Anos de Os Deuses Mortos

VIII Oito Anos de Os Deuses Mortos

sábado, 29 de julho de 2017

Stallone e Jackie Chan farão filmes juntos

Dois dos maiores astros de ação do século XX assinaram contrato para atuarem em Ex-Baghdad, filme a ser dirigido por Scott Waugh, de melhorzinho em sua carreira ele tem Triplo X.
Algo como "Ex-Bagdá" o filme começa com um ataque a uma refinaria de óleo chinesa no Iraque. A personagem de Chan vai investigar o incidente descobrindo que as motivações do ataque não foram o terrorismo, mas sim financeiro. A personagem de Stallone é um ex-membro da Marinha americana, ambos vão unir forças para encontrar os culpados.
Essa é a primeira vez que os dois atores contracenarão, muitos esperavam por esse encontro na série Os Mercenários. A notícia pode surpreender aqueles que caíram nos boatos da morte de Jackie, isso porque o astro não teve seus últimos filmes, feitos no China, lançados em nosso mercado.
Oriundos das décadas 1980 e 1990 os dois atores tem trajetórias distintas: Stallone chegou a ser morador de rua e fez bicos para se bancar até escrever o roteiro de Rocky, o qual se recusou a vender o roteiro desejando o protagonismo do filme.
Iniciando sua carreira como ator de drama Stallone tornou-se herói de ação com os sucessos de Rambo 2 e filmes como Cobra, Tango & Cash e Rocky 3 e 4. Até a década de 1990, onde começou sua decadência até 2006, onde ressucitou com Rocky Balboa, seguido por Rambo IV de 2008 e Os Merenários, que realizou os sonhos de uma geração.
Já Chan começou como dublé, ainda na década de 1970 fez alguns filmes imitando o estilo de Bruce Lee, foi depois de ter liberdade para atuar que Chan desenvolveu seu estilo de ação cômica.
Chan começou a chamar a atenção do ocidente na década de 1990, o que não foi por acaso. Já tendo se consolidado o astro chinês quis conquistar o Ocidente, assim ele alternou títulos caseiros como a série Police Story, os ótimos Operação Condor e Quem sou eu? Com títulos internacionais: Arrebentando em Barcelona e Arrebentando em Nova Iorque.
Uma vez nos EUA Chan alternou ótimos filmes com algumas furadas, vale destacar os Dois primeiros A Hora do Rush, Bater ou Correr e Mr. Nice Guy. Depois de fazer alguns filmes de menor sucesso e ver a idade chegar Chan começou a aceitar dublês e voltou para a China.
Agora nos resta esperar o início das filmagens e a data para Ex-Baghdad, até lá podemos aguentar a vontade com Rota de Fuga 2, portagonisado por Stallone, que deve estrear em 2018.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Anya Taylor-Joy

Os fãs do horror tem motivo para ficarem animados, os últimos anos vem trazendo boas surpresas como filmes bem feitos, roteiros amarrados, histórias envolventes e assustadoras sem apelarem para sustos fáceis. Mais raro são os filmes que revelam uma grande atriz. É o caso de A Bruxa.
Essa obra prima baseada em documentos dos colonos americanos é uma preciosidade, prende a atenção e angustia o espectador em sua narrativa densa e claustrofóbica cujo final é imprevisível.
Toda essa intrododução serve para falar da atriz Anya Taylor-Joy, interprete de Thomasin, uma adolescente apreensiva com um futuro negro: acusada por sua mãe de ter permitido que o filho caçula (um bebê) fosse levado e temendo ser vendida por seus pais, para economizar despesas, Thomasin vê seus esforços em agradar pai e mãe sumirem como bolhas de sabão.
A atuação dessa jovem atriz favorece o sucesso artístico do filme (que seria brilhante mesmo sem ela). Anya usa sua doçura e inocência para dar vida a uma personagem confusa com a chegada da
A Bruxa
adolescência e impotente ao se tornar um bode expiatório. E esse foi só o seu primeiro trabalho.

Anya é uma jovem modelo e atriz inglesa-argentina nascida em Miami (o que explica suas curvas). 
Calma que eu explico essa confusão étnica: natural de Miami Flórida, sua mãe é uma inglesa filha de
Fragmentado 
espanhóis e seu pai um argentino com descendência escocesa. Foi no meio dessa "bagunça" que ela e mais cinco irmãos foram criadas. Vendo sua beleza só posso gritar: Viva a miscigenação! 

