segue publicando até ser reconhecido internacionalmente, com um convite para explicar a psicanálise na América. Tal convite foi a resposta apropriada aos críticos.
Em 1936, durante a segunda guerra mundial, Freud considerou um avanços seus livros terem sido queimados, afirmando que em épocas antigas eram os autores quem iam para fogueira. Com a ascensão do nacional socialismo os psicanalistas se espalharam pelo mundo fazendo a psicanalise persistir. 
No Brasil o governo fascista de Getúlio Vargas impediu a entrada destes analistas. Já Freud permaneceu em Viena crente de que seu nome o manteria vivo, ledo engano. Marie Bonaparte, princesa da Grécia e sobrinha-neta de Napoleão salvou sua vida, comprando sua liberdade junto aos nazistas, o pai da psicanálise mudou-se para Inglaterra onde viveu por quase dois anos. 
Sofrendo com um câncer na boca Freud pediu permissão para sua filha, Anna Freud, para morrer. Decisão tomada após seu fiel companheiro Lün, um cachorro da raça Chow, afastar-se de Freud devido ao cheiro exalado pela doença. 
As três horas da manhã, do dia 23 de Setembro de 1939 Max Schur, amigo intimo, lhe aplicou três centigramas de morfina embalando Freud nos braços da Thanatos. 
Suas cinzas repousam no crematório de Golders Green. 

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

O cumpanhero fala

Grandes impérios são destruídos por dentro, conflitos internos, guerras de ego e sede pelo poder minam gradativamente até que se destroem. O mesmo acontece com organizações criminosas. Uma vez que algumas peças chaves caem as demais começam a salvar seu pescoço, entregando o chefão.
Nessa semana o ex-braço direito de Lula, Antonio Palocci, abriu a boca. 
Com a única intenção de se salvar o ex-ministro entregou Lula, atualmente o ex-presidente segue em uma tentativa desesperada de eleger-se presidente com apenas dois intuitos: não ser preso e mudar sua situação criminal de dentro para fora. Para isso ele tenta conseguir os votos dos jecas que formam seu curral eleitoral.

Palocci fala

Fundador do PT, prefeito de Ribeirão Preto, ministro da Fazenda de Lula, Ministro da Casa Civil de Dilma, nome que foi cogitado duas vezes para sucessão presidencial e agora preso Palocci começou a entregar seu companheiro, a seguir um resumo do que ele falou.
Lula teria feito um acordo com a empreiteira Odebretch no formato de um fundo de R$ 300 milhões. Esse dinheiro seria lavado como pagamento de palestras e agrados pontuais (como o triplex do Guarujá).
Palocci desmente a versão de Lula, autointitulado a alma mais honesta do Brasil. Segundo o ex-ministro o nove dedos sabia e tirou proveito pessoal da corrupção implantada durante o governo PT.
Em depoimento Palocci afirma ter sido o homem de confiança de Lula para transportar o dinheiro da propina (o pixuleco, nome que deu origem ao mascote nos protestos contra Dilma). Mesmo após a saída de Lula da presidência.
Em 2010, enquanto coordenava a campanha de Dilma Palocci teria entregue para Lula maços de dinheiro com trinta, quarenta ou cinquenta mil reais, dinheiro esse utilizado para custear despesas particulares - entenda a vida de luxo que Lula levava as nossas custas.
Os valores acima são descritos como "pequenos", os grandes teriam sido entregues na sede do Instituto Lula. Descritas como "pequenas" e "não tão pequenas" as quantias teriam saído da conta do "amigo" - nome código para o fundo criado pela Odebrecht descrita acima. No total esse funde teria movimentado 40 milhões de reais em dinheiro roubado.
De acordo com os relatos de Palocci Lula roubava até dos seus. O instituto Lula teria duas contabilidades. Uma delas demonstrando o uso de doações milionárias na promoção de inclusão social; outra demonstrando quanto desse dinheiro seria desviado por Lula.
Todo esse trambique já vem sendo investigado pela Lava Jato por lavagem de dinheiro e corrupção: O fundo explicado por Palocci faz parte de um esquema de Corrupção: em troca do dinheiro para Lula e para o PT a empreiteira ganharia contratos superfaturados (nosso dinheiro sendo roubado pelo PT) e Lula deveria usar de sua influência para conseguir novos contratos.

