Os Deuses Mortos - Nove Anos

Os Deuses Mortos - Nove Anos

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Robert Englund

Marcado como um ícone do terror Robert Englund é um cara legal, que adora jogar conversa fora, sempre muito receptivo e carinhoso com os fãs, um apaixonado por cinema que parece um lorde inglês, apesar de ter nascido na Califórnia.
Aproveitando a proximidade do Halloween resolvi por em prática um projeto antigo: escrever sobre esse ícone do terror, merecedor de todo o nosso respeito. Esse projeto é tão antigo que foi uma das primeiras ideias que tive para um post, procrastinei por oito anos.


Era uma vez... Han Solo

O cinema poderia ter sido bem diferente se Robert tivesse sido aprovado no teste que fez para o papel de Han Solo em Star Wars, caso tivesse agradado George Lucas dificilmente Robert teria aceito o papel de Freddy Krueger - que ator gosta da ideia de ficar escondido sob forte maquiagem em um filme de baixo orçamento?
Por sua vez Han não teria o tom cafajeste que que Harrison Ford emprestou a ele, Star Wars poderia não ter feito tanto sucesso; o mesmo pode ser dito de A Hora do Pesadelo, sem Robert não existe Freddy Krueger. Impossível seguir com essa divagação.
Se Robert não conseguiu o papel estrelar em 1981 ele esteve em Galáxia do Terror, uma produção de
Galáxia do Terror
Roger Corman (o rei do trash) que tenta pegar carona na onda SCI-FI e cria um filme interessante, hoje mais lembrado ´pela cena onde um verme gigante estupra uma loira peituda, ah... os anos oitenta!

Robert demorou um pouco para fazer sucesso, foram pequenos papeis como esse em Galáxia do Terror ou Os Mortos Vivos, também de 1981 e olha que ele já havia protagonizado Devorado Vivo de Tobe Hooper, em 1976, quem não ligou nome a pessoa Hooper dirigiu O Massacre da Serra Elétrica anos antes.


Pesadelos

Hoje A Hora do Pesadelo é uma franquia de sucesso e a personagem Freddy Kruegger um ícone pop. Mas nem sempre foi assim, basta assistir aos dois primeiros filmes da franquia para perceber que estamos diante de baixíssimo orçamento.
Já falei dessa franquia aqui, resumindo Wess Craven teve a ideia da personagem e arrecadou do estúdio - New Line Cinema (um braço da Wharner) - US$ 1.8
milhões para filmar, precisando economizar o cineasta recrutou jovens atores ou ilustres desconhecidos. Um deles foi Robert.
A Hora do Pesadelo arrecadou US$ 25.5 milhões apenas nas bilheterias americanas, para época (1984) uma enormidade. O que gerou suas sequencias, alçou Freddy ao status de ídolo e Robert ao de estrela do terror.
É visível a melhora da qualidade dos filmes, digo no aspecto financeiro, eles são mais bem acabados, revelando o sucesso da franquia. Só para comparar Freddy Vs Jason custou US$ 25 milhões de dólares, arrecadando US$ 114 milhões.
Você sabe quais os filmes da franquia são os preferidos do Robert? Segundo ele O primeiro de 1987 e o Retorno de Freddy de 1994, por terem sido dirigidos por Wes Craven; ele também gosta de A Hora do Pesadelo 3: Os guerreiros dos Sonhos de 1987 (roteiro de Craven) e A Hora do pesadelo 4: O Mestre dos Sonhos de 1988, pela continuidade.
O Ultimo Pesadelo: A Morte de Freddy, criticado pelos fãs contém a morte preferida do ator - Um rapaz com problemas de audição coloca um aparelho de surdez enviado pelo Freddy, que faz os sons se ampliarem. O assassino começa a arranhar uma lousa (ou quadro negro) até a cabeça do jovem explodir,


Muito além do Freddy

Conhecido como o mestre dos pesadelos a carreira de Robert Englund tem mais de quarenta filmes na carreira, entre os anos oitenta e noventa o ator se consagrou como ícone dos filmes de horror.
Na maioria ele viveu assassinos/vilões como Noites de Terror (1993); Dança Macabra (1992) e O Fantasma da Ópera (de 1989), muitas vezes reprisando seu vilão piadista - que inspirou dezenas (para não dizer centenas) de assassinos que fazem gracinhas, mas não chegam aos seus pés.

Outras vezes ele desfrutou da fama mostrando a cara, sendo coadjuvante como em O Mestre dos Desejos de 1997, uma produção de Wes craven, onde Robert interpreta um especialista em arte antiga que dá mais valor as peças descobertas do que a vida humana.
Outra aparição divertida foi em Lenda Urbana de 1998, aqui ele dá vida a um professor de folclore, em meio a matanças de universitários tendo como base lendas urbanas. Não vou falar mais para não estragar a surpresa de quem não viu.
Robert chegou a se aventurar na direção, ficando a cargo de Força Demoníaca. Para ser gentil ele é mais eficiente na frente das câmeras. Não que o filme tenha sido mal dirigido, mas ele ficou chato, esse é um adjetivo que definitivamente não combina com Robert.
Em meio ao horror destacam-se produções inusitadas, quando se pensa em sua carreira como: O Guarda-Costas de 1976 (não confundir com o filme de Kevin Costner, esse é protagonizado por um ainda desconhecido Arnold Schwarzenegger). O Canal 21 costumava reprisar esse filme ruim.
Ele também esteve nas Comédias Coração de Papel de 1996 e Os Irmãos Id & Ota de 1998, além da aventura Caravana de Intrépidos de 1977 estrelado por Henry Fonda.
O diretor com que Robert mais trabalhou foi Tobe Hooper, falecido esse no, ao total foram 4  filmes: Devorado Vivo (1976); Noites de Terror (1993);  Mangler: Grito de Horror (1995) e A Dança dos Mortos (2005).


Brincando com a Fama


O Século XXI trouxe a tona a geração do saudosismo, Robert embarcou de cabeça na brincadeira e vem se divertindo entre homenagens e reprises de seu vilão:
Em 2005 ele deu vida a um general sulista que assassina forasteiros do norte em 2001 Maníacos; Já em 2008 ele viveu o dono de uma casa de streaptease que explora dançarinas zumbis no sugestivo As Strippers Zumbis, com direito a estrela pornô Jenna Jameson vivendo uma virginal moça do interior que precisa tirar a roupa por dinheiro.
Robert foi a primeira vítima em Terror no Pântano de 2006, filme que homenageia as produções oitentistas (que teve mais duas sequencias) e atuou no divertido Strippers Vs. Werewolves de 2012, para quem não entendeu o título Werewolve é lobisomem em inglês.
Atualmente com 70 anos o ator não dá pistas de que vai se aposentar, em 2017 esteve em Nightworld, um suspense/terror inglês sobre investigadores paranormais que vão a uma casa assombrada.
Que tal escolher um ou dois de seus filmes e fazer uma sessão nesse Halloween? Afinal Robert Englund é muito mais que um cara queimado de suéter lusitano e garras afiadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...