Atualmente com 21 anos a garota viveu sua infância dividida entre dois países Inglaterra e Argentina, quem assistiu A Bruxa percebeu um suave, mas inconfundível sotaque inglês. Desde cedo a garota sonhava em ser atriz, sonho esse que ficou mais próximo quando aceitou um trabalho como modelo. Não demorou muito para que alguém a descobrisse.
Esse "alguém" foram os produtores de A Bruxa, as críticas positivas recebidas pelo filme no Festival de Sundence e as reações a sua esplendorosa atuação lhe abriram portas. É assim que funciona, não basta ser uma boa atriz (ou ator) você deve estar em um bom filme, já vimos casos em que excelentes interpretes demoraram para ser descobertos ou nunca receberam o merecido respeito, felizmente esse não é o caso de Taylor-Joy.
Em 2016 ela fez mais dois projetos um curta metragem chamado Huntsville e ganhou o papel principal em Morgan uma co-produção Inglaterra EUA que mistura ficção científica e horror. 
Na trama Anya interpreta Morgan, um ser criado geneticamente a semelhança de uma mulher, com inteligência avançada Morgan é na verdade muito imatura, o clone aparenta ter 19 anos, mas na verdade tem cinco. Essa diferença vai fazendo com que seu ódio aumente e ela torna-se uma ameaça.
Em 2017 esteve em Fragmentado, a grande volta do diretor M. Night Shyamalan, que estreou com o suspense O Sexto Sentido, viveu um momento de glória, mas veio se perdendo. Fragmentado foi seu melhor filme em décadas, ressuscitando sua carreira. 
Na película Kevin possui 23 personalidades, as quais consegue mudar quimicamente, nosso amigo dividido sequestra três adolescentes que passam a conviver com suas diferentes personas. Taylor-Joy é uma desas garotas que passa a ser tratada como namorada de uma das faces. 
Mais uma vez Anya esteve em um ótimo filme com uma atuação brilhante. Seu próximo projeto será Novos Mutantes, filme ligado ao universo de X-Men. 
É reconfortante ver novos talentos surgindo, principalmente se forem tão bons (e belos) quanto Anya Taylor-Joy, mesmo sendo cedo para afirmar sobre o futuro da moça, se ela vai ou não ser uma estrela, posso afirmar que seu talento é indiscutível.

sábado, 22 de julho de 2017

As Gatas de Baywatch

Aproveitando a Gata desse mês, Charlotte Mckinny, a nova loira de Malibu listamos algumas  musas que vestiram o maio vermelho, estão preparados?


PAMELA ANDERSON
Pamela é a mais famosas das salvavidas, ainda hoje é um sex simbol inquestionável, tanto que na escolha do elenco para o novo filme necessitou-se de uma loira voluptuosa.
Natural do Canadá a moça se naturalizou americana, fez sucesso como modelo e ensaiou uma carreira "séria" no cinema, conseguiu relativo sucesso dado a quantidade de filmes, em geral produções B, desses destacam-se Todo Mundo em Pânico 3; Almas Nuas e Desejo Fatal.


CARMEN ELECTRA
De todas as garotas de Baywatch Carmen é que possui carreira mais consolidada, oriunda do meio artístico - mãe cantora e pai guitarrista, essa gata se destacou no seriado das salva-vidas e foi uma das mais graciosas coelhinhas da Playboy.
Anos depois Carmen encontrou-se na comédia provando para os críticos (e invejosos) que é muito mais que um rostinho (e um corpo) bonito. com carreira consolidada ela não é mais lembrada como uma salva-vidas, mas por seus trabalhos posteriores, destaques para: Todo Mundo em Pânico; Os Espartalhões e Starsky & Hutch.


SHANNON TWEED 
Outra canadense que construiu uma boa carreira após Baywatch, não exatamente por suas habilidades dramáticas. Muito mais conhecida pelos ensaios na Playboy Shannon tornou-se atriz de filmes eróticos (não confundir com pornô). Ela é uma das mais requisitadas e famosas da industria. Para conhecer mais: Uma Relação Perigosa; Human Desires (1997) e Intenções Perigosas.


KRISTA ALLEN
Você também pode chama-la de Emmanuelle, foi a Krista quem protagonizou todos aqueles filmes exibidos pela Band nas noites de Sábado. Sua carreira foi marcada pela personagem, o que não a impediu de seguir com a carreira de atriz tendo uma filmografia de respeito. Em sua grande maioria são produções B e participações em filmes de sucesso. Para conhecer mais: Emmanuelle no Espaço; Confissões de uma Mente Perigosa e Baquete no Inferno.


ANGELICA BRIDGES
Angelica é outra modelo e atriz que destacou-se com o colante vermelho e fez a alegria dos marmanjos da época que compravam a Playboy, menos famosa que suas colegas de elenco o mesmo não pode ser dito de suas curvas a loira ainda fez carreira como cantora e atuou em alguns filmes.


GENA LEE NOLIN
Mais uma loira turbinada que fez carreira como modelo, nos anos 2000 ela voltou a televisão protagonizando a serie Sheena, que durou apenas duas temporadas e teve alguns episódios exibidos pela Globo. Sua carreira está concentrada na televisão, onde faz participações em séries e como modelo.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Vende Tudo Dória! ou Como Dória caminha para ser o melhor prefeito de São paulo