Lula 2018?

Lula corre contra o tempo. Torcendo para não ser julgado em segunda instância antes das eleições presidenciais, enquanto tenta convencer a burricada que vota nele a repetir os votos e novamente incitar o ódio entre "aqueles que leem jornal" contra "aqueles que limpam com jornal".
O depoimento de Palocci piora em muito sua situação. De todas as denúncia a língua do Palocci são as piores para Lula. Agora é uma questão de tempo.

sábado, 16 de setembro de 2017

Arlequina: A nova rainha da DC

Não é de hoje que essa palhacinha vem conquistando seu espaço, atualmente a coisa mais fácil é chegar na banca de jornal ou em alguma loja especializada em comics e deparar-se com uma de suas revistas. 
Em um mercado polarizado entre Batman e Superman é a Arlequina quem rouba a cena.
A maluquinha, como é cariosamente chamada em sua revista, fez algo muito raro nos comics: passou de vilã para heroína sem traumas ou perca de popularidade. 
O exemplo mais próximo seria Venon, vilão do Homem-Aranha, diferente da Arlequina muitos fãs ainda não engoliram essa passagem.
A Arlequina consegue ocupar outra lacuna, existem poucas heroínas com revistas próprias. A maioria delas compõe uma equipe ou são personagens secundárias. 
Agora a DC tem as duas principais heroínas solo dos quadrinhos: Mulher Maravilha e Arlequina. A Marvel tentou uma estratégia maluca, mudar o sexo de seus heróis, como resultado afastou seus leitores (leia aqui).

O Sucesso

É difícil atribuir o sucesso da Dra. Quinzel a um só fator, vou tentar expor todos, o que é difícil por ser uma personagem multimidiática.

Coringa
Sua origem não poderia ter sido melhor, uma psiquiatra promissora que ouou analisar o Palhaço do Crime. Grande erro... ou não. O Coringa a seduziu, usou e jogou fora.
Nascida na animação Batman The Animated Series a Arlequina migrou para a publicação do Batman na saga Terra de Ninguém. Desde então figura entre os vilões do morcego, sempre ajudando seu pudinzinho.
Mesmo virando uma heroína fica impossível separar as duas figuras. O Coringa é o melhor vilão do universo dos Comics. Como vilã Arlequina sempre foi uma ameaça, nos Novos 52 ela despirocou de vez, ficando aterrorizante. Na sua fase heroína ela é engraçada e imprevisível.

Sensualidade
As personagens femininas dos quadrinhos sempre foram sensuais, as mimizentas de plantão detestam, criticam e exigem imagem diferente, vão ficar querendo. A Arlequina é sensual, gostosa e sabe disso.
Ela não tem vergonha em expor sua sensualidade, em quase todas as histórias ela dá um jeito de aparecer de biquine ou nua, seu uniforme é pequeno e sexy. Mas não se enganem esse não é o assunto da HQ, é só um elemento a mais.
As histórias brincam bastante com essa imagem sexualizada aliada a sua moral única. Ela é gostosa, vive com mulheres gostosas e se diverte de maneira independente. 
Ela é a líder da gangue das Arlequinas e dona da revista. Viu como dá para gradar a todos? Isso é menos as chatas do mimimi, elas nunca ficam felizes, nunca!

