IX Anos de Os Deuses Mortos

Os Deuses Mortos Nove Anos

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Supergirl

Continuando a comemoração dos oitenta anos do Superman chegou a vez de falar de sua prima: Kara-Zor El, mais conhecida como Supergirl.
Historicamente a Supergirl sempre foi uma personagem secundária, criada em 1958, fruto de um desejo de Jimmy Olsen, querendo uma ajudante para o Superman - um adolescente deseja uma garota por motivos unicamente altruístas, sei...
Muita água passou por debaixo da ponte e a garota de Krypton chegou a ser um problema, ninguém sabia o que fazer com ela, chegando a ser escanteada, foi para o futuro e chegou a ser morta pela DC, durante a crise nas Infinitas Terras, onde a editora enxugou seu cast.


Apocalipse

Em uma das reinvenções do universo DC a Supergirl ganhou o respeito que merece em uma história publicada pouco depois do término da saga de Luthor presidente.
Batman descobre uma chuva de meteoritos, esses em sua maioria são kryptonitas, Kal-El acompanha de longe, em sua Fortaleza da Solidão. Junto aos destroços o morcego encontra uma nave.

A partir desse momento ocorrerão alguns spoilers sobre o surgimento da Supergril, republicado em graphic novel ano passado, vocês foram avisados.
Clark logo descobre que a nave veio de Krypton, Batman fica cabreiro, acreditando ser uma armadilha. Bruce conhece o ponto fraco de seu amigo: a solidão de ser o último de sua raça, um estrangeiro perpétuo.
Da nave surge uma loirinha agitada falando kryptoniano que destrói parte da fortaleza (e dá uma surra no Batman), Superman faz o que ele faz de melhor ilumina o caminho da garota e a acalma, ouvindo sua história.
Quando Krypton estava prestes a explodir o tio de Kal-El (pai de Kara) observara seu irmão enviar o primogênito e lança outro foguete logo em seguida, contendo sua filha com a missão de proteger Kal-El, porém esse foguete foi preso pela Zona Fantasma e a garota vagou por anos em uma zona onde o tempo não existe.
Quem assiste a série Supergirl já sabe dessa parte, nesse ponto o seriado é bem fiel a mitologia.
Clark ensina o inglês para Kara e praticamente a adota.
Porém a garota está se acostumando com seus poderes; ela foi criada em Krypton, uma cultura xenófoba que prega abertamente sua superioridade.
Para piorar Superman está tão feliz que abaixou completamente sua guarda, ficando vulnerável. É ai que outra heroína aparece, a Mulher Maravilha.
A Amazona quer levar Kara para Temiscera, alegando que a garota é uma ameaça, essa fala quase provoca uma guerra civil entre Superman e as amazonas. Mas Kara aceita, ela gosta da ideia de viver em um lugar onde pode explorar seus poderes sem restrição e ainda aprender a lutar.
O problema é que outro ser está de olho em Kara: Darkside. A partir daqui eu não falo mais nada, recomendo que você leia Superman/Batman: Supergirl ou assista Batman/Superman: Apocalipse, animação que adapta esse arco, vale muito a pena.


Krypton 2


Supergirl tem papel fundamental em outra grande saga, a última antes da DC reestruturar seu universo criando os Novos 52.
Na trama Superman tem um confronto com Brainiac (um super computador kryptoniano, criado com a função de preservar o conhecimento), algo deu errado e o computador, e esse passou a encolher cidades, guarda-las em garrafas e destruir seus mundos.
Superman encontra a cidade engarrafada de Kandor e atrás para Terra. Mais uma vez a partir daqui teremos spoilers.
Superman cria um novo mundo e descobre que seus governantes são os pais de Kara, vivos, o que deixa a garota eufórica. De tanta alegria Supergirl não percebe as implicações de um planeta dividindo nossa órbita, onde todos os habitantes tem os poderes do Superman.
A mãe de Kara revela-se uma ditadora fria e calculista, ela libera Zod da Zona Fantasma e o declara protetor oficial de Kandor, logo as tensões sobem, Kal-El mude-se para o novo planeta tentando evitar a guerra.   
Parte dessa saga foi adaptada na animação Superman: Sem Limites, que adapta parcialmente essa saga e é uma das melhores animações da DC.


Renascimento

Assim como outras personagens da DC a Supergirl
Supergirl Renascimento
também renasceu, em uma trama próxima as suas origens e a série de televisão. Com Kara vivendo em National City, auxiliando uma organização a enfrentar seres poderosos.

O primeiro número começa muito bem, nos dizendo que a loirinha vai pagar pelos pecados de seus pais, mais especificamente seu progenitor.
Ainda em Krypton Zor-El (pai de Kara) sentencia um inocente, graças a uma doença provocada pela kryptonita vermelha, seus apelos são em vão... antes que alguém reclame isso não é um spoiler, mas sim o primeiro quadrinho da revista.
Supergirl Renascimento número 1 foi lançado encadernado aqui no Brasil, provavelmente no embalo da série, que é muito legal e vai ganhar um post próprio.
Vemos Kara vivendo em seu disfarce, estudando em uma escola expecializada em ciência, disfarçada de nerd sem graça sua revista lembra muito as antigas histórias do Superman.
Enquanto o Renascimento do Superman o mostra tendo uma vida pacata, com enfoque familiar a Supergirl vai dando conta de inimigos barra pesada, De cara ela encara uma vingança Kryptoniana e um Superman Androide.


Desastres e Sex Symbol


Historicamente a Kara enfrenta uma série de problemas, unicamente por ser prima do escoteiro azul, apesar de carregar o símbolo da casa dos El ela é bem diferente do maior herói de todos os tempos.
Para começar a moça não foi criada na Terra, não teve um casal paciente e amoroso que a auxiliasse no lento desenvolvimento de seus poderes. Assim sendo ela não tem tanta noção de responsabilidade.
Clark foi criado com seu pai terrestre, Jhonatan, dizendo "cuidado com seus poderes"; "você não é superior a ninguém por causa deles"... Kara não, ela não tem os ensinamentos do Kansas ou o ombro amigo sempre que erra.
Imagine um Superman esquentadinho e imprudente. Essa é a Supergirl! Em uma história ela destrói Paris só porque uma colega heroína fala algo que ela não gosta. A moça é absolutamente incapaz de levar um desaforo para casa.
Não é de se espantar que ela queira sair da sombra de seu primo e provar que é uma heroína, o que a coloca em muita confusão, muitas delas seu primo tem que resolver. Felizmente Clark reconhece que sua prima não teve a mesma sorte que ele e tenta repicar a paciência e o amor que Jhonatan Kent teve por ele.
A Supergirl possui uma legião de fãs... rapazes libidinosos que não pensam duas vezes antes de lançar uma cantada na moça. Que muitas vezes gosta.
O problema é... como ser levada a sério sendo um sex symbol? Seu primo passou por algo parecido, muitas mulheres são apaixonadas pelo azulão.
Fora dos quadrinhos Kara também é uma musa da DC, por ser uma das heroínas mais novinhas e ter um parafuso a menos ele é facilmente colocada em situações picantes.
A coisa piora quando ela conhece a Poderosa, Kara-L, sua versão de outra dimensão que vive entre nós. A Poderosa é mais madura, mais "desenvolvida", mais velha e mais forte que ela. Em outras palavras a Poderosa consegue salvar o mundo sem destruir parte dele. 
Como você pode perceber ser a Supergirl não é a coisa mais fácil do mundo, duramente criticada e comparada ao primo essa garota luta para provar seu valor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...