João Dória está empenhado em ser o melhor prefeito da história de São Paulo, após um começo avassalador limpando a cidade e otimizando a prefeitura via parcerias que economizaram fortunas chegou a vez de se livrar do obsoleto e privatizar estatais.
João Dória (PSDB) viu sua proposta de privatização ser ser aprovada pela Câmara dos vereadores. Dentro desse pacote encontram-se serviços públicos como administração de parques, pontos de ônibus, estádio do Pacaembu e a recarga do bilhete único.
Por que privatizar? Empresas públicas adquiriram duas funções nada nobres: lavagem de dinheiro e/ou troca de indicações de cargos públicos com apoio no governo e sustento de pelegos em troca de votos;
A privatização elimina essas ervas daninhas e ainda alivia o bolso do estado, que não deve ter empresas.
A privatização também melhora os serviços, o exemplo mais clássico é a telefonia. 
Quem se lembra como era no começo dos nos 1990? Poucas pessoas tinham aparelhos telefônicos, se você precisasse fazer uma ligação tinha que ir a um vizinho ou um estabelecimento (que cobrava por telefonema) ou buscar um orelhão. Por que isso? Porque a venda de linhas telefônicas era feito pelo estado. Se hoje você acessa a internet pelo seu celular saiba que só foi possível depois da privatização.
Voltando ao projeto de Dória, pense no bilhete único: Se você perdeu seu bilhete prepare-se, vai ser mais fácil achar um gnomo correndo por ai do que conseguir comprar outro, uma vez em mãos vai precisar de sorte para encontrar um terminal eletrônico que funcione com todas as funções disponíveis ou uma atendente de bom humor.
Uma vez privatizado esses inconvenientes devem sumir, por que? Simples, uma empresa visa lucro, vender bilhetes dá lucro. Logo vão surgir mais pontos de vendas, a recarga dá lucro, assim terminais que funcionam são mais vantajosos. É assim que a privatização melhora sua vida.
Outro fator positivo é a geração de empregos. Toda estatal tem aqueles empregados que não fazem nada e matam tempo por saberem que não podem ser demitidos, em empresas privadas esses tipos não tem vez, sendo substituídos por quem está a fim de trabalhar. 
Com a melhor produção e aumento de renda as empresas expandem, contratam mão de obra para produzir e vender gerando emprego. 
Excesso de estatais, o chamado estado forte, é sinônimo de poucos empregos e programas sociais excessivos, estado mínimo significa empregos e pessoas vivendo com dignidade.
O Estádio do Pacaembu é outro que deve ser vendido, é um verdadeiro elefante branco. Com todos os times de São Paulo tendo seu estádio próprio o Pacaembu funciona esporadicamente. Sabe quanto custa manter esse estádio que ninguém usa? Cerca de 10 milhões de reais por ano, esse dinheiro poderia ser melhor empregado certo?
De olho em 2018 o prefeito defende a privatização da Petrobras, empresa que serviu para o maior escândalo de corrupção da história de nosso país e quase foi a falência, graças a dupla Lula e Dilma:
"Eu acho que a Petrobras também é um caminho de gradualização. Para que ela, gradualmente, possa ser privatizada. Tempos em tempos que diminua a presença do estado e aumente a presença privada no controle da Petrobras. Isso fará bem a Petrobras, não vai gerar desemprego, não vai gerar falta de oportunidade. Boa gestão gera mais empregos, mais oportunidades e mais benefícios" (fonte).

sábado, 15 de julho de 2017

Porque a Reforma Trabalhista é boa para você ou O fim da bolsa pelego

Quando Michel Temer assumiu a presidência ele encontrou um país a beira da falência, o dólar em alta, inflação subindo e juros lá em cima. Mas no que isso interfere na sua vida? Com tudo mais caro e faturando menos empresas e indústrias começam a demitir, os desempregados cortam gastos, o que diminui o lucro e o desemprego sobe. Aos empregados resta o medo de não saber até quando pode sustentar sua família.
Sendo bombardeado por todos os lados, até por aquilo que não lhe diz respeito, sob o rancor de todo o tipo de esquerdistas e recebendo as vaias de quem resolveu odiar políticos Temer conseguiu aprovar uma reforma que moderniza o país, valoriza o emprego e apenas os encostados não gostam.
Após a reforma trabalhista o presidente ainda tem mais duas missões de suma importância: a reforma da previdência e a reforma política, só assim ele vai conseguir reverter parte do mal praticado por Lula e Dilma.
Existem três pontos na reforma que ajudam muito você que trabalha todos os dias.
Possibilidade de demissões em grande quantidade; contratação de funcionários terceirizados para cargos públicos e fim do imposto sindical obrigatório. 
Mas porque isso é bom? Quantas vezes você foi prejudicado por greves ou boicotes de funcionários públicos certos da impunidade de seus atos?
A demissão em massa é a forma mais eficaz de terminar e prevenir greves, a terceirização repõe rapidamente a mão de obra e gera empregos, isso é para quem gosta de trabalhar, e o fim do imposto sindical fragiliza os sindicatos, que sentados na impunidade usam esse dinheiro para se sustentarem. O número de sindicatos existentes no Brasil é absurdo, o que era uma organização trabalhista virou um bom negócio, Temer pode acabar com isso.
A terceirização, tão odiada por sindicalistas, repõe mão de obra, estimula a produtividade dos contratados, melhora o serviço oferecido e faz girar contratações, fazendo justiça ao desempregados e aos acomodados que batem cartão e vão passear.
Com a aprovação da reforma você não perdeu nenhum direito, ao contrário pequenos e médios empresários (aqueles que contratam) tiveram sua vida facilitada podendo contratar e gerar empregos.
Todo mundo já ouviu uma história parecida, onde alguém contrata um preguiçoso que falta ao trabalho, não faz direito e se esconde por detrás de leis antigas e desatualizadas. O gerador de empregos encontra-se em situação difícil, sendo ameaçado e não podendo se livrar do vagabundo. Isso agora mudou.
Mas você, que trabalha honestamente, acorda cedo, não perdeu nenhum direito, ganhou a possibilidade de negociar algumas coisas como férias e horas extras e não tem mais a obrigação de pagar o imposto sindical (ou bolsa pelego). Agora o Brasil é um país progressista, ele está se igualando a outras nações.