Margot Robbie
Sim, a crítica detestou o Esquadrão Suicida, teve muita gente que gostou e pede um segundo filme (que foi anunciado na San Diego Comic Con). O que todos concordam é como a Arlequina de Margot roubou a cena.
Eu sei que a Arlequina já vendia bem antes do filme, mas é inegavel que a personagem se popularisou. A prova é o visual da Arlequina na HQ, que mudou aproximando-se da do filme. Saiu o cabelo bicolor, entrou o loiro com as pontas tingidas. A jaqueta é outra alusão ao longa metragem.
Margot Robbie era vista como uma estrela em ascensão, depois de dar vida a palhaça ela tornou-se uma estrela e ninguém discute isso.
Qualidade das histórias e Participações Especiais
Nenhum desses fatores acima dariam resultado sem um bom roteiro e esse sobra em suas revistas. Chega até a destoar da linha editorial da DC devido a loucura em suas páginas, muitas vezes precisamos das participações especiais para nos lembrar que a moça está no mesmo universo de Mulher Maravilha e Superman.

As participações especiais são muito bem feitas com heróis não acreditando que estão fazendo dupla com a Arlequina: ela faz o Lanterna Verde se apaixonar, rouba o laço da Mulher Maravilha para se divertir, brinca de jogo da Verdade com Jimy Olsen e combate um espírito com a Zatanna.
De longe a melhor participação especial é da Poderosa, em uma saga hilária a kryptoniana casca grossa perde a memória, é justamente a Arlequina que a encontra.
Querendo se firmar como heroína a maluquinha convence a Poderosa de que elas são parceiras de longa data. As duas chegam a ir para outra dimensão, ajudar um império libertino para poderem voltar ao seu universo.
É nesse clima de loucura e despretensão que a Arlequina vem se firmando como uma das personagens mais vendidas e mais divertidas dos comics. 
A ideia do Renascimento da DC é devolver o otimismo e a diversão ao universo DC, a Arlequina já fazia isso antes.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

O Novo Trailer de Fullmetal Alchemist

No começo do ano esse blog trouxe a informação da produção do filme de Fullmetal Alchemist, chegou a vez de analisar o trailer, especialmente seus pontos positivos e negativos.
Não custa nada lembrar: o mangá/anime nos conta a saga dos irmãos Elric, que não suportaram a morte de sua mãe e quebraram o maior tabu da alquimia - não fazer a transmutação humana, ou seja criar vida ou reviver os mortos.
Aqueles que infringem essa regra pagam com uma parte de seu corpo, Edward perdeu um braço e uma perna, Alphonse o corpo inteiro. Assim os dois irmãos partem em uma jornada para recuperarem o que perderam. 

