Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Minha Herança é Vingança

Clint é um homem marcado, apesar de jovem e belo seus olhos carregam o peso de uma dívida a ser paga com sangue, vestido inteiramente de preto ele olha para cima, a lua cheia ostenta seu brilho sobre o saloon, local onde dois assassinos foram aliviar suas necessidades carnais. Clint espera por eles.
Anthony e Charlie dividem a mesma prostituta, Tifanny, uma morena de seios perfeitos que geme ensandecida encaixada entre os dois comparsas: Anthony deitado com a prostituta sobre ele, recebendo o outro cliente por trás. A velocidade constante e firme chacoalha seus seios, hora chupados, hora agarrados. 
Ao final da gozada a profissional se desencaixa deitando nua na cama, Anthony veste sua calça, seguido pelas botas e sai do quarto seminu “vou mijar” despreocupado atravessa o saloon. Os clientes, em sua maioria bêbados e foragidos, o ignoram.
O banheiro fica do lado de fora, a porta quebrada obriga o criminoso a urinar com a bunda voltada para a lua.
Clint acompanha Anthony com os olhos, assim que o criminoso entra no banheiro para se aliviar o homem de preto caminha em sua direção, ao aproximar-se saca a arma.
- Vire-se – diz o cawboy de preto.
- Não vê que estou ocupado.
- Vire-se agora, Anthony.
- Puta que o Pariu, vá procurar uma puta e me deixe em paz!
Assim que Anthony se vira e ele encara Clint sua expressão muda, não que o tenha reconhecido, mas algo na expressão daquele o assusta, mais especificamente seus olhos, os olhos de um assassino.
- Por que? O que eu te fiz?
- Você se lembra de Bill o Seleiro? 
Anthony respira fundo, fazia vinte anos, mas ele se lembrava. Os dois homens se encaram, nenhum ousa mover as pupilas. O criminoso tenta sacar, mas é baleado por Clint que assiste em silêncio seu algoz cair sobre a fossa, em seguida atira mais duas vezes, certificando-se da morte.
O homem de negro coloca sua arma no coldre e entra na Saloon. Uma vez dentro as pessoas espiam curiosas, mas volta a se embebedar e beijar as prostitutas. Clint está calmo, apenas como um profissional acostumado a caçar pode estar, ele atenta a tudo e a todos, cautelosamente sobe as escadas. 
No andar de cima aproxima-se do quarto onde os amigos se divertiam até pouco tempo. Charlie estava de pé contra a parede de arma em punho. Depois de ouvir os tiros e não ter resposta de seu companheiro o criminoso preparou para uma emboscada.
Clint fica de pé na frente da porta semiaberta, ele olha para os lados, não encontra ninguém, volta a olha para a fresta deixada pela porta, tem uma bela visão: Tifanny nua, a morena se acomoda na cama exibindo os seios, seu ventre nu, mas deixa a fenda desejada oculta. Clint levanta seu chapéu, olha novamente para o quarto e atira contra a parede.
Charlie espera o momento certo para dar o bote, ele vê Tifanny dando o sinal de que o estranho estava lá, engatilha sua arma quando ouve um tiro. A bala do revolver de Clint atravessa a parede acertando as costas do criminoso que cai no chão, Clint atira mais duas vezes, assim ter certeza de sua obra.
O cowboy entra no quarto e chuta o cadáver, mantendo a calma o pistoleiro recarrega seu revolver, mais seis balas prontas para o uso. Sem olhar para a prostituta ele pergunta:
- Está livre?
- Você matou meus clientes, que morreram sem me pagar.
Clint joga uma bolsa de couro cheia de moedas sobre a garota, que confere assustada com o valor.
- Pertencia ao primeiro homem.
- Tem mais que o suficiente.
- Ele provavelmente roubou de alguém que matou. Chamava-se Anthony, esse aos meus pés é Charlie, o cascavel. Ele deve ter uma igual, se não se importar de pegar dinheiro de um morto é seu, caso contrário será de quem achar primeiro.
- Charlie Cascavel?
- Ele ganhou esse apelido por ser um dos criminosos mais traiçoeiro do estado.
- Amigos seus?
Clint sorri com a ironia - "Não, eu os vi apenas uma vez, foi suficiente".
- Perguntou se eu estava livre.
- E você respondeu que sim.
Clint joga seu chapéu sobre uma cadeira em seguida sobe na cama abrindo as pernas da garota com seus pés, posicionando-se entre os membros inferiores da morena, suas mãos sobem pela cintura, chegando aos seios suculentos, os quais ele acaricia para depois apertar com força, a moça geme para depois sorrir.

Gostou? Quer saber o que acontece a seguir? Clique aqui e leia o conto completo no Recanto das Letras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...