E as outras reformas?

A maior pedra no sapato de Temer é a reforma da previdência, tem muita gente dizendo que você não vai se aposentar, vai trabalhar até morrer e outras bobagens o tipo. A reforma onde homens aposentam-se com 65 anos e e mulheres 62 (aqui as feministas esqueceram de se empoderar e lutar por igualdade) coloca o Brasil na média do mundo, essa história do fim da aposentadoria é mais uma mentira contada por vagabundos.
Sua ultima reforma (e talvez a mais necessária) é a reforma política, que remete a uma promessa feita logo após assumir a cadeira da presidência. Temer pretende tornar o Brasil um país parlamentarista.
O presidencialismo é um modelo falido, dentre as nações mais ricas e desenvolvidas a única que segue com o modelo presidencialista é os EUA e todos vimos o que aconteceu nas ultimas eleições. 
O modelo Parlamentarista seria implantado para as eleições de 2022, sendo que 2018 está muito próximo. Segundo as intenções de Temer ano que vem teríamos a última eleição onde votaríamos em um presidente.
A partir de 2022 haveria o voto distrital, assim cada estado votaria em um número de parlamentares, ao final da soma dese número seria eleito um primeiro ministro já pré-escolhido por essa coligação. 
A aprovação da reforma trabalhista mostra que Temer está mais forte do que muitos imaginam e caso ele caia Rodrigo Maya, presidente da câmara e seu sucessor direto já se predispôs a seguir em frente, ao menos com a reforma da previdência. Agora é esperar, temos até 31 de Dezembro de 2018 para descobrirmos se o Brasil vai mesmo para frente.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

O Homem de Aço - A Melhor História do Superman

Antes de começar o post em si é bom explicar esse título, uma vez que ele é um tanto polêmico, não confunda a HQ O Homem de Aço com o filme do Zack Snyder (um diretor injustiçado por fugir de clichês dos filmes de heróis), antes que alguém levante a polêmica das sagas do azulão o post se refere a uma história fechada. 
Existem muitas histórias fechadas brilhantes que os fãs do kryptoniano colocariam como a melhor de todas, alguns exemplos: Para o homem que tem tudo do Alan Moore ou Superman All Star (essa eu considero muito depressiva). Escolhi O Homem de Aço de John Byrne, publicado em 1986. Considero que essa história captou toda a essência da personagem.


Origem

Na década de 1980 a DC publicou a saga Guerras Infinitas colocando ordem no Universo DC e muitos heróis tiveram sua origem recontada. Byrne deu ao homem de aço os traços de Christopher Reeve, ator que interpretou Superman no filme de 1979 e ainda hoje considerado o melhor interprete do kryptoniano.
Mais do que feições Homem de Aço trás o clima ingênuo e a personalidade bondosa e ética do herói. O enredo em si não trás grandes novidades, vemos o fim de Krypton onde Zor-El e sua esposa enviam seu filho único para Terra; a juventude de Clark Kent que descobre seus poderes e precisa renunciar ao futebol americano enquanto descobre como foi adotado.
Em um pulo temporal Superman está salvando Metrópolis, em um de seus salvamentos encontra a intrépida e determinada repórter Lois Lane. A relação dos dois, assim o fascínio que aquela forte mulher provoca nele são explorados com a suavidade necessária.
Acompanhamos a criação da identidade secreta e o surgimento de Lex Luthor, com tudo que um vilão precisa ter para ser odiado.
O diferencial de O Homem de Aço está nos detalhes, o comics é altamente maniqueísta: Superman é o bem e Luthor o mau, esse paralelo é levado a extremos. 
Em um momento antológico dos quadrinhos uma garota passava pela rua ouvindo rádio quando é assaltada. Superman intervem, prende o bandido, devolve a bolsa para a garota e diz para ela abaixar o volume do rádio pois está atrapalhando pessoas que não querem ouvir a mesma música (como um herói desses faz falta nos dias de hoje).
Aqui não temos um herói só interessado em salvar o mundo, mas próximo as pessoas. Ele não é distante de nós como uma lenda que só ouvimos falar. Superman está pela vizinhança e preocupa-se com a convivência sabendo que não se melhora o mundo prendendo vilões e sim pregando o respeito. 

Também temos o lado humano do herói Clark que está apaixonado por Lois Lane, mas é alvo da paixão de Lana Lang, seu primeiro amor. Vemos outro dilema do herói mesmo com seus poderes ele é impotente.
A impotência do herói explica sua admiração por Lois, ela é tão ou mais impotente que ele, mas supera seus limites constantemente, some a esse amor as lições dadas por seus pais, fazendeiros simples do Kansas. Clark possui personalidade nobre que decide sempre pelo que é certo e não pelo mais fácil. 
Kal-El escolhe se juntar a nós e apreciar a vida junto aos humanos, mesmo sabendo que irá sofrer. Nossas imperfeições revelam as dele.
Finalizando O Homem de Aço ajudou a definir o Superman que temos hoje de forma tão marcante que o renascimento da DC revisitou. Nessa versão o herói está casado com Lois e tendo um filho, mérito de John Byrne que o humanizou, sem precisar colocar Superman de cabelo raspado ou andando de moto. O homem envolvido com a pessoa amada e pai de família entende como pequenas coisas podem ser mais grandiosas do que salvamento épicos. 

segunda-feira, 10 de julho de 2017

TOP 10 Ruivas dos Animes

O TOP 10 desse mês está vermelho, a cor da paixão, a cor do fogo. Chegou a vez das ruivas, essas fogosas, nervosas e sensuais. Nada como madeixas carmesim. Como sempre a lista vem em ordem alfabética em vários tons de vermelho, variando pelo character designer do anime.


