IX Anos de Os Deuses Mortos

Os Deuses Mortos Nove Anos

sábado, 23 de setembro de 2017

Freud: O homem


No dia 23 de Setembro de 1939 faleceu Sigmund Freud, pai da psicanálise e um dos nomes mais importantes do século XX. 
Esse post não tem a retenção de ser uma biografia rápida, mesmo porque biografias rápidas não são as ideais.
Se você quiser uma biografia de Freud recomendo uma das dezenas que dedicam-se a esse médico judeu que desbravou o inconsciente. Podendo escolher desde a autobiografia (sua autoanálise), passando por escritos de seus seguidores, chegando a sua biografia oficial, escrita por Ernest Jones, então presidente da Sociedade internacional de Psicanálise a IPA, existem aquelas realizadas por escritores que nunca o conheceram, inclusive nasceram após sua morte. 
Sua obra abrange 24 volumes, publicados em mais de 30 idiomas diferentes e 123 artigos, além de prefácios, intervenções, cerca de 15 mil cartas, um diário e outras publicações que ainda são encontrados. Fora os escritos inéditos queimados pelos nazistas. 
Por muito tempo a escrita freudiana esteve em domínio da Imago, que lançou a edição americana, o que significa dizer a versão traduzida para o inglês e depois traduzida ara o português, repleto de termos médicos. Uma edição sisuda e sem a poesia da pena freudiana. 
Felizmente desde 2011 diversas editoras vem publicando suas obras direto do alemão. Recomendo a Companhia das letras.

Uma Breve Biografia

Freud nasceu em 6 de maio de 1856, na atual República Tcheca batizado de Sigismund Schlomo Freud, posteriormente  mudaria seu nome para Sigmund, de família judaica, circuncidado ao nascer Freud recebeu uma educação judaica não convencional. 
Adorado pela mãe, que o chamava de "Meu Sig de ouro" e amado pelo pai, Freud possuía grande afeição por uma governanta católica que apresentou conceitos cristãos.
Irmão mais velho de oito crianças, Freud desde sempre demonstrou alta sagacidade e interesse pelos estudos, sendo o único filho a ter seu próprio quarto.
Os estudos de Freud determinavam a rotina de seus irmãos, enquanto estudava os demais estavam proibidos de fazer barulho. Freud estava sempre lendo.
 Na juventude Sigmund apaixonou-se Gisela Fluss, romance sem futuro. No ano de 1873 Freud ingressou na medicina e apaixonou-se pela biologia darwiniana, a teoria da evolução revelou-se um modelo para todos os seus trabalhos. 
Seus primeiros estudos foram sobre o sistema nervoso de enguias.
Um fato pouco conhecido é que o grande interesse de Freud sempre fora a pesquisa, movido por questões financeiras Sigmund passou a atender como clinico, sabendo que desta forma poderia apressar seu casamento com Martha Bernays (futura Martha Freud). 
Em 1885 Freud ganhou uma bolsa de estudos, válida para qualquer universidade da Europa, para a decepção de seus professores o prodígio optou por ir a Paris, estudar a hipnose sob a tutela de Jean Martin Charcot, lá Freud teve seu primeiro contato com as histéricas, o que deveria ser uma cura rápida (a hipnose) tornou-se uma experiência que posteriormente transformou-se na psicanálise. 
O fato é que Freud era péssimo hipnotizador e gradativamente foi abandonando o método em pró de outro tratamento a "cura pela palavra".

A Cura pela Palavra

Sua primeira experiência em ouvir seus pacientes
deu-se a partir da "Catarse" ou limpeza de chaminé, método já existente baseado na confissão católica, onde o paciente falaria sobre o que o incomoda, em tese e tal "confissão" traria alívio. 
Sabedor que este alívio é momentâneo Freud desenvolveu o conceito de "associação livre". Aqui o paciente deita-se no divã e fala tudo aquilo que lhe vier a mente sem preocupar-se se é importante ou coerente. Percebendo que tudo que era dito pelos pacientes estava relacionado Freud começou a moldar a psicanálise, experimentando o novo método em si mesmo. Se tivesse que existir uma cobaia, essa seria ele.
No ano de 1899 o mestre vienense publica seu mais célebre livro A Interpretação dos Sonhos rompendo definitivamente com o conhecimento da medicina e propondo um método próprio para alcançar o inconsciente, no qual Freud apresenta a ideia da sexualidade infantil.
A classe médica repudia suas ideias, Freud é vaiado, pessoas cospem no chão em sua presença e desviam de seu caminho para não andarem na mesma calçada. 
Seus pacientes o procuram como ultima alternativa, na mesma proporção em que veem os opositores, surgem seguidores e adeptos. Gradativamente a psicanálise vai tomando forma. 
Apesar de todas as críticas e ameaças Freud segue publicando até ser reconhecido internacionalmente, com um convite para explicar a psicanálise na América. Tal convite foi a resposta apropriada aos críticos.
Em 1936, durante a segunda guerra mundial, Freud considerou um avanços seus livros terem sido queimados, afirmando que em épocas antigas eram os autores quem iam para fogueira. Com a ascensão do nacional socialismo os psicanalistas se espalharam pelo mundo fazendo a psicanalise persistir. 
No Brasil o governo fascista de Getúlio Vargas impediu a entrada destes analistas. Já Freud permaneceu em Viena crente de que seu nome o manteria vivo, ledo engano. Marie Bonaparte, princesa da Grécia e sobrinha-neta de Napoleão salvou sua vida, comprando sua liberdade junto aos nazistas, o pai da psicanálise mudou-se para Inglaterra onde viveu por quase dois anos. 
Sofrendo com um câncer na boca Freud pediu permissão para sua filha, Anna Freud, para morrer. Decisão tomada após seu fiel companheiro Lün, um cachorro da raça Chow, afastar-se de Freud devido ao cheiro exalado pela doença. 
As três horas da manhã, do dia 23 de Setembro de 1939 Max Schur, amigo intimo, lhe aplicou três centigramas de morfina embalando Freud nos braços da Thanatos. 
Suas cinzas repousam no crematório de Golders Green. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...