Analisando o Trailer

Em tom épico somos apresentados a Edward e Alphonse em cenas de luta já mostradas antes. O trailer começa em um trem atravessando a Europa, o alquimista de aço e seu irmão da armadura lutando contra alguns oponentes, seguido por uma cena onde sua mãe, ainda viva, abraça os dois. Vemos imagens da transmutação humana, um vórtice, por fim uma cena onde Ed descansa sua cabeça no peito de aço de seu irmão em sinal de arrependimento.
O começo é perfeito, de forma simples e rápida somos apresentados as personagens. 
Os esfeitos também estão bons, essa é a maior crítica que os live actions japoneses recebem, a baixa qualidade dos CGIs. Até aqui irretocáveis, com um bônus para a mobilidade de Alfhonse dentro da armdura.
A seguir temos mais efeitos especiais, os mesmos vistos no primeiro teaser, seguido pela apresentação das personagens. A primeira é Winry, a mecânica de próteses, sua aparição é rápida mas o suficiente para se mostrar uma garota animada e brava, tal qual no anime, ela dá uma bronca no alquimista de aço, que faz aquela cada de "por que eu?".
A cena parece bem fidedigna, gostei da caracterização da Tsubasa Honda como Wynri, alguns podem reclamar dela não estar loira, sinceramente não vejo importância. Até aqui o trailer é ótimo.
O próximo a aparecer é o alquimista das chamas, Roy Mustang, o coronel surge de forma arrogante e severa, explodindo o chão perto de Ed.
Eis o primeiro ponto de preocupação para o filme: a cena da explosão não convence. Todos sabemos do poder de fogo do Mustang, na cena ela dá só uma chamuscada. O pulo que o Ed deu para fugir ficou desproporcional, um pouco ridículo.
O próximo é Maes Hughes, aquele personagem que todo mundo gosta, seguido da tenente Hawkeye, braço direito do Mustang. Os dois aparecem de relance, ficando impossível de fazer qualquer análise. O visual da tenente não me agradou. Poderiam ter optado por algo mais natural, como a Wynri.
Na sequência somos apresentados aos vilões: Luxúria, Inveja e Gula. O visual dos três está bom, a Luxúria poderia ser um pouco mais sedutora, mais sensual. Contudo não está ruim. O seu ataque é perfeito e o trailer volta a empolgar.
Depois das apresentações voltamos aos irmãos Elric, discutindo sua jornada em cenas alternadas: Mustang atacando com uma explosão convincente, Edward gritando pelo seu irmão. 
O trailer termina com a cena do braço do Ed se desfazendo.
O trailer respondeu a algumas perguntas, mas deixou outras em aberto:
De forma geral os efeitos especiais não são um problema, deu para perceber que a Warner gastou dinheiro e esse foi bem gasto. 
A visual das personagens está legal, com uma ou duas ressalvas. O Inveja está mais estranho que legal, a Luxúria poderia estar mais lasciva e a Hawkeye ficou fake.
Podemos ver alguns personagens secundários, até então só tínhamos visto o irmãos, essa curiosidade foi sanada.
O trailer nos dá o clima do filme, a trilha sonora épica e as imagens montadas prometem um filme rápido, repleto de ação com carga dramática e pequenas pitadas de comédia. 
Lendo essa descrição ela pode parecer confusa, mas é exatamente o clima de Fullmetal Alquemist. Uma obra de ação com carga dramática épica, salpicada a momentos cômicos.
Por outro lado não sabemos que parte da trama o filme vai adaptar. Percebe-se que o começo do mangá/anime está no filme, mas é só isso? Os vilões serão os Omunculos, até então nenhum sinal do Pai.
O filme vai tentar englobar todos os arcos do anime ou só uma parte? 
Impossível dizer. O trailer mostra partes do começo da obra e dá a entender que existem batalhas maiores.
O filme estreia no Japão dia primeiro de Dezembro.
Para ver o trailer clique aqui.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Minako Aino

A deusa do amor, Sailor Vênus, a heroína mascarada, por esses e outros nomes essa querida loirinha é conhecida. Contudo esse não é um post sobre seu lado heróico e sim sobre a menina por trás da máscara. Prepare-se para conhecer a Minako de forma nunca antes apresentada.


O Nome e seus Significados 

Quando Sailor Moon chegou ao Brasil os nomes das personagens foram mudados a pedido da Toei, acreditando que nomes ocidentais seriam mais aceitos, assim uma geração conheceu Minako como
Minako e Artemis
Mina (Usagi como Serena, Makoto como Lita e assim por diante). Quando Sailor Moon R foi exibido pelo Cartoon Network a emissora manteve os nomes ocidentais. Perdendo uma divertida curiosidade.

Ainda que a garota do laço deu sorte, de Mina para Minako não muda tanto. Diferente de Portugal, onde ela se chama Joana Lima, devido a moral nacionalista do idioma naquele país. Para preservar a identidade linguistica existe uma lista de nomes pré-estabelecidos que cada pai pode conceder ao filho.
Chegamos ao século XXI e a Toei se deu conta da burrada ao não padronizar a marca e os nomes e tardiamente padronizou a nomeação das personagens. 
O mangá publicado pela JBC mantém os nomes originais. Mas por que isso é importante? 
O nome Minako Aino pode significar: Bela Garota (ou Criança) do Campo do Amor; em alguns lugares você encontra traduzido como Lindo Amor de Criança. Seu nome também pode ser lido como Planeta do Amor, o planeta Vênus, independente da tradução seu nome é autoexplicativo. Demonstrando todo o cuidado que a Naoko Takeushi (autora do mangá, para quem não sabe) teve ao planejar nossa garota.