Asuka (Evangelion) Provavelmente a ruiva mais importante dos animes, e por isso burlei a regra da origem alfabética e a coloquei em primeiro. Asuka é de fundamental importância ao universo dos animes ela definiu a tsundere (personagem irritadiça que espanca o protagonista, mas é apaixonada por ele). A piloto do EVA 02 é muito mais do que isso, personagem profunda e traumatizada, por detrás de sua aparência confiante e forte esconde-se uma menina frágil e machucada. Enquanto grita suas qualidades para quem quer ouvir ela se odeia por não ser amada pela mãe psicótica. Evangelion é um marco dos animes que abriu inúmeras portas.


Airi (Queen´s Blade) Ruiva, envergonhada e vestida de Maid, precisa de mais alguma coisa? Que fazer suas roupas desaparecerem sempre que ela fica fraca? Airi é uma das personagens mais populares de Queen´s Blade sendo uma das mais vestidas do anime, desafio qualquer um a ficar imune aos seus encantos. Das vilãs ela é a que tem mais personalidade e costuma agir por conta própria, na segunda temporada essa vilã deixa de ser mera coadjuvante e desperta suas instintos maternos, protegendo um garoto. Um arco emocionante e surpreendente, Airi provou que causas humanas podem sim existir em um ecchi. 


Kallen (Code Geass) Uma doce e tímida estudante, esse é o disfarce perfeito para uma revolucionária disposta a sacrificar sua vida pela liberdade de seu país! Em Code Geass o Japão foi subjugado pelo império de Britânia perdendo seu nome e seu status de nação, virando território chamado de número 11. Kallen é uma das pessoas que levantam-se contra essa tirania exigindo o direito de se chamar de japonesa, o que a torna um alvo fácil para Lelouchi, protagonista em busca de vingança e disposto a sacrificar qualquer um para isso. Por ser exímia pilota e fiel a causa Kallen torna-se a guarda costas de Lelouchi, sem saber que ele é um membro deposto da família real e seu colega de escola, quando a moça descobre ela não fica nada feliz, mas a semente do amor já estava plantada.


Kannagi Ayase (Kaze no Stigma) Principal herdeira da família Ayase, que domina o fogo, Kannagi se vê as voltas com seu primo que virou as costas ao seu clã e passou a dominar o vento tornando-se um inimigo em potencial. Esse plot aparentemente simples está em um dos animes mais surpreendentes dos últimos anos, digo isso por Kaze no Stigma ser relativamente desconhecido e muito bom. Nos confrontos com o primo Kannagi sente seu coração bater mais forte por ele, mas seu orgulho fala mais alto iniciando brigas (todas encerradas com cantadas canastronas do rapaz). Vinda de uma família nobre não espere muita humildade da moça, nada comparado ao primo, que considera-se a ultima bolacha do pacote. Com o passar dos 25 episódios a moça vai amolecendo, mas nem tanto. Kaze no Stigma é um anime que merece muito ser visto.


Kassie (Super Pig) Ela era uma adolescente normal, preocupada em passar de ano e conquistar seu paquera. Até uma bela noite onde um porquinho alienígena oriundo do planeta Oink a escolhe para ser a Super Pig e salvar o mundo. Aposto que você está pensando, eu conheço essa história, quantos animes você conhece em que a protagonista transforma-se em porco? Kassie transforma-se em uma porquinha cor de rosa salvando as pessoas e colecionando pérolas que podem salvar a terra. Super Pig é o anime de garota mágica mais surtado já feito e pasmem chegou a passar no Brasil pela FOX KIDS, impossível ficar indiferente. Chegou a ganhar muitos fãs, principalmente crianças, e recentemente a Moo do Bunka Pop a homenageou com um cosplay.


Lucy (Elfen Lied) O próximo passo da evolução, uma garota assustada e ingênua é também uma assassina fria. Lucy é tudo isso e mais, Em Elfen Lied uma organização tenta entender e controlar os diclônios, o próximo asso da evolução humana, o que inclui Lucy que por causa de sua genética viveu uma infância isolada, sendo agredida por ter seus pares de chifre, ao ser capturada pelo exército cresceu sofrendo com testes de força, alimentando seu ódio contra as pessoas. Uma vez solta pode ter uma vida normal, com família assim como saciar sua sede de sangue. Elfen Lied é genial ao usar violência gráfica para contrastar com violências mais toleráveis, os desmembramentos chamam a atenção e denunciam o pouco caso dado ao abuso de crianças ou ao preconceito. O símbolo feito pelas mãos de Lucy significam a redenção católica. 


Marin (Cavaleiros do Zodíaco) Essa a ruiva que não poderia ser deixada de fora, uma personagens femininas s mais importantes do anime e uma das amazonas mais poderosas, se não fosse por ela Seiya não seria um cavaleiro e a Saori teria morrido muito tempo atrás nas mãos do mestre do santuário. Primeira japonesa a vestir uma armadura no santuário Marin foi escolhida para treinar Seiya. os gestos delicados e aparência doce escondem uma mestra severa (e linda), sempre que foi preciso ela lutou e nos deixou impressionados, sexo frágil é a vovozinha.


Nami (One Piece) Uma das personagens mais importantes de One Piece e musa dos fãs Nami é membro original da tripulação de Lufy, exímia navegadora a moça esconde um passado de dor e vergonha. Obrigada a mentir e roubar para um grupo pirata que tiranizava sua aldeia a moça levou seus amigos da tripulação do chapéu de palha para uma armadilha, tudo por lealdade aos seus familiares e amigos com quem cresceu. Aliás lealdade é um de seus pontos fortes a moça está sempre presente quando se precisa, é valente e não foge de uma boa briga, no anime ela representa o lado racional que dá uma segurada nos ímpetos de Lufy e fica linda em um biquíni.


Ranma Saotome (Ranma 1/2) Ok, ela não é exatamente uma mulher, quando Ranma treinava com seu pai na China os dois caíram em fontes termais amaldiçoadas e o rapaz acabou adquirindo o poder de transforma-se em mulher sempre que é atingido por água fria, para voltar ao normal precisa se molhar com água quente. Ramna é um prodígio em artes marciais, sua versão mulher é mais fraca fisicamente, porém mais rápida que a masculina e sua beleza rouba a atenção dos rapazes, por ter nascido homem Ranma não tem tantas preocupações com o pudor, o que garante muitos fans services. A única pessoa que não gosta dessa distomia é a noiva do rapaz, obrigada a se casar unindo duas famílias que são amigas desde sempre.


Rias Gremory (Highschool DxD) Chegou a vez dela, a deusa dos ecchis, a capeta mais amada,  integrante obrigatória em uma lista de ruivas, a princesa da ruína: Rias Gremory irmã casula de Lúcifer e sex simbol de nove em cada dez otakus Rias estampa sua beleza estonteante em tudo que se pode imaginar, a donzela é gentil e amável e adora dormir nua, para a alegria de Issey, DxD não ter vergonha de ser naturalmente safado e Rias divide seu tempo entre as missões de um demônio, conquistar o amor de Issei e promover as paz entre anjos, demônios e anjos caídos, ela também é responsável por descobrimos como é gostoso gritar Oppai!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

O Mangá da Sailor V


Dando continuidade a comemoração dos 25 anos de Sailor Moon chegou a vez de falar um pouco de sua precursora Sailor V. Minako foi a primeira garota em roupa de marinheiro a lutar pelo amor e pela justiça.
Criação de Naoko Takeushi, uma jovem formada em química optou por tentar seguir seu sonho, ser uma mangaká. 
Após vencer um concurso, desse que dão como prêmio uma publicação e um contrato, ela começou a publicar Codename: Sailor V.
No enredo a jovem Minako é uma garota atrapalhada, agitada, exibida, "molecona", linda e meio burrinha que um dia é encontrada por um gato falante chamado Artemis. O bichano explica que ela é a princesa do planeta Vênus e nasceu na Terra para nos proteger.
Você já ouviu essa história em algum lugar, não é mesmo? Pois é a Toei procurou a Naoko querendo fazer um anime de Sailor V, a artista fez uma contra proposta ao invés de uma heroína lhe daria cinco. Mas por que isso?
É impossível responder com certeza, mas se olharmos para os anos noventa, onde animes costumavam ser longos e com muitos episódios Filers (aqueles episódios que não acrescentam nada a trama e literalmente enchem linguiça) ela percebeu que adaptar Sailor V não seria uma boa ideia.

Sailor Moon é um anime conta de 200 episódios, não é fácil encontrar tanta coisa para encher linguiça, para isso é necessário um cast numeroso, o que invalidou Sailor V, sem deturpar a obra original.
Hoje em dia poucos animes tão longevos, Sailor V poderia sim ser adaptado em uma proposta de 12 episódios.
Voltando... Naoko sempre foi fã de Super Sentais e algo que a incomodava era o predomínio masculino, com a proposta da Toei a moça pode realizar seu sonho, mas a heroína de Vênus não seria esquecida.


Precursora

Sim Sailor V foi publicado antes e possibilitou a existência de Sailor Moon, mas ele não terminou antes e sim junto com o mangá de Sailor Moon, isso porque a heroína mascarada teve suas histórias lançadas pela revista Run-Run que é trimestral, já as marinheiras da lua foram publicadas pela Nakayoshi que é mensal.
Codename: Sailor V começou a ser publicada em 1991 e acabou de ser publicada em 1997 tendo três edições encadernadas, anos depois a Naoko revisou sua obra e condensou as histórias da heroína em dois volumes (ela não cortou nada, apenas reagrupou e redesenhou algumas coisas) é esse o formato lançado pela JBC.
Lendo o mangá essa passagem de tempo fica perceptível em três arcos: os primeiros são histórias soltas seguidas pelo arco da Dark Agency e pelo seu final, onde Minako transforma-se em Sailor Vênus.
Se a V não teve um anime sua obra inspirou muito os roteiristas de Sailor Moon, uma vez que anime e mangá são bem diferentes:
Sailor Moon é um drama romântico com batalhas, enquanto Sailor V é uma comédia pastelão totalmente descompromissada.
Ao ver o anime clássico, principalmente os episódios solos da Usagi, é nítido que estão filmando Sailor V, a própria Usagi é uma versão repaginada da Minako (falo disso mais a frente) e suas aventuras são histórias soltas.
Podemos pensar que Sailor Moon é o mangá que Naoko se dedicou a contar uma história e pensou muito nas personagens e na trama, já Sailor V é o mangá em que ela se divertiu, praticamente um samba do crioulo doido. O que não é demérito, ao contrário torna esse um dos mangás mais divertidos que pude ler.
Se você gosta daquele humor absurdo de Sailor Moon saiba que ele vem de Codename: Sailor V, as trapalhadas da Usagi são inicialmente da Minako.