Uma Personagem Original


Minako tinha tudo para ser um amontoado de clichês, aliás é isso que você pode pensar ao bater os olhos nela ou ao ler pela primeira vez Codename WaSailor V. Nada está mais longe da verdade.
"Eu não vou mostrar, tá?"
Caso você não saiba Minako foi a primeira criação de Naoko Takeushi, no mangá Codename Wa Sailor V, Minako é a deusa Vênus, a mais bela da mitologia
romana (Afrodite para os gregos) assim a garota precisaria de alguns atributos físicos.
Naoko criou uma personagem loira de olhos azuis, magrinha, sendo a mais sensual das guerreiras. Ela não tem os seios da Mako, as coxas da Rei ou o corpo mais desenvolvido das guerrei do sistema solar exterior (Urano, Netuno e Plutão). A garota tem tudo no lugar e na proporção certa. 
 No mangá é dito pelo Artemis que a cada dia que passa Minako tende a ficar mais bonita, o gato diz isso enquanto a observa tomando banho, o que nos faz pensar que a tendência é melhorar cada vez mais!
Se a lataria é perfeita o mesmo não se aplica a sua personalidade. Os japoneses tem um padrão de beleza para além do físico (como nós brasileiros também temos, assim como outras culturas): garotas discretas, delicadas, meigas e elegantes. Tudo que Minako não é.
Naoko foi genial: criou uma personagem engraçada que vive fazendo besteira e sendo criticada por isso e ao mesmo tempo fugiu dos clichês da época, onde as personagens deveriam seguir um padrão para atrair fãs.
Nossa heroína é o que os japoneses chamam de
"escandalosa", no Japão é bem visto ser discreto e silencioso. Quando alguém está mais animadinho pode ouvir um grito de “escandaloso” ou “barulho” para se colocar no lugar. Então, como a deusa do amor pode ser silenciosa?
Minako é ótima em esportes, mais uma característica pouco apreciada, a maioria dos homens consideram essas mulheres "brutas" e Minako é um pouco assim. Ela é estabanada, barulhenta e adora passar suas tardes no Game Center - na década de 1990 eram lugares onde pessoas iam jogar video games. Era um passatempo quase que predominantemente masculino.
Minako perde a paciência com facilidade, nesse ponto ela é quase uma latina, no anime destrói o aparelho de CD da Rei por esse demorar a funcionar, no mangá ela sai gritando com todo mundo que olha torto.
No mangá de Sailor V Minako nos é apresentada pelos seus "defeitos", ela está voltando da escola e percebe que vai perder seu programa preferido. A garota não tem dúvidas sai correndo e pula uma cerca. O resultado? Ela amassa todo seu uniforme e leva uma bronca da mãe.
Em outro momento ela está apaixonada e percebe que o alvo de seu amor prefere outra garota, triste ela se lamenta: “os homens preferem garotas mai femininas”.
Entenderam? Se por fora Minako foi desenhada para ser linda no seu modo de ser ela é a garota rejeitada. Aquela que ninguém dá bola. Isso explica ela nunca conseguir um namorado mesmo sendo a deusa do amor.
Você pode dizer: heróis imperfeitos são um clichê! Sim hoje, os clichês já foram originais um dia. Naoko convenceu seus editores que uma garota "cheia de defeitos" e "masculina" poderia ser idolatrada.