O Mangá

Minako é dorminhoca, esfomeada, exibida e escandalosa, como se não bastasse sofre bullying dos meninos por ser considerada masculina. Pois é o padrão de beleza japonês envolve garotas delicadas e tímidas que se policiam a se comportarem como bonequinhas. Percebemos que lá em 1991 a Naoko já fazia uma crítica a esse conceito ao criar uma heroína espontânea.
Minako é protegida por Vênus, a deusa do amor e a mais bela do panteão, mesmo assim ela sofre a rejeição dos homens por são se enquadrar em um padrão, o próprio Artemis a critica por ir ao game center, ela estaria agindo como menino. Reparem como a Naoko esteve a frente de seu tempo.
A segunda história é muito legal e mostra o total descompromisso da obra: um viciado em jogos fica furioso com a presença das garotas no game center, por ali ser um recanto masculino e compra briga com nossa protagonista. Minako mostra toda sua (i)maturidade transformando-se em Sailor V e nocauteando o cara com um chute.
Não existe outro herói com apresentação semelhante. Desde o princípio Sailor V nunca quis ser sério, mas faz críticas pontuais. No decorrer do mangá vemos o amadurecimento da garota (ou quase isso) mas sem eventos mirabolantes, como disse parece que a Naoko pegou Codenome: Sailor V para se divertir. E é assim que vemos a Minako, se divertindo e deixando Artemis arrepiado.
Minako tem uma característica muito engraçada ela apaixona-se perdidamente em todos os capítulos por homens diferentes e sempre quebra a cara, a menina tem o dedo mais podre da história da cultura pop! O fato dela levar o nome da deusa do amor contribui para esses hormônios.
Essa piada recorrente funciona com perfeição, em todo capítulo ela descobre o amor da sua vida (muitas vezes é o vilão), Artemis vive lembrando a menina de como ela é volátil, o que desperta sua ira. 
Por ser má aluna, preguiçosa e escandalosa Minako não se destaca em nada de positivo, ao se tornar Sailor V ela descobre como realiza seu sonho: ser famosa, assim ela vira uma celebridade combatendo o crime, aparecendo em jornais, participando de uma campanha de doação de sangue e por ai vai...
Sailor V tem um vídeo-game que aparece em Sailor Moon, ideia do Artemis que ao perceber que sua pupila não treinaria ele cria o jogo para ela aprimorar suas capacidades. Brilhante! Futuramente no mangá de Sailor Moon o jogo serve para identificar as guerreiras. Isso aparece mais superficialmente no anime.
o Mangá brinca com a juventude japonesa, então temos a cultura dos idols, Minako sonha em ser uma e vive correndo atrás deles.
Também fala dos jogos eletrônicos e da forma física das japonesas: Em
um episódio as meninas começam a ser engordadas por uma vilã que deseja come-las. Artemis diz não querer uma Saior V gordinha e manda Mina para a academia. Ótima coisa para se ensinar a uma adolescente, não é mesmo?
Nem tudo são flores para a loirinha a policia não gosta de Sailor V em especial Toshio Wakagi, um policial pavio curto que acha que a mascarada está humilhando a polícia ao resolver os crimes.
Já sua sua chefe Natsuma Sakurada é uma tiete louca (assim como a Minako) e fã de Sailor V, a moça quer prender a marinheira, para entre outras coisinhas recruta-la para a polícia. Fica claro que Sakurada tem segundas intenções com a heroína.
Esse é um diferencial entre mangás, enquanto Sailor Moon foca na histórias das garotas Codinome: Sailor V amplia esse universo, mostrando o que aconteceria se uma heroína existisse entre nós.
Entre idas e vindas Minako enfrente de tudo desde idols endemoniadas até gangues de motocicletas, em determinado momento a trama para e Vênus enfrenta vilões baseados em animais, são os capítulos "Conspiração miau-miau", "conspiração do au-au" e "conspiração do chup-chup" - esse ultimo a vilã é um mosquito!
Eu falei sério quando disse que Sailor V é despretensioso, parece que o mangá se baseia no que a Naoko quer desenhar e não numa mitologia. Existe até uma versão do Tuxedo Mask, Ace o gatuno mascarado que interfere bem menos nas batalha, comparada com a Usagi a Minako é mais independente e dona do seu nariz. 
Lógico que a Minako apaixona-se pelo Ace, diferente do que vimos em Sailor Moon a mascarada decide virar fã dele. É sério isso.
Já vi muitas pessoas que não gostavam muito da Minako falando que depois de ler seu mangá mudarem de opinião, então, que tal dar uma chance?


Minako X Usagi


O rápido sucesso de Sailor V propiciou Sailor Moon, não surpreende a repetição da fórmula: uma heroína falha e cheia de defeitos. Porém as duas personagens possuem diferenças significativas:
Ambas são desajeitadas, preguiçosas, dorminhocas e não gostam de estudar, porém Usagi é mais delicada que sua predecessora. Vemos detalhes como coelhos em sua maleta ou coelhinhos estampados na fronha, um detalhe que a faz mais menina.
a feminilidade de Minako é mostrada de forma diferente, principalmente quando ela se transforma. Você nunca reparou na sensualidade de suas poses e dos seus golpes?
Ambas são geniosas, mas Minako supera de longe sua princesa no quesito "gênio do cão": A garota do laço tem paciência bem curta, ela chega a quebrar coisas quando não funcionam de imediato ou competir com crianças. 
Usagi é chorona, algo que Minako definitivamente não o é. A guerreira de Vênus é bem determinada e corajosa.
Ambas estão sempre correndo atrás de famosos bonitos, o que diferencia é a quantidade a garota da maria chiquinha até tieta, muito diferente da Minako que persegue os famosos (ela é uma stalker).
Essas semelhanças renderam duas ótimas piadas no anime: Na primeira temporada Mina solta o cabelo de sua amiga para penteá-los, percebemos que as duas parecem irmãs gêmeas, já na fase S quando Usagi é sequestrada Minako se veste como Sailor Moon.
Minako se disfarça de Sailor Moon

Tanto o anime como o mangá exploram as diferenças entre elas, uma das soluções foi amadurecer a Mina, o que faz sentido já que ela lutou sozinha por um ano. O que aconteceu na primeira temporada do anime, já nas temporadas seguintes temos a Minako de Sailor V.
Na fase R temos um episódio onde todas as guerreiras ficam doentes e Mina decide ajuda-las, porém ela só piora as coisas: destrói a casa da Makoto, vai até a casa da Rei e lhe serve uma sopa super quente, derrubando tudo na enferma,por fim destrói seu aparelho de som - o mesmo demorou para funcionar!
Expulsa a garota vai até acasa da Usagi, que devidamente avisada do perigo que é a amiga na cozinha pede para que Mina ajude sua mãe, grande erro a garota simplesmente destrói a casa da Usagi, habilidades domesticas zero.
Em outro episódio ela fica com inveja pois crianças do jardim de infância (de cinco anos, no máximo) preferem a Sailor Moon ao invés da Vênus, ai já viu né? Aguenta o gênio forte! Entre outras lambanças ela quase revela sua identidade secreta e acompanha as crianças tentando impressiona-las (que tipo de pessoa tenta impressionar crianças para se sentir bem? Minha querida Minako!).
Já no mangá Minako segue mais madura, ela entendeu sua missão de proteger a princesa. Enquanto que no anime as Sailors tem destaque igual no mangá a Vênus se sobressai.
Parece que a Naoko tentou se desculpar com Minako por tê-la renegado a coadjuvante, claramente ela é a Sailor mais importante das quatro defensoras.
Quando estão todas juntas é Minako quem dá a ultima palavra, quando uma delas deve tomar a frente quem aparece? Em ambas as mídias a Vênus é uma excelente guerreira, ela nunca fez nenhuma besteira em batalha. Na segunda fase do mangá quando as garotas foram sequestradas adivinhe quem derrotou seu inimigo e ficou ao lado da princesa para protege-la? Ela mesma.
Para terminar desde a época do Milenio de Prata a rainha Serenity determinou que a Vênus seria a líder das guerreiras. Nada mais justo, se não fosse por ela não existiria Sailor Moon. 


Codename: Sailor V foi lançado no Brasil em dois volumes pela JBC, a exemplo de Sailor Moon a qualidade e o cuidado da obra são excepcionais, até o fã mais chato aplaude o trabalho da editora brasileira.
Mesmo a publicação já tendo algum tempo o mangá é facil de achar, estando disponível em algumas bancas, no bairro da Liberdade (aqui em São Paulo), em sites de livrarias e no Mercado Livre. Vale muito a pena, veja detalhes aqui.

sábado, 1 de julho de 2017

Charlotte Mckinney

A Gata de Baywatch

Baywatch é sinônimo de garotas bonitas, seu remake de 2017 não poderia ser diferente, conheçam Charlotte, a nova loira de Malibu.
Natural de Orlando essa loira tem um corpo que é só diversão, assim sua escolha profissional, tornar-se modelo, não foi muito difícil e como acontece em Hollywood loiras de corpos esculturais migram para o cinema.
Nada modesta (ou extremamente realista, você escolhe) Charlotte define-se como "uma bomba sexual curvilínea, com seios gigantes", não é de se espantar o sucesso instantâneo da moça.
Muitas campanhas publicitárias de sucesso e capas de revistas (como a GQ e Maxim) depois a moça estreou nos cinemas, ou melhor no mercado de vídeo, no filme Joe Sujo 2, ela teve melhor sorte em Mad Families atuando com Charlie Sheen. Baywatch é sua grande chance, ela vai repetir nos cinemas o sucesso da carreira de modelo? 
Enquanto isso se deliciem com as fotos da moça.














Perfil
Altura: 171 cm
Busto: 86 cm
Cintura: 61
Quadril: 86 cm
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...