A Dicotomia de Minako


Quem prestou atenção ao mangá ou ao anime percebeu certas mudanças na garota quando ela se transforma. Enquanto é uma garota normal Minako é aquele desastre, já transformada em Sailor V e posteriormente em Sailor Vênus ela é elegante e feminina.
Desde a época do Milênio de Prata Vênus é a líder das guerreiras, cabe a ela tomar as decisões e proteger a princesa. Esse lado é melhor mostrado no mangá e em Sailor Moon Crystal.
Preste atenção a arte da Naoko, quando as garotas estão juntas quem é desenhada a frente? Quando o história pede que uma das meninas tome a iniciativa quem vai? Quem é a porta voz das guerreiras? Minako é de longe a coadjuvante de maior destaque em Sailor Moon.
A quarta fase do mangá, equivalente a Sailor Moon S Minako passa por uma crise de identidade por não conseguir se transformar e não exercer seu papel como líder, desespero que a faz embarcar em uma missão suicida.
Podemos dizer que a tendência da Minako é ir amadurecendo e se tornar a representação máxima da beleza ou quase. Em Sailor V temos uma informação da vida passada, Vênus tinha o costume de se apaixonar por todo mundo. Então alguns "defeitos" continuarão, o que é ótimo. A Minako que amamos tem que ser esse trem desgovernado.
Uma das melhores piadas em Sailor V é a capacidade da Minako em se apaixonar por todos os homens que aparecem. Característica que manteve-se no anime clássico.


Uma Vida de Idol


Minako tem um sonho (além de namorar MUITO!!!!!) é tornar-se uma cantora famosa ou uma idol, se quisermos nos aproximar da personalidade dela.
Querer ser uma Idol é ao mesmo tempo uma grande sacada e uma piada. Na mitologia Afrodite é uma das deusas mais vaidosas (ou metidas) do panteão, castigando qualquer homem que considere outra mulher mais bela do que ele ou qualquer mulher que se destaque mais.
A piada fica por conta das principais características de uma idol. Meninas meigas, discretas de aparência pura e tímidas. Entendeu agora né? Se ela for aprovada em alguma audição vai ter sérios problemas.
Ao mesmo tempo ela é uma alucinada por famosos, daquele tipo que cria uma agenda só para acompanhar cada passo de seus ídolos (que são muitos), seguindo e se infiltrando. No mangá e em Crystal ela usa seus poderes de transformação para se infiltrar em um show particular.
Se você quer ver uma garota descontrolada diga para a Minako que tem uma celebridade por perto.

A Cabecinha da Minako


Uma de suas características mais marcantes é a pouca inteligência, ou preguiça em pensar, quando está transformada ela é capaz de tomar decisões difíceis em pouco espaço de tempo e ter atitudes nobres, já no dia a dia a coisa é bem diferente.
Em Sailor Moon, da década de 90, vemos pouco a Minako, ela surge nos últimos episódios, já nas fases R e S temos acesso a sua “maneira única de pensar”:
Ela segue garotos, deixa de estudar para jogar video game, tranca o Artemis dentro de uma mala para se divertir, mas principalmente comete muitas gafes.
No mangá ela e as demais entram no colegial e vão para a mesma escola, Minako fica feliz, pois não vai mais ficar sozinha na recuperação, agora ela tem a Usagi.
O melhor dela são suas frases e ditados fora do contexto ou errados, eis alguns exemplos:



Arrumando desculpas para ficar jogando ao invés de ir estudar:
Minako: É como diz o ditado: “O Atrevimento vem depois”.
Ami: Não escuta ela Usagi, a frase é “O arrependimento vem depois”

Minako: Pessoas parecidas se comem uma as outras.
Correto: “Pessoas parecidas se atraem umas às outras”.

Minako: Alguém disse uma vez: Aqueles que buscam pelo amor serão encontrados por ele”.
Artemis: Ninguém disse isso.

Minako: Aquele que espera sempre alcança.
Correto: “Aquele que persevera sempre alcança”.

Minako: Pergunte e lhe será contestado.
Correto: “Peça e lhe será dado”.

Minako: Às vezes, as coisas são mais fáceis quando aparecem.
Correto: As coisas são mais fáceis do que parecem.

Minako: Até a tortura chega ao mar.
Correto: Até a tartaruga se afoga no mar.

Minako: Isso vem a calhar como as mãos de um pato.
Todas: Patos não tem mãos.

Para finalizar fique com a ficha da Minako com todos seus dado.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...